“Relatório sobre um relatório de atividade universitária (1938-1939)” (Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes)

(Re)lendo o relatório “sur mon activité universitaire pendant l’année universitaire 1938-1939”, do jovem Cioran. Que delícia digestiva após um almoço não menos delicioso (ensopado de peixe com pirão, além de 4 potinhos de uma sobremesa cujo nome não me recordo, e pouco importa, o importante sendo o manjar em si, cuja quantidade consumida não faz senão trair…

Leia mais

“Moralistes du Grand Siècle” (Bérangère Parmentier)

LES FORMES BRÈVES, Tdc no. 1077 Chez les moralistes du XVIIe siècle, style et pensée ne font qu’un : brièveté et discontinuité témoignent d’un regard nouveau, individualisé, porté sur la vie en société. Le cas des « moralistes français » nous permet d’observer la constitution historique d’un genre. C’est une lignée qui se construit œuvre…

Leia mais

Duas cervejas, um sanduíche e mil tiradas filósoficas: Clément Rosset por Roland Jaccard

Se a esperança é o pior dos males, se é derrisório pretender mudar a vida, o que resta então? Resposta de Clément Rosset: “Resta, contudo, uma última hipótese: a de uma satisfação total no seio do infinito mesmo, semelhante ao júbilo amoroso descrito por La Fontaine numa célebre fábula (“Seja tudo você mesmo, conte o…

Leia mais

“O reinado do falso Nietzsche” (Clément Rosset)

FOLHA DE S. PAULO, 8 de junho de 2003 Há muito poucos filósofos por século; teríamos dificuldade de encontrar mais de 20 desde Parmênides: no que se refere ao século 20, conheço apenas dois, Bergson e Wittgenstein 1. Nietzsche, sem hesitação. Sem as leituras de Nietzsche, particularmente “O Nascimento da Tragédia”, por volta dos 18 anos,…

Leia mais

“Cioran-Pascal” (Ciprian Vălcan)

Studia Theologica V, 1/2007, 51 – 89 Résumé Pascal est le penseur pour lequel Cioran manifeste la plus grande estime le long de toute sa vie, en construisant de lui un portrait quasi-hagiographique et en le défendant avec virulence contre toute critique possible. S’identifiant avec sa manière de surprendre l’absurdité qui gouverne l’existence de l’homme…

Leia mais

“Como Pascal, busco razões para não crer”: carta de Cioran a George Bălan

Publicado em Avvenire.it, quarta-feira, 27 de setembro de 2017 O pensador romeno confessa nesta carta a sua luta com o sagrado: “Uma das coisas que mais bem entendo é a prece e as razões que levam a ela, o terrível dilaceramento do qual deriva.” A carta inédita que aqui é extraída do epistolário entre Emil…

Leia mais

Cioran: «Io come Pascal: cerco ragioni per non credere»

Avvenire.it, Mercoledì 27 settembre 2017 ll pensatore romeno confessa in questa lettera la sua lotta col sacro: «Una delle cose che intendo meglio è la preghiera e le ragioni che spingono a essa, la terribile lacerazione da cui deriva» La lettera inedita che qui segue è estratta dal carteggio tra Emil Cioran e il musicologo…

Leia mais

“Cioran profetiza os fracassos das utopias” (Marcelo Coelho)

Folha de S. Paulo, caderno “Ilustrada”, 31 de agosto de 1994 Os pessimistas costumam ser bons profetas. Pessimista profissional, pessimista voluptuoso e maníaco, o escritor francês de origem romena E.M. Cioran é conhecido do público brasileiro pelos seus “Silogismos da Amargura” e pelo “Breviário de Decomposição”, ambos publicados pela editora Rocco. Acaba de sair, na…

Leia mais

“Tentaciones para ir a E. M. Cioran” (Rafael Pérez Gay)

NEXOS, 1 Julio, 1995 El fracaso. Buena parte de la obra del gran escritor rumano-francés Emile M. Cioran (1911-1995) está construida alrededor de un tema que se volvió con el tiempo una pasión: el fracaso, personal, de los pueblos, del comunismo, de la filosofía, de la historia. Los dos libros donde esa pasión se expande…

Leia mais

“Curto prazo final” (George Steiner)

QUANDO LHE MOSTRARAM um epigrama de uma linha e meia, Nicolas de Chamfort (1741-94), mestre da brevidade mordaz, comentou que ele demonstraria mais espírito se fosse mais curto. O epigrama, o aforismo, a máxima são o haicai do pensamento. Procuram condensar a percepção mais aguçada no menor número possível de palavras. Quase por definição, e mesmo quando se prende estritamente…

Leia mais

“O homem e sua inconsistência: traços de uma leitura antropológica na filosofia de Nicolás Gómez Dávila” (Pablo Andrés Villegas Giraldo)

A filosofia do pensador colombiano Nicolas Gómez Dávila parece estar em uma constante tensão entre o ceticismo e a fé. Pode-se ver, ao longo de sua obra e em grande parte de suas anotações, essa atitude descrente que provoca a dúvida filosófica; do mesmo modo ratifica, em outros, sua total confiança em Deus e na…

Leia mais

“A evolução do pensamento cético” (Paulo Piva)

Desde a Grécia Antiga, com a escola pirrônica, as idéias do ceticismo foram debatidas e combatidas, com importante papel nas transformações da Filosofia moderna Artigo publicado no portal Ciência e Vida Passamos a entender um pouco melhor o ceticismo filosófico e a perceber o quanto Sócrates, o patrono da filosofia e mestre de Platão, era…

Leia mais

“E. M. Cioran: La caída en la palabra”(Juan Manuel Tabío)

RIALTA, La Habana Juan Manuel Tabio nació en La Habana, en 1983. Enseña griego, estudia los sinuosos vínculos que sujetan la novela moderna a la tragedia clásica, y traduce a los poetas arcaicos. Integra el staff editorial de Rialta. La suspicacia es la manera en que Cioran reacciona contra la obsesión por el lenguaje experimentada…

Leia mais

A sabedoria da desilusão (José Thomaz Brum)

A SABEDORIA DA DESILUSÃO* José Thomaz Brum “Equivocar-se. viver e morrer enganados, isto é o que fazem os homens. Mas existe uma dignidade que nos preserva de desaparecer em Deus e que transforma todos os nossos instantes em orações que não faremos jamais.” (Précis de décomposition) A filosofia não é apenas, nem principalmente, uma análise da linguagem ou uma…

Leia mais

“Portrait de Cioran. Comment Cioran m’a sauvé la vie” (Roland Jaccard)

ALKEMIE – Revue Semestrielle de Littérature et Philosophie, no. 6 («Cioran») L’enfant que j’étais comprenait mal que ses parents l’aient jeté dans cette fournaise qu’était le monde. Il les jugeait inconscients. En temps de paix et de prospérité, passe encore. Mais en 1941… L’adolescent que j’étais avait lu Bouddha et partageait son pessimisme. Il ne…

Leia mais

“Post-Scriptum: o descontentamento de Cioran” (Clément Rosset)

– Nada tens a declarar? – Sim, senhor, tenho a declarar… que estou longe de estar satisfeito! Christophe, A ideia fixa do sábio Cosimus O que chamo de o descontentamento de Cioran, na falta de um vocábulo melhor que poderia ser “in-contentamento”, se tal palavra existisse, é alheio a qualquer ressentimento, a qualquer razão de querer…

Leia mais

“O castelo do terror metafísico” (Caio Liudvik)

Guia da Folha, Folha de São Paulo, 27 agosto 2011 “Só uma geração desiludida poderia se entusiasmar por uma visão tão negativa da história. Só da história? Da existência em geral. É preciso reconhecer que a vida não resiste a uma interrogação séria e que é difícil, e mesmo impossível, atribuir um sentido ao que…

Leia mais