Entrevista a Cioran (fragmento)

In: Adiós a la Filosofía y otros textos, Alianza Editorial, 1994. Cioran, usted ha hablado frecuentemente del hastio. ¿Qué papel ha desempeñado en su vida el hastio, el tedio? Puedo decirle que mi vida ha estado dominada por la experiencia del tedio. He conocido ese sentimiento desde mi infancia. No se trata de ese aburrimiento…

Leia mais

Interview de Simone Boué par Norbert Dodille

Simone Boué et Norbert Dodille, “Interview de Simone Boué par Norbert Dodille” dans Lectures de Cioran, Paris, L’Harmattan, 1997, p. 11-41 [Dodille.fr] Sans l’affectueuse pression de Marie-France Ionesco, il m’aurait été impossible de parvenir à arracher cette interview à Simone Boué qui s’y montrait extrêmement réticente. Cette interview est en effet la seule qu’elle ait jamais…

Leia mais

“Retrato do homem civilizado” (E.M. Cioran)

O encarniçamento em apagar da paisagem humana o irregular, o imprevisto, o disforme, beira a indecência. É sem dúvida deplorável que em certas tribos ainda se devore os anciãos moribundos; no entanto, não podemos esquecer que o canibalismo representa tanto um modelo de economia fechada como um costume que, algum dia, seduzirá o abarrotado planeta.…

Leia mais

“A consciência é uma doença: pessimismo existencial em Camus, Unamuno e Cioran” (Joshua Foa Dienstag)

Do livro Pessimism: philosophy, ethic, spirit. Princeton/Oxford: Princeton University Press, 2006, pp 118-158. Tradução de Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes. * Se existem pessoas felizes neste mundo, por que eles não aparecem e gritam com entusiasmo, proclamando sua felicidade pelas ruas? Por que tanta discrição e reserva? – E.M. Cioran No século XX, o pessimismo tem…

Leia mais

“Paixão negativa, identidade negativa” (Ilinca Zarifopol-Johnston)

Schimbarea la față a României foi publicado na primavera de 1936, quase ao mesmo tempo que Yoga, de Mircea Eliade. Numa carta a Cioran, que levava então uma vida infeliz como professor de um colégio em Braşov – tendo, para sua ainda maior infelicidade, servido ao exército do outono de 1935 à primaveira de 1936…

Leia mais

“Emil Cioran vigiado pela Securitate” (Stelian Tănase)

O “PERSONAGEM” EMIL CIORAN é ainda pouco conhecido. Ele desejava ser decifrado apenas pelos livros que publicou após a guerra. A partir de 1940, Cioran se dedicou metodicamente a uma discrição que beirava a mania do segredo. Ele nunca quis de maneira alguma que seu passado intelectual e político fosse descoberto. Durante a década de…

Leia mais

Relato de um encontro: E.M. Cioran (Ernesto Sábato)

Ernesto Sábato, Antes del Fin. Buenos Aires: Espasa Calpe/ Seix Barral, 1998, p. 82-3. Tradução de Rodrigo Inácio R. Sá Menezes. Sobre estes e outros temas conversei longamente com Cioran, em uma tarde de 1989. Anos atrás me chegaram notícias do desejo que ele tinha de me conhecer; insistência que interpretei como mensagens crípticas, reiteradas…

Leia mais