In dialogo con Mirko Integlia su «Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran»

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2019, anno IX È stato pubblicato da poco un nuovo libro su Cioran, uno importantissimo, a giudicare dal tema e dall’approccio: Tormented by God: The Mystical Nihilism of Emil Cioran (Libreria Editrice Vaticana, 2019), scritto dal filosofo e teologo Mirko Integlia. Un’approfondita analisi storico-ermeneutica di questo che l’esegeta concepisce come…

Leia mais

“Lenguaje interior y aforismo: una analogía” (M. Liliana Herrera A.)

In: HERRERA A., M. Liliana; ABAD T., Alfredo A. (orgs). Cioran en perspectivas. Pereira: Universidad Tecnológica de Pereira, 2009, p. 235-253. [Pdf] Dentro de la investigación llevada a cabo por Vygotsky acerca del pensamiento y el lenguaje, queremos retomar el tema del lenguaje interior para establecer un paralelo entre los planteamientos del psicólogo ruso y…

Leia mais

Schopenhauer, pessimismo filosófico e a recepção brasileira de Cioran: Ciprian Vălcan em diálogo com Flamarion Caldeira Ramos

Entrevista originalmente publicada em ARCA – Revistã lunarã de literaturã, eseu, arte vizuale, muzicã (fondatã în februarie 1990 la Arad), anul XXV, nr. 4-5-6, 2014, e incluída no volume Cioran, un aventurier nemişcat. 30 de interviuri [Cioran, um aventureiro imóvel. 30 entrevistas] (Bucureşti, Editura ALL, 2015), com 30 entrevistas feitas por Ciprian Vălcan com de exegetas de Cioran de todo o mundo, das…

Leia mais

Clément Rosset: sobre sabedoria erudita e sabedoria popular (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha para você.” Nietzsche, Além do Bem e do Mal “Ao divinizar a história para desacreditar Deus, o marxismo só conseguiu tornar Deus mais estranho e mais obsedante. Pode-se sufocar tudo no…

Leia mais

“A Maioridade de poucos e a Menoridade de muitos: Esclarecimento, Emancipação e Pessimismo Antropológico em Kant” (Rodrigo Menezes)

Introdução O célebre texto de Immanuel Kant (1724-1804) Resposta à questão: o que é o Esclarecimento?, publicado na revista Berlinischen Monatsschrift em 1784, fora motivado pela publicação prévia, na mesma revista, de um artigo cujo (Johann Friedrich Zöllner, um pastor berlinense) condenava o casamento civil em favor do religioso, polemizando contra a confusão geral que,…

Leia mais

“O pessimismo dos mamíferos inteligentes” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

Observou-se justamente que, na Índia, um Schopenhauer ou um Rousseau jamais seriam levados a sério, pois viveram em desacordo com as doutrinas que professavam. para nós, eis aí precisamente a razão do interesse que nos suscitam. O sucesso de Nietzsche é devido em grande parte ao fato de que ele defendeu teorias às quais, em…

Leia mais

“Cioran, antípoda de Aristóteles” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

ARISTÓTELES, Tomás de Aquino, Hegel – três escravizadores do espírito. A pior forma de despotismo é o sistema, em filosofia e em tudo. (Do inconveniente de ter nascido) § Beckett, a propósito do Démiurge, me escreve: “Em vossas ruínas, eu me sinto ao abrigo.” (Cahiers) § Não existe filosofia criadora. A filosofia não cria nada. Quero dizer que ela…

Leia mais

“Sobre a quadrúplice raiz do princípio de razão suficiente – Uma dissertação filosófica” (Arthur Schopenhauer)

A Editora Unicamp acaba de lançar a primeira tradução brasileira da tese de doutorado de Schopenhauer: Sobre a quádrupla raiz do princípio de razão suficiente, na qual o autor de O mundo como vontade e como representação reconfigura à sua maneira a teoria kantiana do conhecimento. Sobre a quadrúplice raiz do princípio de razão suficiente é…

Leia mais

“Para que serve a filosofia?” (Gilles Deleuze)

“Diógenes objectou, quando louvaram um filósofo diante dele: O que ele tem de grandioso para mostrar, ele que se dedicou tanto tempo à filosofia sem nunca entristecer ninguém? Com efeito, seria preciso colocar como epitáfio sobre o túmulo da filosofia universitária: Ela não entristeceu ninguém.” Nietzsche, Schopenhauer como educador Afastei-me da filosofia no momento em…

Leia mais

“Do conhecimento religioso: sobre um texto de juventude e sua repercussão na obra de Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Além de um sentimento fundamental da existência, a categoria do religioso designa também um tipo especial de conhecimento, aquele que mais importa para Cioran. Num artigo publicado na Revista Teologică (1932), “A estrutura do conhecimento religioso“, o jovem estudante de filosofia na Universidade de Bucareste faz a crítica do racionalismo e afirma a “preeminência do…

Leia mais

“Fogo do céu” (Susan Neiman)

A filosofia não faz nenhum segredo disso. A confissão de Prometeu, “Em uma palavra, odeio todos os deuses”, é sua própria confissão, sua própria frase contra todos os deuses celestes e terrenos que se recusam a reconhecer a autoconsciência humana como a suprema divindade — ao lado da qual nenhuma outra deveria existir. — Marx,…

Leia mais

“Mihai Eminescu between Kant and Schopenhauer” (Angela Botez)

Revista de Filosofie, tomul LVII, no. 1-2 (2010) Abstract. The study examines the huge cultural debt of Romanian culture and philosophy before Mihai Eminescu. In the terms of Emil Cioran, besides Eminescu, everything is approximate. Eminescu is in his view an inexplicable exception for us. He wonders actually how it was possible to have someone…

Leia mais

“Suffering in the mystical traditions of Buddhism and Christianity” (Jakub Urbaniak)

HTS Teologiese Studies/Theological Studies, 70(1), Art. #2117, 9 pages. This article seeks to explore the mystical approaches to suffering characteristic of both Buddhism and Christianity. Through the analysis of the meanings, the two traditions in question ascribe to suffering as a ‘component’ of mystical experience; it challenges the somewhat oversimplified understanding of the dichotomy ’sage-the-robot…

Leia mais

“Gnosticism & Modern Nihilism” (Ioan P. Culianu)

Wo keine Göter sind, walten Gespenster. — NOVALIS 1. The Birth of Nihilism The intention here is not to summarize the debate surrounding nihilism, a concept that appeared in 1799 and continues to be a very live option. I It will suffice to sketch in a few lines the essence of this “uncanny guest” (Nietzsche)…

Leia mais

“Husserl and Shestov: philosophical antipodes” (Katarzyna Szepieniec)

ARGUMENT, vol. 4 (1/2014), pp. 135–153. ABSTRACT: The paper contains the general characteristics of the relation between Lev Shestov’s philosophy of existence and transcendental phenomenology of Edmund Husserl. The analysis was largely inspired by Cezary Wodziński’s research on Shestov’s writings, including his book published in Polish entitled Wiedza a zbawienie. Studium myśli Lwa Szestowa (1991).…

Leia mais

“Sur les rives de l’Ilissus : après la mort de Léon Chestov” (Benjamin Fondane)

Τι ουν φιλοσοφια; το τιµιωτατον Plotin, Enn., I.3.V La vie et la pensée de Leon Chestov ont été dominées, d’un bout à l’autre, par ce que Plotin avait appelé, το τιµιωτατον, le plus important. C’est la plus énigmatique de toutes les défiintions qu’on ait jamais données de la philosophie, la moins rigoureuse qui se puisse…

Leia mais

“Shestov : Faith Against Reason” (Adam Drozdek)

Laval théologique et philosophique, 63(3), 473–493. Faculté de philosophie, Université Laval et Faculté de théologie et de sciences religieuses, Université Laval. [PDF] Résumé : Selon Chestov, la connaissance est incompatible avec la liberté, qui ne peut être trouvée que grâce à la foi, parce qu’elle établit ses vérités en vertu des principes de nécessité et…

Leia mais

“E.M. Cioran: seductor del silencio” (José Luis Álvares López Tello)

ANALE SERIA DREPT, volumul XXVII, 2008, Universitatea “Tibiscus” din Timișoara Title: E. M. Cioran: Seducer of Silence Abstract: In this writting I explore the attempt of mutism that is treated by Cioran throughout all his philosophical work, aspect wich always seduced him. In the same way, there are also shown some of the implications and consecuences…

Leia mais

“Adeus à Filosofia” (E.M. Cioran)

AFASTEI-ME DA FILOSOFIA no momento em que se tornou impossível para mim descobrir em Kant alguma fraqueza humana, algum acento de verdadeira tristeza; em Kant e em todos os filósofos. Comparada à música, à mística e à poesia, a atividade filosófica provém de uma seiva diminuída e de uma profundidade suspeita que guardam prestígios somente…

Leia mais

“The contradictory nature of the eros in Emil Cioran’s works” (Vasile Chira)

Blogul lui VASILE CHIRA, Decembrie 16, 2011 If the mystic ecstasy is the point by which Cioran’s thinking gets in touch with the Absolute, and death, boredom and absurd become points of connection to the nothingness, the ros seems to have a double condition, being a sum of contradictions. In a larger proportion than man,…

Leia mais

“Progresso e agonia: a concepção de história em Kant e Cioran” (Rossano Pecoraro)

In: MENEZES, Edmilson; DONATELLI, Marisa (orgs.), Modernidade e a ideia de história. Ilhéus: EDITUS (Editura da Universidade Estadual de Santa Cruz), 2003, pp. 86-105. [Pdf] O constante progresso para o melhor, o desenho oculto, mas racional, da natureza,  o fio condutor a priori na história do mundo (Weltgeschichte), a fundação da afirmação relativa ao progresso…

Leia mais

Emil Cioran comme prophète de la vraie sainteté (à propos de Mircea Vulcanescu) (Isabela Vasiliu-Scraba)

Fonte: IsabelaVS-Cioran-Vulcanescu-fr En tant qu’étudiant, Emil Cioran pensait que la crise des valeurs culturelles signifiait l’abandon du domaine de l’esprit à faveur du domaine de l’âme. A cette époque-là, il était fasciné par l’esprit incorporé dans la pensée kantienne. Il avait choisi Kant pour son mémoire de licence (1) sous la direction du fameux Nae…

Leia mais

“O primado do artista sobre o filósofo” (José Thomaz Brum)

Este artigo procura apresentar a obra póstuma do filósofo alemão Schelling (1775-1854) intitulada Filosofia da Arte. Lançada no Brasil pela Edusp, com tradução e prefácio de Márcio Suzuki, ela constitui um verdadeiro “compêndio do saber romântico”. Palavras-chave: Schelling, idealismo alemão, filosofia da arte Friedrich Wilhelm Joseph Schelling (1775-1854), filósofo guia da escola romântica, pertence –…

Leia mais