“Breviário de Decomposição: livro perigoso e essencial” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Por que reunir-se em torno do Précis de décomposition – e celebrá-lo? Alguns diriam que não há nada aí a ser celebrado, muito pelo contrário. Cioran: pró e contra… Qual a importância do Breviário de decomposição, conforme o temos, desde 1989, primorosamente traduzido ao português pelo professor José Thomaz Brum? Qual sua importância hoje, para […]…

Leia mais

Echoes of Laughter in The Pale Moonlight: Notes on Joker (John Gillen)

MEDIUM, October 16, 2019 “You are only given a little spark of madness. You mustn’t lose it.” — Robin Williams In the late twentieth century, a writer named Emil Cioran was invited to speak in Zurich. He was introduced with much reverence and compared to some of the greatest existentialist philosophers in history like Kierkegaard…

Leia mais

Perfeccionismo, “Obsessão do Essencial” e a condição fragmentária (Cioran)

Nos Cahiers (p. 73), estas 2 anotações, uma seguida da outra: Chercher l’être avec des mots!- Tel est notre donquichottisme, tel est le délire de notre entreprise essentielle. [Buscar o ser com palavras! — tal é o nosso donquixotismo, tal é o delírio de nossa empresa essencial.] Si jamais mortel a été tourmenté, supplicié par…

Leia mais

“Signos gnósticos nos cumes do desespero” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O título, inspirado em manchetes sensacionalistas sobre casos de óbito por suicídio, não deixa de aludir também ao Desespero humano (1849) de Kierkegaard, avidamente estudado pelo jovem Cioran. Seria uma questão ociosa debater se Cioran é um kierkegaardiano que leu Nietzsche ou um nietzschiano que leu Kierkegaard. Muito embora tenha frequentado a escola de ambos,…

Leia mais

“O prazer e o desprazer do texto” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Eu dificilmente poderia discorrer, por desconhecê-lo quase absolutamente, sobre esse plaisir du texte de que fala Roland Barthes. Escrever é, para mim, algo complicado, para não dizer um suplício, um “trabalho de Sísifo”. Quantos rascunhos, quantas versões, quantas e quantas páginas preenchidas apenas para serem descartadas, até chegar no que me parece o ideal, o…

Leia mais

Sobre desastres, escritura fragmentária e outras volúpias: as “Notas Soltas para Cioran”, de Ricardo Gil Soeiro (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

RESENHA DO LIVRO: Volúpia do Desastre: Notas Soltas para Cioran de Ricardo Gil Soeiro Existe um ponto de vista desde o qual o discurso pedagógico é impossível. O que se consegue ver deste ponto cego do espírito – que aqui chamaremos lucidez –, mais que dizer, apaga o dito; nega inclusive quando afirma – a…

Leia mais

“Fisionomia de um fracasso” (E.M. Cioran)

Sonhos monstruosos povoam as mercearias e as igrejas: nunca surpreendi ninguém que não vivesse no delírio. Como o menor desejo oculta uma fonte de insanidade, basta conformar-se ao instinto de conservação para merecer o asilo. A vida, acesso de loucura que sacode a matéria… Respiro: é o bastante para que me enclausurem. Incapaz de alcançar…

Leia mais

“El filósofo del fracaso: Émile M. Cioran” (Costica Bradatan)

Originalmente publicado en inglés: The Los Angeles Book Review, 28 de noviembre, 2016. Este ensayo se incluirá en el libro En elogio del fracaso, título contratado por Harvard University Press. Traducción de María del Carmen Navarrete. Para algunos, fue uno de los pensadores más subversivos de su época, un Nietzsche del siglo XX, sólo que más sombrío y con un mejor sentido…

Leia mais

“Sobre o sucesso” (Emil Cioran)

In: Solitude et destin. Trad. de Alain Paruit. Paris: Gallimard (coll. « Arcades »), 2004. Artigo publicado originalmente em Mişcarea, 18 de julho de 1931 [“Despre succese”]. Um homem sincero me confiou que, tendo apenas sucessos em sua vida, ele não pôde adquirir a consciência de seu valor pessoal, de suas possibilidades e limites. Essa…

Leia mais

“Poétique de l’échec chez Cioran” (Saber Idoudi)

Post-Scriptum – Revue de recherche interdisciplinaire en texte et médias Résumé: Le thème de l’échec est omniprésent chez Cioran. Cette omniprésence a une double singularité : philosophique et littéraire. Si le ratage est, pour Kafka, une question essentiellement personnelle, il prend dans l’œuvre cioranienne une dimension universelle. De l’Être jusqu’aux détails les plus banals de la vie…

Leia mais

Adictos al éxito

En Los bastardos de Voltaire (editorial Andrés Bello), John Ralston Saul sostiene que el racionalismo triunfante privilegia el poder en detrimento de la razón y de la solidaridad. El pensador argentino comenta la obra del canadiense y rastrea sus fuentes. Por Santiago Kovadloff — Para La Nacion– Buenos Aires, 1998 ¿DIAGNOSTICO sombrío? ¿Pronóstico apocalíptico? ¿Cómo…

Leia mais