“Algumas observações sobre a gnose camusiana” (Monalisa Carrilho)

Dia primeiro de maio de 1954. Camus está na Grécia e escreve em seu caderno:

Bem cedo pela manhã, saída para a Argólida. Costa do golfo coríntio.Um a luz dançante, aérea, contente, inunda o golfo e as ilhas ao largo. Paramos ummomento na borda da falésia, e toda a imensidão do mar diante de nós, presenteadanuma única curva onde nós bebemos a luz e o ar com grandes goles. Após uma hora deestrada eu estou literalmente inebriado de luz, com a cabeça cheia de cacos e gritossilenciosos, e, no meio do coração, uma alegria enorme, um riso interminável, riso doconhecimento; depois disso qualquer coisa pode acontecer e tudo é permitido (Carnets 3, p. 162-163).”

O júbilo do conhecimento, o silêncio e o riso, o mar e a luz, foi exatamente essa a atmosfera que me envolveu ao começar esse trabalho. O impacto de releitura de Camus me atingiu como um soco, quando abri ao acaso meu exemplar adolescente do Círculo do Livro, “Núpcias, O Verão” e me deparei com frases como “o espetáculo de uma beleza onde, apesar de tudo, morrem os homens (p.48). Ou “que harmonia mais legítima pode unir o homem à vida do que a dupla consciência de seu desejo de duração e de seu destino de morte?”. Isso e tanto mais. Confesso que tive dificuldade de aportar no capítulo acadêmico sobre a gnose que tinha escolhido por ser tão acadêmico, técnico,quase árido não se tratasse de Camus. A sorte foi a Gnose. Lembrei do belíssimo ensaio de Jacques Lacarrière sobre os Gnósticos e também reli. O que vou tentar dividir com vocês agora é o resultado do prazer dessas releituras. O meu fio de Ariadne foram as ressonâncias que iam surgindo entre Camus e os Gnósticos, bem além da monografia.

Silêncio e Abismo. Natureza e história. Revolta e limite. Poder e transgressão. Lucidez e ebriedade. Sizígias. Pronúncia incômoda: si-zi-gias. Talvez comece por aqui.Na cosmologia gnóstica, no início havia o Silêncio ou Abismo, éon fonte de todos os éons que alguns chamavam Deus. Ele cria uma Díade ou Sizígia, Espírito e Verdade que vão criar o Verbo e a Vida. Verbo e Vida vão engendrar, por sua vez, Homem e Igreja. Espírito e Verdade emanam ainda dez éons formando uma década enquanto Homem e Comunidade engendrarão, por sua vez, doze éons formando uma dodécada. A reunião de todos esses éons constitui a Plenitude que na linguagem de Valentino é o Pleroma… [+]

Deixe aqui suas impressões, comentários e/ou críticas. Deja aquí sus impresiones, comentarios y/o críticas. Leave your impressions, comments and/or critiques here. Laissez ici vos impressions, commentaires et/ou critiques. Lăsați-vă impresiile, comentariile și sau recenziile aici. Lascia qui le sue impressioni, commenti e/o recensioni.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s