Cioran, o místico de uma era pós-Deus: entrevista com Mirko Integlia (1ª parte)

In memoriam: María Liliana Herrera Alzate (1960-2019) “Às vezes tenho a impressão de que a obra de Cioran é interpretada como uma espécie de bazar, onde cada um se serve daquilo que quer, inclusive dos aspectos místicos-religiosos.” (Mirko Integlia) * [Pdf] Acaba de ser publicado, em inglês, um novo livro de exegese crítica sobre Cioran,…

Leia mais

“Exegese da decadência” (E.M. Cioran)

O aforismo “Exegese da decadência” retoma — sob uma outra luz, pelo filtro de um novo idioma e da forma mentis peculiar que ele modela — a temática e a problemática de um importante texto periodístico de juventude do autor romeno do Breviário de decomposição: trata-se de Nihilism şi natura [Niilismo e natureza], publicado originalmente na revista…

Leia mais

“Cioran, ingênuo e sentimental”: um perfil literário e psicológico, por Ion Vartic (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Eu havia escrito esta resenha em 2011, e não sei porque não a publiquei à época. Acabo de descobri-la, perdida, num HD de backup. RESENHA: VARTIC, Ion. Cioran, ingenuo y sentimental. Trad. do romeno de Francisco Javier Marina (título original: “Cioran, naiv şi sentimental”). Zaragoza: Mira Editores, 2009. O ensaio de crítica literária e psicológica…

Leia mais

“Variaciones” (M. Liliana Herrera A.)

In: HERRERA A., María Liliana; ABAD T., Alfredo A. (orgs.), Cioran en perspectivas. Pereira: Universidad Tecnológica de Pereira, 2009. p. 170-192. De la naturaleza esencialmente paradójica de la obra de Cioran surge ante la mirada de sus estudiosos una variedad de temas que están determinados también por la formación intelectual e intereses de cada uno…

Leia mais

Intervista con Vincenzo Fiore: su filosofia auto-sperimentale, anti-fanatismo e «l’infernale sincerità» di Cioran

Orizzonti Culturali Italo-Romeni, n. 9, settembre 2019, anno I «In un’epoca dove il fanatismo sembra essere tornato alla ribalta a livello mondiale, il pensatore romeno è un antidoto che ci rende immuni». (Vincenzo Fiore) A partire da questa premessa, pubblichiamo un’intervista con Vincenzo Fiore che affronta la filosofia auto-sperimentale, l’anti-fanatismo e «l’infernale sincerità» di Cioran. Vincenzo…

Leia mais

“La Transfiguration de la Roumanie et les transfigurations de Cioran” (Liliana Nicorescu)

Thèse présentée a la Faculté des études supérieures en vue de l’obtention du grade de Ph.D. en littérature française, Département d’Études françaises, Faculté des études supérieures, Université de Montréal, février, 2006 Résumé: L’objet de cette thèse est l’oeuvre la plus controversée de Cioran : son troisième livre. La Transfiguration de la Roumanie, écrit en roumain…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 2] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Na primeira parte do livro, “Uma juventude entre desespero e fervor político”, Fiore perfaz o itinerário de formação do jovem Cioran na Romênia da década de 30, explorando a dualidade de uma juventude dividida entre o desespero existencial e o fervor político. Não se faz política nos cumes do desespero. Schimbarea la faţă a României…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]…

Leia mais

“Cioran, a filosofia como desfascinação e a escrita como terapia”: entrevista com Vincenzo Fiore

“Numa época em que o fanatismo parece voltar à ribalta a nível mundial, o pensador romeno é um antídoto que imuniza.” Vincenzo Fiore Sobre o autor: Nascido em 1993 em Solofra, Italia, Vincenzo Fiore se formou em filosofia pela Università degli studi di Salerno, é membro do Projeto de Pesquisa Internacional dedicado a Emil Cioran.…

Leia mais

“Cioran não ficou imune aos equívocos políticos, o pecado original dos filósofos” (José Thomaz Brum)

O Globo, 20 de janeiro de 1996 A filosofia de Cioran não constitui uma arquitetura abstrata de conceitos ideais. Meditação fundamentalmente impura, deriva de um estado de espírito, de uma obsessão mais do que se uma ideia a priori. Filósofo que parte dos afetos, das “misérias do eu”, Cioran conheceu, em sua reflexão errática, momentos…

Leia mais

“Quando Charlie Hebdo explica o niilismo de Cioran e o Estado Islâmico” (Dan Alexe)

Europa Libera, 27 de novembro de 2017 Muitas vezes aprendemos mais com os paradoxos do que com demonstrações teóricas complicadas No contexto do perigo global que constitui, a partir de agora, o fascismo niilista do fundamentalismo islâmico, o hebdomadário satírico-político Charlie Hebdo, que não senão a provocação, já escreveu que o pensamento de Cioran se…

Leia mais

“Cioran, lecteur de Spengler” (Eugène Van Itterbeek)

CAHIERS EMIL CIORAN. Ed. Universitatii “Lucian Blaga”Sibiu, Editions Les Sept Dormants, Leuven, 2002. Il est difficile de dire avec precision en quelleanee Emil Cioran a lu Der Untergang des Abendlandes d’Oswald Spengler, sans doute au debut des années ’30, lorsqu’il fut étudiant en philosophie à l’Université de Bucarest. D’où vient son intérêt pour Spengler ? En…

Leia mais

“Cioran înainte de Cioran” (Cornel Moraru)

Studia Universitatis Petru Maior. Philologia, 5, p. 5, Universitatea Petru Maior, Târgu Mureș, 2006. ABSTRACT: Cioran cannot be deeply understood if we avoid the texts and books he published in his early years. Before being considered by Saint-John Perse the greatest French novelist since Paul Valery, Cioran had established himself as writer and thinker in his maternal language. It…

Leia mais

“Despre „Lacrimi şi Sfinţi” sau cartea misticului refuzat” (Marta Petreu)

APOSTROF – Uniunii Scriitorilor din România Anul XXII, 2011, nr. 3 (250) „Lacrimi şi Sfinţi, ultima carte a lui Emil Cioran, este un tragic exemplu de ceea ce poate însemna «maceraţia» de sine prin paradox şi invectivă“, scria în ianuarie 1938, în revista Vremea, Mircea Eliade, neascunzîndu-şi iritarea faţă de volumul prietenului său. Şi adăuga: „Sînt…

Leia mais

“Thinkers and Liars”: review on Marta Petreu’s “An Infamous Past…” (Joseph Frank)

New Republic 14/11/06, Nov 16, 2006 In the aftermath of World War II, there was a great influx of refugees into the United States. Most came from countries where populations had been uprooted by the course of battle, or were escaping from a past that they were lucky to have survived. Some, however, were trying…

Leia mais

Marta Petreu sau despre fascinatia – maligna – a lui Cioran (Sorin Alexandrescu)

Sorin ALEXANDRESCU, Observator Cultural – Spiritul Critic in Actiune Marta PETREU – Un trecut deocheat sau „Schimbarea la fata a Romaniei“ Biblioteca Apostrof, Colectia „Ianus“, Cluj, 1999, 440 p, f.p. Iesirea din complex Cartea Martei Petreu este prima incercare de analiza serioasa, la nivel de volum, a unei carti si a multor articole ale lui Cioran,…

Leia mais

“Cioran y el fascismo” (José Ignacio Nájera)

Articulo inédito de José Ignacio Nájera, autor del libro El universo malogrado – carta a Cioran (Ediciones Tres Fronteras, Murcia, 2008). I – Escenarios y personajes Cuando Cioran constató que se había secado literariamente tomó la determinación de que se tradujeran al francés sus obras rumanas, y así sucedió a partir de 1986. Su amigo Constantin…

Leia mais

Alain Finkielkraut comenta “Transfiguração da Romênia”

Finkielkraut: «Para Cioran, esse livro era uma vergonha» Dois livros de Cioran, «Transfiguration de la Roumanie» et «De la France» são traduzidos pela primeira vez. Alain Finkielkraut comenta esses textos de juventude. Le Figaro, 02 de abril 2009 Já se sabia sobre o autor de «A Derrota do Pensamento» que ele é um leitor apaixonado da obra de…

Leia mais

“Cioran: juventud y madurez” (Christopher Domínguez Michael)

Letras Libres, Mayo 31, 2011 E.M. Cioran (1911–1995), el misántropo rumano que antes de los cuarenta años escogió la lengua francesa para cancelar la apasionada y ominosa relación que tenía con su patria, se convirtió en un escéptico gracias al remordimiento. En el centenario de su nacimiento, creemos algunos de sus lectores que no hubiera podido…

Leia mais

“Mucho más que un maldito” (Christopher Domínguez Michael)

Letras Libres, Octubre 2011 Tusquets pone en circulación este mes la edición conmemorativa de la obra de E. M. Cioran. Ofrecemos al lector el prólogo, escrito por Christopher Domínguez, quien rescata el carácter compulsivo del pensador franco-rumano. Toda fama, y Emil Michel Cioran lo sabía muy bien, es el resultado de un equívoco. En su…

Leia mais