COMO CERA sob o calor do sol, derreto-me durante o dia e solidifico-me à noite, alternância que me decompõe e me restitui a mim mesmo, metamorfose na inércia e na preguiça… Aqui devia acabar tudo o que li e soube, é este o termo de minhas vigílias? A preguiça embotou meus entusiasmos, enfraqueceu meus apetites, enervou minhas raivas. Quem não se deixa levar parece-me um monstro: esgoto minhas forças no aprendizado do abandono e exercito-me no ócio, opondo a meus caprichos os parágrafos de uma Arte de Apodrecer.

Por toda parte, pessoas que querem…; mascarada de passos precipitados na direção de fins mesquinhos ou misteriosos; vontades que se cruzam; cada qual quer; a multidão quer; milhares de pessoas tensas rumo a não sei o quê. Não poderia segui-las, ainda menos desafiá-las; detenho-me estupefato: que prodígio insuflou-lhes tanto ânimo? Mobilidade alucinante: em tão pouca carne, tanto vigor e histeria! Estas bactérias que nenhum escrúpulo acalma, nenhuma sabedoria apazigua, nenhuma amargura desconcerta… Desafiam os perigos com maior facilidade que os heróis: são apóstolos inconscientes do eficaz, santos do Imediato…, deuses nas feiras do tempo…

Afasto-me deles e deixo as calçadas do mundo…

– Entretanto, houve um tempo em que admirava os conquistadores e as abelhas, em que estive prestes a esperar; mas agora, o movimento me aterroriza e a energia me entristece. Há mais sabedoria em deixar-se levar pelas ondas do que em debater-se contra elas. Póstumo a mim mesmo, lembro-me do tempo como de uma criancice ou uma grosseria. Sem desejos, sem horas nas quais fazê-los surgir, só tenho a certeza de haver sobrevivido desde sempre, feto corroído por uma idiotia onisciente antes mesmo que suas pálpebras se abrissem, e aborto de clarividência…

CIORAN, E. M., Breviário de decomposição. Trad. de José Thomaz Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

Um comentário sobre ““Disciplina da atonia” (E.M. Cioran)

Os comentários estão desativados.