“No hay martir” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

LULA deveria agradecer a Deus, ao Destino ou ao Acaso, por ter sido preso e apartado da sociedade.

Eu temia por ele, caso seguisse livre, leve, solto, e instigador. Apesar de tudo, simpatizo com o velhinho da voz robótica de câncer de laringe.

Pense em Ceausescu: se o ditador comunista da Romênia tivesse descido do trono após, digamos, 10 anos, teria ido embora consagrado, carregado nos braços do povo.

Mas quis ficar a vida inteira sentado no troninho. Vacilou: perdeu a chance de sair enquanto era tempo. Quando se deu conta que era melhor vazar, pegar um helicóptero e fugir, era tarde demais. Interceptaram o casal. Fuzilaram o casal. Bem feito.

O PT, do senhor Lula, pretendia ficar sentado no troninho durante 50, 80, 100 anos. Quem aprecia esta ideia? Sorte a nossa que não continua no troninho, caiu do cavalo…

Ficar no troninho durante 100 anos, graças a quê? À popularidade? À eficiência? À bolsa-pão-e-circo? Não, é o “jogo democrático” hahahahaha. Graças a mensalão, a golpe parlamentar, à cooptação monetizada de agentes públicos!

O PT inventou a corrupção brasileira? Óbvio que não. Mas surgiu prometendo que acabaria com ela. E o que fez foi levá-la to the next level.

Quem aprecia a Venezuela, do senhor Maduro (ex-chofer do Chávez, este sim, muito mais inteligente)? Deus me livre, longe daqui a Venezuela.

Eu quero Lula vivo, exijo que ele viva e morra (velhinho, tranquilo) de morte natural: odeio mártires