10 anos de (in)existência: um blogue que não dorme desde 2010

Os trabalhos e os dias… Três horas da manhã. Apercebo-me deste segundo, e do que se lhe segue, faço o balanço de cada minuto. Por que tudo isto? — Porque eu nasci. Questionarmos o nascimento resulta de um tipo especial de vigílias. CIORAN, Do inconveniente de ter nascido (1973) Em 2019, o Portal E.M.Cioran🇧🇷 completou…

Leia mais

“Clément Rosset, el profeta de lo real” (Fernando Savater)

El País, 30 marzo 2018 El filósofo francés que teorizó la yuxtaposición de lo real y su doble fallece en París a los 78 años Hay filósofos recomendables y otros que no lo son. Los primeros enseñan a pensar bien, a pensar el bien, defienden las buenas causas, denuncian la explotación, alarman a los gobiernos…

Leia mais

"Triste", por Beatriz Calle

Publicado originalmente em Espacio M. Liliana Herrera A. 🇨🇴:
Cuando al quererlo la suertese mezclan a nuestras vidas,de la ausencia o de la muerte,las penas desconocidas, y, envueltos en el misteriovan, con rapidez que asombra,amigos al cementerio,ilusiones a la sombra, la intensa voz de ternuraque vibra en el alma amantecomo entre la noche oscurauna campana distante,…

Leia mais

“Una filósofa pereirana difusora de Cioran” (Alberto Antonio Berón Ospina)

Caminar con Liliana Herrera solía ser un desafío, porque esa joven contaba con voz propia y pensar propio: fuera reflexionando acerca de la ciudad de Pereira, que ya en los años ochenta mostraba su capacidad de olvido e indolencia. LA COLA DE LA RATA, 01/10/2019 “La poesía nace simultáneamente con la oración, el canto y…

Leia mais

“Poema de Natal” (Vinícius de Moraes)

POEMA DE NATAL Rio de Janeiro , 1946 Para isso fomos feitos: Para lembrar e ser lembrados Para chorar e fazer chorar Para enterrar os nossos mortos – Por isso temos braços longos para os adeuses Mãos para colher o que foi dado Dedos para cavar a terra. Assim será a nossa vida:Uma tarde sempre…

Leia mais

“Às margens do ser (a propósito de Liliana Herrera)” (Alfredo Abad)

Um belo e inspirado texto do filósofo e professor colombiano a esta que foi, além de poeta, escritora e tradutora (mulher polivalente), uma filósofa da existência perfeitamente marginal, ou seja, alheia aos academicismos, às patifarias e à vanitas que são, via de regra, proporcionais ao grau de erudição e de institucionalização, vícios quase onipresentes nos…

Leia mais

“En las margenes del ser (a propósito de Liliana Herrera)” (Alfredo Abad)

Un inspirado y bello homenaje del filósofo y profesor colombiano a esta que fue, además de poeta, escritora y traductora (mujer polivalente), una filósofa de la existencia perfectamente marginal, es decir ajena a los academicismos, a las patrañas y a la vanitas que son por lo general proporcionales al grado de erudición y de institucionalización,…

Leia mais

“O velho e a flor” (Vinícius de Moraes, Toquinho & Quarteto em Cy)

Por céus e mares eu andei Vi um poeta e vi um rei Na esperança de saber o que é o amor Ninguém sabia me dizer E eu já queria até morrer Quando um velhinho com uma flor assim falou O amor é o carinho É o espinho que não se vê em cada flor…

Leia mais

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2019, anno IX Il 27 novembre 2019 si è svolta all’Università Federale di ABC [1] (UFABC) la «Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition» (Breviário de Decomposição), un miniconvegno organizzato per dibattere l’attualità e l’importanza del Sommario di Decomposizione in occasione dell’anniversario dei 70 anni dalla pubblicazione in Francia […]

via Breviário de Decomposição 7.0

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]…

Leia mais

Relatório de uma Jornada Acadêmica: 70 anos do Précis de Décomposition / Breviário de Decomposição (1949-2019)

Realizou-se, na Universidade Federal do ABC (UFABC), em 27 de novembro deste ano de 2019, a Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition (1949-2019): um mini-colóquio dedicado a debates em torno deste que é o primeiro livro escrito por Cioran em francês, e um divisor de águas no conjunto da sua obra. No…

Leia mais

Ele abarca tudo, e tem êxito em tudo; não há nada de que não seja contemporâneo. Tanto vigor nos artifícios do intelecto, tanto desembaraço em abordar todos os setores do espírito e da moda – desde a metafísica até o cinema – deslumbra, deve deslumbrar. Nenhum problema lhe resiste, não há fenômeno que lhe seja […]

via Breviário de Decomposição 7.0

“Breviário de Decomposição: livro perigoso e essencial” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Por que reunir-se em torno do Précis de décomposition – e celebrá-lo? Alguns diriam que não há nada aí a ser celebrado, muito pelo contrário. Cioran: pró e contra… Qual a importância do Breviário de decomposição, conforme o temos, desde 1989, primorosamente traduzido ao português pelo professor José Thomaz Brum? Qual sua importância hoje, para […]…

Leia mais

“Teachers” (Leonard Cohen)

I met a woman long ago Her hair the black that black can go Are you a teacher of the heart? Soft she answered no I met a girl across the sea Her hair the gold that gold can be Are you a teacher of the heart? Yes, but not for thee I met a…

Leia mais

“30 anos da primeira edição brasileira do Breviário de Decomposição” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Encaminhar-se para o fim da história com uma flor na lapela: único traje apropriado no desenvolvimento do tempo. Que lástima que não haja um Juízo Final, que não tenhamos ocasião para um grande desafio!” (Breviário de decomposição) * “O final da história? O fim do homem? É sério pensar nisso? São acontecimentos longínquos que a…

Leia mais

“Estranha forma de vida” (Amália Rodrigues)

“Não discutiremos sobre o dever, pois assim o fazendo, falamos a crianças e a povos em sua infância, e não àqueles que assimilaram em si mesmos toda a cultura de uma época madura. De fato, é uma contradição flagrante denominar a Vontade livre e, no entanto, prescrever-lhe leis segundo as quais deve querer: ‘deve querer!’,…

Leia mais

A Reading of Leonard Cohen’s “The Future” (Heidi Hochenedel)

THE LEONARD COHEN FILES In his 1992 album The Future, poet and musician Leonard Cohen combines images, both sacred and profane, to reveal a stunning vision of the apocalypse and the means to salvation. Although Cohen is a Jewish student of Buddhism, he frequently uses Christian mythology in his writing. The purpose of this essay…

Leia mais

“Phrasing” (Scott Walker)

Together, Scott Walker (1943-2019) & E.M. Cioran (1911-1995) draw up a grammar (and a theology) of pain. From teenage idol and romantic crooner to musical “monster”, the “evil demiurge” of Music: what’s gotten into Scott Walker? Such an enigma would require a thorough transdisciplinary research ranging across psychology, philosophy of music, genetic criticism, and critical…

Leia mais

“Tristesse automatique, robot elegiaque” (Cioran)

Chegamos num ponto da história da tecnociência, particularmente da inteligência artificial, em que é necessário atualizar e substituir o Teste de Turing: doravante seria o Teste de Cioran, para medir a capacidade de um robô de se comportar como um ser humano, sem que o observador perceba a diferença (ou seja, que é um robô…

Leia mais

E. M. Cioran. El origen de una fascinación (Mario Andrea Rigoni)

Culto/La Tercera, 10 Sep 2019 El autor, destacado escritor y profesor italiano, fue también traductor de la obra de Cioran al italiano, cultivando una larga amistad con el rumano devenido apátrida y documentada en el epistolario Mon cher ami, lettere a Mario Andrea Rigoni 1977-1990. Rigoni también ha escrito sobre él en las recopilaciones Cioran dans…

Leia mais

“O veneno abstrato” (E.M. Cioran)

Um importante aforismo do Breviário de decomposição, no tocante ao que muda, na economia do pensamento de Cioran, conforme ele muda de idioma: do nativo, o romeno, ao francês, idioma estrangeiro para um estrangeiro. No fundo (ele mesmo o afirma), seu pensamento, suas “ideias” ou intuições originais (vide Nos cumes do desespero) nunca mudaram, permaneceram sempre os…

Leia mais

Programação da Jornada acadêmica UFABC: 70 anos do Précis de Décomposition (1949-2019)

O Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFABC & o Portal E.M.Cioran têm a honra de anunciar a Jornada Acadêmica – 70 anos do Breviário de Decomposição (1949-2019), convidando a todos e todas que tenham interesse pelo autor e pelo livro em questão. O evento contará com a ilustre presença do prof. José Thomaz Brum (PUC-RJ), filósofo, tradutor do Breviário (entre outros livros…

Leia mais

“Ghosteen” (Nick Cave & The Bad Seeds)

[Verse 1] This world is beautiful Held within its stars I keep it in my heart The stars are your eyes I loved them right from the start A world so beautiful And I keep it in my heart [Bridge] A ghosteen dances in my hand Slowly twirling, twirling all around A glowing circle in my hand Dancing, dancing,…

Leia mais

“Open the Kingdom” (Philip Glass)

Days of fishes Distant roar Turning to speak Turning to hear Turning to speak Turning to hear Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom Open the kingdom In my way In my way Being most uncertain And this remains Still for…

Leia mais

A obra completa de Bach para download gratuito (Carlos Willian Leite)

Revista Bula O site Block Music Records em parceria com a Escola de Música da Universidade de Michigan disponibiliza para download gratuito a obra completa de Johann Sebastian Bach gravada em órgão barroco. As gravações foram feitas pelo professor, compositor e músico James Kibbie, da Universidade de Michigan, entre 2007 e 2009, em Leipzig, Alemanha.…

Leia mais

“Nick Cave and the Bad Seeds: Ghosteen review – a heavenly haunting” (Kitty Empire)

The Guardian, 5 Oct 2019 In the first album wholly written since the death of his son, Cave reaches an extraordinary, sad and beautiful artistic evolution WHAT IS the worst that can happen? And what happens after the worst does? Nick Cave, leader of the Bad Seeds, his band of over 30 years, has had…

Leia mais

“Bright Horses” (Nick Cave & The Bad Seeds)

La disparition des animaux, en fait, leur liquidation, est un acte d’une gravité sans précédent. Leur bourreau a littéralement envahi le paysage. Il n’y a plus de place que pour lui. Quelle tristesse de voir un homme là où on pouvait contempler un cheval! [A desaparição dos animais, sua liquidação de fato, é um ato…

Leia mais

“Fireflies” (Nick Cave & The Bad Seeds)

How about Nick Cave & The Good Seeds (of Mustard)? Jesus lying in his mother’s arms Is a photon released from a dying star We move through the forest at night The sky is full of momentary light And everything we need is just too far We are photons released from a dying star We are fireflies a child…

Leia mais

“Hollywood” (Nick Cave & The Bad Seeds)

At around 8’ 30’’ into the song ‘Hollywood’ the narrator stands on the beach, looking out to sea. Malibu is on fire and the animals have been driven down from the hills to the shore. A sea serpent rises out of the ocean. A small boy drops his bucket and spade and climbs into the sun. Jon, this…

Leia mais