Desespero, a maior vantagem humana: Kierkegaard & Cioran

“A superioridade do homem sobre o animal está pois em ser suscetível de desesperar. […] Assim há uma infinita vantagem em poder desesperar, e, contudo, o desespero não só é a pior das misérias, como a nossa perdição.” (Kierkegaard, O Desespero humano) * “Não existem argumentos para viver. Quem chegou ao limite ainda pode recorrer…

Leia mais

“Não se varre o vazio para debaixo do tapete”: necessidade de estar só, insuficiência humana e autoestima (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Publicado originalmente em Itinerarivm Mentis in Nihilvm:
A psicanalista Maria Homem fala da necessidade de solidão, sobretudo nos tempos atuais em que são estimulados, de maneira maximizada, o gregarismo, o espírito de rebanho, a dependência e a heteronomia em todos os níveis e sentidos, em detrimento de todo ideal de emancipação e autonomia subjetiva. Não…

Leia mais

In dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran»

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2019, anno IX È stato pubblicato da poco un nuovo libro su Cioran, uno importantissimo, a giudicare dal tema e dall’approccio: Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran (Libreria Editrice Vaticana, 2019), scritto dal filosofo e teologo Mirko Integlia. Un’approfondita analisi storico-ermeneutica di questo che l’esegeta concepisce come…

Leia mais

Cioran, o místico de uma era pós-Deus: entrevista com Mirko Integlia (1ª parte)

In memoriam: María Liliana Herrera Alzate (1960-2019) “Às vezes tenho a impressão de que a obra de Cioran é interpretada como uma espécie de bazar, onde cada um se serve daquilo que quer, inclusive dos aspectos místicos-religiosos.” (Mirko Integlia) * [Pdf] Acaba de ser publicado, em inglês, um novo livro de exegese crítica sobre Cioran,…

Leia mais

Antinatalismo e Mistério (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“O que nos distingue de nossos antepassados é nossa petulância em face do Mistério. Nós até o desbatizamos: assim nasceu o Absurdo…” (Silogismos da amargura) AFASTA-ME do antinatalismo a total carência do sentido do mistério, o misterioso, no caso, sendo uma categoria teológica ou — a fortiori — mística por excelência — e perfeitamente fora…

Leia mais

Sobre cinismos, niilismos e terrorismo de Estado (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Com o absurdo não se barganha, não se negocia. “Absurdo”, ou seja, esta palavrinha que nós, modernos, encontramos para maquiar o Mal. Como as explicações teológicas e metafísicas perderam sua razão de ser, não pegaria bem continuar usando tão atávica (e suja) expressão: “o Mal”. “O absurdo” soa melhor, mais moderno, mais filosófico, menos “cristão”… A…

Leia mais

“Holy Motors”: o cinema do absurdo e sua cruel beleza (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Holy Motors (“Motores Sagrados”, 2012). Um filme francês apesar do nome, um tanto intrigante a princípio, mas que não poderia ser mais acertado. Tanto o fato de ser em inglês quanto em termos semânticos. No início, um homem. Muitíssimo rico, saindo de manhã cedo de sua suntuosa mansão nos arredores de Paris, terno e gravata, maleta…

Leia mais

“O absurdo e a revolta em Camus” (José João Neves Barbosa Vicente & Frances Deizer Gontijo)

TRÍAS – Revista eletrônica online de Filosofia, História, Literatura e Ciências Sociais, nº 3 (2º semestre de 2011) RESUMO: O presente artigo propõe analisar os conceitos de absurdo e de revolta na obra O homem revoltado (1999) de Albert Camus no intuito de mostrar que, no primeiro conceito existe um “eu” solitário, no segundo, um “eu” solidário. A análise…

Leia mais

“Cioran, antípoda de Aristóteles” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

ARISTÓTELES, Tomás de Aquino, Hegel – três escravizadores do espírito. A pior forma de despotismo é o sistema, em filosofia e em tudo. (Do inconveniente de ter nascido) § Beckett, a propósito do Démiurge, me escreve: “Em vossas ruínas, eu me sinto ao abrigo.” (Cahiers) § Não existe filosofia criadora. A filosofia não cria nada. Quero dizer que ela…

Leia mais

“Os muros absurdos” (Albert Camus)

Como as grandes obras, os sentimentos profundos sempre significam mais do que têm consciência de dizer. A constância de um movimento ou repulsão dentro da alma se reconhece em hábitos de fazer ou de pensar e se persegue em conseqüências que a própria alma ignora. Os grandes sentimentos trazem junto com eles seu universo, esplêndido…

Leia mais

“Niilismo, existencialismo, gnose” (Franco Volpi)

A obra de Heidegger oferece, com certeza, fundamental contribuição para a análise do niilismo europeu. No entanto, em última instância, ela apresenta um paradoxo singular, que é também o paradoxo de uma parte importante do pensamento contemporâneo. Nela, com efeito, parecem tocar-se e conviver dois extremos incompatíveis: de um lado, um niilismo radical; de outro,…

Leia mais

“Schopenhauer y Cioran. El mundo como absurdo y sufrimiento” (Alexander Aldana Piñeros)

Trabajo de grado presentado como requisito parcial para optar al título de Magíster en Filosofía, Pontificia Universidad Javeriana, Bogotá, 2016. [PDF] Introducción EL PACIENTE: —Doctor, un desaliento de la vida que en lo íntimo de mí se arraiga y nace: el mal del siglo…el mismo mal de Werther, de Rolla, de Manfredo y de Leopardi. Un cansancio…

Leia mais

“A luta contra as evidências” (Chestov)

“QUEM SABE?” — diz Eurípedes — “Talvez a vida seja a morte, e a morte a vida.” Estas palavras, Platão, em um dos seus diálogos, fá-las repetir a Sócrates, o mais sábio dos homens, o criador da teoria das ideias gerais e o primeiro a considerar a nitidez e a claridade dos nossos juízos como…

Leia mais

“A criação sem amanhã” (Albert Camus)

AGORA PERCEBO, então, que a esperança não pode ser eludida para sempre e que pode assaltar os mesmo que se achavam livres dela. Este é o interesse das obras examinadas até aqui. E poderia, ao menos na ordem da criação, enumerar algumas obras verdadeiramente absurdas (Moby Dick de Melville, por exemplo). Mas tudo requer um…

Leia mais

“Reflexiones sobre el absurdo, el suicidio y la esperanza” (Yobani S. Castro)

Thémata. Revista de Filosofía. Número 43, 2010 Resumen: En este escrito se quiere establecer una relación entre el absurdo, el suicidio y la esperanza. La idea principal consiste en indicar que esta relación obedece a varios aspectos: primero, a una condición del hombre frente al mundo: la de sentirse superado por éste. Segundo, la de…

Leia mais

“O desespero como necessidade e aprofundamento do drama de viver: Cioran e Kierkegaard em diálogo” (Elton Silva Salgado e Jorge Miranda de Almeida)

Revista Húmus, no. 9, set/out/nov/dez de 2013 Resumo: Este artigo aborda o desespero como uma das principais categorias da Filosofia da Existência e chave de leitura para a compreensão da ambiguidade da existência humana. Nesse contexto, ele é ativo, organizado, prático e em seu bojo pretendemos enveredar por uma concepção lúcida e radical da condição do…

Leia mais

Lev Shestov (Leandro Marcio)

Existencialista russo, cuja obra permanece inédita no Brasil, criticou a filosofia especulativa e pensou em Deus como absurdo. “Shestov, de quem fiz reeditar As revelações da morte, quando fui nomeado, durante alguns meses, diretor de uma coleção na editora Plon, desempenhou papel importante na minha vida. Mantenho-me fiel a ele, apesar de não ter alcançado a…

Leia mais

“Schopenhauer e Cioran: variações sobre a temática da existência” (Maria Ivonilda da Silva Martins)

REVISTA LAMPEJO, nº 1 – 04/2012, p. 55-61. Resumo: Partindo da oposição de A. Schopenhauer à filosofia prática de I. Kant, procuraremos apresentar como Schopenhauer explica a existência humana, que é fundamentalmente marcada por uma negação da razão e, em última instância, negação da liberdade. Além disso, procuraremos apresentar brevemente a visão do filósofo romeno E.…

Leia mais

“Beckett y Cioran, cuando la imposibilidad de vivir es un gesto posible – en el centenario del nacimiento de Beckett 1906-1989” (Jorge Jiménez)

Revista de Filosofía Universidade de Costa Rica, XLV (114), 117-120, Enero-Abril 2007. [PDF] Abstract: This paper is about the philosophical and existential interlocution between Beckett and Cioran. I criticize the idea of a “French culture” and I proceed to rethink topics like nihilism o irrationalism. Key Words: Beckett, Cioran, nihilism, aesthetic politic criticismo Resumen: Reflexiono en…

Leia mais