Entrevista: Fernando Klabin e a tradução do romeno

EMCioranbr – Você é um brasileiro fluente em romeno, tradutor juramentado e tudo mais. Isso não é muito comum. Permita-me perguntar: como “chegou” à Romênia, à língua romena. Como se deu esse encontro? FK – Na verdade, mais correto seria dizer que a Romênia “chegou” até mim, abraçando-me numa espécie de acidente de percurso. Devido…

Leia mais

“Cioran e os caminhos do taoísmo” (Victoria Monteiro)

Colunas Tortas Embora a opção por seguir uma doutrina oriental seja apenas mais uma face de nossa avidez pelo absoluto, Cioran vê, no taoísmo, o ideal de sabedoria e libertação dos sofrimentos que decorrem da lucidez, sem contudo aderir a ele. O autor reconhece: trata-se de um ideal inatingível, já que é contrário à nossa…

Leia mais

Lev Shestov (Leandro Marcio)

Existencialista russo, cuja obra permanece inédita no Brasil, criticou a filosofia especulativa e pensou em Deus como absurdo. “Shestov, de quem fiz reeditar As revelações da morte, quando fui nomeado, durante alguns meses, diretor de uma coleção na editora Plon, desempenhou papel importante na minha vida. Mantenho-me fiel a ele, apesar de não ter alcançado a…

Leia mais

“Tragédia sem redenção: o pessimismo absoluto de Julius Bahnsen” (Flamarion Caldeira Ramos)

Revista Voluntas – Estudos sobre Schopenhauer, vo. 6, no. 2, 2o semestre de 2015. Resumo: Trata-se neste texto de apresentar a filosofia de Julius Bahnsen (1830-1881), cuja teoria é uma tentativa de conciliar a filosofia da vontade de Schopenhauer com a dialética de Hegel, o que resultou na elaboração de uma dialética real (Realdialektik), uma espécie…

Leia mais

“Estilhaços digressivos: experiências de um leitor imerso nas ruínas narrativas de Shmuel Yosef Agnon” (André Folador)

A tentativa de definir um tema para este trabalho me parece um tipo de profanação da complexidade do romance Hóspede por uma noite e das insondáveis intenções estéticas e filosóficas de Sch. I. Agnon. Em vez de demarcar um tema, pretendo estabelecer uma soma de reflexões (conexas e possivelmente desconexas) e, seguindo a trilha que…

Leia mais

“Emil Cioran e Harold Bloom: afinidades espirituais” (Rodrigo I. R. Sá Menezes)

Je suis spirituellement, et géographiquement, un bogomile. Cioran, Cahiers : 1957-1972 Um nunca mencionou o outro, ainda que seja improvável que não soubessem da existência um do outro; alguns silêncios são significativos – dizem mais do que todas as palavras juntas. No entanto, as afinidades entre o crítico literário norte-americano e o filósofo romeno de expressão…

Leia mais

“Fracasso e mística – a propósito de Cioran” (Roberto Câmara Zarco)

PROMETEUS – Filosofia em revista (Universidade Federal de Sergipe), ano 6, no. 12, julho-dezembro de 2013. Texto integral em PDF: [link] RESENHA CRÍTICA: FRACASSO E MÍSTICA – A PROPÓSITO DE CIORAN (CIORAN, E. M. Lacrimi și sfinți. Bucareste: Editura Humanitas, 1992). Dr. Roberto Câmara Zarco (Universidade Federal Fluminense) Metodologicamente, o estudo filosófico da obra do…

Leia mais

“Os terrores e delícias de uma alma demasiado musical: O Livro das Ilusões, de Emil Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O Livro das Ilusões deixa transparecer uma experiência densa e dolorosa, temperada por elãs líricos e transes místicos. Um caminhar fragmentário e extático revela um jovem leitor de Nietzsche fascinado ora por Barrès, ora por Gide. José Thomaz BRUM Se leio tanto, é na esperança de um dia encontrar uma solidão maior do que a…

Leia mais

“Bogomilismo: uma heresia sonhada” (Lucian Blaga)

FÂRTATE E NEFÂRTATE[1] [1] N. do T.: Regionalismo romeno para “irmão de sangue” e “inimigo”, “não-irmão”, “diabo” As heresias bogomilas, férteis a seu modo, caíram meio casualmente na área habitada pelos romenos, caíram como sementes de dente-de-leão cujo destino foi controlado pelo vento. Temas desse tipo foram trazidos de regiões ao sul do Danúbio para…

Leia mais

Euler Santi assina o texto, dirige e atua em ‘Palestra sobre o Nada’

Globo Teatro, 23/04/2013 O monólogo se propõe a desconstruir valores e conceitos vigentes No tempo das palestras motivacionais, o ator e diretor Euler Santi decide falar sobre o nada. Inspirado na obra de um dos maiores pensadores do século XX, o franco-romeno Emil Michel Cioran, ele promove uma quebra de valores estabelecidos na sociedade e…

Leia mais

“O filósofo confrontado com a (i)mortalidade da alma Uma análise do Fédon de Platão à luz de Hans-Georg Gadamer” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A morte tem sido, desde os primórdios da filosofia, um tema de reflexão recorrente. Que significa morrer? Que podemos esperar da morte? Nada? Algo? O quê? Naturalmente, a morte implica incerteza, medo, angústia, muitas vezes tristeza e luto. Neste sentido, percebe-se como o problema da morte se articula com a vida e, entre ambas, com…

Leia mais

“Palestra sobre nada” e história da Romênia na PUC-SP

No dia 25 de outubro de 2013, foi realizado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) um evento consistindo na apresentação do monólogo “Palestra sobre nada” de Euler Santi e numa conversa informal com Fernando Klabin (tradutor do romeno, tendo sido o responsável pela publicação, no Brasil, de autores romenos como Emil Cioran, Mircea…

Leia mais

“A evolução do pensamento cético” (Paulo Piva)

Desde a Grécia Antiga, com a escola pirrônica, as idéias do ceticismo foram debatidas e combatidas, com importante papel nas transformações da Filosofia moderna Artigo publicado no portal Ciência e Vida Passamos a entender um pouco melhor o ceticismo filosófico e a perceber o quanto Sócrates, o patrono da filosofia e mestre de Platão, era…

Leia mais

“Quando a memória sai de cena: Cioran por Matéi Visniec” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

RESENHA: Desvãos Cioran ou Mansarda em Paris com Vista para a Morte. São Paulo: É Realizações, 2012. Um passeio por Cioran Diz-se que certo dia, no início da década de 90, Cioran saiu da editora Gallimard e, pretendendo voltar parar casa, se esqueceu de onde morava. Era o Alzheimer que chegava para precipitar seu crepúsculo em direção…

Leia mais

Javé não é amor (Harold Bloom)

NA VERDADE, o cristianismo e o islamismo, bem como as religiões asiáticas, herdarão a Terra que restar, que sobreviver ao ataque ao meio-ambiente perpetrado pela plutocracia norte-americana. Sou levado a concluir que Javé partiu em exílio voluntário, abandonando a Antiga Aliança, e se encontra no espaço sideral, amargando o desamor. […] Não faz muito sentido…

Leia mais

“Cioran e Schopenhauer: duas visões romenas” (José Thomaz Brum)

Ethic@ – Revista internacional de Filosofia da Moral, Universidade Federal de Santa Catarina, v. 11, n. 2 (2012). RESUMO: Este artigo pretende apresentar dois diferentes pontos de vista sobre os ecos schopenhauerianos nas obras de Emil Cioran (1911-1995). Palavras-chave: Cioran. Schopenhauer. Marta Petreu. Ciprian Valcan. ABSTRACT: This article aims to present two different points of view on…

Leia mais

“Uma vida de exercícios: a antropotécnica de Peter Sloterdijk” (Franz J. Brüseke)

Rev. bras. Ci. Soc. vol.26 no.75 São Paulo, Feb. 2011 [html] No seu mais recente livro, Você tem que mudar sua vida!, Peter Sloterdijk anuncia a virada antropotécnica (Sloterdijk, 2009). Partindo da percepção que o próprio homem geraria o homem, ele se volta imediatamente contra posições semelhantes que apontam o trabalho, a comunicação ou a interação como veículos desta autoprodução…

Leia mais

“Cioran gnóstico – ou o último dos bogomilos (I)” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Agnes — Cadernos de Pesquisa em Teoria da Religião (CRE/PUC-SP), no. 7, 2º sem. de 2007. | PDF Resumo: O objetivo deste artigo é apresentar alguns dos aspectos centrais da vida e do pensamento de Cioran, mostrando como, apesar de suas tendências ateísticas e niilistas, existe nele um âmbito essencialmente religioso de reflexão. A dimensão…

Leia mais

“O segundo nascimento de Cioran” (Manuel da Costa Pinto)

Folha de São Paulo, 29/05/2011 Primeiro livro em francês e “História e Utopia” celebram centenário do pensador romeno O dia 8 de abril marcou os cem anos de nascimento de Emil Cioran. Os dois relançamentos que comemoram a data, porém, sugerem que o filósofo romeno, morto em 1995, teve um segundo nascimento, ao trocar a…

Leia mais

“Resenha: O Deus exilado – breve história de uma heresia, de Marilia Fiorillo” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

REVER, Revista do programa de pós-graduação em Ciências da Religião da PUC-SP, março de 2009 Resenha do livro: FIORILLO, Marilia. O Deus Exilado – Breve História de uma Heresia. São Paulo: Civilização Brasileira, 2008. ISBN: 978-85-200-0832-4, 288 pags. Se admitirmos que o Novo Testamento não é uma carta-patente celestial, e que a doutrina cristã era,…

Leia mais

“A filosofia irritada: última entrevista com Cioran” (Reynaldo Damazio)

Pouco antes de morrer em Paris, em junho de 1995, o filósofo romeno Emile Michel Cioran deu esta entrevista ao escritor alemão Heinz-Norbert Jocks, publicada no nº 5 da revista Kulturchronik, editada em Bonn pela InterNationes. Apresentamos os trechos mais importantes desta conversa em que o autor de “Silogismos da Amargura”, “Breviário da Decomposição” e…

Leia mais

Entrevista com Vincent Piednoir: tradutor e estudioso francês de Cioran (Bolívar Torres)

O jornal O Globo de 25/06/2011 traz o seu caderno Prosa & Verso dedicado a Cioran, que aparece estampado na capa com o título: “Festa para o pessimista”. O jornalista Bolívar Torres escreve sobre as homenagens preparadas na França para o centenário de nascimento de Emil Cioran. Uma exposição, livros de ensaios, um volume de…

Leia mais

“A insônia da razão”: Entrevista com Michael Jakob

Emil Cioran, o filósofo do desespero e do não-sentido da existência, fala sobre sua trajetoria intelectual em entrevista a sair este ano na França. Em 17 de fevereiro de 1995, o extinto caderno Mais! da Folha de São Paulo faria um dossiê sobre Cioran, pouco antes de seu falecimento. A matéria saiu a título do…

Leia mais

“Há dez anos morria Emil Cioran, o filósofo do nada” (Paulo Jonas de Lima Piva)

Discutindo Filosofia no. 2, ano 2005, páginas 24-27. Conhecido como filósofo do nada, o romeno Emil Cioran produziu uma obra carregada de fina ironia e tiradas polêmicas Muitas são as tentativas de definir o pensamento estilhaçado, iconoclástico e desconcertante do pensador romeno Emil Mihai Cioran. Rei dos pessimistas, o niilista por excelência do século XX,…

Leia mais