“Trickster” (Paul Radin)

Few myths have so wide a distribution as the one, known by the name of the Trickster, which we are presenting here. For few can we so confidently assert that they belong to the oldest expressions of mankind. Few other myths have persisted with their fundamental content unchanged. The Trickster myth is found in clearly…

Leia mais

“Lógica do Pior”, prefácio à edição brasileira (Clément Rosset)

Aqueles de meus amigos que tiveram a ocasião de estadiar no Brasil retornaram todos com o mesmo sentimento dominante: de uma excepcional animação e alegria de viver, junto a um sentido agudo do desastre e da catástrofe iminente. Eu experimentei pessoalmente esse mesmo sentimento assistindo ao belíssimo filme de Marcel Camus consagrado ao Brasil e…

Leia mais

“Insomnia – A Cultural History” (Eluned Summers-Bremner)

CONTENTS Sleeplessness in the Ancient World Love, Labour, Anxiety The Sleep of Reason The Night of Empire Cities That Never Sleep Wired INTRODUCTION What is insomnia? Medical practitioners describe it as the habitual inability to fall asleep or remain asleep when one wishes or needs to do so. As such, it would seem to be…

Leia mais

“Dio: un interlocutore indispensabile. Il concetto di Dio nel pensiero di Emil Cioran” (Ionuţ Marius Chelariu)

PONTIFICIUM ATHENAEUM S. ANSELMI DE URBE. FACULTAS PHILOSOPHIAE. Thesis ad Lauream n. 55. Excerptum ex Dissertatione ad Doctoratum Philosophiae assequendum in Pontificio Atheneo S. Anselmi, Romae, 2017. PREFAZIONE  Si capirà mai il dramma di un uomo che innessun momento della vita è riuscito a dimenticare il paradiso? (E.M.Cioran, Quaderni) Il 6 giugno 2017, presso la sede del Pontificio Ateneo Sant’Anselmo in Roma, alla presenza della…

Leia mais

Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran (Mirko Integlia)

“Better to never have been born!” This pessimistic declaration has been made at various points in the history of human thought, becoming a true philosophical system beginning with Arthur Schopenhauer in the nineteenth century. It was repeated by various philosophers in subsequent decades, though rarely with the tragic passion of Emil Cioran (1911-1995). A solitary…

Leia mais

Exercises négatifs. En marge du Précis de décomposition (1949)

La présente édition a été conçue pour retracer « l’atelier » de fabrique du Précis de décomposition, premier livre d’E. M. Cioran écrit en français, source de nombreux inédits. Elle fut établie à partir des 447 feuillets conservés à la Bibliothèque littéraire Jacques Doucet dans le fonds Cioran. Le lecteur trouvera après chaque entrée par titre, en note,…

Leia mais

Diálogos Lapunkt entre Lucian Boia y Cristian Pătrăşconiu: El juego con el pasado: historia y verdad (Universidad Tecnológica de Pereira, 2019)

La Universidad Tecnológica de Pereira (UTP) publicará el libro electrónico Diálogos Lapunkt entre Lucian Boia y Cristian Pătrăşconiu. El juego con el pasado: historia y verdad. Pereira: Editorial Universidad Tecnológica de Pereira. 2019. ISBN: 978-958-722-382-8.  La traducción del rumano al español, la introducción  y las notas son de autoría de Miguel Ángel Gómez Mendoza. de la Universidad…

Leia mais

“Made, not born” (Adrienne Mayor)

WHO FIRST IMAGINED the concepts of robots, automata, human enhancements, and Artificial Intelligence? Historians tend to trace the idea of the automaton back to the medieval craftsmen who developed self-moving machines. But if we cast our nets back even further, more than two thousand years ago in fact, we will find a remarkable set of…

Leia mais

Kierkegaard, precursor do “Antifilósofo” cioraniano (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O prefácio de O Desespero Humano (1849) é bastante elucidativo da problemática existencial — e religiosa — colocada pelo pensamento kierkegaardiano, e também da sua divisa intelectual existencial-religiosa em oposição ao “totalitarismo” racionalista do Espírito absoluto hegeliano. “O professor, o mestre de estudos, o estudante e enfim o filósofo, amador ou formado não ficam na…

Leia mais

“O Princípio de Crueldade”, de Clément Rosset

Intérprete do pensamento trágico, Clément Rosset defende a idéia de que toda realidade é cruel. Essa “ética da crueldade” se baseia em dois princípios que são o objeto principal deste livro. O primeiro, o princípio de realidade suficiente: o real basta e dele nada escapa, posto que é real. Cabe aos homens se contentar e…

Leia mais

“The radical use of chance in 20th century art” (Denis Lejeune)

Coincidences, chance events, unexpected encounters: the existence of such phenomena has always been recognized. Art, for its part, appeared sufficiently early in different cultures for some to consider it a defining attribute of our species. These two phenomena may seem to have little in common in that, essentially, the first reveals something about the world,…

Leia mais

Ceticismo (Charles Landesman)

Prefácio Ideias céticas podem ser encontradas em muitos textos da filosofia grega antiga; elas reaparecem na filosofia moderna em novas versões e continuam a ter influência até os tempos atuais. Empregaram-se argumentos céticos para corroborar visões filosóficas que, embora não totalmente céticas, tendem para essa direção: termos como relativismo, convencionalismo, construtivismo, anti-realismo, pragmatismo e subjetivismo…

Leia mais

O “Carnet pour Sténographie” de Emil Cioran (Eugène van Itterbeek)

O Carnet pour Sténographie (trad. francesa de Eugène Van Itterbeek, editura Universităţii „Lucian Blaga“, 2000) é uma espécie de caderno anterior aos Cahiers: 1957-1972. É o esboço, rascunho, de Amurgul gândurilor (Le crépuscule des pensées em francês, “O Crepúsculo do pensamento”), um dos últimos livros escritos por Cioran, já na França, na lingua materna. Segundo…

Leia mais

“Cioran: a Dionysiac with the Voluptuousness of Doubt” (Ion Dur)

Preface Cioran’s code Reading – or writing a book about Cioran – you cannot but help wonder if Cioran himself would have approved of such an enterprise. To comment on a thinker proclaiming the futility of all things and the primacy of delusion, is not this “the heights” – to use the word in the…

Leia mais

«Visse tutta una lunga vita a fare professione di pessimismo»: Michelstaedter vs Schopenhauer (Roberta Visone)

PREFAZIONE Tra le fonti del pensatore goriziano Carlo Michelstaedter, morto suicida a ventitré anni nel 1910 dopo aver ultimato la stesura della sua tesi di laurea sui «concetti di persuasione e di rettorica in Platone e Aristotele», un ruolo di rilievo va riconosciuto ad Arthur Schopenhauer. Non solo La persuasione e la rettorica, data alle…

Leia mais

Sobre Lágrimas y Santos (Christian Santacroce)

«Je me vois, à Braşov, dans cette maison juchée sur la colline, je me vois plongé dans la vie des saints!». Cioran, Cahiers, p. 967. Cioran escribe Lágrimas y santos entre 1936 y 1937, durante el año que pasa en Braşov como profesor de filosofía y lógica en el actual Colegio Nacional Andrei Şaguna. El…

Leia mais

Apresentação de “Cioran dans mes souvenirs”, de Mario Andrea Rigoni (Laurent de Sutter)

Mario Andrea Rigoni é um dos grandes, e ao mesmo tempo dos mais secretos, dentre os prosadores italianos vivos. Este segredo, ao que parece, foi levado ao pé da letra na França, onde a sua obra, a despeito de algumas traduções, é pouco conhecida. Os amantes de Leopardi sabem, contudo, o que devem a este…

Leia mais

“The Problem of Pessimism” (Frederick C. Beiser)

1. Pessimism as Zeitgeist Beginning in the 1860s, and lasting until the end of the 19th century, the dark cloud of pessimism hung thick over Germany. This bleak and black mood spread far and wide. It was not confined to decadent aristocratic circles; it could also be found in the middle classes, among students at…

Leia mais

Prefácio a “Revelações da Morte”, de Chestov (Jorge de Sena)

Léon Chestov – pseudónimo de Lev Isaakovitch Chvartsman – nasceu em 1866, em Kiev, capital da Ucrânia e uma das mais antigas e prestigiosas cidades da civilização russa; aí, oriundo de rica família judaica, estudou direito; tomando posição contra a Revolução de 1917, emigrou para a França em 1920, onde são publicados em francês estudos…

Leia mais

“O Evangelho de Tomé” (Jean-Yves Leloup)

Introdução A descoberta Decorria o ano de 1945, nos arredores de Nag Hammadi, no Alto Egito, no local do antigo cenóbio de São Pacômio — um campo como qualquer outro. Dir-se-ia que estava à espera de seu lavrador — um camponês como qualquer outro. Foi ele quem, ao acaso dos movimentos da charrua, descobriu o…

Leia mais

“‘Dostoiévski e a dialética: Fetichismo da forma, utopia como conteúdo’: um prefácio” (Manuel da Costa Pinto)

Estadão, 18 de maio de 2018 Prefácio ao livro “Dostoiévski e a dialética: Fetichismo da forma, utopia como conteúdo” (Editora Hedra), de Flávio Ricardo Vassoler. Em Cioran, l’Hérétique, biografia intelectual do ensaísta romeno – e filósofo dostoievskiano – Emil Cioran, o jornalista francês Patrice Bollon faz uma breve e aguda observação que pode servir como porta de…

Leia mais

“Filosofia do tédio” (Lars Svendsen)

Rio de Janeiro: Zahar, 2006, 192 páginas. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Esse livro investiga uma das preocupações centrais de nossa era ao sondar a natureza do tédio, quando ele se origina, como nos aflige e por que, ao que parece, somos incapazes de superá-lo por qualquer ato de vontade. De forma…

Leia mais

“Filosofia e budismo” (Leonardo Alves Vieira)

KRITERION – Revista de Filosofia Departamento de Filosofia da UFMG Kriterion vol. 57, no. 133 – Belo Horizonte, Jan./Apr. 2016 APRESENTAÇÃO Este número da Kriterion é dedicado ao tema Filosofia e budismo. A proposta inicial desta publicação nasceu em um colóquio sobre as duas verdades, saṃvṛti-satya (verdade convencional) e paramārtha-satya(verdade suprema), nos Versos fundamentais sobre o caminho do meio(mūla-madhyamaka-kārikā = MMK) de Nāgārjuna, realizada…

Leia mais

“An Indian philosophy of universal contingency: Nagarjuna’s school” (Fernando Tola & Carmen Dragonetti)

The Normal Experience and the Philosophical Study of the Empirical Reality The ordinary experience reveals to us a reality composed of beings and things which present themselves as existing in se et per se, as compact, continuous and unitary, as permanent and as real, i.e. as being such as we perceive them. The Madhyamika school…

Leia mais

“Cioran ou le défi de l’être” (Nicole Parfait)

Avant-propos « Il faut tâcher de former ses projets, de façon que leur irréussite même soit suivie de quelque avantage. » 1 Penseur sans complaisance en quête perpétuelle de lui-même, sceptique par nature et par refus des fausses évidences et autres vérités élaborées à seule fin de justifier l’espoir, grand contempteur des idéologies qui ont…

Leia mais

Prefácio: “Cioran: souffrance, extase et haute folie pendant le XXe siècle”, de Mircea Lăzărescu

Há toda uma fascinação que a vida e o pensamento de um criador admirado exercem sobre nós. E quando se é psiquiatra, como Mircea Lăzărescu, a tentação de descer até as profundezas de um espírito furioso conduzido à escrita de um diário a meio caminho entre o si [soi] e o outro, entre a escrita…

Leia mais

Sobre Valéry: carta de Cioran a M. Barrett

Ao final de 1967, a fundação americana Bollingen, tendo decidido publicar uma edição inglesa das obras de Valéry, encarrega Jackson Matthews, tradutor de Monsieur Teste, de estabelecer sua versão definitiva. Este último pede então a Cioran um prefácio ao volume dedicado a Poe e a outros comentários literários. Esse prefácio, que, remodelado, tornar-se-ia “Valéry diante…

Leia mais

A sabedoria da desilusão (José Thomaz Brum)

A SABEDORIA DA DESILUSÃO* José Thomaz Brum “Equivocar-se. viver e morrer enganados, isto é o que fazem os homens. Mas existe uma dignidade que nos preserva de desaparecer em Deus e que transforma todos os nossos instantes em orações que não faremos jamais.” (Précis de décomposition) A filosofia não é apenas, nem principalmente, uma análise da linguagem ou uma…

Leia mais

“Uma homenagem subjetiva…” (Matéi Visniec)

Não conheci Cioran pessoalmente. Aliás, nem mesmo tentei, já que sua obra me parecia suficiente para que eu pudesse me comunicar e dialogar com ele tendo toda liberdade e da maneira mais cordial. Mas, por curiosidade, fui ouvir Cioran, que devia se apresentar num colóquio sobre Benjamin Fondane. Foi em 1988, creio. Escutei a intervenção…

Leia mais