“Não se varre o vazio para debaixo do tapete”: necessidade de estar só, insuficiência humana e autoestima (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Publicado originalmente em Itinerarivm Mentis in Nihilvm:
A psicanalista Maria Homem fala da necessidade de solidão, sobretudo nos tempos atuais em que são estimulados, de maneira maximizada, o gregarismo, o espírito de rebanho, a dependência e a heteronomia em todos os níveis e sentidos, em detrimento de todo ideal de emancipação e autonomia subjetiva. Não…

Leia mais

“Devemos repetir a nós próprios todos os dias: Sou um daqueles que, entre milhares, se arrastam pela superfície do globo. Essa banalidade justifica qualquer conclusão, qualquer comportamento ou acto: deboche, castidade, suicídio, trabalho, crime, preguiça ou rebelião. … E daí se conclui que todos nós temos razão em fazer o que fazemos.” (Do inconveniente de […]

via Breviário de Decomposição 7.0

“Exegese da decadência” (E.M. Cioran)

O aforismo “Exegese da decadência” retoma — sob uma outra luz, pelo filtro de um novo idioma e da forma mentis peculiar que ele modela — a temática e a problemática de um importante texto periodístico de juventude do autor romeno do Breviário de decomposição: trata-se de Nihilism şi natura [Niilismo e natureza], publicado originalmente na revista…

Leia mais

Juramento à Vida (Emil Cioran)

JURAMENTO À VIDA: Nunca te trairei de todo; embora tenha te traído e te trairei a cada passo; Quando te odiei, não pude te esquecer; Te amaldiçoei para suportar-te; Te repudiei para que mudes; Te chamei e não vieste; gritei e não me sorriste; fiquei triste e não me consolaste. Chorei e não aliviaste minhas…

Leia mais

“O olhar antes da percepção” (Emil Cioran)

Não haveis surpreendido uma imagem de pureza no olhar sem percepção, no olhar que reflete e refracta, uma imagem purificada de objetos? Não vos haveis fixado nunca no olhar dos patinhos e haveis visto uns olhos onde o céu é céu, a água, água e a folha, folha? E não haveis amado esses olhos que…

Leia mais

Cioran: solidão, êxtase, solidariedade (Rodrigo Menezes)

Um comentário que sempre me chamou a atenção na entrevista de Cioran a Sylvie Jaudeau, e que me parece uma chave de leitura ao essencial do pensamento insone e errático de Cioran, é o seguinte: “A única experiência profunda é a que se realiza na solidão. Aquela que resulta de um contágio permanece superficial —…

Leia mais

Sobre solidão, filosofias e máscaras (Nietzsche)

Percebe-se sempre nos escritos de um solitário algo como o eco do deserto, como o murmúrio e o olhar tímido da solidão, as suas expressões mais enérgicas, até seu grito, ressaltam também em uma nova espécie nova e mais perigosa de calar, o subentender. Em quem, por anos inteiros, dia e noite, permanece só com…

Leia mais

“O absurdo e a revolta em Camus” (José João Neves Barbosa Vicente & Frances Deizer Gontijo)

TRÍAS – Revista eletrônica online de Filosofia, História, Literatura e Ciências Sociais, nº 3 (2º semestre de 2011) RESUMO: O presente artigo propõe analisar os conceitos de absurdo e de revolta na obra O homem revoltado (1999) de Albert Camus no intuito de mostrar que, no primeiro conceito existe um “eu” solitário, no segundo, um “eu” solidário. A análise…

Leia mais

“Signos gnósticos nos cumes do desespero” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O título, inspirado em manchetes sensacionalistas sobre casos de óbito por suicídio, não deixa de aludir também ao Desespero humano (1849) de Kierkegaard, avidamente estudado pelo jovem Cioran. Seria uma questão ociosa debater se Cioran é um kierkegaardiano que leu Nietzsche ou um nietzschiano que leu Kierkegaard. Muito embora tenha frequentado a escola de ambos,…

Leia mais

“Inconsistência humana” (Emil Cioran)

Experimentei, em grande silêncio e em grande solidão, no meio da natureza, longe da humanidade e perto de mim, uma sensação de interminável tumulto, em que o mundo, como uma torrente irresistível, me atropelou, me atravessou como um fluido transparente e imperceptível. Ao fechar os olhos, o mundo inteiro parece ter-se fundido no meu cérebro,…

Leia mais

“Insatisfação total” (Emil Cioran)

Que espécie de maldição paira sobre algumas pessoas que não conseguem se sentir bem em lugar nenhum? Faça chuva ou faça sol, sozinhas ou acompanhadas. Desconhecer o que significa boa disposição, eis algo impressionante. As pessoas mais infelizes são as que não têm direito à inconsciência. Ter um grau desenvolvido de consciência, estar consciente a…

Leia mais

A Liga da Decepção (Emil Cioran)

Quando sofrerdes demasiado de entusiasmo, quando vos pesar o entusiasmo de viver e ante a explosão desordenada de vossa vida temerdes o suicídio, transformai vosso excesso de dor em vaticínio, canalizai em êxtases de vida as ondas transbordantes de vossa energia. Buscai nos dramas ocasiões para a sublimação, usai as tragédias como vias para a…

Leia mais

Eros, beleza e pensamento musical: O Livro das Ilusões, de Emil Cioran

Que ninguém esqueça: Que só o Eros pode preencher uma vida; o conhecimento nunca. Unicamente o Eros lhe dá um conteúdo; o conhecimento é infinitude oca; para pensar sempre há tempo; a vida tem seu tempo; nenhum pensamento vem demasiado tarde; todo desejo pode converter-se em pesar. * A impossibilidade de crer nos substitutos da…

Leia mais

“Platão era de esquerda ou de direita?” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Um dia, num café, estava eu lendo Schopenhauer (na verdade, o livro de Clément Rosset, Schopenhauer, philosophe de l’absurde), quando passa por mim uma moça, por volta dos seus vinte anos, fitando a capa do livro com ar de interesse, e mesmo de familiaridade. Na fila do caixa, na minha frente, ela comenta que viu…

Leia mais

“A solidão – cisma do coração” (E.M. Cioran)

Estamos condenados à perdição sempre que a vida não se revela como um milagre, sempre que o instante já não geme sob um calafrio sobrenatural. Como renovar esta sensação de plenitude, estes segundos de delírio, estes relâmpagos vulcânicos, estes prodígios de fervor que rebaixam Deus a mero acidente de nossa argila? Por meio de que…

Leia mais

“A experiência do tédio” (Lars Svendsen)

Arnold Gehlen afirmou que só a realidade ajuda a lutar contra o tédio. Essa não é, em absoluto, uma má sugestão, mas não é possível se apossar assim de um fragmento da realidade. O problema com o tédio, entre outras coisas, é que “perdemos” realidade. A proposta de Gehlen poderia parecer uma solução, supondo-se que…

Leia mais

“Indivíduo e cultura” (Emil Cioran)

“Quase ninguém mais fala de sua própria experiência, de suas penas e de suas angústias pessoais, todo mundo fala das complicações de uma cultura que não lhes fornece um sentido preciso nem uma fórmula de equilíbrio.” Cioran, “Indivíduo e cultura” (1932) Este texto, escrito por um jovem Cioran aos 21 anos de idade, e publicado…

Leia mais

“A Melancolia de Dürer” (Emil Cioran)

Publicado por Cioran aos 21 anos de idade no jornal romeno Calendarul, em 8 de julho de 1932 . Traduzido para o francês e incluído em Solitude et destin (2004). De tudo o que Dürer criou, a gravura intitulada A Melancolia é o que mais contém elementos favoráveis à reflexão e ao abandono aos quais se pode entregar mergulhando-se…

Leia mais

“Artistas y filósofos, viajeros solitarios”, por Pablo Andrés Villegas Giraldo

Literariedad – Apuntes de Peatón El arte es de los solitarios… Gahvir Fahiaci Si bien el arte no arrastra al artista a una posible marginación, éste sí termina aislándose de lo que lo rodea para sumirse en su estado natural de contemplación. Esto sucede por un lado porque lo que seduce al artista no está…

Leia mais