Eros, alteridade e transcendência (Byung-Chul Han)

A DEPRESSÃO é uma enfermidade narcísica. O que leva à depressão é uma relação consigo mesmo exageradamente sobrecarregada e pautada num controle exagerado e doentio. O sujeito depressivo-narcisista está esgotado e fatigado de si mesmo. Não tem mundo e é abandonado pelo outro. Eros e depressão se contrapõem mutuamente. O eros arranca o sujeito de…

Leia mais

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]…

Leia mais

“Filosofia, cristianismo e outras formas de queda” (Emil Cioran)

COMO A VIDA SE CONVERTE NO VALOR SUPREMO: a veneração pelas mulheres; a reabilitação do Eros como divindade; saúde natural, transfigurada pela delicadeza; o fervor da dança em todos os atos da vida; graça em vez de pesar; sorriso em vez de pensamento; entusiasmo em vez de paixão; a distância como finitude; a vida como único…

Leia mais

A ética do sacríficio (Emil Cioran)

Rebentar com todo o ardor apaixonado de nossa alma, vencer toda a resistência e destruir todos os obstáculos que existem no caminho de nossa grande loucura. Estar orgulhosos de nossa absurda e infinita coragem e partir em meio a essa embriaguez de orgulho e de êxtase para os últimos cumes do ser, impulsionados pela sede…

Leia mais

Eros, beleza e pensamento musical: O Livro das Ilusões, de Emil Cioran

Que ninguém esqueça: Que só o Eros pode preencher uma vida; o conhecimento nunca. Unicamente o Eros lhe dá um conteúdo; o conhecimento é infinitude oca; para pensar sempre há tempo; a vida tem seu tempo; nenhum pensamento vem demasiado tarde; todo desejo pode converter-se em pesar. * A impossibilidade de crer nos substitutos da…

Leia mais

“O peso da tristeza” (Emil Cioran)

Existirão outras tristezas além das tristezas de morte? Não, pois as verdadeiras tristezas são negras, desprovidas de graça e de sonho, dotadas de uma reflexividade bizarra. O cansaço causado pela tristeza é incomparavelmente maior que aquele causado pela melancolia: é um cansaço que conduz ao desgosto pela vida, a uma depressão terrível e irremediável. O…

Leia mais

“Poésie et connaissance nocturne chez Lucian Blaga et Yves Bonnefoy” (Gisèle Vanhese)

STUDIA UNIVERSITATIS BABEŞ-BOLYAI, PHILOLOGIA, LIV, 2, 2009 [PDF] ABSTRACT. The essay Poésie et connaissance nocturne chez Lucian Blaga et Yves Bonnefoy presents the profound convergencies between two authors who were able to reconcile poetry with ontology. For Lucian Blaga and Yves Bonnefoy as well, poetry takes first the appearance of a desiring meditation regarding the…

Leia mais

“Cioran, entusiasmo como estilo de vida” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

É difícil imaginarmos um mundo em que todos amassem tudo. Um mundo de entusiastas oferece uma imagem mais sedutora do que a imagem do paraíso, pois a tensão sublime e a generosidade radical ultrapassam qualquer visão paradisíaca. A capacidade de renascimento contínuo, de transfiguração e intensificação da vida faz do entusiasta uma pessoa permanentemente além…

Leia mais

“Entusiasmo como forma de amor” (Emil Cioran)

O desespero: forma negativa do entusiasmo. CIORAN, O livro das ilusões Entusiasmo (do grego in + theos, literalmente ‘em Deus’), originalmente significava inspiração ou possessão por uma entidade divina ou pela presença de Deus. Atualmente, pode ser entendido como um estado de grande arrebatamento e alegria. Uma pessoa entusiasmada está disposta a enfrentar dificuldades e desafios, não se deixando abater e transmitindo confiança aos demais ao…

Leia mais

“Dominants of Cioranian thinking” (Vasile Chira)

Blogul lui VASILE CHIRA, Februarie 15, 2012 I. Dominants grounded in the structure of transcendence 1. Sanctity and mystical ecstasy Cioran’s obsession about sanctity goes back to the inner biography of the thinker, rather than to the factual one. Having an indisputable weakness for the voluptuousness of ecstasy, he also maintains a queer duplicity towards…

Leia mais

“The contradictory nature of the eros in Emil Cioran’s works” (Vasile Chira)

Blogul lui VASILE CHIRA, Decembrie 16, 2011 If the mystic ecstasy is the point by which Cioran’s thinking gets in touch with the Absolute, and death, boredom and absurd become points of connection to the nothingness, the ros seems to have a double condition, being a sum of contradictions. In a larger proportion than man,…

Leia mais

“Foundations of the nihilism-saintliness concerning Cioran’s thoughtfulness” (Marius Cucu)

Annals of “Ştefan cel Mare” University of Suceava, 53, 2008. 2008. Marius Cucu, Assistant, PhD, Depart. of Philosophy and Social and Political Sciences Faculty of History and Geography, “Ştefan cel Mare” University of Suceava, Romania Abstract: 1. The nihilist ascending lines of the saintliness and the emotional reorientation imposed by the divine erotica 2. An…

Leia mais