Îndreptar (1941-44)

Îndreptar pătimaş (“Breviário dos vencidos”, 1941-44)

Instalado no hotel Racine, em Paris, de 1940 a 1944, Cioran redige Îndreptar pătimaş na língua materna, antes de sua conversão lingüística definitiva para o francês. O livro, no entanto, ficará arquivado na gaveta e só virá a ser publicado décadas mais tarde, em 1993, na França, com o título de Bréviaire des vaincus (“Breviário de vencidos”). Livro de transição, e último escrito em romeno, Îndreptar pătimaş soa como um adeus às armas, aos delírios de juventude, após o espetáculo da guerra fazer Cioran se questionar a respeito de suas antigas posições políticas e empreender uma dura auto-crítica, segundo a qual virá a se indagar: “como pude ser aquele que fui?”

Cioran se pretende, de agora em diante, parisiense: “Repouso nas apatias da França e me intitulo cavaleiro do langor parisiense”. Mas ele não chega a se sentir francês: “Havia no boulevard Saint-Germain um estrangeiro mais estrangeiro que eu?” Então, arrasado, busca uma forma de consolação, cobrindo o seu pensamento mortuário com farrapos de luz tirados da poesia. O leitor encontrará aqui pela primeira vez, de forma incipiente, as idéias e o estilo de um novo Cioran, que tomarão forma definitiva no seu próximo livro, que inaugura a fase francesa da sua obra, o Précis de Décomposition.