“Sobre música e pensamento musical” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Primeiramente, à merda aqueles que gostam da distinção entre cultura (e música) “superior” e “popular”;

Estabelecer a divisa entre almas musicais e não-musicais; umas, dançantes, outras, decepcionantes; amar estas e evitar aquelas;

Rir de si mesmo, de Deus e do Diabo, do fato de ter nascido; cantarolar, escarnecer, rir, chorar, dançar, tremer, ensaiar passinhos, desafinar, desmaiar, acordar, começar tudo de novo;

Deplorar (e rir de) quem advoga em nome da cultura superior em oposição à “popular”; repudiar quem defende a música de câmera em detrimento da música de bordel;

Amar a música enquanto tal (não importa o estilo), o ritmo, a melodia, a vibração, a repercussão no corpo, a execução de cada instrumento (individualmente ou em conjunto); a buzina, o grito do vizinho, o funk ostentação, o grilo no mato, o avião que passa;

Saber aproveitar-se da música (qualquer uma, não importa) como motif, inspiração, paradigma de pensamento; esgotar a paixão musical, repetir centenas e milhares de vezes uma mesma canção ou composição (Bach ou Bon Jovi) até esgotá-la, pegar nojo dela, e torná-la um modelo rítmico de pensamento e de escrita;

Amar o brega; o populacho, o “inferior”, o sujo, o feio, o ruidoso —  “ascese” (educação) musical; odiar o chic, o elegante, o pomposo, o “superior” — décadence envernizada, cheirando a naftalina, impostura e superstição. (Como bem disse Baudelaire, metade do belo é o eterno, imutável, divino, etc.; a outra metade é efêmera, transitória, profana, etc. Todo o contrário de um Scruton, o Lord Piegas, que pensa que, desde Duchamp, a arte morreu, e cujo conceito do belo é a arte sacra.);

Tirar um aprendizado metafísico de um show da Célia Cruz;

Fugir dos puristas, dos humanistas, dos crentes, dos filantropos e dos educadores; à merda com o “Belo” e o “Bem”….

Não reconhecer senão a Música como única “realidade” (só a Música pode cantar que “a vida é um carnaval“).

Um comentário sobre ““Sobre música e pensamento musical” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Sugestões? Críticas? Contribuições? Deixe aqui o seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s