“Dialogo della moda e della morte (Giacomo Leopardi)

Moda. Madama Morte, madama Morte. Morte. Aspetta che sia l’ora, e verrò senza che tu mi chiami. Moda. Madama Morte. Morte. Vattene col diavolo. Verrò quando tu non vorrai. Moda. Come se io non fossi immortale. Morte. Immortale? Passato è già più che ‘lmillesim’anno che sono finiti i tempi degl’immortali. Moda. Anche Madama petrarcheggia come…

Leia mais

“El suicidio de Dios. La apología del exterminio humano en Philip Mainländer” (Héctor Sevilla Godínez)

Cap. 3 del libro Analogías alternantes de la nada. Ejercicios filosóficos sobre el vacío. México, D.F. Plaza y Valdés, 2014. El nihilismo no es tanto el oscuro experimento de extrava-gantes vanguardias intelectuales, sino que forma parte yadel aire mismo que respiramos. (Franco Volpi) El camino hacia el exterminio Tener los pies puestos sobre la tierra…

Leia mais

“Beyond the Suffering of Being: Desire in Giacomo Leopardi and Samuel Beckett” (Roberta Cauchi-Santoro)

A thesis submitted in partial fulfillment of the requirements for the degree in Doctor of Philosophy, University of West Ontario, 2013 Abstract: In this dissertation, I question critical approaches that argue for Giacomo Leopardi’s and Samuel Beckett’s pessimism and nihilism. Beckett quotes Leopardi when discussing the removal of desire in his monograph Proust, a context…

Leia mais

“Il sentimento della morte nella poesia di Eminescu” (Armando Santarelli)

Orizzonti Culturali Italo-Romeni, n. 7-8 luglio-agosto 2019, anno IX Penso che non ci sia opera poetica più indagata, nella letteratura romena, di quella di Mihai Eminescu (1850-1889). Il perché è ovvio: Eminescu è assurto alla dignità di poeta nazionale, è il letterato romeno più conosciuto e amato. Inoltre, la sua produzione abbraccia più generi, e…

Leia mais

“Um pessimismo (mui) pouco trágico: Cioran lido por Clément Rosset” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Trata-se de contrapor e fazer dialogar duas filosofias, dois modo de pensar (o homem, a existência, a vida e a morte, o tempo) que têm muito em comum, mas cujas conclusões podem ser radicalmente divergentes: a filosofia trágica, afirmativa e aprobatória de Clément Rosset (tendo como corolário a alegria como force majeure), na linha de…

Leia mais

“Gnosticism & Modern Nihilism” (Ioan P. Culianu)

Wo keine Göter sind, walten Gespenster. — NOVALIS 1. The Birth of Nihilism The intention here is not to summarize the debate surrounding nihilism, a concept that appeared in 1799 and continues to be a very live option. I It will suffice to sketch in a few lines the essence of this “uncanny guest” (Nietzsche)…

Leia mais

Apresentação de “Cioran dans mes souvenirs”, de Mario Andrea Rigoni (Laurent de Sutter)

Mario Andrea Rigoni é um dos grandes, e ao mesmo tempo dos mais secretos, dentre os prosadores italianos vivos. Este segredo, ao que parece, foi levado ao pé da letra na França, onde a sua obra, a despeito de algumas traduções, é pouco conhecida. Os amantes de Leopardi sabem, contudo, o que devem a este…

Leia mais

“Giacomo Leopardi – Além do pessimismo, a poesia consoladora” (Adalberto de Queiroz)

Jornal Opção, 09/11/2017 O poeta italiano, considerado anti-Pascal, é um incrédulo, um negativista, um descrente, mas sua poesia toca em algum lugar na alma do cristão que se torna impossível não gostar dele, tanto quanto é impossível descrever esse gosto em poucas palavras Eu tinha tudo para não gostar da poesia de Giacomo Leopardi afinal o…

Leia mais

“Liberdade para as Über-marionetes” (John Gray)

Existe um tipo de brinquedo que vem se multiplicando há algum tempo,e sobre o qual nada tenho de bom ou ruim a dizer. Refiro-me ao brinquedo científico. Charles Baudelaire, “A filosofia dos brinquedos” O QUE A CIÊNCIA NÃO NOS DIZ Em seu romance antiutópico sobre um país fictício, Erewhon (anagrama do inglês “nowhere“, lugar nenhum),…

Leia mais

“A experiência do tédio” (Lars Svendsen)

Arnold Gehlen afirmou que só a realidade ajuda a lutar contra o tédio. Essa não é, em absoluto, uma má sugestão, mas não é possível se apossar assim de um fragmento da realidade. O problema com o tédio, entre outras coisas, é que “perdemos” realidade. A proposta de Gehlen poderia parecer uma solução, supondo-se que…

Leia mais

“Cioran et le rire” (Constantin Frosin)

Revue de littérature comparée, Klincksieck 2008/4 (no. 328) L’influence de Chamfort sur Cioran est manifeste, à plus d’un titre ; celle de La Bruyère également, comme on le verra. « La plus perdue de toutes les journées est celle où l’on n’a pas ri » dit Chamfort. Malheureusement pour le chercheur, Cioran n’aime guère citer qui que ce…

Leia mais

“En el fondo del abismo” (Miguel de Unamuno)

La certeza absoluta completa, de que la muerte es un completo y definitivo e irrevocable anonadamiento de la conciencia personal, una certeza de ello como estamos ciertos de que los tres ángulos de un triángulo valen dos rectos, o la certeza absoluta, completa, de que nuestra conciencia personal se prolonga más allá de la muerte…

Leia mais

“O princípio de crueldade”(Clément Rosset)

“Hipocondria melancólica”, observa Gérard de Nerval em um diário. “É um mal terrível: faz ver as coisas tais como são.” Por “crueldade” do real entendo em primeiro lugar, é claro, a natureza intrinsecamente dolorosa e trágica da realidade. Não me estenderei sobre este primeiro sentido, mais ou menos conhecido de todos, e sobre o qual…

Leia mais

“Una amistad filosófica: Cioran y su amigo italiano Mario Andrea Rigoni” (Alberto Pinzón León)

Artículo publicado en los Cuadernos de Filosofía Latinoamericana, Colombia, vol. 32, núm. 105 (2011) EL AUTOR: Alberto Pinzón León es licenciado, magíster, doctorado en Filosofía. Profesor de la Universidad Católica. RESUMEN: El artículo muestra las relaciones de amistad que se van tornando en reflexiones filosóficas entre Cioran y el escritor italiano Mario Andrea Rigoni, a…

Leia mais

Entrevista: Amelia Natalia Bulboacă e a recepção italiana de Cioran, entre duas línguas

Amelia Natalia Bulboacă nasceu na cidade de Brăila, na Romênia. É formada em Ciências Políticas pela Universidade de Milão, com especialização em Ciências Internacionais e Instituições europeias. É mestra em Ciências Antropológicas e Etnológicas pela Università degli Studi di Milano-Bicocca e está em vias de obter outra especialização em Filosofia das Religiões. É colaboradora da…

Leia mais

Intervista a Rodrigo Menezes con Amelia Natalia Bulboacă: la ricezione italiana di Cioran tra due lingue

Amelia Natalia Bulboacă è nata nella città di Brăila, in Romania. Ha conseguito una laurea in Scienze Internazionali e Istituzioni Europee presso l’Università degli Studi di Milano, la laurea magistrale in Scienze Antropologiche ed Etnologiche presso l’Università degli Studi di Milano-Bicocca ed è collaboratrice della rivista bilingue Orizzonti culturali italo-romeni. Attualmente sta concludendo un’altra specializzazione…

Leia mais

Entrevista com Renzo Rubinelli: andanças, encontros, escrituras e a recepção de Cioran na Itália

Busco fazer uma exegese do pensamento de Cioran que evidencia como o tempo está na raiz de toda a sua reflexão. Para Cioran, Tempo é Destino. A maldição de nossa existência é a de sermos “encarcerados” na linearidade do tempo, que procede de um paradisíaco passado pré-temporal em direção a um destino de morte e decomposição. Trata-se de…

Leia mais

E.M. Cioran: la sua ricezione in Italia attraverso la testimonianza delle lettere a Mario Andrea Rigoni

AFORISTICAMENTE – L’Aforisma nel Mondo – Letture e Scritture Aforistiche Contemporanee, gennaio 17, 2011 In un genere emarginato e nascosto come quello aforistico, Emil Cioran, o meglio E.M. Cioran (“ho rinunciato al mio nome di battesimo e al suo posto metto sempre le iniziali E.M. A ognuno le sue manie” scrive in una lettera all’amico…

Leia mais

“Propiedades del triste” (Santiago Kovadloff)

La Nación, 16 de Julio de 2006 En este elogio filosófico se argumenta que, a diferencia de la melancolía, la tristeza muchas veces fortalece y adecenta. Atributo de eminente lucidez, ese estado de ánimo tiene como actividad preeminente la contemplación y como una de sus características el estoicismo Hay por lo menos dos acepciones del…

Leia mais

“Le vie parallele di Cioran e Leopardi”: Intervista a Mario Andrea Rigoni di Antonio Castronuovo

Aforisticamente – L’Aforisma nel Mondo – Letture e Scritture Aforistiche Contemporanee Gentile prof. Rigoni, la sua avventura intellettuale è traversata da Leopardi e da Cioran. Vorrei che lei ci aiutasse a mettere a confronto l’uno con l’altro: che cosa li unisce e che cosa li separa? Condividevano l’esperienza capitale della noia, cioè il senso della…

Leia mais

“El Rompecabezas del Aforismo: Leyendo a Cioran [Centenario]” (Daria Lebedeva)

Madrid en Marco El Aforismo es una forma y un estilo de filosofar. Especialemente es problemático en el caso de Emile Cioran. El estilo de la escritura – el aforismo como la principal forma de expresión del pensamiento- se ajusta a la forma no sistemática de filosofar. Más que otros señala la irrelevancia de proporcionar…

Leia mais