“O emigrado metafísico: o gnóstico” (Sylvie Jaudeau)

A atitude gnóstica constitui, com efeito, a chave de uma obra representativa das tendências contraditórias deste século: niilismo, angelismo, revolta e fatalismo. Mais precisamente, ela nos fornece a resposta a esta questão que não falha em colocar-se a propósito de Cioran: como o niilismo é compatível com uma criação literária? O ato literário em si…

Leia mais

“Lenguaje interior y aforismo: una analogía” (M. Liliana Herrera A.)

In: HERRERA A., M. Liliana; ABAD T., Alfredo A. (orgs). Cioran en perspectivas. Pereira: Universidad Tecnológica de Pereira, 2009, p. 235-253. [Pdf] Dentro de la investigación llevada a cabo por Vygotsky acerca del pensamiento y el lenguaje, queremos retomar el tema del lenguaje interior para establecer un paralelo entre los planteamientos del psicólogo ruso y…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 2] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Na primeira parte do livro, “Uma juventude entre desespero e fervor político”, Fiore perfaz o itinerário de formação do jovem Cioran na Romênia da década de 30, explorando a dualidade de uma juventude dividida entre o desespero existencial e o fervor político. Não se faz política nos cumes do desespero. Schimbarea la faţă a României…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]…

Leia mais

Só há uma maneira de compreender um sistema filosófico, um único caminho, uma única porta de entrada e uma única saída. Entra-se, perfaz-se o trajeto previamente determinado de uma vez por todas, ad aeternum, e termina-se. Percebe-se o espírito burocrático, de repartição pública, o formalismo lógico e metafísico. Uma obra fragmentária por sua vez, permite […]

via Sistema e fragmento — Leitvras, Escritvras & Poéticas do Fragmento

“Cioran, antípoda de Aristóteles” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

ARISTÓTELES, Tomás de Aquino, Hegel – três escravizadores do espírito. A pior forma de despotismo é o sistema, em filosofia e em tudo. (Do inconveniente de ter nascido) § Beckett, a propósito do Démiurge, me escreve: “Em vossas ruínas, eu me sinto ao abrigo.” (Cahiers) § Não existe filosofia criadora. A filosofia não cria nada. Quero dizer que ela…

Leia mais

“Cioran, el aforismo y la santidad” (Gonzalo Gragera)

LA TRASTIENDA, 2 junio 2017 Asumen los lectores, a base de argumentos ya recurrentes, que los aforismos son un género que crece con la ayuda de las redes sociales, plataformas virtuales en donde  nos invitan a plasmar nuestros pensamientos en píldoras, en pequeños fragmentos, ya sea por límite de caracteres o por lógica de espacio…

Leia mais

Sobre desastres, escritura fragmentária e outras volúpias: as “Notas Soltas para Cioran”, de Ricardo Gil Soeiro (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

RESENHA DO LIVRO: Volúpia do Desastre: Notas Soltas para Cioran de Ricardo Gil Soeiro Existe um ponto de vista desde o qual o discurso pedagógico é impossível. O que se consegue ver deste ponto cego do espírito – que aqui chamaremos lucidez –, mais que dizer, apaga o dito; nega inclusive quando afirma – a…

Leia mais

Escritas do desastre e outras volúpias: entrevista com Ricardo Gil Soeiro, autor de “Notas Soltas para Cioran” (Labirinto, Portugal, 2019)

“A EXISTÊNCIA, para Cioran, oscila sempre nessa delicada tensão entre, por um lado, se assumir como uma tragédia incomensurável e, por outro lado, ser perspectivada como um leve aborrecimento, como um tédio que se tem de suportar… Mas trata-se sempre (como também em Pessoa) de um enquadramento muito específico: de uma teologia sem teologia, uma…

Leia mais

“A experiência do tédio” (Lars Svendsen)

Arnold Gehlen afirmou que só a realidade ajuda a lutar contra o tédio. Essa não é, em absoluto, uma má sugestão, mas não é possível se apossar assim de um fragmento da realidade. O problema com o tédio, entre outras coisas, é que “perdemos” realidade. A proposta de Gehlen poderia parecer uma solução, supondo-se que…

Leia mais

“Cioran e Canetti, il pensiero come frammento” (Gaetano Cellura)

Lunario Nuovo, Rassegna di Letteratura diretta da Mario Grasso. Approssimazioni critiche, dicembre, no. 70/53 nuova serie, sala Giuliano Gramigna, 2015 Due grandi pensatori morti a poca distanza di tempo: Emil Cioran nel 1995 e Elias Canetti nel 1994. Vent’anni dunque sono passati. E nessuno ha pensato, né l’anno scorso né quest’anno, di ricordarli come meritano.…

Leia mais

“Fabrique du fragment. Théories et pratique : le cas Cioran” (Philippe Jousset)

In Pierre Garrigues & Mustapha Trabelsi. L’écriture fragmentale, URLDC, Presses de l’Université de Sfax, 2014, 9789973953209. Généralités Il existe deux grands types de fragment. Soit qu’il désigne la partie d’un tout, ce qui reste d’une entité désormais lacunaire, un vestige, une ruine ; soit qu’il désigne un tout, dans une forme ramassée. L’un relève du manque,…

Leia mais

Cioran: conversación con Fernando Savater

“Creo que la filosofía no es posible más que como fragmento. En forma de explosión. Ya no es posible ponerse a elaborar capitulo tras capitulo, en forma de tratado. En este sentido, Nietzsche fue sumamente liberador. Fue el quien saboteó el estilo de la filosofía académica, quien atentó contra la idea de sistema. Ha sido liberador…

Leia mais

“O fragmento é indestrutível” (Jean-Luc Nancy)

Publicado na Revista Polichinello, 06/02/2013 Ele não é um objeto, não é um gênero, não faz obra. (A vontade fragmentária de Friedrich Schlegel é a vontade mesma da Obra, não voltemos a isso. Mas aquilo que Blanchot nomeia de a exigência fragmentária excede a obra, porque isso excede a vontade.) * Fragmento: o texto é…

Leia mais

“O lugar do escritor – Ensaio sobre Emil Cioran [fragmentos]” (Renato Tapado)

Possivelmente, é o incômodo provocado pelos textos do romeno Emil Cioran (1911–1995) que o torna um escritor praticamente desconhecido no Brasil, com poucos livros traduzidos, apesar de ser publicado na França pela prestigiosa editora Gallimard já desde 1947 e, atualmente, ser conhecido por toda a Europa e em diversos países não europeus… [PDF]

Leia mais

“Beckett y Cioran, cuando la imposibilidad de vivir es un gesto posible – en el centenario del nacimiento de Beckett 1906-1989” (Jorge Jiménez)

Revista de Filosofía Universidade de Costa Rica, XLV (114), 117-120, Enero-Abril 2007. [PDF] Abstract: This paper is about the philosophical and existential interlocution between Beckett and Cioran. I criticize the idea of a “French culture” and I proceed to rethink topics like nihilism o irrationalism. Key Words: Beckett, Cioran, nihilism, aesthetic politic criticismo Resumen: Reflexiono en…

Leia mais

“Emil Cioran e a escritura de si” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Em seu artigo “O ensaio como forma”, Adorno diz que “ainda hoje, elogiar alguém como écrivain é o suficiente para excluir do âmbito acadêmico aquele que está sendo elogiado”.[2] Este parece ser o caso de Emil Cioran, tão frequentemente classificado como um escritor, pura e simplesmente, o que tende a perder de vista o valor…

Leia mais

“El Rompecabezas del Aforismo: Leyendo a Cioran [Centenario]” (Daria Lebedeva)

Madrid en Marco El Aforismo es una forma y un estilo de filosofar. Especialemente es problemático en el caso de Emile Cioran. El estilo de la escritura – el aforismo como la principal forma de expresión del pensamiento- se ajusta a la forma no sistemática de filosofar. Más que otros señala la irrelevancia de proporcionar…

Leia mais