“La vie en prose”: a prosa como gênero ideal para uma comunhão de almas dilaceradas

Au lecteur, C’est ici un livre de bonne foi, lecteur. Il t’avertit, dés l’entrée, que je ne m’y suis proposé aucune fin, que domestique et privée. Je n’y ai eu nulle considération de ton service, ni de ma gloire. Mes forces ne sont pas capables d’un tel dessein. Je l’ai voué à la commodité particulière…

Leia mais

Evil in Modern Thought: An Alternative History of Philosophy (Susan Neiman)

The eighteenth century used the word Lisbon much as we use the word Auschwitz today. How much weight can a brute reference carry? It takes no more than the name of a place to mean: the collapse of the most basic trust in the world, the grounds that make civilization possible. Learning this, modern readers…

Leia mais

O pensamento de Nishitani e o Budismo (Hisao Matsumaru)

Pretendo esclarecer o fundamento daquilo que penso ser o ponto de partida do pensamento presente nas duas obras centrais de Keiji Nishitani (1900-1990), a saber, Shukyo to wan nani ka (O que é a religião) (Nishitani, 1961) e Zen no tachiba (O ponto de vista do Zen) (Nishitani, 1986). A reflexão de Nishitani pode dar…

Leia mais

“Emil Cioran : une scénographie hagiographique du changement de langue” (François Demont)

Anokhina, Olga ; Ausoni, Alain (dir.), Vivre entre les langues, écrire en français, Editions des archives contemporaines, Coll. «Multilinguisme, traduction, création», France, ISBN : 9782813003249, pp. 121-133, doi : 10.17184/eac.2319 Résumé : Cette étude procède à l’analyse d’un point de travail postural de l’écrivain translingue Emil Cioran. En passant du roumain au français en 1947, Cioran change…

Leia mais

From “Cargo Cults” to “Drone Cults”

You have probably seen the movie “The Gods Must Be Crazy”, in which an airplane pilot drops an empty Coca-Cola bottle onto what is depicted as a deserted uncivilized land barely populated by a primitive society, and that becomes the origin of a new religion… That’s actually based on a real ethnological case. From “Cargo…

Leia mais

Revista Trágica: edições temáticas Clément Rosset (in memoriam) [3]

Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3 (2019) “Clément Rosset, ainda” (André Martins, editor) Este terceiro e último número do volume 12 da Revista Trágica de Estudos de Filosofia da Imanência, de 2019, completa nosso dossiê em homenagem póstuma ao instigante filósofo francês Clément Rosset, falecido em 2018.…

Leia mais

Um pensamento contra os falsos sábios e sofistas – entrevista com Helène Politis sobre Kierkegaard

IHU On-line – Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 418, 13 maio 2013 Autor de uma obra endereçada aos “leitores possíveis” dispostos a estudá-la sem preconceito, Kiekegaard denunciou o caráter irrealista e abstrato da racionalidade hegeliana, destaca Helène Politis. Conexões entre o existencialismo e as ideias do dinamarquês são inadequadas Leitora de Kierkegaard há mais…

Leia mais

La figure du raté : perspectives comparatistes

POST-SCRIPTUM, n. 13, mai 2011 Présentation de Sara Danièle BÉLANGER-MICHAUD Les figures du raté ne sont pas rares en littérature : qu’on pense à l’Oblomov de Gontcharov, à l’homme du sous-sol de Dostoïevski, au Bartleby de Melville ou aux personnages de Maupassant, de Bernhard, de Vila-Matas ou de Coetzee. Mais cette figure n’est pas seulement l’apanage…

Leia mais

Solitude et lumière : ténèbres du troglodyte et éblouissement du désert chez Cioran (Lauralie Chatelet)

DEMARS, Aurélien ; STĂNIŞOR, Mihaela-Genţiana Stănişor. Cioran, archives paradoxales : nouvelles approches critiques. Tome IV, Classiques Garnier, pp.73-83, 2019. J’aborderai ici deux figures de la solitude chez Cioran, celles de l’ermite et du troglodyte. Force est de constater qu’il y a une tension chez Cioran dans sa conception même de la solitude. Plutôt que solitude…

Leia mais

“Harmonias do inferno” – Baudelaire e a crise do paradigma musical (Eduardo Veras)

Remate de Males, Campinas-SP, n. 1, pp. 301-320, ja.jun./2019 Resumo: Este artigo propõe uma análise da relação problemática que a poesia de Baudelaire estabelece com a música. Pretendemos mostrar como o poeta dramatiza a desestruturação da linguagem poética tradicional pela adesão a uma retórica da desarmonia, da dissonância e do barulho, sem contudo se render…

Leia mais

“A dor e o existir: Fernando Pessoa” (Neyza Prochet)

Cadernos de psicanálise (Rio de Janeiro), vol. 34, no. 27, Rio de Janeiro, dez. 2012 Para o homem, a arte é o recurso que possibilita dar forma, tempo e lugar àquilo que, de outro modo, lhe seria inacessível. É a capacidade criativa que conecta o indivíduo a seu núcleo central, à fonte de onde se…

Leia mais

“Du Moi comme apophatisme: Maurice Barrès, Emil Cioran, Philippe Muray” (David Paigneau)

Anales de Filología Francesa, n.º 27, 2019 Abstract: In the theological field, the term apophatism refers to a negative approach of defining God by what he is not rather than by what he is. This way of thinking can be applied to the definition of the writer’s Me as it appears in the literary works,…

Leia mais

10 anos de (in)existência: um blogue que não dorme desde 2010

Os trabalhos e os dias… Três horas da manhã. Apercebo-me deste segundo, e do que se lhe segue, faço o balanço de cada minuto. Por que tudo isto? — Porque eu nasci. Questionarmos o nascimento resulta de um tipo especial de vigílias. CIORAN, Do inconveniente de ter nascido (1973) Em 2019, o Portal E.M.Cioran🇧🇷 completou…

Leia mais

Existentialism, Gnosticism, Nihilism: Culianu on Cioran

Existentialism We will not insist on analyzing the relations between existentialism and Gnosticism established by Hans Jonas. I have already done this elsewhere, in detail (Gnosticismo, pp. 119 sq.). Gnosticism and existentialism resemble the phenomenology of the being-in-the-world, which is “pro-iectation” (Geworfenheit), abandonment, forgetfulness, inauthenticity. But while this condition forms, for the Gnostic, only the…

Leia mais

Cioran, o místico de uma era pós-Deus: entrevista com Mirko Integlia (última parte)

[PDF] Acaba de ser publicado, em inglês, um novo livro de exegese filosófica sobre Cioran – e um importantíssimo, tanto pela temática quanto pela abordagem: Atormentado por Deus: o niilismo místico de Emil Cioran (Libreria Editrice Vaticana, 2019), do filósofo e teólogo Mirko Integlia. O livro é uma minuciosa análise textual e contextual, histórico-hermenêutica, disso…

Leia mais

“Una filósofa pereirana difusora de Cioran” (Alberto Antonio Berón Ospina)

Caminar con Liliana Herrera solía ser un desafío, porque esa joven contaba con voz propia y pensar propio: fuera reflexionando acerca de la ciudad de Pereira, que ya en los años ochenta mostraba su capacidad de olvido e indolencia. LA COLA DE LA RATA, 01/10/2019 “La poesía nace simultáneamente con la oración, el canto y…

Leia mais

“Às margens do ser (a propósito de Liliana Herrera)” (Alfredo Abad)

Um belo e inspirado texto do filósofo e professor colombiano a esta que foi, além de poeta, escritora e tradutora (mulher polivalente), uma filósofa da existência perfeitamente marginal, ou seja, alheia aos academicismos, às patifarias e à vanitas que são, via de regra, proporcionais ao grau de erudição e de institucionalização, vícios quase onipresentes nos…

Leia mais

“En las margenes del ser (a propósito de Liliana Herrera)” (Alfredo Abad)

Un inspirado y bello homenaje del filósofo y profesor colombiano a esta que fue, además de poeta, escritora y traductora (mujer polivalente), una filósofa de la existencia perfectamente marginal, es decir ajena a los academicismos, a las patrañas y a la vanitas que son por lo general proporcionales al grado de erudición y de institucionalización,…

Leia mais

Cioran, o místico de uma era pós-Deus: entrevista com Mirko Integlia (2ª parte)

“Il testo cioraniano è ‘rischioso‘. A escritura cioraniana possui uma profundidade que poderíamos definir, para usar uma terminologia atual, “hipertextual”, isto é, a assim-chamada mensagem não se esgota na imediatidade do escrito, mas abre continuamente vertentes de reflexão ulterior, as quais, de resto, atravessam a obra inteira como um fluxo de consciência que busca superar…

Leia mais

“A patifaria intelectual de Olavo de Carvalho” (Tomás Troster)

Decidi revisitar o trabalho do filósofo e avaliar o agora ‘guru do presidente’. Deixo o leitor tirar suas próprias conclusões Carta Capital, 13 de dez. 2019 A Dialética erística é uma obra na qual Schopenhauer expõe 38 estratagemas – subterfúgios ou artimanhas – usados inescrupulosamente para vencer um debate. Segundo Dionisio Garzón, a obra só…

Leia mais

“Emil Cioran e Correia de Sá: o ensaio de um ‘desconhecido’ ilustre” (Rui Benevides Prates)

Meus eternos agradecimentos a Rui Benevides Prates, o “arqueólogo” cioraniano que desenterrou estas relíquias. 1. Introdução “Dans le Jornal Do Comercio de Rio de Janeiro du 2 XI 68, un inconnu, Correia de Sá, vient d’écrire un des articles les plus sérieux qu’on ait jamais écrit sur moi. Que ce soit dans un «Journal de…

Leia mais

“Povos indígenas. Os involuntários da Pátria” (Eduardo Viveiros de Castro)

“Partout où les Blancs firent leur apparition pour la première fois, ils furent considérés par les indigènes comme des êtres malfaisants, comme des revenants, comme des spectres. Jamais comme des vivants! Intuition inégalée, coup d’oeil prophétique s’il en fut.” [Onde quer que os brancos apareceram pela primeira vez, foram considerados pelos indígenas como malfeitores, assombrações,…

Leia mais

ORIZZONTI CULTURALI ITALO-ROMENI, n. 12, dicembre 2019, anno IX Il 27 novembre 2019 si è svolta all’Università Federale di ABC [1] (UFABC) la «Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition» (Breviário de Decomposição), un miniconvegno organizzato per dibattere l’attualità e l’importanza del Sommario di Decomposizione in occasione dell’anniversario dei 70 anni dalla pubblicazione in Francia […]

via Breviário de Decomposição 7.0

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]…

Leia mais

“Trickster” (Paul Radin)

Few myths have so wide a distribution as the one, known by the name of the Trickster, which we are presenting here. For few can we so confidently assert that they belong to the oldest expressions of mankind. Few other myths have persisted with their fundamental content unchanged. The Trickster myth is found in clearly…

Leia mais

“Devemos repetir a nós próprios todos os dias: Sou um daqueles que, entre milhares, se arrastam pela superfície do globo. Essa banalidade justifica qualquer conclusão, qualquer comportamento ou acto: deboche, castidade, suicídio, trabalho, crime, preguiça ou rebelião. … E daí se conclui que todos nós temos razão em fazer o que fazemos.” (Do inconveniente de […]

via Breviário de Decomposição 7.0

“O conceito de disciplina de horror no Breviário de decomposição de Cioran” (Anthonio Delbon)

Dissertação apresentada à banca examinadora como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sob orientação da Profa. Dra. Jeanne-Marie Gagnebin. São Paulo, 2019. O presente trabalho tem por objetivo estabelecer um diálogo entre Cioran e algumas correntes de pensamento clássicas tendo como chave central o…

Leia mais

“Abominável Clio: a filosofia da história de Emil Cioran” (Gregory Augusto Carvalho Costa)

Trabalho de conclusão de curso para o Bacharelado em Filosofia, UFABC, São Bernardo do Campo, 2019. Orientador: Paulo Jonas Lima Piva Resumo: Este trabalho tem como objetivo principal tratar da reflexão sobre a história desenvolvida pelo pensador romeno Emil Cioran (1911-1995). Radicado na França desde os anos 40, Cioran viveu e pensou intensamente os extremismos…

Leia mais

Relatório de uma Jornada Acadêmica: 70 anos do Précis de Décomposition / Breviário de Decomposição (1949-2019)

Realizou-se, na Universidade Federal do ABC (UFABC), em 27 de novembro deste ano de 2019, a Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition (1949-2019): um mini-colóquio dedicado a debates em torno deste que é o primeiro livro escrito por Cioran em francês, e um divisor de águas no conjunto da sua obra. No…

Leia mais

“Breviário de Decomposição: livro perigoso e essencial” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Por que reunir-se em torno do Précis de décomposition – e celebrá-lo? Alguns diriam que não há nada aí a ser celebrado, muito pelo contrário. Cioran: pró e contra… Qual a importância do Breviário de decomposição, conforme o temos, desde 1989, primorosamente traduzido ao português pelo professor José Thomaz Brum? Qual sua importância hoje, para […]…

Leia mais

Tal como foi publicado pela editora Gallimard em 1949, o primeiro livro escrito em francês pelo romeno Emil Cioran, Breviário de Decomposição, tem por autor E.M. Cioran, como, de resto, os livros escritos em francês que se seguirão; hoje em dia, porém, após o sucesso de Exercícios de admiração, de 1986, lê-se em muitas das […]

via “Quem escreveu o Breviário de Decomposição?” (Nicolas Cavaillès) — Breviário de Decomposição 7.0