“Chestov e a exceção monoteísta, ou peixes morrem afogados” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Satã, anjo decaído transformado em demiurgo, encarregado da Criação, insurge-se contra Deus e revela-se, neste mundo, mais à vontade e até mais poderoso do que Ele; longe de ser um usurpador, é nosso mestre, soberano legítimo que sobrepujaria o Altíssimo se o universo estivesse reduzido ao homem. Tenhamos, pois, a coragem de reconhecer de quem…

Leia mais

“O espírito negativista” (G. K. Chesterton)

Muito tem sido dito, e com verdade, a respeito da morbidez do ascetismo, a respeito da histeria  que frequentemente acompanha as visões de eremitas ou de freiras. Contudo, nunca nos esqueçamos que essa religião visionária é, em certo, sentido, necessariamente mais saudável que nossa sábia e moderna moralidade. É mais saudável por poder contemplar a…

Leia mais

“Pascal e Nietzsche” (José Thomaz Brum)

Cadernos Nietzsche no. 8, p. 35-41, 2000 Resumo: Este artigo procura estudar a presença do filósofo francês Blaise Pascal (1623-1662) na obra de Nietzsche e propõe uma comparação entre os dois pensadores, na qual o estilo aforístico e as questões que dizem respeito ao cristianismo são pontos essenciais. Palavras-chave: Pascal/Nietzsche – cristianismo – aforismo –ascetismo…

Leia mais

“O deus maldito e outros deuses” (Fernando Savater)

Um deus ameaça sempre no horizonte. (BD) Após as contundentes e entusiásticas declarações sobre a morte de Deus que nos propiciaram o século passado e este, as exaustivas descrições de sua agonia, os recenseamentos minuciosos do seu estertor, pouco ainda parece possível dizer sobre um tema tão decrépito. Deus é um recurso literário já em…

Leia mais

“O discípulo das santas” (E.M. Cioran)

Houve um tempo em que somente pronunciar o nome de uma santa enchia-me de delícias, em que invejava os cronistas dos conventos, íntimos de tantas histerias inefáveis, de tantas iluminações e de tantas palidezes. Julgava que ser secretário de uma santa constituía a mais alta carreira reservada a um mortal. E imaginar o papel de…

Leia mais

“Gnosticismo cristão: Valentino e a ressurreição” (Harold Bloom)

MUITOS SIGNIFICADOS podem estar envolvidos quando a maioria de nós afirma: “Eu creio em Deus”, ou “Eu creio que Jesus Cristo foi e é o Filho de Deus”, ou “Não há outro Deus além de Alá, e Maomé foi o selo dos Profetas”, ou “Eu creio na Aliança”. A crença em que alguma coisa foi,…

Leia mais

“Emoção e criação” (Henri Bergson)

É POR EXCESSO de intelectualismo que se suspende o sentimento por um objeto e que se conserva toda emoção para a repercussão, na sensibilidade, de uma representação intelectual. Voltando ao exemplo da música, é sabido que ela suscita em nós determinadas emoções: alegria, tristeza, piedade, simpatia, e que essas emoções podem ser intensas, e que…

Leia mais

“Mas, Cioran, atman ou anatman? Eis a questão…” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“A vida é o lugar de minhas paixões: tudo o que arranco da indiferença, restituo-lhe quase imediatamente. Não é esse o procedimento dos santos: escolhem de uma vez por todas. Vivo para desprender-me de tudo o que amo; eles, para embevecer-se com um só objeto; eu saboreio a eternidade, eles se abismam nela.” Breviário de…

Leia mais

“Os novos deuses” (Emil Cioran)

O politeísmo corresponde melhor à diversidade das nossas tendências e dos nossos impulsos, aos quais oferece a possibilidade de se exercerem, de se manifestarem, cada qual livre para pender, segundo sua natureza, ao deus que mais lhe convém no momento. Mas, que fazer com um só deus? Como encará-lo, como utilizá-lo? Com ele presente, vive-se…

Leia mais

“Cioran ateo credente che spiava dio” (Gianfranco Ravasi)

Avvenire.it, 19 giugno 2015 ​Vent’anni fa, il 20 giugno 1995, moriva a Parigi lo scrittore Emil Cioran. Sulle rive della Senna era approdato a 26 anni, nel 1937, dopo aver lasciato alle spalle la sua patria, la Romania, e la sua cittadina, Rasinari, un delizioso villaggio della Transilvania. Posto su un colle circondato da monti coperti…

Leia mais

“O homem e sua inconsistência: traços de uma leitura antropológica na filosofia de Nicolás Gómez Dávila” (Pablo Andrés Villegas Giraldo)

A filosofia do pensador colombiano Nicolas Gómez Dávila parece estar em uma constante tensão entre o ceticismo e a fé. Pode-se ver, ao longo de sua obra e em grande parte de suas anotações, essa atitude descrente que provoca a dúvida filosófica; do mesmo modo ratifica, em outros, sua total confiança em Deus e na…

Leia mais

Dostoiévski: “A consagração do profeta” (Manuel da Costa Pinto)

Com Dostoiévski: O Manto do Profeta (1871-1881), Edusp conclui a publicação da monumental biografia do romancista russo escrita pelo crítico norte-americano Joseph Frank Resenha publicada no Website da Edusp Numa biografia de E. M. Cioran, o ensaísta Patrice Bollon, após assinalar que Dostoiévski era a fonte primordial do filósofo romeno, nota que na França o autor…

Leia mais

Javé não é amor (Harold Bloom)

NA VERDADE, o cristianismo e o islamismo, bem como as religiões asiáticas, herdarão a Terra que restar, que sobreviver ao ataque ao meio-ambiente perpetrado pela plutocracia norte-americana. Sou levado a concluir que Javé partiu em exílio voluntário, abandonando a Antiga Aliança, e se encontra no espaço sideral, amargando o desamor. […] Não faz muito sentido…

Leia mais

Apontamentos sobre o Enigma Gnóstico

por Marilia Fiorillo Doutora em  História Social pela USP e professora da ECA-USP PDF Resumo: Desde a divulgação, no final dos anos 70, da Biblioteca de Nag Hammadi (BNH), os estudos sobre o gnosticismo, especialmente o cristão, tiveram destaque na discussão acadêmica. Este artigo, cujo referencial teórico são as obras de Hans Jonas e E.R. Dodds,…

Leia mais

Metafizica temporalitatii la Cioran

Legătura dintre timp şi istoricitate apare ca o problemă majoră odată cu creştinismul. Atât grecii, cât şi orientalii percepeau timpul într-un teritoriu al unei ciclicităţi cu caracter cosmologic fără ca acest lucru să afecteze însăşi substanţa istoriei. Pentru gânditori ca Anaximandru, Heraclit sau Aristotel, filosofi adânc pătrunşi de problema temporalităţii, exista cu siguranţă corelaţia dintre…

Leia mais

“Fé e razão: entrevista com o cardeal Gianfranco Ravasi” (Lisa Palmieri Billig)

Os agnósticos que buscam respostas muitas vezes estão mais próximos de Deus do que aqueles para os quais a fé é simplesmente um hábito mecânico”. Entrevista com Gianfranco Ravasi. O “Átrio dos Gentios”, expressão que se refere ao espaço aberto do antigo Templo de Jerusalém reservado aos não crentes e separados por um muro dos…

Leia mais

“Vivir con la idea del suicidio es estimulante”: entrevista de Cioran a Josefiona Casado

El País, 28 de Noviembre de 1987 Cioran obtiene en Francia un éxito de ventas con su último libro, ‘Ese maldito yo’  Originario de Rumanía (Rasinari, 191l), Cioran lleva medio siglo encarnizándose contra la historia-Dios-el hombre. Ironía del destino, este adicto al fracaso se ha convertido en fenómeno de actualidad. Ese maldito yo -que recoge…

Leia mais

“Emil Cioran, o ateu que crê” (Gianfranco Ravasi)

BOLONHA, quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011 (ZENIT.org) – O cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura, abriu em 12 de fevereiro, na Universidade de Bolonha, os encontros do Átrio dos Gentios, que promovem o diálogo entre crentes e não crentes, por sugestão de Bento XVI. O purpurado apresentou uma reflexão sobre Emil…

Leia mais