Vida de tradutor

Em viagem à Romênia, a jornalista Elisianne Campos entrevista o paulistano Fernando Klabin, funcionário da Embaixada do Brasil em Bucareste e tradutor de grandes nomes da literatura e da cultura romenas

Entrevista realizada por Elisianne Campos e publicada em O Povo, 04/02/2013

Desde que teve sinal verde para ingressar na União Europeia, em 2007, a Romênia vem sofrendo um gradual processo de modernização, na tentativa de ocupar um patamar de igualdade em relação aos seus companheiros de bloco. Encravada no leste da Europa, a Romênia é uma ilha de latinidade no meio de uma encruzilhada cultural predominantemente eslava, que permaneceu fechada durante 22 anos (1967 a 1989), sob o regime comunista de Nicolae Ceasescu.

O romeno é uma espécie de primo distante do português que, visto de perto, nem parece tão distante assim. Em uma viagem de estudos à Bulgária, decidi passar também pela Romênia, e em Bucareste conheci Fernando Klabin, paulistano apaixonado por esse país que, para a maioria de nós, é um mistério. Funcionário da Embaixada do Brasil em Bucareste e tradutor, Klabin já transpôs para o português grandes nomes da literatura e da cultura romenas, como Lucian Blaga e Mircea Eliade, e traduziu para o romeno o clássico do economista brasileiro Celso Furtado, A formação econômica do Brasil. Há 15 anos no país, ele não consegue dizer ao certo o que há de comum entre romenos e brasileiros, mas afirma: “Acho que existe uma comunhão mental que está além da língua”.

Encontramo-nos para esta entrevista em um prédio pequeno, mas que guarda em si muitos significados para os bucarestinos. Em um dos cantos da Piata Revolutiei, de onde Ceausescu viu explodir a revolução que culminou com seu fuzilamento e de sua esposa, em 1989, há um edifício cujas paredes antigas contornam uma construção de estilo moderno. O prédio era utilizado pelo serviço de informações romeno para torturar opositores ao regime. As instalações foram desativadas, deram lugar à sede da Ordem dos Arquitetos da Romênia e a um restaurante, mas a memória foi preservada na fachada intocada e nas fotografias da década de 1980 que recobrem as paredes… [+]

 

Interview with Renzo Rubinelli: the Italian reception of Cioran

My aim is to carry out an exegesis of Cioran’s thought so as to evince how the issue of time is the basis of all his meditations.  To Cioran, time is destiny. The curse of existence is that of being “incarcerated” in the linearity of time, which stems from a paradisiacal, pre-temporal past, toward a destiny of death and decay. It is a tragic worldview of Greek origin embedded  in a Judeo-Christian conception of time, though deprived of éscathon. But can we be sure that Cioran dismisses each and every form of salvation?

Renzo Rubinelli

In this interview, Italian philosopher Renzo Rubinelli shares with us some of his intuitions on the works and life of Emil Cioran. Profound connaisseur of Cioran’s thought (to which he dedicated his bachelor’s degree in Philosophy), having moreover met the Romanian-French author in person, Rubinelli talks about fundamental themes such as Cioran’s view of Time as Destiny, his philosophical passions and obsessions, besides his own wanderings and encounters with that who would be defined, by Time magazine, as the “king of pessimists”.

Renzo Rubinelli was born in Verona and graduated from the Ca’ Foscari University in Venice, in 1988, with a degree in Philosophy.  His undergraduate thesis, Tempo e destino nel pensiero di E. M. Cioran (“Time and destiny in E. M. Cioran’s thought”) was directed by Italian philosopher Emanuele Severino and was published by Italian publishing house Aracne, in 2014. Rubinelli has contributed to Nuova Italia Editrice, participated in several conferences on Cioran and published countless articles in academic and nonacademic reviews such as Il Sole 24 Ore, L’Arena di Verona, Il Giornale di Vicenza, Bresciaoggi, Il Gazzettino, Verona Fedele and the Romanian philosophical review Alkemie. Rubinelli also works as a manager for Retail e Profumeria and runs the Azienda agricola Rubinelli Vajol, specialized in the production of Amarone (a typical dry wine from the region of Valpolicella). He lives in Valpolicella, near Verona.

EMCioranBR: Mr. Rubinelli, first and foremost I would like to thank you for granting us this interview. It is a privilege for us to read about your rapports with Cioran his thought and works, the man himself… Our first question: how did you discover Cioran?

R.R.: First of all, I would like to thank you for this interview, Rodrigo. We have not personally met, but I must say I appreciate the effort you make out of pure passion, in favor of the promotion of Cioran’s thought in Brazil and worldwide. It is not a big deal, but since you ask I feel pressed to exhume some old memories. The first time I laid my eyes on a book by Cioran, thus getting to know of his existence, was at university, in San Sebastiano, Venice, in the great hall of the Institute of Philosophical Studies. It was 1986, I believe. A researcher, whose name was Moro, as far as I can remember, was coming down the stairs (he was giving a course on McLuhan), and he held a copy of Il demiurgo cattivo (The new gods, as translated by Richard Howard), which had recently been published by Adelphi. The title did not not actually appeal to me, and I must say that I found it strange for a McLuhan specialist to be interested in a book with such an old-fashioned title. Months later I asked Professor Severino about the possibility of undertaking, under his direction, a thesis about the subject of Destiny. He promptly accepted it and provided me with a list of authors: Rensi, Untersteiner, Spengler, Nietzsche. Then I came to read in a magazine an article on Squartamento (Drawn and quartered) written by Severino himself, and which contained the following quote from Mahabharata: “The knot of destiny cannot be untied. Nothing in this world is the result of our own acts”, claimed Cioran. “Here is my author”, I thought to myself. I thus suggested to dedicate my research to Cioran and the subject of Destiny, which Severino enthusiastically approved of. Thus began a journey of study and of life, which ended up leading me to meet the author himself, his Parisian and Romanian family, his homeland.

EMCioranBR: Could you tell us a little about the Italian reception of Cioran’s works? It is known that Cioran has many well-known readers in Italy, where his books are published, as you have mentioned, by Roberto Calasso’s Adelphi. Franco Volpi, for instance, was one of his readers. There is a comment in his book Il nichilismo (“Nihilism”) in which Volpi regards Cioran as the representative of a “gnostic fashion of nihilism”. Can it be said that there has been established in Italy a tradition of Cioran studies even though a recent one, since we are dealing with a rather up-to-date author? Who are the main Italian commentators of Cioran? What are the main works dedicated to his life and works ?

R.R.: Cioran’s first book to be published in Italy was Squartamento (Drawn and quartered) launched by Adelphi in 1981, even though some other titles had already been published in the previous decade by right-wing publishing houses, even if they had not had much repercussion. It was precisely thanks to Adelphi, and to Ceronetti’s wonderful introduction, that the name of Cioran became well-known to the Italian readers. Roberto Calasso is a great cultural player, but he is a rather arrogant person and, I must say, ungallant as well. My encounters with Cioran and Severino, two giants of thought, allowed me to understand how the true greatness is always accompanied by genuine humbleness a gentleness. Virtues which Calasso, in my opinion, lacks and I say so based on the personal experience I have had with him in more than one occasion. Unfortunately, Volpi left us too early due to a banal accident while riding his bicycle on the Venetian hills (northeast of Italy), not far away from where I live. His intelligence illuminated us for a long a time. In 2002, he wrote a piece on Friedgard Thoma‘s book, Per nulla al mondo, releasing himself once and for all from the choir of censors, who had soon made their apparition. I enjoy recalling this marvellous passage: “Under the influence of passion, Cioran reveals himself. He jeopardizes everything in order to win the game, reveals innermost dimensions of his psyche, surprising features of his character… Attracted by the challenge of the eternal feminine, he allows secret depths of his thought to come to surface: a denuded thought before the feminine look which penetrates him…”
“Gnostic nihilism” is without a doubt an appropriate definition for Cioran. But what is “nihilism”, after all? The term suits Cioran first and foremost from a theoretical standpoint, as I shall explain later on. The emphasis should lie on the adjective “gnostic” more than anything else. The gnostic idea of Caduta nel tempo (The fall into time) feeds all of Cioran’s works from beginning to end, without exception.
There are in Italy many brave young minds who dedicate themselves to Cioran’s thought: Rotiroti, Carloni, Pozzi, Bulboaca, Vanini, Di Gennaro, Cicortas, Scapolo, Chelariu. Their works are all extremely valuable, but if you want to know my preferences, I would mention the works of Carloni, Rotiroti and Bulboaca.

EMCioranBR: You are the author of a book about Cioran: Tempo e destino nel pensiero di E. M. Cioran (Aracne Editrice, 2004). According to Mihaela-Genţiana Stănişor, it moves between Emanuele Severino’s eternity and Cioran’s nihilism. It holds a beautiful title which, by the way, seems to synthesize the essence of Cioran’s thought, besides echoing the title to one of Cioran’s own books, the collection of essays of his youth period published as Solitude et destin. What does existence mean to Cioran? What is Man according to him, and Man’s rapport with time? Would you say his is a tragic thought or rather a metaphysical nihilism?

R.R.: My book undertakes a theoretical exegesis of Cioran’s thought so as to evince how the problem of Time is the basis for all his meditation. The connective “and” of the title becomes the supporting verb for the thesis I intend to sustain: Time is Destiny. The curse of existence is that of being “incarcerated” in the linearity of time, which stems from a paradisiacal, pre-temporal past, toward a destiny of death and decay. It is, to sum up, a tragic worldview of Greek origin embedded in a Judeo-Christian conception, though deprived of all éscathon. But can we be sure that Cioran dismisses each and every form of salvation? There are two polarities which communicate in my book: Severino’s absolute eternity and Cioran’s explicit nihilism. From Severino’s point of view, one might as well define Cioran’s thought as the becoming aware of nihilism inherent to the Western conception of Time. And in Cioran’s mystical temptation, on the other hand, one may find a sentimental perception of Being which seems to point to the need, the urge, the hope, so to speak, for an overcoming of Western hermeneutics of Becoming and for an ulterior word that is not Negation. The book starts with an account of my three encounters with Aurel, Cioran’s brother, in the years of 1987, 1991 and 1995, and of my two encounters with Emil, in 1988 and 1989. The book also includes all the letters which Cioran wrote to me, plus countless photographs. After the first part, there comes a bio-bibliographical inquiry on his Romanian years, a pioneer work of exhumation at a time when there were no reliable sources on the matter.

EMCioranBR: Cioran made friends with people from different nationalities. Could it be said that he was no less fascinated with Italy than he was with Spain? Leopardi, for example, is one of the poets he cherished most. What are your views on the elective affinities between Cioran and Italy?

R.R.: I would not go as far as to say that Cioran’s fascination with Italy equaled that which he held with Spain. Cioran loved Spain in a visceral way, while Italy did not interest him so much. Except for Leopardi, obviously, of whom he had framed and hung, on a wall in his apartment, the manuscript of the poem “L’infinito”. And he loved Venice as well…

EMCioranBr: You have personally met Cioran. Could you share your impressions on him? There seems to exist a certain myth Cioran: the depressive man, the suicidal, the enraged misanthropist, the solitary madman and God only knows what else… What was your impression of the actual man of flesh and blood? What could you say about the relation between the author and his works?

R.R.: I have always refuted the common-places, the clichés ascribed to the character of Cioran. None of that is true: misanthropist, madman, depressive, suicidal, furious, funambulist– all of which are intolerable words, tipically empty labels of badly written newspapers, which have been employed to the present day to describe Cioran. Reading his books, I have had the unmistakable feeling of an authentic gentleman, a man like you and me, who happened to have an exceptional gift, that is to say, the extraordinary ability to drive toward the Essential with a crystal-clear style. Thus, I wanted to meet him in person, with the feeling that he would be available and willing to receive me. And thus it happened. He was quite an easy-going man, comitted, someone who partook in other people’s miseries, great or small.
It all started in the summer of ’87. I wanted to visit the countries in Eastern Europe, those which were indeed oltrecortina. Almost no one would dare to go there. Before setting off to Romania I talked to Professor [Mario Andrea] Rigoni, Cioran’s translator and friend, asking him to tell Cioran about my travel plans and to ask whether he had any wishes concerning his family in Romania. I promptly received my mission assignment from Paris: to send his brother two kilos of coffee. Well, I spent three memorable days with Aurel, who introduced me to all the sights of their childhood and shared so many things with me. I also got to meet Constantin Noica, who even wrote me his own suggestions regarding my thesis on Cioran (one can find the two manuscript pages in my book). Then, months later, I showed Cioran the photographs of all those places from his childhood, and we looked at them together in his mansard on Rue de l’Odéon. Simone Boué and Friedgard Thoma were also there. Cioran’s reactions before the images were explosive: he became euphoric, thrilled as a child, even ecstatic, I must say. That was a delightful afternoon. But he seemed different in the next meeting. It was summer, Simone was in Dieppe and Cioran was in Paris all by himself. I wanted to introduce them to a friend of mine who had recently sustained a thesis on his thought, it was a historical-political approach: I meccanismi dell’utopia in E. M. Cioran (“The mechanisms of utopia in E. M. Cioran”). Evidently, he became interested, otherwise he would not have invited my friend. Cioran even wrote him a beautiful letter, which proved that he was indeed interested. He then received us and served us some delicious sandwiches which he had provided especially for us. He seemed more fatigued and aged than in the previous encounter. The heat of July and the absence of his companion made the atmosphere less lively than in the first time. This time the conversation was held in German and my girlfriend would translate everything.

EMCioranBR: In Brazil, Cioran is not studied at universities so much. The Philosophy departments seem rather aloof when it comes to the inclusion of his thought as an object of study, probably due to the non-traditional, hybrid, marginal character of his works (halfway between philosophical and literary discourses). As if his works held no philosophical relevance, no value at all in terms of philosophical reflection. Would you say the same goes in Italy?

R.R.: “Cioran is a philosopher who refutes philosophy”, that’s what I affirm energetically in my book, in harmony with that which Constantin Noica (whom I met in Paltiniş, in 1987) had wrote in a letter to me. Indeed, it is impossible to understand Cioran not having in mind the problem of Time, and that is a philosophical concept par excellence. All these aspects that I only mention here are explained thouroughly in my book.

EMCioranBR: Do you have a favorite book by Cioran, or more than one? Any favorite aphorisms as well, or maybe any that comes to mind?

R. R.: My favorite book is without a doubt the Quaderni 1957-1972 (Notebooks). Secondly, I would say it’s  L’inconveniente di essere nati (The temptation to exist), and, thirdly, La caduta nel tempo (The fall into time). But I also find the others just as beautiful, in such a way that it is impossible to get sick with reading them. My favorite aphorism remains the one with which, it has been 27 years, I finished my thesis, and which is contained in Drawn and quartered. This is the one:

Abruptly, a need to testify to the recognition not only of beings but of objects, to a stone because it is a stone… How alive everything becomes! As if for eternity. Suddenly, nonexistence seems inconceivable. That such impulses appear, can appear, shows that the last word may not reside in Negation.

EMCioranBR: Why read Cioran?

R.R.: Cioran is a school of synthesis, of limpidity, of sobriety, of autheticity, of essentiality. But also to feel the proximity of a friend, of someone like us, sincere and endowed with the great gift of irony. With Cioran one can laugh tastefully, especially while reading his Notebooks.

EMCioranBR: Mr. Rubinelli, I once again thank you for granting us such an enriching interview. I hope and wish that the exchanges between Italy and Brazil may be deeepened in the future. Any closing words?

R.R.: To finish, I would like to quote two aphorisms which are close to one another in Cioran’s Notebooks:

25 [December 1965]. Christmas. Happiness as I conceive it: to stroll in the fields, to do nothing but admire, to consume myself in pure perception.

And a little before:

“To lose oneself in God” – I do not know of any expression more beautiful than that.

Entrevista com Renzo Rubinelli: andanças, encontros, escrituras e a recepção de Cioran na Itália

Busco fazer uma exegese do pensamento de Cioran que evidencia como o tempo está na raiz de toda a sua reflexão. Para Cioran, Tempo é Destino. A maldição de nossa existência é a de sermos “encarcerados” na linearidade do tempo, que procede de um paradisíaco passado pré-temporal em direção a um destino de morte e decomposição. Trata-se de uma visão trágica, de matriz grega, inserida em uma concepção do tempo judaico-cristã, privada de éscathon. Mas, estamos absolutamente certos de que Cioran exclui toda e qualquer forma de salvação?

Renzo Rubinelli

Nesta entrevista, o filósofo italiano Renzo Rubinelli compartilha com os frequentadores do Portal EMCioranBR algumas de suas intuições e impressões sobre a obra e a vida de Cioran. Profundo e sensível conhecedor do pensamento cioraniano (sobre o qual dedicou sua tese de graduação em Filosofia), tendo ademais conhecido pessoalmente o autor romeno-francês, Rubinelli discorre sobre temas tão essenciais quanto a concepção de Cioran a respeito do Tempo como Destino, suas paixões e obsessões filosóficas, a dimensão trágica e o niilismo que caracterizam o pensamento, além de suas andanças e encontros com aquele que seria considerado, pela revista Time, como o “rei dos pessimistas”.

Tradução do italiano: Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes
Agradecimentos especiais: Laurène Strzempa-Camara (França)

Renzo Rubinelli nasceu em Verona e graduou-se em Filosofia em Veneza, em 1988, com a tese Tempo e Destino nel pensiero di E.M. Cioran (“Tempo e destino no pensamento de E. M. Cioran”), sob orientação de Emanuele Severino (e que viria a ser publicada, com o mesmo título, pela editora italiana Aracne, em 2014).
Tem colaborado com a Nuova Italia Editrice, participado como conferencista de diversos congressos sobre Cioran e publicado artigos e entrevistas em periódicos como Il Sole 24 Ore, L’Arena di Verona, Il Giornale di Vicenza, Bresciaoggi, Il Gazzettino, Verona Fedele e a revista romena de filosofia, Alkemie.
Também atua como manager de Retail e Profumeria além de gerenciar a Azienda agricola Rubinelli Vajol, especializada na produção de Amarone (um vinho seco característico da região italiana de Valpolicella). Vive em Valpolicella, perto de Verona.

EMCioranBR: Senhor Rubinelli, primeiramente gostaria de agradecê-lo, em nome do Portal EMCioranBR e seus visitantes, por nos conceder esta entrevista. É um grande privilégio ouvi-lo falar sobre sua relação com Cioran – sua obra, seu pensamento, o próprio autor… Nossa primeira pergunta: como você descobriu Cioran?

Renzo Rubinelli: Caro Rodrigo, obrigado por esta entrevista. Não nos conhecemos pessoalmente, mas aprecio muito o trabalho que você faz por pura paixão, a favor do conhecimento do pensamento de Cioran no Brasil e no mundo. Não é importante, mas, já que você me pergunta, sou instado a descavar uma memória enterrada. A primeira vez que vi um livro de Cioran e soube de sua existência, foi na faculdade, em Veneza, em San Sebastiano, no grande salão do instituto de estudos filosóficos, era 1986, creio eu. Descia pela escada interna um pesquisador, acho que se chamava Moro, ele nos dava um curso sobre McLuhan. Ele tinha debaixo do braço Il demiurgo cattivo (Le mauvais démiurge, 1969), recém-publicado pela Adelphi. O título não me agradou e achei estranho que um especialista de McLuhan se interessasse por um livro com um título tão arcaico. Alguns meses depois eu preguntei ao Prof. Severino sobre a possibilidade de fazer, com ele, uma tese sobre o Destino. Ele aceitou e me apresentou uma lista de autores: Rensi, Untersteiner, Spengler, Nietzsche. Em seguida, numa revista da época, eu li uma resenha de Severino sobre Squartamento (Écartèlement, 1979) que continha esta citação de uma passagem do Mahabharata: “O nó do Destino não pode ser desfeito; nada neste mundo é o resultado de nossos atos”, retomava Cioran. “Eis aqui o meu autor”, pensei. Eu o propus a Severino que, entusiasmado, aprovou a escolha do autor, ligada ao tema do Destino. Assim começou um percurso de estudo e de vida, que me levou a conhecer o autor, sua família parisiense e romena, e sua terra de origem.

EMCioranBR: Como se deu a recepção italiana de Cioran? Sabe-se que o nosso autor conta com muitos leitores na Itália, onde ele é editado, como você mesmo apontou, pela editora Adelphi de Roberto Calasso. Franco Volpi, por exemplo, era um leitor de Cioran; há um comentário em seu livro Il nichilismo (“O niilismo”, publicado no Brasil pela Loyola, 1999), em que Volpi considera Cioran como o representante de um “niilismo gnóstico”. Pode-se dizer que há, na Itália, uma tradição – ainda que jovem, dada a atualidade do nosso autor – de estudos sobre Cioran? Quem são os principais comentadores italianos de Cioran, e os principais estudos dedicados ao pensamento e à escritura do autor do Sommario di decomposizione?

Renzo Rubinelli: O primeiro livro de Cioran publicado na Itália foi Écartèlement (“Squartamento”), lançado pela Adelphi em 1981, mas alguns títulos já haviam sido publicados, na década anterior, sem nenhuma ressonância, por editoras de direita. Foi precisamente pela Adelphi, e graças à bela introdução de Ceronetti, que o nome de Cioran se impôs à atenção dos leitores italianos. Roberto Calasso é um grandíssimo operador cultural, mas é uma pessoa arrogante, ouso dizer mal-educada. Minha frequentação de Cioran e Severino, dois gigantes do pensamento, me permitiu compreender como a verdadeira grandeza se faz acompanhar sempre de uma humildade e de uma gentileza autênticas, nos confrontos com quem quer que seja; virtudes das quais Calasso, na minha visão, carece, pela experiência direta que tive com ele em mais de uma ocasião. Franco Volpi, infelizmente, nos deixou cedo demais, devido a um acidente banal de bicicleta nas colinas do Vêneto (região no nordeste da Itália), não muito longe de onde eu moro. Sua inteligência pôde nos iluminar por muito tempo. Em 2002, ele escreveu um artigo sobre o livro de Friedgard Thoma, Per nulla al mondo, libertando-se de uma vez por todas do coro dos censores, que não tardaram a aparecer. Gosto de lembrar do final desta belíssima parte: “Cioran, sob a influência da paixão, se revela. Põe em jogo tudo de si mesmo para ganhar o jogo. Ele revela âmbitos recônditos de sua psique, aspectos surpreendentes do seu caráter… Atraído pelo desafio do eterno feminino, deixa que venham à torna as profundezas secretas do seu pensamento: um pensamento desnudo diante do olhar feminino que o penetra…”
Certamente, “niilismo gnóstico” é uma definição apropriada para Cioran. Mas que é, afinal, “niilismo”? A palavra se encaixa com Cioran sobretudo do ponto de vista teórico, como eu explicarei em seguida. A ênfase, ao meu ver, deve cair sobretudo sobre o adjetivo “gnóstico”. A ideia gnóstica de Caduta nel tempo (La chute dans le temps, 1964) informa toda a obra de Cioran, sem exceção.
Na Itália, há muitos jovens corajosos que se ocupam de Cioran: Rotiroti, Carloni, Pozzi, Bulboaca, Vanini, Di Gennaro, Cicortas, Scapolo, Chelariu. Seus estudos são todos muito válidos, mas, se você quer saber minha preferência, direi os estudos de Carloni, Rotiroti e Bulboaca.

EMCioranBR: Você tem um livro escrito sobre Cioran: Tempo e destino nel pensiero di E. M. Cioran (Aracne Editrice, 2004). Segundo Mihaela-Genţiana Stănişor, o seu livro transita entre a eternidade de Emanuele Severino e o niilismo de Cioran. É um belo título que, ademais, parece sintetizar a essência do pensamento cioraniano, além de ecoar o título de um de seus livros, a coletânea de artigos de juventude publicada postumamente sob o título de Solitude et destin. Que significa a existência para Cioran? Que é o homem, segundo ele, e sua relação com o tempo? Pensamento trágico ou niilismo metafísico?

Renzo Rubinelli: O meu livro empreende uma exegese teórica do pensamento de Cioran, evidenciando como o tempo está na raiz de toda a sua reflexão. O “e” da conjunção do título torna-se o verbo da tese que eu sustento: o tempo é o destino. A maldição de nossa existência é aquela de sermos “encarcerados” na linearidade do tempo, que procede de um paradisíaco passado pré-temporal, em direção a um destino de morte e decomposição. Trata-se, em síntese, de uma visão trágica, de matriz grega, inserida em uma concepção do tempo judaico-cristã, privada de éscathon. Mas, estamos absolutamente certos de que Cioran exclui toda e qualquer forma de salvação? No meu livro dialogam duas polaridades extremas: a absoluta eternidade de Severino e o niilismo explícito de Cioran. Do ponto de vista de Severino, pode-se definir o pensamento de Cioran como o tornar-se consciente do niilismo, inerente à concepção ocidental do Tempo. E na tentação mística de Cioran encontra-se, por outro lado, uma percepção emocional do Ser que parece indicar a necessidade, a urgência, dir-se-ia a esperança de uma superação da hermenêutica ocidental do devir e de uma palavra ulterior que não a Negação. O livro começa com um relato dos meus três encontros com Aurel Cioran (irmão de Emil), nos anos de 1987, 1991 e 1995, e dos meus dois encontros com Emil, em 1988 e 1989. Estão contidas aí todas as cartas que Cioran me escreveu e inúmeras fotografias. Após a primeira parte, uma investigação bio-bibliográfica sobre o período romeno, um trabalho pioneiro de escavação na ausência, à época, de fontes confiáveis.

EMCioranBr: Cioran tinha muitos amigos de diferentes nacionalidades. Talvez se poderia dizer que sua fascinação pela Itália não ficava atrás de sua fascinação pela Espanha. Leopardi é um dos autores mais estimados por Cioran. Você acha que se poderiam assinalar afinidades eletivas entre Cioran e a Itália?

O poema
O poema “L’infinito”, de Giacomo Leopardi (1798-1837)

Renzo Rubinelli: Não digo que a fascinação de Cioran pela Itália se equipare à que ele tinha pela Espanha. Cioran amava a Espanha de modo visceral, enquanto que a Itália lhe interessava menos. À parte Leopardi, obviamente, de quem Cioran emoldurou e pendurou, em sua mansarda, o manuscrito de “L’infinito”, e também Veneza.

EMCioranBr: Você conheceu Cioran pessoalmente. Poderia compartilhar conosco um pouco das suas lembranças?  Parece existir certo mito Cioran: o depressivo suicida, o misantropo furioso, o louco solitário ou Deus sabe lá o quê… Qual foi sua impressão da relação de identidade entre a obra e o autor, isto é, da obra e do homem de carne e osso?

Renzo Rubinelli: Caro Rodrigo, eu sempre refutei todos os lugares comuns, os clichês legados ao personagem Cioran. Nada disso é verdade: misantropo, louco, depressivo, suicida, furioso, funâmbulo – todas elas palavras insuportáveis, etiquetas vazias de jornal de província de péssima categoria, e que são empregadas, até hoje, para descrever Cioran. Lendo seus livros, eu tive a nítida sensação de um homem autêntico, um homem como nós, mas com um dom excepcional, qual seja, a extraordinária capacidade de apontar sempre em direção ao essencial, com um estilo cristalino. E, portanto, eu quis conhecê-lo pessoalmente, com a intuição de que estaria aberto e disponível a me receber, e assim aconteceu. Era um homem muito relacionável, envolvido, alguém que participava das pequenas e das grandes misérias alheias.

Renzo Rubinelli, Friedgard Thoma, Emil Cioran, Simonetta Buettner, Simone Boué
Renzo Rubinelli, Friedgard Thoma, Emil Cioran, Simonetta Büettner, Simone Boué

Tudo começou no verão de 1987. Eu queria visitar os países do Leste europeu, que eram realmente oltrecortina. Quase ninguém se aventurava por aqueles lados. Antes de partir para a Romênia, avisei o Prof. Rigoni, tradutor e amigo de Cioran, pedindo-lhe que o informasse sobre minha viagem e perguntando se ele tinha algum desejo. Imediatamente chegou de Paris a minha missão: levar dois quilos de café para o seu irmão. Então, eu passei três dias inesquecíveis com Aurel, que me mostrou todos os lugares da infância deles e me contou um montão de coisas. Também conheci Constantin Noica, que me escreveu à mão suas sugestões para minha tese sobre Cioran (pode-se ver no meu livro as duas páginas manuscritas). Então, meses depois, mostrei a Cioran os diapositivos de todos aqueles lugares de sua infância e os olhamos juntos, em sua mansarda na Rue de l’Odéon. Também estavam presentes Simone (Boué) e Friedgard Thoma. As reações de Cioran diante das imagens eram explosivas; ficou eufórico, emocionado como uma criança, diria mesmo extasiado. Aquela foi uma tarde alegre. Por outro lado, ele pareceu diferente no encontro seguinte. Era verão, Simone estava em Dieppe e Cioran sozinho em Paris. Eu queria lhes apresentar um amigo que, há pouco, havia defendido uma tese sobre ele, com um recorte histórico-político: I meccanismi dell’utopia in E. M. Cioran (“Os mecanismos da utopia em E. M. Cioran”). Evidentemente, ficou interessado, caso contrário, não o teria convidado. Ademais, Cioran lhe escreveu uma belíssima carta, o que atesta o seu interesse. Ele nos recebeu e nos ofereceu deliciosos sanduíches tostados que tinha providenciado para nós. Estava mais cansado e envelhecido em contraste com o ano anterior. O calor de julho e a ausência de sua senhora tornava a atmosfera um pouco menos animada do que da primeira vez. Conversamos em alemão e a minha namorada traduzia tudo.

EMCioran/Br: No Brasil Cioran é muito pouco trabalhado nas universidades. Os departamentos de Filosofia parecem, normalmente, avessos à sua inserção enquanto objeto de estudo, provavelmente em função do caráter nada tradicional, híbrido e marginal, do seu pensamento (a meio caminho entre o discurso filosófico e o discurso poético-literário). Como se a sua obra não possuísse nenhuma relevância filosófica, nenhum valor em termos de reflexão filosófica. O mesmo se passa na Itália?

Renzo Rubinelli: “Cioran é um filósofo que refuta a filosofia”, eu afirmo com força no meu livro, em sintonia com o que afirmou, numa carta enviada a mim, Constantin Noica (que eu encontrei em Paltiniş, nos Cárpatos, no verão de 1987, como eu te contei anteriormente). De fato, não é possível compreender Cioran a não ser tendo em mente a questão do Tempo e este é um conceito filosófico por excelência. Estes aspectos que eu apenas menciono aqui são explicados de forma muito mais analítica no meu livro.

EMCioranBR: Algum livro predileto de Cioran? Alguns aforismos prediletos, ou que venham à mente agora?

Renzo Rubinelli: Meu livro preferido é sem dúvida os Quaderni 1957-1972 (Cahiers, 1997), em segundo lugar, L’inconveniente di essere nati (De l’inconvenient d’être né, 1973), e, em terceiro, La caduta nel tempo (La chute dans le temps, 1964), pois todos os demais são um mais belo que o outro, e não dá para enjoar de relê-los todos. O aforismo preferido continua sendo aquele com o qual, há 27 anos, eu concluía minha tese e que se encontra em Squartamento (Écartèlement), ei-lo:

Subitamente, necessidade de demonstrar agradecimento, não só aos seres mas também aos objetos, a uma pedra porque é pedra… Tudo parece então animar-se como se fosse para a eternidade. De golpe, inexistir parece inconcebível. Que estes calafrios se produzam, que possam produzir-se, mostra que a última palavra talvez não esteja na Negação.

EMCioran/Br: Para terminar, por que ler Cioran?

Renzo Rubinelli: Como escola de síntese, de limpidez, de sobriedade, de autenticidade, de essencialidade. Mas também para sentir a proximidade de um amigo, de um amigo como nós, sincero e com o grande dom da ironia. Com Cioran você pode rir com gosto, sobretudo lendo os Quaderni.

EMCioranBR: Senhor Rubinelli, mais uma vez eu te agradeço por nos conceder esta entrevista tão enriquecedora. Eu espero e desejo que as trocas cioranianas entre Itália e Brasil possam se aprofundar no futuro. Por fim, deixo com você as últimas palavras.

Renzo Rubinelli: Como última palavra, sirvo-me de dois aforismos, que estão um perto do outro nos Quaderni (Cahiers, p. 322-323):

25 [de dezembro de 1965]. Natal. A felicidade como eu a entendo: andar no campo e olhar, sem mais, esgotar-me na pura percepção.

E um pouco antes:

“Perder-se em Deus” – não conheço expressão mais bela.

*

Todos os direitos reservados:
Renzo Rubinelli / Portal EMCioranBR
05/05/2015

Entrevista sobre Cioran com José Ignacio Nájera (Pt)

Nueva imagen (1)
“Cioran construiu uma arte literária muito estimável. […] um estilo com o qual celebrar o funeral de nossa civilização.”
(J. I. Nájera)

Entrevista com José Ignacio Nájera, autor de El Universo Malogrado – carta a Cioran (Tres Fronteras Ediciones, Murcia, 2008)

José Ignacio Nájera (Xauen, Marrocos) vive desde 1979 em Murcia, na Espanha, onde é professor de filosofia no Instituto Alfonso X el Sabio. Além de El universo malogrado, Nájera também publicou os romances Olvídate de Alcibíades, Hermanos mayores e El enfermo epistemológico. Em 2005 ganhou o prêmio de ensaios Miguel Espinosa com a obra Caminos de otoño. Colabora em diversas revistas com artigos, resenhas e contos.

EMCioranBR: Prezado Sr. Nájera, em nome do portal E.M.Cioran/Br e de seus visitantes-leitores de Cioran, quero antes de tudo agradecer pela oportunidade desta entrevista. Poderia nos contar como e quando conheceu Cioran? O que mais lhe atraiu nos livros de Cioran? Além disso, poderia falar um pouco (para nós, leitores brasileiros de Cioran que ainda não tivemos acesso a seu libro) do teor da epístola que o Sr. escreveu para o pensador romeno: El universo malogrado (título que é, aliás, tão apropriado para ilustrar o pensamento de Cioran)? O que quis dizer em sua carta a esse gnóstico moderno, a esse místico sem fé nem Deus que Cioran encarna frequentemente?

J.I.N.: Conheci a obra de Cioran quando eu tinha 22 anos e cursava o quarto ano do curso de Filosofia na Universidade Complutense de Madrid. Isso por volta de 1972. Primeiro, fiquei sabendo dele através de uma resenha que Fernando Savater escreveu para a Triunfo. Triunfo era uma revista brilhante que reunia a intelligentsia esquerdista e antifranquista. Essa resenha me levou a adquirir o livro que nela era apresentado: Breviario de podredumbre [“Breviário de decomposição”]. Sua leitura foi para mim uma revelação, no seguinte sentido: havia outro que pensava tão tragicamente quanto eu. Assim foi meu encontro com Cioran, ou, melhor dizendo, com o Cioran francês. Outra coisa seria o posterior conhecimento do chamado Cioran romeno, o que aconteceu bastante tempo depois. O impacto que Cioran teve sobre mim foi tão grande que fiz minha tese de licenciatura sobre ele, em 1975. E então fiquei cioranizado.
Quanto ao meu livro, El universo malogrado, direi que é o resultado de uma relação de leitura e releitura da sua obra ao longo de mais de três décadas. Sempre tive seus livros muito próximos a mim, e então quis escrever sobre ele. Por isso decidi que El universo malogrado deveria ter a forma de uma longa carta ao escritor romeno. Ele já não estava mais entre nós, havia falecido em 1995, e eu queria escrever-lhe, falar com ele a partir do interior de sua influência e da empatia que eu sentia por ele. Eu queria fazer um entranhado acerto de contas – não isento de importantes recriminações – e transmitir minha cumplicidade com sua visão das coisas. E foi o que fiz. Também tenho algo desse misticismo sem Deus que tanto caracterizou Cioran, e por isso me identifiquei tanto com ele.

EMCioranBR: Você é doutor em filosofia e professor da mesma disciplina no Instituto Alfonso X, em Murcia, na Espanha. Tem algum projeto de pesquisa sobre o filósofo romeno, em andamento ou por vir? Você pretende escrever e publicar mais algum livro sobre ele?

J.I.N.: Atualmente não tenho nenhum projeto sobre Cioran; no momento estou envolvido em outras coisas (narrativa e pintura). Talvez eu venha a escrever algum artigo; aliás, seu portal acaba de publicar minha última composição sobre Cioran (“Cioran y el fascismo”). De vez em quando acaricio a ideia de escrever algo mais longo sobre a gênese do Breviário de decomposição.
Dito isso, preciso assinalar que a obra de Cioran rende muitos trabalhos de investigação, em função de sua riqueza temática – não há assunto que ele não tenha abordado. Cioran não é um pensador de primeira linha, não é um dos grandes do século XX, mas tem a virtude de ser muito acessível ao público. Por isso, abundam cada vez mais os livros sobre ele. A bibliografia vai aumentando, o que o surpreenderia.

EMCioranBR: A Espanha é um dos países com maior ressonância internacional no que concerne aos estudos e leituras sobre Cioran. Diz-se que Fernando Savater, que conheceu Cioran pessoalmente e dele se tornou amigo, foi o responsável pela introdução de Cioran na Espanha, ao final da ditadura de Franco. Como você vê a repercussão atual da obra de Cioran na Espanha, não só nos círculos acadêmicos e intelectuais, mas também entre os leitores de modo geral? Há novos estudos de destaque e livros que merecem recomendação?

J.I.N.: Sim, como eu havia assinalado, foi Savater que introduziu Cioran na Espanha. Ele traduziu seus primeiros livros franceses. Além disso, sua tese de doutorado foi sobre Cioran: Ensayo sobre Cioran. Uma tese que custou a ser aceita por alguns membros da banca julgadora, motivo pelo qual sofreu certo atraso até ser defendida. É preciso lembrar que o franquismo ainda existia, me refiro aos anos de 73-74. Cioran não caía nada bem para o establishment acadêmico de então. Eu mesmo, quando defendi minha tese sobre Cioran, tive de aguentar certa falta de modos por parte da banca julgadora.
O conhecimento da obra teve, pois, um impulso não acadêmico, a universidade não se ocupou dele – inclusive alguém teria insinuado que Cioran era um autor inventado por Savater. Foi, ao invés, um escritor que se difundiu no boca a boca, e, em certa medida, mais nos ambientes literários do que nos puramente filosóficos.  Era possível ouvir falar dele tanto um poeta quanto um banqueiro que houvesse estado atrás das grades e que durante o período tivesse lido Cioran com proveito.
Quanto aos estudos sobre Cioran, creio que a França sai na frente. Na Itália também abundam os estudos. E em diversos países da América Latina. Quanto aos escritos em espanhol, citarei alguns. Há uma tese de doutorado de Natalia López Izquierdo, muito interessante e original, em que ela estuda a obra de Cioran em contraponto com aquela de Levinas, Cioran o el laberinto de la fatalidad, de J. Marín. As obras e os artigos da doutora María Liliana Herrera, que não é espanhola, são muito bons. La filosofía pesimista en la obra de Cioran, que é uma tese de doutorado de José Luis Ibáñez Sierra. Eu gostaria também de citar o blog, que possivelmente você já conhece, de Guillermo da Costa, http://emilmcioran.blogspot.com.es/; é uma pena que o autor o tenha terminado, mas ainda se pode acessá-lo. Quanto aos livros de Cioran traduzidos ao espanhol, quero fazer uma precisão. Ainda falta traduzir um livro muito especial: Schimbarea la fata a României, cuja tradução seria “A transfiguração da Romênia”. Não sei a que se deve esse falso respeito no que concerne à imagem de Cioran. Certamente, também na França demoraram para traduzi-lo, ao menos de forma integral.
Menciono também o livro de [Ion] Vartic que considero muito bom, porque fala, com graça e muitos detalhes, do jovem Cioran; o problema é que ele não se detém em analisar suas veleidades fascistas. Neste sentido, é muito piedoso.

EMCioranBR: Cioran nutria um carinho especial pela Espanha, país que visitou mais de uma vez. Seu Cahier de Talamanca (“Caderno de Talamanca”), publicado postumamente, foi escrito em 1966 durante uma temporada na respectiva praia, situada ao norte de Ibiza. Emil e Simone gostavam de viajar à Espanha de bicicleta, mas desistiram de fazê-lo assim que as estradas se encheram de automóveis a toda velocidade. O que você acha que atraía Cioran à Espanha? Identificaria nele algo de espanhol? Enfim, pode-se dizer que a paixão de Cioran pela Espanha foi correspondida, em termos do acolhimento de sua obra por parte da intelectualidade espanhola?

J.I.N.: Sim, é comum ouvir falar da predileção de Cioran pela Espanha. Também estimava muito a Rússia. E sua atitude em relação à França é muito peculiar e complexa. Seu livrinho De la France é uma delícia estilística e analítica.
Cioran, que era muito apegado ao passional e ao instintivo, se agarrou bem a essa imagem universal do espanhol que aparece como lugar-comum. A Espanha, aquela que conheceu por meio da literatura, não se definiu pelo equilíbrio, pela racionalidade ou pela filosofia. Talvez por isso simpatizou bem com nossa idiossincrasias. Cervantes, Quevedo, os místicos, Unamuno… eram motivos constantes para sua admiração (e com razão).
De fato, quando as coisas se complicaram para Cioran na Romênia, ele quis vir à Espanha, inclusive começou a providenciar os documentos. Por fim, o início da Guerra Civil o dissuadiu e ele acabou indo para a França. Às vezes penso o que teria sido de Cioran, e que tipo de obra teria escrito, se tivesse se refugiado na Espanha franquista. Mais de um ex-soldado romeno acabou se refugiando na Espanha.

No que se refere à paixão correspondida entre Cioran e o público espanhol, seria preciso matizar. Certamente, seus livros vendem e costumam estar em quase todas as livrarias, mas não é um autor de massas, longe disso. Ademais, já sabemos de que tipo de escritura se trata, e ela não pode competir com a narrativa, por exemplo, nem com a literatura de autoajuda, nem com os best-sellers. Cioran é um satisfatório e cultuado escritor que saiu da seção dos raros, e nada mais. Eu mesmo senti que minha predileção por ele soava um tanto estranha entre aqueles que sabiam dela.

EMCioranBR: Costuma-se dizer que os livros de Cioran tiveram uma boa recepção entre as pessoas de esquerda durante a ditadura franquista. O que é curioso, uma vez que Cioran se enamorou do fascismo romeno em sua juventude e, não obstante tenha se distanciado de suas antigas convicções políticas, nunca se aproximou do comunismo. Talvez seu anarquismo espiritual e sua iconoclastia herética foram um inconveniente à ortodoxia do regime, o que poderia ser bem visto pela esquerda anti-franquista. É verdade que os livros de Cioran foram censurados pelo regime de Franco? Na sua visão, o que faz de Cioran um autor capaz de cativar leitores dos mais distintos horizontes intelectuais e atrair tanto gente de direita quanto gente de esquerda?

J.I.N.: É que o Cioran que inicialmente se conheceu na Espanha (e na Europa ocidental) foi aquele do Breviário de decomposição. Este livro foi escrito já em Paris, e em francês!, e publicado em 1949. Ademais, é a obra em que abjura seu passado. Bom, ele abjura todas as ideologias e, entre elas, a ideologia fascista. Bastante tempo depois foi que nos inteiramos de que Cioran arrastava um passado romeno fascista. Por isso é que, de início, não caiu mal à esquerda espanhola, ainda que seria necessário precisar que se tratava de uma esquerda ilustrada e não partidária. Gostavam de Cioran porque era demolidor de uma ordem em que também se podia incluir o nacional-catolicismo daqui da Espanha; se a publicação de El aciago demiurgo (“Le mauvais demiurge”) fo proibida, creio que foi um pouco por razões religiosas. Por outro lado, havia um anarquismo em seu “contra tudo e contra todos” que favorecia sua assimilação.
E também, é importante dizê-lo, por ser avalizado por Savater, supunha-se que se deveria estar atento a este pensador. Ademais, o Cioran posterior ao Breviário de decomposição não faria outra coisa que não aumentar essa imagem de cético permanente e de niilista sem compromisso.

Na França lhe ocorreu quase o mesmo. E digo isso porque aqui  haviam se refugiado muitos romenos (tanto fascistas quanto liberais) e não era difícil saber de que passado vinha Cioran. A princípio essas coisas não eram de domínio comum, mas permaneciam em pequenos círculos.
Mas, é claro, logo chegou o tempo em que a historia teria de se completar. E se completou, pode acreditar. Cioran — já senil, me refiro a meados dos anos 80 – quis reeditar sua obra romena da época em que se identificou com Codreanu e o fascismo romeno, que admirou Hitler e tudo mais…Em poucos anos seus livros foram traduzidos ao francês (e um pouco ao espanhol), e logo depois coletâneas de artigos políticos do passado, depois o famoso “A transfiguração da Romênia” expurgado, e estava armado o escândalo público.
Já não eram apenas os inteirados, todo mundo acabou sabendo. A essa altura já havia morrido. Ele não o enxergou, mas o passado fascista que quis dissimular acabou prejudicando-o. Guardadas as diferenças, ocorreu com ele um pouco o mesmo que a Heidegger com seu passado nazista. Post festum os dois trataram de minimizar a questão e só fizeram agravá-la com meias verdades e meias mentiras. É o que costuma acontecer.
Por que Cioran é apreciado tanto pelas pessoas de esquerda quanto pelas de direita? Eu diria que pela mesma razão que uns e outros apreciam o Eclesiastes, o livro de Jó, Shakespeare e tantos outros. O importante em Cioran é a lucidez com que interpreta a vida e nossa finitude. Quando se o lê, percebe-se uma sabedoria que pode ser válida para todos. O mesmo ocorre com o conservador católico Gómez Dávila. Lendo-os, nos esquecemos de nossa localização, talvez porque te levam a um território mais autêntico, se se pode dizê-lo, que aquele da esquerda ou da direita, o território de ninguém.
Não me recordo em que livro seu eu li uma advertência muito curiosa, e não sei se amargamente verdadeira. Acho que era em sua carta a Constantin Noica, talvez. Cioran dizia, contestando uma lamentação de Noica, a título de consolo, que sempre estávamos sós nos países liberal-democráticos, enquanto indivíduos, e nos países comunistas, unidos enquanto grupo. Bem, ele elegeu o individual, o que lhe permitiu praticar o ócio.

EMCioranBR: Qual seria a importância para a atualidade – se houver alguma – de um pensador que se definia como “um cético a serviço de um mundo em declínio”? O que podemos extrair de Cioran, e aproveitar? O que ele tem a oferecer mais além do seu ceticismo corrosivo e do seu niilismo destruidor?

J.I.N.: Sou cético em relação à importância que pode ter um pensador face a face com a atualidade. Não sei se o mundo, mas o Ocidente, esse, sim, está abalado, e mais especificamente a Europa. Neste sentido, Cioran é um autor crepuscular muito propositado para o ocaso que vivemos. Disso ele se deu conta várias décadas antes e desde então se dedicou a acelerar nossa melancolia. Ainda que seja para tornar a citar algo que já disse antes: só acreditou quando esperava coisas do fascismo. Foi a única coisa que o deixou tenso e eufórico. Logo, tornou-se tão desfascinado que investiu toda sua energia em cultivar a decepção, fazendo quase uma ontologia da decepção. E aqui vem algo importante, ele construiu uma arte literária muito estimável. Creio que o melhor que fica dele é: um estilo com o qual celebrar o funeral de nossa civilização.

EMCioranBR: Um livro (ou mais de um) favorito de Cioran?

J.I.N.: Gosto de tudo o que vem de Cioran, e quando digo isso incluo aí “Transfiguração da Romênia”. Pode-se ser fascista e escrever excelentemente do ponto de vista estético. De fato, “Transfiguração” é muito bem escrito.
Mas meu livro favorito é sem dúvida o Breviário de decomposição. Por ser a revelação e por fazer com que aquele jovem que fui continuasse a viver em Cioran durante muitos anos. La tentation d’éxister me manteve vivo com igual intensidade, assim como Le mauvais demiurge. Silogismos da amargura é um livro que Cioran não apreciava muito, mas do qual gostei bastante, há alguns aforismos muito incisivos e desarmadores.
Então, quando li seus primeiros livros, do período romeno, achei-os bastante líricos e apaixonados – mas é que eu acabara de ler primeiramente o Cioran maduro. É curiosa a leitura de Cioran que em geral as pessoas da minha idade fazem: começamos pelo segundo Cioran para acabar no primeiro. Agora já é possível lê-lo cronologicamente de uma só vez, do começo ao fim. Talvez agora mude a visão com essa nova – e natural – perspectiva.

EMCioranBR: Pode compartilhar conosco alguns aforismos de Cioran que você guarda de memória, alguns daqueles que para você seriam os mais inesquecíveis?

J.I.N.: Nisso Cioran é um oceano infinito. É o aforista de que eu mais gosto, ao lado de Gómez Dávila. Os aforismos, como se sabe, são muito perigosos, tanto quanto lúcidos. Mas raras vezes resistem ao paradoxo autorreferencial. Por outro lado, costuma-se atualmente chamar tudo de “aforismo”. Distingue-se apenas entre sentença, refrão, apotegma, provérbio, máxima, adágio…
Um trabalho um tanto rabugento, porém interessante, seria fazer uma espéceie de catalogação comentada dos diferentes modos de expressão de Cioran. Sem dúvida, alguém o fará algum dia. Mas, bem, voltando aos assim chamados aforismos, aqui vão alguns:

– “A meteorologia decreta a cor de meus pensamentos.”

– “A insônia é a única forma de heroísmo compatível com a cama.”

– “O espermatozoide é o bandido em estado puro.”

– “A Criação foi o primeiro ato de sabotagem.”

– “Desde sempre, Deus escolheu tudo por nós, até as nossas gravatas.”

– “Ganhamos em consciência o que perdemos em existência.”

EMCioranBR: Gostaria de acrescentar algo mais ao leitor que está adentrando a obra deste obscuro, porém jovial, pensador?

J.I.N.: Ao hipotético leitor de Cioran, eu diria que ele não o decepcionará, que seus livros não cairão de suas mãos como muitas vezes acontece com isso que se denomina filosofia. E mais, que a leitura de Cioran é como comer a maçã do Paraíso que o aproximará do conhecimento, e por isso o tornará mais grave, mais lúcido, mais irônico e talvez – falando em termos de rentabilidade – mais felizmente infeliz, já que não cabe nada mais ali onde há um pouco de consciência. Ah, para os possíveis suicidas: Cioran é um seguro de vida.

EMCioranBR: Sr. Nájera, lhe agradeço mais uma vez por nos brindar com esta enriquecedora entrevista. Sem dúvida, é de um valor inestimável para nós, leitores de Cioran interessados em aprofundar nossos conhecimentos sobre sua obra

São Paulo / Murcia, 04/2013

Comment peut-on être français ?

“COMMENT peut-on être persan?”, se demandait Montesquieu. Toutes les nations devraient susciter la même ironie. Etre bulgare, américain, polonais, japonais, guatémaltèque ou suédois, tout cela revêt, au fond, quelque chose de saugrenu, de pittoresque et de déraisonnable, sous le regard d’autrui… Mais le cours de l’Histoire et la cruauté des circonstances ont voulu qu’une des questions de notre époque soit sans doute: “Comment peut-on être roumain?” Cioran avait répondu à sa manière, dès 1937. Il avait fait le voyage Bucarest-Paris. Il s’était exilé de son pays et de sa langue. Il avait alors vingt-six ans. Il allait traverser, à bicyclette, une partie de la France et visiter les moindres villages. Il désirait probablement savoir comment on pouvait être français.

.
Vingt ans après, il s’est interrogé sur cet exil, dans une lettre à son ami le philosophe roumain Constantin Noïca: “De ce pays qui fut le nôtre et qui n’est plus à personne, vous me pressez, après tant d’années de silence, de vous donner des détails sur mes occupations, ainsi que sur ce monde merveilleux que j’ai, dites-vous, la chance d’habiter et de parcourir. Je pourrais vous répondre que je suis un homme inoccupé, et que ce monde n’est point merveilleux.”
.
Cioran mesurait ensuite les efforts qu’il avait accomplis pour se familiariser avec la langue française. La peine que cela lui avait coûtée. La “consommation de cafés, de cigarettes et de dictionnaires”. Il opposait la distinction de cet “idiome d’emprunt” et “le superbe débraillement” de sa langue natale. Cependant, il n’y reviendrait pas, en raison même de la peine qu’il avait prise. Tant pis si Constantin Noïca le voyait sous les traits d’un “renégat”. Cioran lui répondait avec une maxime tibétaine: “La patrie n’est qu’un campement dans le désert.”
.
Plus tard, dans un autre texte, il allait faire cet aveu: “Le français est aux antipodes de ma nature, de mes débordements, de mon moi véritable et de mon genre de misères.” C’était pourtant “cette incompatibilité” qui rendait Cioran amoureux de la langue de Voltaire, et qui le faisait écrire aussi bien que nos meilleurs moralistes. La syntaxe française avait enfermé et dominé les intempérances roumaines. Dans le même texte, Cioran déclarait se méfier désormais de “l’effusion”. Il recherchait à présent “la sécheresse, le laconisme”. Car il avait eu sa période romantique. Elle avait coïncidé, justement, avec ses années de jeunesse à Bucarest. Il avait commencé d’écrire à vingt et un ans. Son premier ouvrage s’appelait Sur les cimes du désespoir. Il se jura de ne pas en écrire d’autre. Mais, par bonheur, il n’a pas tenu sa promesse. Les écrivains sont comme les joueurs ou les fumeurs. Leur vice les guette, les sollicite en silence et les reprend.
.
Jusqu’à une date récente, nous ne connaissions pas les textes roumains de Cioran. Depuis 1986, on a traduit Des larmes et des saints et Sur les cimes. Voici maintenant Le Crépuscule des pensées. Ces titres “enflammés” contrastent avec l’austérité des titres “français”: Syllogismes de l’amertume ou De l’inconvénient d’être né. Cioran a souvent évoqué le ” lyrisme échevelé ” de sa jeunesse. Sombre lyrisme d’ailleurs, qui servait à dépeindre le monde sous son aspect le plus désolant. “Toutes les eaux” prenaient “la couleur de la noyade”. Et la neurasthénie, “moment slave de l’âme”, recouvrait toutes les pensées. Cioran se demandait comment on pouvait être un homme. C’était une bizarrerie métaphysique, une aberration de l’univers. Car “Dieu (semblait) avoir tous ses papiers en règle, et l’homme aucun”…
.
Dès cette époque, Cioran se rangeait dans la tradition des grands pessimistes. Ces gens ont la réputation de porter atteinte au moral de l’espèce humaine. Il en existe de diverses sortes: l’Ecclésiaste, Mme du Deffand, Schopenhauer… Mais ces prophètes du pire, ces drôles d’oiseaux pratiquent tous une philosophie “valétudinaire”. Je veux dire qu’ils regardent notre condition comme une maladie. “La maladie humaine”, selon les mots du romancier italien Ferdinando Camon.
.

Cioran appartient à la catégorie des pessimistes rageurs. Leurs états d’âme sont des mouvements de colère. Ils veulent avoir “une explication décisive avec l’existence”. Ils demandent des comptes à l’univers. Ils le font passer devant le tribunal de la philosophie. Et leurs jugements ressemblent à des “ultimatums” que l’on adresse à Dieu. Celui-ci, naturellement, ne répond pas. Sa vocation, c’est le silence. Et l’impolitesse divine fâche encore davantage nos pessimistes.
.
Pendant sa période “roumaine”, lorsqu’il empêchait de dormir ses parents avec sa vision du monde, Cioran préférait les “lumières crépusculaires” à cette “clarté” française qui avait triomphé dans les salons du dix-septième et du dix-huitième siècle. Ensuite, après qu’il eut adopté la langue de La Rochefoucauld, il a mieux aimé la seconde sorte de lumière. Il a choisi d’être “français” en devenant l’héritier de Pascal, de Mme du Deffand, de Vauvenargues et de Chamfort. Il a donné de l’urbanité à ses fureurs, et de la civilité à son désespoir. Aussi, cet “homme des Balkans”, qui aime beaucoup les marquises, il est facile de l’imaginer chez Mme du Châtelet, causant avec Voltaire, ou chez Mme de Tencin, s’enquérant de la santé de Fontenelle.
.
“De tous les êtres, les moins insupportables sont ceux qui haïssent les hommes. Il ne faut jamais fuir un misanthrope”, écrivait Cioran dans ses Exercices d’admiration. Il parlait de l’auteur italien Guido Ceronetti, mais on peut affirmer la même chose à son propos. C’est l’homme le plus agréable à rencontrer. Il mêle le savoir, la générosité, l’ironie et cette vraie bienveillance fort éloignée des grimaces de la petite Babylone littéraire. Les misanthropes sont, en effet, la seule espèce fréquentable… Vous me direz que Cioran donne de l’existence une image très défavorable, et que celle-ci risque de déprimer les populations. Je crois que c’est l’inverse qui se produit. La vertu d’une langue souveraine, c’est de raffermir l’âme et le coeur, même si elle exprime une philosophie morose. Lire le docteur Cioran, c’est roboratif. C’est la meilleure médecine pour combattre les pensées trop misérables. Et réparer les mesquineries de la vie.
.
Constantin Noïca avait raison d’écrire que “la façon même dont Cioran écrase la beauté du monde et de la culture finit par en être l’éloge”. Il est peut-être l’un des derniers représentants de ce modèle d’humanité que notre époque paraît avoir oublié : je veux dire l’homme de culture.

François Bott, Le Monde le 13 Décembre 1991

As delícias do absurdo

Primeiro livro de Cioran ganha tradução feita diretamente do romeno

Manoel da Costa Pinto, Folha São Paulo, 08/04/2012

Em 2011, o centenário de nascimento de Emil Cioran foi comemorado com relançamentos pela editora Rocco: “Breviário de Decomposição” (1949), “Silogismos da Amargura” (1952), “História e Utopia” (1960) e “Exercícios de Admiração” (1986). 

Tais livros cobrem a fase madura do pensador romeno, quando ele adota o francês como idioma filosófico, deixando de lado os escritos de juventude. Essa lacuna começa a ser preenchida com o lançamento do livro de estreia, “Nos Cumes do Desespero”, publicado em 1934 e agora traduzido do romeno por Fernando Klabin.

Trata-se de livro fundamental para compreender as tensões internas da obra de Cioran. Afinal, sua “conversão linguística”, com “Breviário de Decomposição”, significou também o abandono dos ímpetos irracionalistas de “Nos Cumes do Desespero”, em nome de uma perspectiva cética, inclemente com utopias e dogmas.

Com sua escrita nervosa, oscilando entre o “spleen” romântico e o apelo às “forças irracionais da existência”, “Nos Cumes do Desespero” se inscreve no pensamento vitalista, que percebe a cisão entre o sujeito e uma totalidade perdida (de fundo mítico-religioso) e acusa toda a tradição filosófica de se refugiar na abstração.

Essa retórica do “caos primordial”, do êxtase vivido por uma elite espiritual apartada das massas e dos intelectuais de salão, explica as simpatias de Cioran por ideologias de extrema direita nos anos 1930.

A ironia trágica de “Nos Cumes do Desespero”, porém, já anuncia sua posterior renúncia a doutrinas de reforma social e sua entrega às “delícias do absurdo”. No prefácio à tradução francesa do livro (reproduzido na edição brasileira), Cioran diz ter encontrado na escrita a salvação para a insônia que o fazia vagar pelas noites de Sibiu, na Transilvânia: tinha início aí uma mitologia pessoal em que a “lucidez vertiginosa” e a “vigília ininterrupta” engendram o cético, triunfando sobre as “vertigens do apocalipse” do jovem que sonhava acordado com a agonia do mundo.

Conexões

LIVRO
NOS CUMES DO DESESPERO ****
AUTOR: Emil Cioran
TRADUÇÃO: Fernando Klabin
EDITORA: Hedra (154 págs., R$ 38)

LIVROS SILOGISMOS DA AMARGURA ***
Os pensamentos concentrados em frases breves e lapidares servem de contraponto ao jorro retórico da fase romena de Cioran.
AUTOR: Emil Cioran
TRADUÇÃO: José Thomaz Brum
EDITORA: Rocco (2011, 112 págs., R$ 19)

AS SEIS DOENÇAS DO ESPÍRITO CONTEMPORÂNEO **
Interlocutor de Cioran, o pensador romeno se manteve fiel à perspectiva antimoderna de uma sabedoria antiga.
AUTOR: Constantin Noica
TRADUÇÃO: Fernando Klabin e Elena Sburlea
EDITORA: BestBolso (2011, 192 págs., R$ 14,90)

Entrevista com Mihaela-Genţiana Stănişor: “Há uma poética da desnaturação em Cioran”

Mihaela-Genţiana Stănişor é uma filóloga romena, com especialização nos idiomas romeno e francês. Obteve seu doutorado em 2005 com uma tese sobre os Cahiers de Cioran. Atualmente, é professora na Universidade Lucian Blaga, em Sibiu (cidade marcante para Cioran). É autora de diversos livros, dentre os quais se destacam Os Cahiers de Cioran: o exílio do ser e da obra, e Perspectivas críticas sobre a literatura francesa do século XVII. Publicou também o artigo “Del inconveniente de la identidad”, na coletânea Cioran: ensayos críticos, organizada por M. Liliana Herrera e Alfredo A. Abad T. (Universidad Tecnologica de Pereira, Colómbia, 2008) Além disso, Genţiana é diretora da revista romena de literatura e filosofia Alkemie, em cujo site é possível encontrar vários de seus artigos (em francês).

Genţiana concedeu ao Portal EMCioranBR uma entrevista exclusiva onde fala sobre sua trajetória acadêmica envolvendo os estudos sobre Emil Cioran, e faz considerações importantes sobre os Cahiers do autor — seu objeto de estudo privilegiado. Ela também fala um pouco sobre o lugar de Cioran na cultura romena contemporânea, em contraste com os anos que precederam à revolução que pôs fim ao regime comunista de Ceaușescu, e como se deu seu primeiro encontro com a obra deste “exilado metafísico”.

Rodrigo Menezes — Prezada Genţiana, em nome do Portal EMCioranBR e de seus visitantes, leitores de Cioran, eu agradeço enormemente a oportunidade de fazer essa entrevista com você. Você é filóloga e fez uma tese de doutorado sobre Cioran, intitulada Les « Cahiers » de Cioran, l’exil de l’être et de l’œuvre. La dimension ontique et la dimension poïétique, publicada pela editora da Universidade Lucian Blaga, em 2005. Poderia nos dizer a razão de ter escolhido os Cahiers como objeto de análise? Poderia nos dizer algo sobre sua tese?

Mihaela-Genţiana Stănişor — Comecei a estudar a obra de Cioran de uma maneira mais rigorosa ao fim dos meus estudos universitários (entre 1997-1998). Os Cahiers tinham acabado de ser publicados. Após sua leitura, eu me propus a analisar a relação que eles mantinham com a obra de Cioran propriamente dita.  Sua dimensão de laboratório de criação, de “documento poiético”, me fascinava. Tive a chance de conhecer Irina Mavrodin, personalidade marcante da cultura romena, à ocasião do Colóquio Internacional Emil Cioran que acontecia todo ano em Sibiu. De imediato, ela achou meu tema interessante e aceitou orientar meu doutorado. Uma boa parte de minha tese é dedicada ao estudo comparativo dos Cahiers e dos escritos cioranianos, a partir do conceito de escritura fragmentária como modus vivendi e fabricação poética. O estudo comparativo me permitiu constatar melhor as funções do fragmentário, como princípio ontológico e como princípio estrutural. Há sempre, em Cioran, um inconveniente da identidade (que conduz a um princípio ontológico da escritura, a uma ceno-grafia do eu), assim como há um inconveniente da escritura (que conduz a sua fragmentação e a sua metaforização, ao atalho, à ambiguidade, ao vago), a uma imagem incompleta, ou, antes, a eus [moi] contrastantes.

R.M. — Quando e como você teve seu primeiro contato com a obra de Cioran?

M.-G.S. — Eu li Cioran pela primeira vez quando estava no liceu, pouco depois da queda de Ceauşescu (em 1990). Pude constatar que, em cada um de seus livros, não é tanto um mundo que se abre, mas um inferno que se fecha. Eis o efeito que o primeiro livro que li na minha adolescência, De l’inconvénient d’être né, teve sobre mim. Eu percorri, intrigada, as palavras do título e aquilo me bastou para decidir ler o livro inteiro. O impacto que a maneira de Cioran de pensar e de sentir teve sobre mim foi, desde o início, decisiva e perturbadora, pois, por um lado, ela respondia a sentimentos e obsessões que eu acreditava serem inexprimíveis; por outro lado, ele difundia em mim um sentimento ambíguo e estranhamente reconfortante, apesar da amargura que me provocava. Era o sentimento da vaidade de toda ação, à exceção da leitura, que eu considerava salvadora, graças à frente comum que eu podia fazer com o autor. Em poucos dias, eu havia me tornado solidária de Cioran, com esse “eu” [je] impiedoso que explodia linguisticamente e me tornava presa da fascinação. Mais tarde, tendo lido toda sua obra, a fraternização com o autor se acentuou. Eu me daria conta, vivendo em uníssono com Cioran, graças às impressões que eu compartilhava com ele e que o sentimento da identidade (ou da alteridade?) tornava mais fortes, que seus livros me ofereciam um modelo de escritura. Pouco a pouco, o que ele dizia se tornava secundário para mim, pois ele me havia iniciado na expressão do dizer. Eu via como seu texto se tornava cada vez mais condensado e contraditório, a mise en suite (“posta em sequência”) de palavras cada vez mais inusitada e espetacular, e sua expulsão cada vez mais significativa. O lirismo se evaporava (como efeito da passagem do tempo e do culto à língua francesa), de modo que as paixões que turbaram sua juventude, que inflamaram seu pensamento e tentaram seu discurso nos livros romenos, se racionalizaram. A tentação de exprimir foi substituída pela assiduidade de expiar.

R.M. — Como Cioran é considerado na Romênia? Ele é lido e conhecido pelos romenos em geral? Ou seria mais conhecido nos meios acadêmico e intelectual?  Estava ele presente na vida literária romena anterior a 1990? Seus livros franceses eram publicados na Romênia?

M.-G.S. — Antes da revolução de dezembro de 1989, Cioran estava proibido na Romênia. Não se podia encontrar seus livros nas livrarias ou nas bibliotecas, não se podia nem mesmo pronunciar seu nome para não chamar a atenção da Securitate [polícia secreta romena do regime comunista]. Poucas pessoas possuíam seus livros, obtidos diretamente na França. Mas os verdadeiros intelectuais seguiam sua vida e sua criação, apesar do terror comunista. Após a revolução, os escritos de Cioran foram editados e reeditados, uma boa parte deles inédita (as edições Humanitas, dirigidas pelo filósofo Gabriel Liiceanu, se ocuparam da publicação integral de Cioran). Cioran vende bem na Romênia, e eu penso que não são apenas os intelectuais que o leem, mas também outras pessoas que apreciam seu humor e seu jogo saboroso com as palavras. A expressão curta, aforística, fácil de reter, ganha muitos adeptos.

R.M. — “Regra de ouro: deixar uma imagem incompleta de si”, escreveu Cioran em De l’inconvenient d’être né. Geralmente, as pessoas vêm a conhecê-lo através de sua obra francesa, ao menos no Brasil. Certamente há leitores que não sabem que Cioran é romeno, ou que sabem muito pouco a respeito de sua vida. Eis uma questão que me persegue: o que permanece de romeno no “Cioran francês”? Tenho a impressão de que ele esconde muito sobre si mesmo, que ele falsifica sua “romenidade” e a desnatura. Não seria a concepção de Cioran sobre os romenos um preconceito? “Povo de céticos, frívolos, superficiais, trágicos, etc., etc.”…

M.-G.S. — Você certamente conhece essa formidável citação de Cioran que eu cito de memória: “Não se habita um país, habita-se uma língua.” Isso já diz tudo. Para um escritor, é a língua que constitui seu ser. Ele respira e pensa na e pela língua. Do período romeno, permanecem sem dúvida suas obsessões, seus temas preferidos (o ser, o tempo, a morte, o destino…). Mas aquele que muda de idioma também muda de ser. A língua o transforma em um ser acurralado. E ele descreve tão sugestivamente essa transformação em sua “Carta a um amigo longínquo” [primeiro capítulo de História e Utopia], ao amigo, que permaneceu na Romênia, o filósofo Constantin Noica. Se ele falsifica sua “romenidade”, é porque ele falsifica tudo, é porque a escritura é o repositório perfeito de desnaturações. Há toda uma poética da desnaturação em Cioran. Como em todo escritor autêntico, eu diria. Sua visão do povo romeno encontra-se também em outros autores romenos. Mircea Vulcănescu, da mesma geração de 1930, fala do sentimento trágico da existência; o grande filósofo romeno, Lucian Blaga, exprime sistematicamente esse “sentimento melancólico do destino”, que define o romeno. Há, certamente, nesse povo, um ceticismo inato, uma sensação de fatalidade que o perturba por toda sua vida. De resto, a concepção que Cioran  tem dos romenos é alimentada pelo mesmo princípio que lhe é caro: o exagero, o rechaço às margens da… normalidade. Ir além para criar o choque, para chegar a esse deslumbrante: “Como se pode ser romeno?”.

R.M. — Os Cahiers poderiam ser vistos como uma profunda fonte de conhecimento sobre Cioran, para além de seus livros, como uma espécie de laboratório secreto e íntimo em que ele escrevia coisas que jamais teria a coragem de publicar? Não esqueçamos que ele havia escrito na capa dos cadernos: “A destruir”. Eu me pergunto: Quem devia destruí-los ? Cioran tinha mesmo o desejo de que seus cadernos fossem destruídos, por Simone ou qualquer outra pessoa (e Simone, publicando-os, teria traído Cioran)?

M.-G.S. — Não, eu não acho que se deva buscar o homem de carne e osso nos cadernos de Cioran. Também aí trata-se da consciência autoral que fala e que se vê falar. Esse jogo duplo também funciona aí. Em todo lugar há o pacto com a escritura, o prazer do texto, da palavra. E Cioran sacrifica tudo a esse prazer. Sobretudo seu próprio eu biográfico. Há aí, contudo, uma dimensão biográfica mais intensa da escritura. Os Cahiers são também o diário de um ser que é presa de seus eus [moi]. Entre biografia e ficção, não o esqueçamos, é só um passo.

Acredito que Cioran não tinha a intenção de destruir seus cadernos. Nem de publicá-los desta forma. Mas uma coisa permanece importante, apesar de tudo: sua aparição é essencial para compreender, in nuce, a maneira de Cioran de refletir, de agir (escrituralmente) e de (re)escrever. Do ponto de vista da genética dos textos cioranianos, sua existência é capital. Simone Boué, sem dúvida, deu-se conta disso. E para todo pesquisador aplicado, os Cahiers são uma mina de ouro.

R.M. — Um livro preferido de Cioran?

M.-G.S. — Aveux et anathèmes (“Confissões e anátemas”). Ultimamente, constato que tenho uma preferência por seus livros aforísticos pois isso me incita o espírito a novas descobertas a cada releitura. Cada aforismo é um livro. A ser imaginado, a ser reescrito.

R.M. — Um aforismo preferido? Ou mais de um…

M.-G.S. — Ah, mas quase todo dia eu tenho no espírito um aforismo cioraniano. Isso me ajuda a começar o dia de uma maneira (ir)razoável.  Vou lhe dar três:

 « Minha missão  é sofrer por todos aqueles que sofrem sem sabê-lo. Devo pagar por eles, expiar sua inconsciência, a chance que eles têm de ignorar até que ponto são infelizes. » (De l’inconvénient d’être né).

« Buscar o ser com palavras! – Tal é nosso quixotismo, tal é o delírio de nossa empreitada essencial. » (Cahiers)

« Afinal, eu não perdi meu tempo, eu também me agitei, como todo mundo, nesse universo aberrante. » (Aveux et anathèmes).

R.M. — Prezada Genţiana, muito obrigado pela disposição em nos oferecer essa entrevista. Agradeço em nome do Portal EMCioranBR e de todos seus visitantes.