“Aquele que, por distração ou incompetência, detiver, ainda que só por um momento, a marcha da humanidade, será seu salvador.”

Cioran, Silogismos da amargura (1952)

Temos fôlego para acompanhar os relógios apressados dos dias de hoje? O tempo dos relógios e calendários continua o mesmo, mas a nossa vida parece mais acelerada. Neste Café Filosófico, a psicanalista Maria Rita Kehl fala da relação entre aceleração e depressão, discutindo as patologias do tempo provocadas em nós pela velocidade acelerada do mundo de hoje.