“Platão era de esquerda ou de direita?” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Um dia, num café, estava eu lendo Schopenhauer (na verdade, o livro de Clément Rosset, Schopenhauer, philosophe de l’absurde), quando passa por mim uma moça, por volta dos seus vinte anos, fitando a capa do livro com ar de interesse, e mesmo de familiaridade. Na fila do caixa, na minha frente, ela comenta que viu…

Leia mais

“Uma poética sobre NADA? O niilismo em Augusto dos Anjos” (Leonardo Vicente Vivaldo)

Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Ciências e Letras – Unesp/Araraquara, como requisito para obtenção do título de Mestre em Letras (Estudos Literários). [PDF] Lambe a ferida o animal ferido E se dissolve em língua, carne, pele, Dentes inúteis, espalhados. Cada parte reclama a sua parte De…

Leia mais

“Hans Jonas: o problema do dualismo nihilista no pensamento filosófico-científico e a nova memória acerca da natureza em sua alteridade” (Márcio Adriano dos Santos Dias)

Problemata: R. Intern. Fil. Vol. 04. No. 01. (2013), p. 79-­109 Resumo: Busca-­se, neste artigo, realizar uma análise de caráter crítico, apoiada na apresentação de alguns aspectos centrais do pensamento jonasiano, acerca do problema do dualismo niilista incorporado em parte do pensamento filosófico-­científico. Tal dualismo tem incidido na formação da memória ocidental da natureza, tanto…

Leia mais

“E.M. Cioran: seductor del silencio” (José Luis Álvares López Tello)

ANALE SERIA DREPT, volumul XXVII, 2008, Universitatea “Tibiscus” din Timișoara Title: E. M. Cioran: Seducer of Silence Abstract: In this writting I explore the attempt of mutism that is treated by Cioran throughout all his philosophical work, aspect wich always seduced him. In the same way, there are also shown some of the implications and consecuences…

Leia mais

“Reflexões sobre o niilismo” (Maurice Blanchot)

1. Nietzsche, hoje Que houve com Nietzsche, hoje? Essa pergunta é inicialmente anedótica: ela interessa à história e às fofocas da história. Ela visa em seguida aos intérpretes e às interpretações de Nietzsche, tais como os encontramos na Alemanha e na França: trata-se, observemos, dos maiores nomes, Jaspers, Heidegger, Lukács, Karl Löwith, Bataille, Jean Wahl,…

Leia mais

O budismo e o “silêncio sobre Deus”: entrevista de Faustino Teixeira à monja Coen Roshi

Blog da monja Coen Roshi NEM ATEU, NEM NIILISTA. Esses adjetivos são incorretos para se entender o budismo, que advoga o “silêncio sobre Deus” como uma maneira de questionar as “tentativas ilusórias e problemáticas que acompanham as tradicionais perguntas sobre Deus: muitas vezes são perguntas incorretas, indevidas e lesivas da “transcendência da realidade à qual…

Leia mais

“Nós, os trogloditas” (E.M. Cioran)

OS VALORES não se acumulam: uma geração só produz algo novo pisoteando o que havia de único na geração precedente. Isto é ainda mais verdadeiro para a sucessão das épocas: o Renascimento não pôde “salvar” a profundidade, as quimeras, a espécie de selvageria da Idade Média; o Século das Luzes, por sua vez, só guardou…

Leia mais

“Mas, Cioran, atman ou anatman? Eis a questão…” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“A vida é o lugar de minhas paixões: tudo o que arranco da indiferença, restituo-lhe quase imediatamente. Não é esse o procedimento dos santos: escolhem de uma vez por todas. Vivo para desprender-me de tudo o que amo; eles, para embevecer-se com um só objeto; eu saboreio a eternidade, eles se abismam nela.” Breviário de…

Leia mais

“Heidegger e Cioran leitores de Nietzsche: repercussões da questão do niilismo nos pensamentos do ser e do nada” (Filipe Caldas Oliveira Passos)

Revista Lampejo, nº 6 – 02/2014 FILIPE CALDAS OLIVEIRA PASSOS – Professor do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Resumo: O presente artigo aborda a influência da filosofia de Nietzsche, mais especificamente, da questão do niilismo, nos pensamentos de Heidegger e Cioran, salientando o modo como essa influência contribuiu para a divergência de…

Leia mais

“Note sul nulla: un’indagine sul nichilismo nel pensiero di Emil Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Orizzonti Culturali Italo-Romeni, maggio 2017, anno VII Senza Dio tutto è nulla. E Dio? Nulla supremo. Sillogismi dell’amarezza Che peccato che il «nulla» sia stato svalutato dall’abuso che ne hanno fatto filosofi indegni di esso! Squartamento «Il bene stesso è un male», affermò Cioran in un’intervista. Il commento, emblematico del suo pensiero metafisico, rivela una delle…

Leia mais

“Notas sobre o nada: a propósito de niilismo em Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Sem Deus, tudo é nada; e Deus? Nada supremo. Silogismos da amargura Que lástima que o “nada” tenha sido desvalorizado pelo abuso de que foi objeto por parte de filósofos indignos dele! Écartèlement Paradoxos e controvérsias “Mesmo o bem é um mal”,[1] observou Cioran numa entrevista. O comentário, emblemático do seu pensamento metafísico, dá a conhecer…

Leia mais

“O suicida ou a era do niilismo” (Ciprian Vălcan)

A Zazie Edições, editora independente e sem fins lucrativos, publicou em 2016 o ensaio filosófico O suicida ou a era do niilismo, de Ciprian Vălcan. A tradução é de Fernando Klabin, tradutor de diversos autores romenos ao português, incluindo Cioran (Nos cumes do desespero). O livro compõe a coleção Pequena Biblioteca de Ensaios da editora carioca, coordenada por Laura…

Leia mais

Entrevista com Renzo Rubinelli: andanças, encontros, escrituras e a recepção de Cioran na Itália

Busco fazer uma exegese do pensamento de Cioran que evidencia como o tempo está na raiz de toda a sua reflexão. Para Cioran, Tempo é Destino. A maldição de nossa existência é a de sermos “encarcerados” na linearidade do tempo, que procede de um paradisíaco passado pré-temporal em direção a um destino de morte e decomposição. Trata-se de…

Leia mais

“Estilhaços digressivos: experiências de um leitor imerso nas ruínas narrativas de Shmuel Yosef Agnon” (André Folador)

A tentativa de definir um tema para este trabalho me parece um tipo de profanação da complexidade do romance Hóspede por uma noite e das insondáveis intenções estéticas e filosóficas de Sch. I. Agnon. Em vez de demarcar um tema, pretendo estabelecer uma soma de reflexões (conexas e possivelmente desconexas) e, seguindo a trilha que…

Leia mais

“Fe y escepticismo. La correspondencia entre E.M. Cioran & M.D. Molinié” (Sergio García Guillem)

Texto publicado en La Torre del Virrey – Revista de Estudios Culturales, serie 10, nº 361, 2012/1 “[…] ¿No han tenido nunca esta sensación, después de un gran susto o en un momento muy terrible, cuando el entendimiento conserva aún toda su lucidez, pero ha perdido ya todo su poder?” F.M. DOSTOIEVSKI, El idiota. “On…

Leia mais

“A narrativa de Deus nas religiões não monoteístas: um olhar sobre a Escola de Kyoto” (Faustino Teixeira)

Publicado no livro eletrônico do Instituto Humanitas: X Simpósio Internacional IHU. Narrar Deus numa sociedade pós-metafísica, pp. 916-937. Republicado no website da Monja Coen. Artigo do Prof. Dr. Faustino Teixeira – PPCIR-UFJF Introdução Em instigante artigo, Scott Randall Paine desenvolve a complexa questão do desafio do Oriente para a filosofia ocidental. Argumenta em favor de…

Leia mais

“O amargo saber de Cioran” (José Thomaz Brum)

O Globo, domingo, 10 de fevereiro de 1991 É uma ironia e um estranho acaso o fato de ser publicado um livro de Cioran (“Silogismos da amargura”, editora Rocco, 98 pags. Ainda sem preço) em um momento em que a humanidade — mais uma vez — põe em cena o único personagem imutável de sua…

Leia mais

“Cioran, la révolution et le nihilisme” (Mathieu Bock-Côté)

Journal de Montreal, 28 juillet 2012 Je relisais cet après-midi le Précis de décomposition (1949) de Cioran, un philosophe qui a exploré les replis les plus intimes de l’âme humaine. Qui n’a pas hésité à s’enfoncer dans ses zones les plus sombres pour la dévoiler. J’y retrouve ce passage. «Je n’aime que l’irruption et l’effondrement des choses,…

Leia mais

Entrevista: Alfredo Abad fala da recepção de Cioran na Colômbia e outros temas

Tradução do espanhol: Rodrigo I. R. S. Menezes Alfredo Abad (Colômbia) é professor de Filosofia na Universidad Tecnológica de Pereira; diretor do grupo de estudos “Filosofia e ceticismo”; autor dos livros Filosofía y literatura, encrucijadas actuales (2007), Pensar lo implícito en torno a Gómez Dávila (2008), e Cioran en perspectivas (2009), em coautoria com Liliana…

Leia mais

“Entrevista a Alfredo Abad sobre la recepción de Cioran en Colombia y otros temas” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

Alfredo Abad (Colombia) es Profesor de Filosofía de la Universidad Tecnológica de Pereira; Director del grupo de investigación Filosofía y escepticismo; ha publicado los libros Filosofía y literatura, encrucijadas actuales (2007), Pensar lo implícito en torno a Gómez Dávila (2008), Cioran en perspectivas con Liliana Herrera (2009). Organiza anualmente al lado de la Prof. María…

Leia mais

“Para que ler?” (Nicolas Cavaillès)

Grande leitor, Cioran parecia assim desmentir seu pessimismo: se ele ainda buscava, devia muito bem permanecer uma sombra de esperança. Mas ele não estava à procura de argumentos salvadores, e sim de irmãos de fatalismo. Por Nicolas Cavaillès Texto publicado no dossiê “Cioran: désespoir, mode d’emploi”, Magazine Littéraire no. 508, Maio de 2011 A absurdidade…

Leia mais

Mélancolie haineuse (Constantin Zaharia)

Article par Constantin Zaharia publié dans La Revue de l’Association Roumaine des Chercheurs Francophones en Sciences Humaines (ARCHES), tome 1, 2001 La dimension nihiliste du discours de Cioran ne peut échapper a quiconque s’adonne a la lecture de ses livres. En les parcourant, nous sommes frappés par les jugements impitoyables portés sur maints sujets, qui subissent…

Leia mais

Les modernes et la négativité

Par Daniele Carluccio, publié dans Fabula – Recherche en littérature Modernités, n° 33, 2012 : « Nihilismes ? », sous la direction de Éric Benoit et Dominique Rabaté, EAN 9782867817663. Mot(s)-clé(s): Modernité – Littérature – Nihilisme – Néant Explorer la littérature moderne revient à se confronter, inévitablement, à la négativité qui lui est inhérente. La revue Modernités,…

Leia mais

A sabedoria da desilusão (José Thomaz Brum)

A SABEDORIA DA DESILUSÃO* José Thomaz Brum “Equivocar-se. viver e morrer enganados, isto é o que fazem os homens. Mas existe uma dignidade que nos preserva de desaparecer em Deus e que transforma todos os nossos instantes em orações que não faremos jamais.” (Précis de décomposition) A filosofia não é apenas, nem principalmente, uma análise da linguagem ou uma…

Leia mais

“Portrait de Cioran. Comment Cioran m’a sauvé la vie” (Roland Jaccard)

ALKEMIE – Revue Semestrielle de Littérature et Philosophie, no. 6 («Cioran») L’enfant que j’étais comprenait mal que ses parents l’aient jeté dans cette fournaise qu’était le monde. Il les jugeait inconscients. En temps de paix et de prospérité, passe encore. Mais en 1941… L’adolescent que j’étais avait lu Bouddha et partageait son pessimisme. Il ne…

Leia mais

“Cioran : un nihiliste au Panthéon” (Frédéric Schifter)

Marianne, 26 Novembre 2011 L’auteur de « Métaphysique du frimeur », Frédéric Schiffter, revisite pour nous l’oeuvre de Cioran à l’occasion de la parution de ses oeuvres complètes dans La Pléiade. Biarritz, je connais un type, patron de plusieurs bistrots et collectionneur des livres de La Pléiade. Il m’est arrivé d’aller une fois chez lui. Dès…

Leia mais

“Noir Cioran” (Phillippe Sollers)

La scène se passe en Roumanie dans les années 1930 du XXe siècle, c’est-à-dire nulle part. Il y a là un fils de pope particulièrement brillant et agité : Cioran. Il souffre, il déteste son pays, il suffoque, il n en peut plus, il rêve d’un grand chambardement révolutionnaire, il est mordu de métaphysique mais…

Leia mais

“El drama del exilio y la nostalgia del origen” (Catalina Elena Dobre)

Milenio.com, México, 04/09/2011 “El orgullo de un hombre nacido en una pequeña cultura siempre está herido” dice el filósofo rumano Gabriel Liiceanu, y esta frase podría darnos la clave del personaje que ha acompañado su obra. Ni pesimista ni nihilista, ni místico ni escéptico, Emil Cioran es sólo un hombre al margen de la vida —como él…

Leia mais

“Un caníbal en París” (Rafael Narbona)

El Cultural, España, 08/04/2011 Emile M. Cioran (Rasinari, Tansilvania, 1911-París, 1995) cultivó el desarraigo, el nihilismo, la desesperación y una autocomplaciente megalomanía: “Durante toda mi vida he alimentado la extraordinaria pretensión de ser el hombre más lúcido que he conocido”. Es imposible leer estas líneas y no recordar a Nietzsche, planteándose en Ecce Homo: “Por qué…

Leia mais

“Beckett y Cioran, cuando la imposibilidad de vivir es un gesto posible – en el centenario del nacimiento de Beckett 1906-1989” (Jorge Jiménez)

Revista de Filosofía Universidade de Costa Rica, XLV (114), 117-120, Enero-Abril 2007. [PDF] Abstract: This paper is about the philosophical and existential interlocution between Beckett and Cioran. I criticize the idea of a “French culture” and I proceed to rethink topics like nihilism o irrationalism. Key Words: Beckett, Cioran, nihilism, aesthetic politic criticismo Resumen: Reflexiono en…

Leia mais

“Marginalidad filosófica de Cioran” (María Dolores Jaramillo)

Emilio Cioran: creencias y esperanzas de un escéptico — María Dolores Jaramillo, Bogotá, Universidad Nacional de Colombia, 2002 (178 pp.) Émile Michel Cioran, filósofo rumano que dejó su país y su familia para empeñar su existencia en la faena de escritor, llegó a París huyendo de totalitarismos e ignorancia. Fue un pensador marginal, siempre viviendo en la…

Leia mais