Tal como foi publicado pela editora Gallimard em 1949, o primeiro livro escrito em francês pelo romeno Emil Cioran, Breviário de Decomposição, tem por autor E.M. Cioran, como, de resto, os livros escritos em francês que se seguirão; hoje em dia, porém, após o sucesso de Exercícios de admiração, de 1986, lê-se em muitas das […]

via “Quem escreveu o Breviário de Decomposição?” (Nicolas Cavaillès) — Breviário de Decomposição 7.0

Perfeccionismo, “Obsessão do Essencial” e a condição fragmentária (Cioran)

Nos Cahiers (p. 73), estas 2 anotações, uma seguida da outra: Chercher l’être avec des mots!- Tel est notre donquichottisme, tel est le délire de notre entreprise essentielle. [Buscar o ser com palavras! — tal é o nosso donquixotismo, tal é o delírio de nossa empresa essencial.] Si jamais mortel a été tourmenté, supplicié par…

Leia mais

Entretien avec Cioran realisé par Michael Jakob (1989)

A près de 80 ans, Emil Cioran se disait toujours habité par les insomnies qui l’avaient cueilli très jeune, à l’âge où il était encore lycéen, en Roumanie. Un asile fécond puisqu’on doit une partie de son oeuvre à ces nuits sans sommeil et cependant “une malédiction”, confiait l’auteur roumain en 1989. Lucide ou suicidaire,…

Leia mais

“Cioran: a reflection on decadence as a lifestyle” (Angelo Mitchievichi)

DACOROMANIA LITTERARIA, IV, 2017, pp. 12–33 “All’s good if it’s excessive.” Pier Paolo Pasolini, Salò, or the 120 Days of Sodom I, the Decadent The term “decadence” generated ample debate during the nineteenth century among historians, philosophers, scholars and writers. Its derived term, decadentism – coined by the low-profile literary critic Anatole Baju and writ…

Leia mais

“Relatório sobre um relatório de atividade universitária (1938-1939)” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

(Re)lendo o relatório “sur mon activité universitaire pendant l’année universitaire 1938-1939”, do jovem Cioran. Que delícia digestiva após um almoço não menos delicioso (ensopado de peixe com pirão, além de 4 potinhos de uma sobremesa cujo nome não me recordo, e pouco importa, o importante sendo o manjar em si, cuja quantidade consumida não faz senão trair…

Leia mais

“Obsessão do Essencial” (E.M. Cioran)

QUANDO TODA INTERROGAÇÃO parece acidental e periférica, quando o espírito busca problemas sempre mais vastos, acontece que em seu avanço já não tropeça em nenhum objeto, apenas no obstáculo difuso do Vazio. Desde então, o impulso filosófico, exclusivamente voltado para o inacessível, expõe-se à falência. Quando examina as coisas e os pretextos temporais, impõe-se preocupações…

Leia mais

“D’une langue à l’autre : vers une poétique de la traduction dans l’œuvre de Cioran” (Dumita Baron)

Atelier de traduction, 1, Editura Universităţii din Suceava, 2004, p. 67. « On n’habite pas un pays, on habite une langue. » (Cioran) Introduction Une analyse de l’œuvre d’Emil Cioran (1911-1995), écrivain français d’origine roumaine, suppose une confrontation avec le problème de l’impossibilité de comprendre le texte, impossibilité qui résulte non seulement de l’ambiguïté extrême de…

Leia mais

“Cioran – Breaking off Identity. A New Beginning” (Cornel Moraru)

Journal of Romanian Literary Studies, 1, Arhipelag XXI Press, Tîrgu-Mureş, 2011, p. 17-24. Abstract: The paper attempts to focus on a deep modification in Cioran’s thinking that is simultaneous with his decision of writing only in French. In this moment of linguistic conversion a genuine “identity rupture”, also marked by a slight change of his name:…

Leia mais

“Cioran, între Liiceanu şi Baudelaire” (George Pruteanu)

Dilema, nr. 159, 160, 26 ian. şi 2 feb. 1996 Cu orice risc, voi începe ”memorialistic” acest comentariu, descriind, cît pot de repede, relaţiile mele cu textele celor doi autori ai cărţii de faţă*. Primul Cioran, chiar Précis de…, mi-a căzut (acesta e cuvîntul) în mînă acum vreo 20 de ani, fiindu-mi trimis (din Anglia, mi…

Leia mais

“Historia y nostalgia en Cioran” (Ernesto Parra)

El País, 30 de Agosto de 1978 Los textos de Cioran han encartado siempre una gran dosis de escepticismo, instrumento engendrado desde su crítica lucidez y exquisito sentido de la ironía. Su capacidad de sugerencia es innegable: la duda y el desaprendizaje sirven de método de abordaje a cuestiones tan inasibles y ambiguas como la historia, la nostalgia, el tiempo o…

Leia mais