“Se eu soubesse, teria abortado”: Exercícios de (Anti)Vaidade

Quando eu tinha vinte anos, minha mãe evidentemente ficava desesperada de ter um filho que, às três horas da manhã, saía de casa para andar pela cidade. […] Eu era um tipo que prometia muito, e que não cumpriu nada. Digo isso porque,  você vai entender… Eu tinha então vinte anos, e um dia estávamos…

Leia mais

“A dor e o existir: Fernando Pessoa” (Neyza Prochet)

Cadernos de psicanálise (Rio de Janeiro), vol. 34, no. 27, Rio de Janeiro, dez. 2012 Para o homem, a arte é o recurso que possibilita dar forma, tempo e lugar àquilo que, de outro modo, lhe seria inacessível. É a capacidade criativa que conecta o indivíduo a seu núcleo central, à fonte de onde se…

Leia mais

“A melancholic exile: Emil Cioran and the feeling of nostalgia” (Paolo Vanini)

Abstract: This article aims to investigate the relationship between nostalgia, solitude, and skepticism in Emil Cioran’s thought. In the first place, we will examine how the concepts of Sehnsucht, saudade and dor are interpreted by Cioran as similar forms of radical nostalgia. In the second place, we will see how the skeptical attitude of doubting…

Leia mais

“Tempo de amor” (Baden Powell & Marcia Sousa)

Apesar de tudo, continuamos amando; e esse “apesar de tudo” cobre um infinito. CIORAN, Silogismos da amargura (1952) Ah, bem melhor seria Poder viver em paz Sem ter que sofrer Sem ter que chorar Sem ter que querer Sem ter que se dar Ah, bem melhor seria Poder viver em paz Sem ter que sofrer…

Leia mais

Sofrimento e transfiguração (Emil Cioran)

SÓ O SOFRIMENTO muda o homem. Todas as outras experiências e fenômenos não conseguem modificar essencialmente o temperamento de ninguém nem aprofundar certas disposições suas a ponto de transformá-las completamente. De quantas mulheres equilibradas não fez o sofrimento umas santas? Absolutamente todas as santas sofreram muito mais do que se pode imaginar. Sua transfiguração não…

Leia mais

A Grande Dor: Amor Fati (Nietzsche)

1. Freqüentemente me perguntei se não tenho um débito mais profundo com os anos mais difíceis de minha vida do que com outros quaisquer. Minha natureza íntima me ensina que tudo necessário, visto do alto e no sentido de uma grande economia, é também vantajoso em si — deve-se não apenas suportá-lo, deve-se amá-lo… Amor…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]…

Leia mais

“Um novo ascetismo” (Emil Cioran)

Não tem que nos doer a transitoriedade das coisas terrestres ou a inexistência das celestes. Que tudo esteja destinado a perecer, que tudo seja vão e fugaz, que tudo careça absolutamente de valor e consistência, isso só pode provocar desgosto… Mas não pode provocá-lo quando se pensa como em uma existência tão reduzida no tempo…

Leia mais

“Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Trata-se de contrapor e fazer dialogar duas filosofias, dois modo de pensar (o homem, a existência, a vida e a morte, o tempo) que têm muito em comum, mas cujas conclusões podem ser radicalmente divergentes: a filosofia trágica, afirmativa e aprobatória de Clément Rosset (tendo como corolário a alegria como force majeure), na linha de…

Leia mais

“O peso da tristeza” (Emil Cioran)

Existirão outras tristezas além das tristezas de morte? Não, pois as verdadeiras tristezas são negras, desprovidas de graça e de sonho, dotadas de uma reflexividade bizarra. O cansaço causado pela tristeza é incomparavelmente maior que aquele causado pela melancolia: é um cansaço que conduz ao desgosto pela vida, a uma depressão terrível e irremediável. O…

Leia mais

“La résurrection de Cioran” (Cristina Hermeziu)

ActuaLitté – Les Univers du Livre, 27/09/2018 PHILOSOPHIE – Peu importe le temps qui passe, on ne se lasse pas de Cioran. Le « dandy du désespoir », « l’aristocrate du doute » fascine toujours, son œuvre est lue et relue, ses « aveux et anathèmes » frappent fort, on est encore subjugués par ses bribes iconoclastes. Né en Roumanie en…

Leia mais

«La voluttà del disastro: Note sciolte per Cioran». Intervista con Ricardo Gil Soeiro

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI – Rivista Interculturale Bilingue, anno IX, febbraio 2019 «L’ESISTENZA, per Cioran, oscilla sempre in questa delicata tensione tra, da un lato, l’assumersi come tragedia incommensurabile e, dall’altro, l’essere messa in prospettiva come una lieve noia, come un tedio che deve essere sopportato…  Ad ogni modo, si tratta sempre (come nel caso di…

Leia mais

Escritas do desastre e outras volúpias: entrevista com Ricardo Gil Soeiro, autor de “Notas Soltas para Cioran” (Labirinto, Portugal, 2019)

“A EXISTÊNCIA, para Cioran, oscila sempre nessa delicada tensão entre, por um lado, se assumir como uma tragédia incomensurável e, por outro lado, ser perspectivada como um leve aborrecimento, como um tédio que se tem de suportar… Mas trata-se sempre (como também em Pessoa) de um enquadramento muito específico: de uma teologia sem teologia, uma…

Leia mais

“Mihai Eminescu y Emil Cioran, o la nostalgia como sabiduría” (Pablo Javier Pérez López)

THÉMATA – Revista de Filosofía, no. 45, 2012. Resumen: Se propone un recorrido por la noción de Nostalgia presente en el pensamiento poético de Emil Cioran y Mihai Eminescu a través de la exploración de la dimensión ontológica de la Fatalidad y la Otredad que ésta alberga. Abstract: This paper tries to show a retrospective…

Leia mais

“Triste com método”, por Constantin Zaharia

Tristeza, desespero, tédio, amargura, ou ainda o dor, espécie de saudade romena… O escritor experimentou todos os graus da melancolia, indissociável do pensamento. Por Constantin Zaharia Artigo publicado no dossiê “Cioran: désespoir, mode d’emploi”, da Magazine Littéraire, maio de 2011 Derivado do latim dolus, o dor romeno pode ser traduzido em francês por “nostalgia”. A palavra,…

Leia mais