“Conhecimento hist贸rico na obra Hist贸ria e Utopia de Emil Cioran” (Rodrigo Schenkler)

Trabalho apresentado no II Congresso Internacional de Hist贸ria UEPG-Unicentro

Rodrigo Schenkler (UNILA)

Palavras-chave: Cioran; utopia; hist贸ria.

Uma contradi莽茫o parece, 脿 primeira vista, buscar em um fil贸sofo que afirma declaradamente a inutilidade das ideias, elementos que nos conduzam a uma poss铆vel teoria da hist贸ria. 鈥溍 tudo t茫o inexplic谩vel que me d贸i a inutilidade das ideias.鈥 Perpassa toda a obra de Emil Cioran (1911-1995) o alerta para as ilus玫es que permitem a exist锚ncia humana acontecer. Sobre forte influ锚ncia do pensamento de Nietzsche desenvolve uma perspectiva da exist锚ncia que se expressa atrav茅s do axioma 鈥渙 inconveniente da exist锚ncia鈥. A organiza莽茫o da sua obra inicia com as produ莽玫es em l铆ngua romena, que contempla os anos de 1934 at茅 1941, posteriormente o trabalho em l铆ngua francesa ap贸s 1941 at茅 sua morte em 1995 e finalmente algumas publica莽玫es p贸stumas. Contemplaremos basicamente as obras em franc锚s, traduzidas para o portugu锚s, tendo como norteador da reflex茫o sua 鈥淗ist贸ria e Utopia鈥 de 1960. No que tange a recep莽茫o da obra de Cioran em l铆ngua portuguesa e os elementos nacionalistas da sua juventude indicamos em rodap茅 textos iniciais que contemplam seus lugares de discuss茫o… [+]

Cioran: conversaci贸n con Fernando Savater

“Creo que la filosof铆a no es posible m谩s que como fragmento. En forma de explosi贸n. Ya no es posible ponerse a elaborar capitulo tras capitulo, en forma de tratado. En este sentido, Nietzsche fue sumamente liberador. Fue el quien sabote贸 el estilo de la filosof铆a acad茅mica, quien atent贸聽contra la idea de sistema. Ha sido liberador porque tras 茅l puede decirse cualquier cosa… Ahora todos somos fragmentistas, incluso cuando escribimos libros de apariencia coordinada. Va tambi茅n con nuestro estilo de civilizaci贸n.”

cioran-savater
Aparecida bajo el t铆tulo 芦Escribir para despertar禄 en el diaro El Pais del d铆a 23 de octubre de 1977.

Extra铆do de CIORAN, E. M., Conversaciones. 聽Trad. de Carlos Manzano. Barcelona, Tusquets (Marginales 146), 1997, ps. 17-26.

Si les comprendo bien, me preguntan ustedes por qu茅 no he elegido rotundamente el silencio, en lugar de merodear en tomo a 茅l, y me reprochan explayarme en lamentos en lugar de callarme. Para empezar, no todo el mundo tiene la suerte de morir joven. Mi primer libro lo escrib铆 en rumano a los veinti煤n anos, prometi茅ndome no volver a escribir nada m谩s. Luego escrib铆 otro, seguido de la misma promesa. La comedia se ha repetido durante m谩s de cuarenta a帽os. Por qu茅? Porque escribir, por poco que sea, me ha ayudado a pasar los anos, pues las obsesiones expresadas quedan debilitadas y superadas a medias. Estoy seguro de que si no hubiese emborronado papel, me hubiera matado hace mucho. Escribir es un alivio extraordinario. Y publicar tambi茅n. Esto les parecer谩 rid铆culo y, sin embargo, es muy cierto. Pues un libro es vuestra vida, o una parte de ella, que se os hace exterior. Se desprende uno de todo lo que ama y sobre todo de todo lo que detesta en uno mismo. Ir茅 m谩s lejos, si no hubiese escrito, hubiera podido convertirme en un asesino. La expresi贸n es una liberaci贸n. Les aconsejo que hagan el ejercicio siguiente: cuando odien a alguien y sientan ganas de liquidarle, cojan un trozo de papel y escriban que Fulano es un puerco, un bandido, un cr谩pula, un monstruo. En seguida advertir谩n que ya le odian menos. Es precisamente lo mismo que yo he hecho respecto a m铆 mismo. He escrito para injuriar a la vida y para injuriarme. .Resultado? Me he soportado mejor y he soportado mejor la vida.

Cioran, 驴qu茅 podr铆a usted a帽adir a esto?

隆Realmente no podr铆a a帽adir nada m谩s…! 隆o quiz谩 decir cualquier cosa! En realidad es una cuesti贸n de vitalidad. Para que entienda esto debo hablarle de mi origen. Hay mucho de campesino en m铆, mi padre era un cura ortodoxo rural y yo nac铆 entre monta帽as, en los C谩rpatos, en un ambiente muy primitivo. Era un pueblo realmente b谩rbaro, en el que los campesinos trabajaban tremendamente toda la semana para luego gastarse la paga en una noche, emborrach谩ndose como cubas. Yo era un chico bastante robusto: !todo lo que tengo ahora de achacoso lo ten铆a entonces de fuerte! Le interesara a usted saber que mi mayor ambici贸n por entonces era ser el primero jugando a los bolos: a los doce o trece a帽os jugaba con los campesinos, por dinero o por cerveza. Me pasaba el domingo jugando contra ellos y frecuentemente lograba ganarles, aunque ellos fuesen m谩s fuertes que yo, porque como no ten铆a otra cosa que hacer me pasaba la semana practicando…

Rumania

驴Fue la suya una infancia feliz?

Esto es muy importante: no conozco caso de una infancia tan feliz como la m铆a. Viv铆a junto a los C谩rpatos, jugando libremente en el campo y en la monta帽a, sin obligaciones ni deberes. Fue una infancia inauditamente feliz, despu茅s, hablando con la gente, nunca he encontrado nada equivalente. Yo no quer铆a salir nunca de aquel pueblo, no olvidare jam谩s el d铆a en que mis padres me hicieron coger un coche para llevarme al liceo en la ciudad. Fue el final de mi sue帽o, la ruina de mi mundo.

驴Que recuerda usted ante todo de Rumania?

Lo que ante todo me gusto de Rumania fue su faceta extremadamente primitiva. Hab铆a naturalmente gente civilizada, pero lo que yo prefer铆a eran los iletrados, los analfabetos… Hasta los veinte a帽os nada me gustaba tanto como irme de Sibiu a las monta帽as y hablar con los pastores, con los campesinos completamente iletrados. Pasaba el tiempo charlando y bebiendo con ellos. Creo que un espa帽ol puede entender esta faceta primitiva, muy primitiva. Habl谩bamos de cualquier cosa y yo lograba un contacto casi inmediato con ellos.

驴Qu茅 recuerdos guarda de la situaci贸n hist贸rica de su pa铆s durante su juventud?

Bueno, Europa oriental era entonces el Imperio austroh煤ngaro. Sibiu estaba enclavada en Transilvania, pertenec铆a al Imperio: nuestra capital so帽ada era Viena. Siempre me sent铆 de alg煤n modo vinculado al Imperio… !en el que, sin embargo, los rumanos 茅ramos esclavos! Durante la guerra del 14, mis padres fueron deportados por los h煤ngaros… Me siento muy af铆n, psicol贸gicamente, a los h煤ngaros, a sus gustos y costumbres. La m煤sica h煤ngara, gitana, me emociona profunda, muy profundamente. Soy una mezcla de h煤ngaro y rumano. Es curioso, el pueblo rumano es el pueblo m谩s fatalista del mundo. Cuando yo era joven, eso me indignaba, el manejo de conceptos metaf铆sicos dudosos 鈥攃omo destino, fatalidad鈥 para explicar el mundo. Pues bien: cuanto m谩s avanzo en edad, m谩s cerca voy sinti茅ndome de mis or铆genes. Ahora deber铆a sentirme europeo, occidental, pero no es as铆 en absoluto. Tras una existencia en que he conocido bastantes pa铆ses y le铆do muchos libros, he llegado a la conclusi贸n de que era el campesino rumano quien ten铆a raz贸n. Ese campesino que no cree en nada, que piensa que el hombre est谩 perdido, que no hay nada que hacer, que se siente aplastado por la historia. Esa ideolog铆a de v铆ctima es tambi茅n mi concepci贸n actual, mi filosof铆a de la historia. Realmente, toda mi formaci贸n intelectual no me ha servido de nada.

Un libro es una herida

Usted ha escrito: 芦Un libro debe hurgar en las heridas, provocarlas, incluso. Un libro debe ser un peligro禄 驴En qu茅 sentido son peligrosos sus libros?

Bueno, mire usted: me han dicho muchas veces que lo que yo escribo en mis libros no debe decirse. Cuando saque el Pr茅cis, el cr铆tico de Le Monde me mand贸 una carta de reconvenci贸n. 芦Usted no se da cuenta, ese libro podr铆a caer en manos de j贸venes!禄 Eso es absurdo. .Para que van a servir los libros? Para aprender? Eso no tiene ning煤n inter茅s, para eso no hay m谩s que ir a clase. No, yo creo que un libro debe ser realmente una herida, debe trastornar la vida del lector de un modo u otro. Mi idea al escribir un libro es despertar a alguien, azotarle. Puesto que los libros que he escrito han surgido de mis malestares, por no decir de mis sufrimientos, es preciso que en cierto modo transmitan esto mismo al lector. No, no me gustan los libros que se leen como quien lee el peri贸dico, un libro debe conmoverlo todo, ponerlo todo en cuesti贸n. .Para qu茅? Bueno, no me preocupa demasiado la utilidad de lo que escribo, porque no pienso realmente nunca en el lector; escribo para m铆, para librarme de mis obsesiones, de mis tensiones, nada m谩s. Una se帽ora escrib铆a hace poco sobre m铆 en Le Quotidien de Paris: 芦Cioran escribe las cosas que cada uno se repite en voz baja禄. No escribo proponi茅ndome fabricar 芦un libro禄, para que alguien lo lea. No, escribo para aliviarme. Ahora bien, despu茅s, meditando sobre la funci贸n de mis libros, es cuando pienso que debieran ser algo as铆 como una herida. Un libro que deja a su lector igual que antes de leerlo es un libro fallido.

En todos sus libros, junto a un aspecto que podr铆amos llamar pesimista, negro, brilla una extra帽a alegr铆a, un gozo inexplicable pero reconfortante y hasta vivificador.

Es curioso esto que usted me dice; me lo han dicho muchos. Vera, yo no tengo demasiados lectores, pero podr铆a citarle casos y casos de personas que han confesado a alg煤n conocido m铆o: 芦Yo me habr铆a suicidado si no hubiera le铆do a Cioran禄. As铆, pues, creo que tiene usted mucha raz贸n. Creo que la causa de esto es la pasi贸n: yo no soy pesimista, sino violento… Esto es lo que hace vivificante a mi negaci贸n. En realidad, cuando antes habl谩bamos de heridas, yo no entend铆a eso de un modo negativo: !herir a alguien no equivale en modo alguno a paralizarle! Mis libros no son depresivos ni deprimentes, de igual forma que un l谩tigo no es deprimente. Los escribo con furor y pasi贸n. Si mis libros pudiesen ser escritos en frio, eso ser铆a peligroso. Pero yo no puedo escribir en frio, soy como un enfermo que se sobrepone febrilmente en cada caso a su enfermedad. La primera persona que ley贸 el Breviario de podredumbre, aun en manuscrito, fue el poeta Jules de Supervielle. Era un hombre ya muy mayor, profundamente sujeto a depresiones, y me dijo: 芦Es incre铆ble lo mucho que me ha estimulado su libro禄. En ese sentido, si quiere usted, soy como el diablo, que es un tipo 聽activo, un negador que hace marchar las cosas…

Aunque usted mismo se ha encargado de deslindar su obra de la filosof铆a propiamente dicha (verbi gratia, la carta-prologo que precede a mi Ensayo sobre Cioran), no es en modo alguno arbitrario encuadrarle dentro de esas actividades diversas, autocriticas, que ocupan el lugar vacante de la filosof铆a tras el final de los grandes sistemas decimon贸nicos. 驴Qu茅 sentido tiene a煤n la filosof铆a, Cioran?

Creo que la filosof铆a no es posible m谩s que como fragmento. En forma de explosi贸n. Ya no es posible ponerse a elaborar capitulo tras capitulo, en forma de tratado. En este sentido, Nietzsche fue sumamente liberador. Fue el quien saboteo el estilo de la filosof铆a acad茅mica, quien atento contra la idea de sistema. Ha sido liberador porque tras 茅l puede decirse cualquier cosa… Ahora todos somos fragmentistas, incluso cuando escribimos libros de apariencia coordinada. Va tambi茅n con nuestro estilo de civilizaci贸n.

Tambi茅n va en ello nuestra honradez. Nietzsche dec铆a que en la ambici贸n sistem谩tica hay una falta de honradez…

Sobre eso de la honradez voy a decirle algo. Cuando uno emprende un ensayo de cuarenta p谩ginas sobre lo que sea, comienza por ciertas afirmaciones previas y queda prisionero de ellas. Cierta idea de la honradez le obliga a continuar respet谩ndolas hasta el final, a no contradecirse. Sin embargo, seg煤n va avanzando el texto, le van ofreciendo otras tentaciones, que hay que rechazar porque apartan del camino trazado. Uno est谩 encerrado en un c铆rculo trazado por uno mismo. De este modo uno se hace honorable y cae en la falsedad y en la falta de veracidad. Si esto pasa en un ensayo de cuarenta p谩ginas, ! qu茅 no ocurrir谩 en un sistema! Este es el drama de todo pensamiento estructurado, el no permitir la contradicci贸n. As铆 se cae en lo falso, se miente para resguardar la coherencia. En cambio, si uno hace fragmentos, en el curso de un mismo d铆a puede uno decir una cosa y la contraria. .Por que? Porque surge cada fragmento de una experiencia diferente y esas experiencias s铆 que son verdaderas: son lo m谩s importante. Se dir谩 que esto es irresponsable, pero si lo es, lo ser谩 en el mismo sentido en que la vida es irresponsable. Un pensamiento fragmentario refleja todos los aspectos de vuestra experiencia: un pensamiento sistem谩tico refleja solo un aspecto, el aspecto controlado, luego empobrecido. En Nietzsche, en Dostoievski, hablan todos los tipos de humanidad posibles, todas las experiencias. En el sistema solo habla el controlador, el jefe. El sistema es siempre la voz del jefe: por eso todo sistema es totalitario, mientras que el pensamiento fragmentario permanece libre.

驴Cu谩l fue su formaci贸n filos贸fica? 驴Qu茅 fil贸sofos le han interesado m谩s?

Bueno, en mi juventud lei mucho a Leon Chestov, que era muy conocido entonces en Rumania. Pero quien m谩s me intereso, a quien m谩s ame, esa es la palabra, fue a Georg Simmel. Ya s茅 que Simmel es bastante conocido en Espa帽a, gracias al inter茅s de Ortega por 茅l, mientras que es completamente ignorado en Francia. Simmel era un escritor maravilloso, un magnifico filosofo-ensayista. Fue amigo 铆ntimo de Lukacs y Bloch, en los que influyo y que luego renegaron de 茅l, lo que me parece absolutamente deshonesto. Hoy Simmel est谩 completamente olvidado en Alemania, silenciado incluso, pero en su 茅poca tuvo la admiraci贸n de figuras como Thomas Mann o Rilke. Simmel tambi茅n fue un pensador fragmentario, lo mejor de su obra son fragmentos. Tambi茅n influyeron mucho en mi los pensadores alemanes de la llamada 芦filosof铆a de la vida禄, como Dilthey, etc茅tera. Por supuesto, tambi茅n lei mucho a Kierkegaard entonces, cuando a煤n no era moda. En general, lo que m谩s me ha interesado siempre es la filosof铆a-confesi贸n. Lo mismo en filosof铆a que en literatura lo que me interesa son los casos, aquellos autores de quienes puede decirse que son 芦casos禄 en el sentido casi cl铆nico de la expresi贸n. Me interesan todos aquellos que van a la cat谩strofe y tambi茅n los que lograron situarse m谩s all谩 de la cat谩strofe. No puedo admirar m谩s que a aquel que ha estado a punto de derrumbarse. Por eso ame a Nietzsche o a Otto Weininger. O tambi茅n autores rusos como Rozanov, escritores religiosos que rozan constantemente la herej铆a, tipo Dostoievski. No me marcaron los autores que son solamente una experiencia intelectual, como Husserl. De Heidegger me intereso su vertiente kierkegaardiana, no la husserliana. Pero, ante todo, busco el caso: en pensamiento o literatura tengo inter茅s ante todo por lo fr谩gil, lo precario, lo que se derrumba y tambi茅n por lo que resiste la tentaci贸n de derrumbarse pero deja constancia de la amenaza…

驴Qu茅 opina usted de la 芦nueva filosof铆a禄 francesa, brote pol茅mico del d铆a?

Bueno, no puedo decir que los conozca a fondo, pero en general creo que se trata de gente que comienza a despertar de su sue帽o dogm谩tico…

Usted ha escrito uno de sus mejores libros sobre el tema de la utop铆a.

Recuerdo muy bien el comienzo de mi inter茅s, durante una conversaci贸n en un caf茅 de Paris con Mar铆a Zambrano, all谩 por los a帽os cincuenta. Entonces decid铆 escribir algo sobre la utop铆a. Me puse a leer directamente a los utopistas: Moro, Fourier, Cabet, Campanella… Al principio, con exaltaci贸n fascinada; luego, con cansancio; finalmente, con mortal aburrimiento. Es incre铆ble la fascinaci贸n que ejercieron los utopistas sobre grandes esp铆ritus: Dostoievski, por ejemplo, le铆a a Cabet con admiraci贸n. 隆Cabet, que era un perfecto imb茅cil, un sub-Fourier! Todos cre铆an que el milenio estaba por llegar: un par de a帽os, una d茅cada a lo sumo… Tambi茅n era deprimente su optimismo, la pintura excesivamente rosa, esas mujeres de Fourier cantando mientras trabajaban en los talleres… Este optimismo ut贸pico es frecuentemente despiadado. Recuerdo, por ejemplo, un encuentro que tuve con Teilhard de Chardin; el hombre peroraba entusi谩sticamente sobre la evoluci贸n del cosmos hacia Cristo, el punto Omega, etc茅tera… y entonces le pregunte que pensaba del dolor humano: 芦El dolor y el sufrimiento禄, me dijo 芦son un simple accidente de la evoluci贸n禄. Me fui indignado, neg谩ndome a discutir con aquel d茅bil mental. Creo que la utop铆a y los utopistas han tenido un aspecto positivo, en el siglo XIX, el de llamar la atenci贸n sobre la desigualdad de la sociedad y urgir a remediarla. No olvidemos que el socialismo es a fin de cuentas hijo de los utopistas. Pero se basan en una idea err贸nea, la de la perfectibilidad indefinida del hombre. Creo m谩s acertada la teor铆a del pecado original, aunque priv谩ndola de sus connotaciones religiosas, puramente como antropolog铆a. Ha habido una ca铆da irremediable, una perdida que nada puede colmar. En realidad, creo que lo que me ha alejado finalmente de la tentaci贸n utopista es mi gusto por la historia, pues la historia es el ant铆doto de la utop铆a. Pero, aunque la pr谩ctica de la historia sea esencialmente antiut贸pica, es cierto que la utop铆a hace marchar la historia, la estimula. No actuamos m谩s que bajo la fascinaci贸n de lo imposible: lo que equivale a decir que una sociedad incapaz de dar a luz una utop铆a y de entregarse a ella est谩 amenazada por la esclerosis y la ruina. La utop铆a, la construcci贸n de sistemas sociales perfectos, es una debilidad muy francesa: lo que al franc茅s le falta de imaginaci贸n metaf铆sica, le sobra de imaginaci贸n pol铆tica. Fabrica impecables sistemas sociales, pero sin tener en cuenta la realidad. Es un vicio nacional: mayo del 68, por ejemplo, fue una producci贸n constante de sistemas de todo tipo, mas ingeniosos e irrealizables unos que otros.

El poder es el mal

La utop铆a es, por as铆 decirlo, el problema de un poder inmanente y no trascendente a la sociedad. 驴Qu茅 es el poder, Cioran?

Creo que el poder es malo, muy malo. Soy resignado y fatalista frente al hecho de su existencia, pero creo que es una calamidad. Mire usted, he conocido a gente que ha llegado a tener poder y es algo terrible. 隆Algo tan malo como un escritor que llega a hacerse celebre! Es lo mismo que llevar un uniforme; cuando se lleva uniforme ya no se es el mismo: bien, pues alcanzar el poder es llevar un uniforme invisible de forma permanente. Me pregunto: .por que un hombre normal, o aparentemente normal, acepta el poder, vivir preocupado de la ma帽ana a la noche, etc茅tera? Sin duda, porque dominar es un placer, un vicio. Por eso no hay pr谩cticamente ning煤n caso de dictador o jefe absoluto que abandone el poder de buen grado: el caso de Sila es el 煤nico que recuerdo. El poder es diab贸lico: el diablo no fue m谩s que un 谩ngel con ambici贸n de poder, luego ni un 谩ngel puede disponer de poder impunemente. Desear el poder es la gran maldici贸n de la humanidad.

Volviendo a la utop铆a…

El ansia de utop铆a es un ansia religiosa, un deseo de absoluto. La utop铆a es la gran fragilidad de la historia, pero tambi茅n su gran fuerza. En cierto sentido, la utop铆a es lo que rescata la historia. Ah铆 tiene usted la campana electoral en Francia, por ejemplo: si no fuera por su componente ut贸pico, ser铆a una querella entre tenderos… Mire usted, yo no podr铆a ser pol铆tico porque creo en la cat谩strofe. Por mi parte, estoy seguro de que la historia no es el camino del para铆so. Bueno, si soy un verdadero esc茅ptico no puedo estar seguro ni de la cat谩strofe…, !digamos que estoy casi seguro! Por eso me siento desapegado de cualquier pa铆s, de cualquier grupo. Soy un ap谩trida metaf铆sico, algo as铆 como aquellos estoicos de fines del Imperio romano, que se sent铆an 芦ciudadanos del mundo禄, lo que es una forma de decir que no eran ciudadanos de ninguna parte.

Usted no solo ha desertado de su patria, sino tambi茅n, lo que es a煤n m谩s importante, de su lengua.

Ese es el mayor acontecimiento que puede ocurrirle a un escritor, el m谩s dram谩tico. 隆Las cat谩strofes hist贸ricas no son nada al lado de esto! Yo escrib铆 en rumano hasta el a帽o 47. Ese a帽o yo me encontraba en una casita cerca de Dieppe y traduc铆a a Mallarm茅 al rumano. De pronto me dije: 芦!Que absurdo! 驴Para qu茅 traducir a Mallarme a una lengua que nadie conoce?禄. Y entonces renuncie a mi lengua. Me puse a escribir en franc茅s y fue muy dif铆cil, porque por temperamento la lengua francesa no me conviene, me hace falta una lengua salvaje, una lengua de borracho. El franc茅s fue como una camisa de fuerza para m铆. Escribir en otra lengua es una experiencia asombrosa. Se reflexiona sobre las palabras, sobre la escritura. Cuando escrib铆a en rumano, yo no me daba cuenta de que escrib铆a, simplemente escrib铆a. Las palabras no eran entonces independientes de m铆. En cuanto me puse a escribir en franc茅s todas las palabras se hicieron conscientes, las ten铆a delante, fuera de m铆, en sus celdillas y las iba cogiendo: 芦Ahora t煤, y ahora tu禄. Es una experiencia parecida a otra que tuve cuando llegue a Paris. Me aloje en un hotelito del Barrio Latino, y el primer d铆a, cuando baje a telefonear a conserjer铆a, me encontr茅 al encargado del hotel, su mujer y un hijo preparando el men煤 de comida: 隆lo preparaban como si fuese un plan de batalla! Me qued茅 asombrado: en Rumania yo hab铆a comido siempre como un animal, bien, pero inconscientemente, sin advertir lo que significa comer. En Paris me di cuenta de que comer es un ritual, un acto de civilizaci贸n, casi una toma de posici贸n filos贸fica… Del mismo modo, escribir en franc茅s dejo de ser un acto instintivo, como era cuando escrib铆a en rumano, y adquiri贸 una dimensi贸n deliberada, tal como deje tambi茅n de comer inocentemente… Al cambiar de lengua, liquid茅 inmediatamente el pasado, cambie totalmente la vida. Aun hoy, sin embargo, me parece que escribo una lengua que no casa con nada, sin ra铆ces, una lengua de invernadero.

Cioran, usted ha hablado frecuentemente del hast铆o. 驴Qu茅 papel ha desempe帽ado en su vida el hast铆o, el tedio?

Puedo decirle que mi vida ha estado dominada por la experiencia del tedio. He conocido ese sentimiento desde mi infancia. No se trata de ese aburrimiento que puede combatirse por medio de diversiones, con la conversaci贸n o con los placeres, sino de un hast铆o, por decirlo as铆, fundamental y que consiste en esto: m谩s o menos s煤bitamente en casa o de visita o ante el paisaje m谩s bello, todo se vac铆a de contenido y de sentido. El vac铆o esta en uno y fuera de uno. Todo el Universo queda aquejado de nulidad. Ya nada resulta interesante, nada merece que se apegue uno a ello. El hast铆o es un v茅rtigo, pero un v茅rtigo tranquilo, mon贸tono; es la revelaci贸n de la insignificancia universal, es la certidumbre llevada hasta el estupor o hasta la suprema clarividencia de que no se puede, de que no se debe hacer nada en este mundo ni en el otro, que no existe ning煤n mundo que pueda convenirnos y satisfacernos. A causa de esta experiencia 鈥攏o constante, sino recurrente, pues el hast铆o viene por acceso, pero dura mucho m谩s que una fiebre鈥 no he podido hacer nada serio en la vida. A decir verdad, he vivido intensamente, pero sin poder integrarme en la existencia. Mi marginalidad no es accidental, sino esencial. Si Dios se aburriese, seguir铆a siendo Dios, pero un Dios marginal. Dejemos a Dios en paz. Desde siempre, mi sue帽o ha sido ser in煤til e inutilizable. Pues bien, gracias al hast铆o he realizado ese sue帽o. Se impone una precisi贸n: la experiencia que acabo de describir no es necesariamente deprimente, pues a veces se ve seguida de una exaltaci贸n que transforma el vac铆o en incendio, en un infierno deseable…

Y mientras me dispongo a salir, doran insiste:

No olvide decirles que solo soy un marginal, un marginal que escribe para hacer despertar. Rep铆taselo: mis libros pueden hacer despertar.

“A R煤ssia e o v铆rus da liberdade” (E. M. Cioran)

脌s vezes penso que todos os pa铆ses deveriam se parecer com a Su铆莽a, comprazer-se e arruinar-se, como ela, na higiene, na insipidez, na idolatria das leis e no culto ao homem; por outro lado, s贸 me atraem as na莽玫es desprovidas de escr煤pulo tanto em pensamento quanto em atos, sempre prestes a devoras as outras e a devorar-se a si mesmas, pisoteando os valores contr谩rios 脿 sua ascens茫o e a seu 锚xito, insubmissas 脿 sensatez, essa chaga dos velhos povos cansados de si mesmos e de tudo, e como que satisfeitos de cheirar a mofo.

Do mesmo modo, esfor莽o-me em v茫o para detestar os tiranos, pois n茫o deixo de constatar que constroem a trama da hist贸ria, e que sem eles n茫o seria poss铆vel conceber nem a ideia nem a marcha de um imp茅rio. Superiormente odiosos, de uma bestialidade inspirada, os tiranos evocam o homem levado a seus extremos, a 煤ltima exaspera莽茫o de suas ignom铆nias e de seus m茅ritos. Iv茫, o Terr铆vel, para citar apenas o mais fascinante deles, esgota os escaninhos da psicologia. T茫o complexo em sua dem锚ncia quanto em sua pol铆tica, fez de seu reino e, at茅 certo ponto, de seu pais um modelo de pesadelo, um prot贸tipo de alucina莽茫o viva e inesgot谩vel, mescla de Mong贸lia e de Biz芒ncio, acumulando as qualidade e os defeitos de um cl茫 e de um basileu, monstro de c贸leras demon铆acas e de s贸rdida melancolia, dividido entre o gosto pelo sangue e o gosto pelo arrependimento, com uma jovialidade enriquecida e coroada por risos de esc谩rnio. Tinha a paix茫o do crime; todos n贸s, enquanto existimos, tamb茅m a experimentamos, seja atentando contra os outros ou contra n贸s mesmos. S贸 que, quaisquer que sejam, prov锚m de nossa incapacidade de matar ou matar-nos. N茫o estamos sempre de acordo com isso, j谩 que desconhecemos habitualmente o mecanismo 铆ntimo de nossas debilidades. Se os czares, ou os imperadores romanos, me obsedam, 茅 porque essa debilidades, veladas em n贸s, aparecem neles a descoberto. Eles nos revelam a n贸s mesmos, encarnam e ilustram nossos segredos. Penso naqueles que, condenados a uma grandiosa degeneresc锚ncia, perseguiam seus parentes e, por medo de ser amados, os enviavam ao supl铆cio. Por mais poderosos que fossem, eram no entanto infelizes, pois n茫o se saciavam gra莽as ao tremor dos outros. N茫o s茫o como a proje莽茫o do esp铆rito mau que nos habita e nos convence de que o ideal seria criar o vazio em torno de n贸s? 脡 com tais pensamentos e tais instintos que se forma um imp茅rio: para isso coopera esse subsolo de nossa consci锚ncia onde se escondem nossas taras mais queridas.

Surgida de profundezas insuspeitadas, de um impulso original, a ambi莽茫o de dominar o mundo s贸 aparece em certos indiv铆duos e em certas 茅pocas, sem rela莽茫o direta com a qualidade da na莽茫o onde se manifesta: entre Napole茫o e Gengis Khan a diferen莽a 茅 menor do que entre o primeiro e qualquer pol铆tico franc锚s das rep煤blicas sucessivas. Mas essas profundezas e esse impulso podem secar, esgotar-se.

Carlos Magno, Frederico II de Hohenstaufen, Carlos V, Bonaparte, Hitler tiveram a tenta莽茫o, cada um 脿 sua maneira, de realizar a ideia do imp茅rio universal: fracassaram, com mais ou menos felicidade. O Ocidente, onde essa ideia suscita apenas ironia ou mal-estar, vive agora na vergonha de suas conquistas; mas, curiosamente, 茅 no momento mesmo em que ele se volta para si pr贸prio que suas f贸rmulas triunfam e se propagam; dirigidas contra seu poder e sua supremacia, elas encontram eco fora de suas fronteiras. Ele ganha perdendo-se. Foi assim que a Gr茅cia s贸 triunfou no dom铆nio do esp铆rito quando deixou de ser uma pot锚ncia e mesmo uma na莽茫o; saquearam sua filosofia e suas artes, asseguraram o sucesso 脿s suas produ莽玫es, mas n茫o assimilaram seus talentos. Da mesma maneira, pode-se roubar tudo do Ocidente, salvo seu g锚nio. Uma civiliza莽茫o se revela fecunda pela capacidade que tem de incitar outras a imit谩-la; se cessa de deslumbr谩-las, reduz-se a um conjunto de res铆duos e vest铆gios.

Quando a ideia de imp茅rio abandonou esta parte do mundo, encontrou seu clima ideal na R煤ssia, onde, ali谩s, sempre existiu, singularmente no plano espiritual. Depois da queda de Biz芒ncio, Moscou se tornou, para a consci锚ncia ortodoxa, a terceira Roma, a herdeira do 鈥渧erdadeiro鈥 Cristianismo, da verdadeira f茅. Primeiro despertar messi芒nico. Para conhecer um segundo, foi preciso esperar nossos dias; mas desta vez, ela deve o despertar 脿 demiss茫o do Ocidente. No s茅culo XV, aproveitou um vazio religioso, como aproveita hoje um vazio pol铆tico. Duas grandes ocasi玫es de compenetrar-se de suas responsabilidades hist贸ricas.

Quando Maom茅 II sitiou Constantinopla, a cristandade, dividida como sempre e, al茅m disso, feliz por haver perdido a lembran莽a das cruzadas, absteve-se de intervir. Os sitiados sentiram primeiro uma irrita莽茫o que, ante a imin锚ncia do desastre, tornou-se assombro. Oscilando entre o p芒nico e uma satisfa莽茫o secreta, o Papa prometeu aux铆lio, mas o enviou tarde demais: para que apressar-se por causa de uns 鈥渃ism谩ticos鈥? O cisma entretanto, ia adquirir for莽a em outra parte. Roma preferiu Moscou 脿 Biz芒ncio? 脡 sempre prefer铆vel um inimigo long铆nquo do que um pr贸xima. Do mesmo modo, em nossos dias, os anglo-sax玫es preferiram, na Europa, a preponder芒ncia Russa 脿 preponder芒ncia Alem茫. 脡 que a Alemanha estava perto demais.

As pretens玫es da R煤ssia de passar da primazia vaga 脿 hegemonia caracterizada t锚m um fundamento. O que teria ocorrido com o mundo Ocidental se a R煤ssia n茫o tivesse detido e absorvido a invas茫o mong贸lica? Durante mais de dois s茅culos de humilha莽茫o e de servid茫o ela foi exclu铆da da hist贸ria, enquanto que no Oeste as na莽玫es se davam ao luxo de despeda莽ar-se mutuamente. Se a R煤ssia tivesse sido capaz de desenvolver-se sem obst谩culos, teria se tornado uma pot锚ncia de primeira ordem j谩 no princ铆pio da era moderna; o que ela 茅 agora, o teria sido no s茅culo XVI ou XVII. E o Ocidente? Talvez hoje fosse ortodoxo, e, em Roma, em lugar da Santa S茅, se pavonearia o Santo S铆nodo. Mas os russos podem recuperar o tempo perdido. Se, como tudo parece prever, levam a cabo seus des铆gnios, 茅 poss铆vel que acertem as contas com o Sumo Pont铆fice. Seja em nome do marxismo ou da ortodoxia os russos est茫o chamados a arruinar a autoridade e o prest铆gio da Igreja, cujos objetivos n茫o poderiam tolerar sem abdicar do ponto essencial de sua miss茫o e de seu programa. Sob os czares, identificando-a como um instrumento do Anticristo, rezavam contra ela; hoje em dia, considerada como um agente sat芒nico da Rea莽茫o, a sobrecarregam de invectivas um pouco mais eficazes do que seus antigos an谩temas; logo a destruir茫o com todo o seu poder, com toda a sua for莽a. E at茅 茅 poss铆vel que a desapari莽茫o do 煤ltimo sucessor de S茫o Pedro permane莽a, em nosso s茅culo, como uma curiosidade, 脿 maneira de um apocalipse fr铆volo.

Ao divinizar a hist贸ria para desacreditar Deus, o Marxismo s贸 conseguiu tornar Deus mais estranho e mais obsedante. Pode-se sufocar tudo no homem, salvo a necessidade de absoluto, que sobreviver谩 脿 destrui莽茫o dos templos, e mesmo ao desaparecimento da religi茫o sobre a Terra. E como a ess锚ncia do povo russo 茅 religiosa, ela inevitavelmente se reerguer谩. Raz玫es de ordem hist贸rica contribuir茫o em grande medida para isso.

Ao adotar a ortodoxia, a R煤ssia manifestou seu desejo de separar-se do Ocidente; era sua maneira de se definir desde o princ铆pio. Nunca, fora dos meios aristocr谩ticos, deixou-se seduzir pelos mission谩rios cat贸licos, no caso os jesu铆tas. Um cisma n茫o exprime tanto diverg锚ncias de doutrina quanto uma controv茅rsia abstrata de um reflexo nacional. N茫o foi a quest茫o rid铆cula do filioque que dividiu as Igrejas: Biz芒ncio queria sua autonomia total, e com maior raz茫o Moscou. Cismas e heresias s茫o nacionalismos disfar莽ados. Mas enquanto a Reforma tomou somente o aspecto de uma disputa familiar, de um esc芒ndalo no seio do Ocidente, o particularismo Ortodoxo, ao afetar um car谩ter mais profundo, ia marcar uma divis茫o no pr贸prio mundo ocidental. Recusando o catolicismo, a R煤ssia retardava sua evolu莽茫o, perdia uma ocasi茫o capital de civilizar-se rapidamente, ao mesmo tempo em que ganhava subst芒ncia e unicidade, pressentindo, sem d煤vida, que o Ocidente lamentaria um dia a vantagem que tinha sobre ela.

Quanto mais forte se tornar, mais adquirir谩 consci锚ncia de suas ra铆zes, das quais, de uma certa maneira, o marxismo a afastou; ap贸s uma cura for莽ada de universalismo, ela se russificar谩 de novo em proveito da ortodoxia. Al茅m disso, marcou de tal maneira o marxismo que o tornou eslavo; todo povo de alguma envergadura que adota uma ideologia estranha a suas tradi莽玫es, a assimila e a adultera, a desvia no sentido de seu destino nacional, a falseia em seu favor ate torn谩-la indiscern铆vel de seu pr贸prio g锚nio. Possui uma 贸tica pr贸pria, necessariamente deformadora, um defeito de vis茫o que, longe de desconcert谩-lo, o lisonjeia e estimula. As verdades das quais se orgulha, mesmo que desprovidas de valor objetivo, s茫o no entanto vivas, e produzem, como tais, esse g锚nero de erros que contrap玫em a diversidade da paisagem hist贸rica, entendendo-se a铆 que o historiador, c茅tico por profiss茫o, temperamento e op莽茫o, situa-se de in铆cio fora da Verdade.

Enquanto que os povos ocidentais se desgastavam em sua luta pela liberdade e, mais ainda, na liberdade adquirida (nada esgota tanto quanto a posse ou o abuso da liberdade), o povo russo sofria sem desgastar-se dentro da hist贸ria e como foi eliminado dela, foi obrigado a sofrer os infal铆veis sistemas de despotismos que lhe infligiram: exist锚ncia obscura, vegetativa, que lhe permitiu fortalecer-se, aumentar sua energia, acumular reservas e tirar de sua servid茫o o m谩ximo de proveito biol贸gico. A ortodoxia ajudou-o a isso, mas a ortodoxia popular, admiravelmente articulada para mant锚-lo fora dos acontecimentos, contrariamente 脿 ortodoxia oficial, que orientava o poder para objetivos imperialistas. Duplas face da Igreja ortodoxa: por um lado, trabalhava para o entorpecimento das massas; por outro, auxiliar dos czares, despertava neles a ambi莽茫o e tornava poss铆vel imensas conquistas em nome de uma popula莽茫o passiva. Feliz passividade que assegurou aos russos seu predom铆nio atual, fruto de seu atraso hist贸rico. Favor谩veis ou hostis, todos os empreendimentos da Europa giravam em torno deles, e, ao situ谩-los no centro de seus interesses e de suas ansiedades, reconhecem seu dom铆nio virtual. Eis a铆 quase realizado um de seus mais antigos sonhos. Que o tenham alcan莽ado sob os ausp铆cios de uma ideologia de origem estrangeira acrescenta um suplemento paradoxal e atraente ao seu 锚xito.O que definitivamente importa 茅 que o regime seja russo e que esteja inteiramente dentro das tradi莽玫es do pa铆s. N茫o 茅 revelador que a Revolu莽茫o, sa铆da em linha direta das teorias ocidentalistas, tenha se orientado cada vez mais para as ideias dos eslav贸filos? De resto, um povo representa n茫o tanto um conjunto de ideias e de teorias como de obsess玫es: as dos russos, de qualquer parte que sejam, s茫o sempre, sen茫o id锚nticas ao menos aparentadas. Tchaadaev, que n茫o via nenhum m茅rito em sua na莽茫o, ou Gogol, que a ridicularizou impiedosamente, est茫o t茫o ligados a ela quanto Dostoievski. O mais arrebatado dos niilistas, Netchaiev, estava t茫o obcecado por ela como Pobiedonostsev, violento reacion谩rio procurador do Santo S铆nodo. S贸 esta obsess茫o importa. O resto 茅 apenas pose.

Para que a R煤ssia se ajustasse a um regime liberal, teria que debilitar-se consideravelmente, teria que extenuar seu vigor, mais ainda: teria que perder seu car谩ter espec铆fico e desnacionalizar-se em profundidade. Como conseguiria isso com seus recursos interiores intactos e seus mil anos de autocracia? Supondo que o conseguisse por um movimento brusco, se desarticularia de imediato. Muitas na莽玫es, para conservar-se e expandir-se, t锚m necessidade de uma certa dose de terror. A pr贸pria Fran莽a s贸 p么de engajar-se na democracia a partir do momento em que suas for莽as come莽aram a diminuir, e quando, n茫o tendo mais como objetivo a hegemonia, preparava-se para se tornar respeit谩vel e sensata. O primeiro Imp茅rio foi sua 煤ltima loucura. Depois, aberta 脿 liberdade, teria que assumi-la penosamente, atrav茅s de numerosas convuls玫es, contrariamente 脿 Inglaterra que, exemplo desalentador, havia se habituado a ela h谩 muito tempo, sem choques nem perigos, gra莽as ao conformismo e 脿 esclarecida estupidez de seus habitantes (ao que eu saiba, ela n茫o produziu nenhum anarquista).

A longo prazo, o tempo favorece as na莽玫es subjugadas que, acumulando for莽as e ilus玫es, vivem no futuro, na esperan莽a: mas, em liberdade, o que se pode esperar? Ou no regime que a encarna, feito de dissipa莽茫o, de quietude e de amolecimento? A democracia maravilha que n茫o tem nada a oferecer, 茅, ao mesmo tempo, o para铆so e o t煤mulo de um povo. A vida s贸 tem sentido gra莽as 脿 democracia, mas a democracia carece de vida. Felicidade imediata, desastre iminente, inconsist锚ncia de um regime ao qual n茫o se adere se, enredar-se em um dilema torturante.

Melhor provida, mais afortunada, a R煤ssia n茫o precisa colocar-se tais problemas, j谩 que o poder absoluto 茅, para ela, como j谩 observava Karamzine, o 鈥渇undamento mesmo de seu ser鈥. Aspirar 脿 liberdade sem jamais alcan莽谩-la, n茫o 茅 essa sua grande superioridade sobre o mundo ocidental o qual, ai de mim!, j谩 conseguiu h谩 muito tempo? Ela n茫o tem, al茅m disso, nenhuma vergonha de seu imp茅rio; pelo contr谩rio, s贸 pensa em ampli谩-lo. Quem melhor que ela apressou-se em se beneficiar das aquisi莽玫es de outros povos? A obra de Pedro o Grande, e mesmo a da Revolu莽茫o, participam de um parasitismo genial. At茅 os horrores do jugo t谩rtaro ela suportou engenhosamente.

Se, ao confinar-se em um isolamento calculado, a R煤ssia soube imitar o Ocidente, tamb茅m soube fazer-se admirar e seduzir seus esp铆ritos. Os enciclopedistas se entusiasmaram com as empresas de Pedro e de Catarina, assim como os herdeiros do S茅culo das Luzes 鈥 falo dos homens de esquerda 鈥 se entusiasmaram com as de L锚nin e Stalin. Este fen么meno advoga em favor da R煤ssia, mas n茫o em favor do Ocidentais que, complicados e devastados na medida de seus desejos, e buscando o 鈥減rogresso鈥 em outra parte, fora de si mesmos e de suas cria莽玫es, encontram-se hoje paradoxalmente mais pr贸ximos dos personagens de Dostoievski do que os pr贸prios Russos. Ainda conv茅m precisar que eles s贸 evocam o aspecto enfraquecido desses personagens, pois n茫o t锚m nem suas extravag芒ncias ferozes nem sua ira viril: s茫o 鈥渄em么nios鈥 d茅beis por causa de tantos racioc铆nios e escr煤pulos, corro铆dos por remorsos sutis, por mil interroga莽玫es, m谩rtires de d煤vida, deslumbrados e aniquilados por suas perplexidades.

Cada civiliza莽茫o acredita que seu modo de viver 茅 o 煤nico bom e o 煤nico conceb铆vel, e que tem o dever de converter o mundo a esse modo de viver, ou infligi-lo a ele; equivale, para ela, a uma soteriologia expressa ou camuflada; trata-se, de um fato, de um imperialismo elegante, que deixa de s锚-lo quando 茅 acompanhado pela aventura militar. N茫o se funda um imp茅rio unicamente por capricho. Submetemos os outros para que nos imitem, para que tomem por modelo nossas cren莽as e nossos h谩bitos; vem depois o imperativo perverso de farelos escravos para contemplar neles o esbo莽o lisonjeiro ou caricatural de si mesmo. Concordo que existe uma hierarquia qualitativa de imp茅rios: os mong贸is e os romanos n茫o subjugaram os povos pelas mesmas raz玫es, e suas conquistas n茫o tiveram o mesmo resultado. Entretanto, ambos foram igualmente peritos em fazer parecer o advers谩rio reduzindo-o 脿 sua imagem e semelhan莽a.

Quer tenha provocado ou sofrido, a R煤ssia jamais se contentou com desgra莽as med铆ocres. O mesmo ocorrer谩 no futuro. Ela se abater谩 sobre a Europa por fatalidade f铆sica, pelo automatismo de sua massa, por sua vitalidade superabundante e m贸rbida t茫o prop铆cia 脿 gera莽茫o de um imp茅rio (no qual se materializa sempre a megalomania de uma na莽茫o), por essa sa煤de t茫o sua, cheia de imprevistos, de horror e de enigmas, destinada ao servi莽o de uma ideia messi芒nica, rudimento e prefigura莽茫o de conquistas. Quando os eslav贸filos sustentavam que a R煤ssia devia salvar o mundo, empregavam um eufemismo: n茫o se pode salv谩-lo sem domin谩-lo. No que diz respeito a uma na莽茫o, esta encontra seu princ铆pio de vida em si mesma ou em parte alguma: como poderia ser salva por outra? A R煤ssia sempre pensou 鈥 secularizando a linguagem e a concep莽茫o dos eslav贸filos 鈥 que 茅 sua incumb锚ncia assegurar a salva莽茫o do mundo, a do Ocidente em primeiro lugar, com respeito ao qual, ali谩s, nunca experimentou um sentimento claro, mas sim atra莽茫o e repulsa, ci煤me (mistura de culto secreto e de avers茫o ostensiva) inspirado pelo espet谩culo de uma podrid茫o t茫o invej谩vel quanto perigosa, cujo contato tem que buscar, mas mais ainda evitar.

Recusando-se a se definir e a aceitar limites, cultivando o equ铆voco em pol铆tica, em moral e, o que 茅 mais grave, em geografia, sem nenhuma das ingenuidades inerentes aos 鈥渃ivilizados鈥, que se tornaram opacos ao real pelos excessos de uma tradi莽茫o racionalista, a R煤ssia, sutil tanto por intui莽茫o como pela experi锚ncia secular da dissimula莽茫o, talvez seja uma crian莽a historicamente falando, mas de maneira alguma o 茅 psicologicamente. Da铆 sua complexidade de adulto com instintos jovens e velhos segredos, da铆 tamb茅m as contradi莽玫es, levadas at茅 o grotesco, de suas atitudes. Quando resolve aprofundar (e consegue isso sem esfor莽o), desfigura o menor fato, a m铆nima ideia. Dir-se-ia que tem a mania da gesticula莽茫o monumental. Tudo 茅 vertiginoso, horr铆vel e inapreens铆vel na hist贸ria de suas ideias, revolucion谩rias ou de qualquer 铆ndole. 脡 ainda um incorrig铆vel entusiasta das utopias; ora a utopia 茅 o grotesco cor-de-rosa, a necessidade de associar a felicidade, logo o inveross铆mil, ao devir, e de levar uma vis茫o otimista, a茅rea, at茅 o limite em que se una a seu ponto de partida: o cinismo que pretendia combater. Em suma, um conto de fadas monstruoso.

Que a R煤ssia seja capaz de realizar o seu sonho de um imp茅rio universal, 茅 uma eventualidade, mas n茫o uma certeza; em compensa莽茫o, 茅 贸bvio que pode conquistar e anexar toda a Europa, e mesmo que o far谩, nem que seja para tranquilizar o resto do mundo… Ela se satisfaz com t茫o pouco! Onde encontrar prova mais convincente de mod茅stia, de modera莽茫o? Um pedacinho de continente! Enquanto espera, ela o contempla com o mesmo olho com que os mong贸is contemplavam a China e os turcos Biz芒ncio, com a diferen莽a, no entanto, que j谩 assimilou um bom n煤mero de valores ocidentais, enquanto que as hordas t谩rtaras e otomanas n茫o tinha sobre sua futura presa sen茫o uma superioridade material. 脡 sem d煤vida lament谩vel que a R煤ssia n茫o tenha passado pelo Renascimento: todas as suas desigualdades v锚m da铆. Mas com sua capacidade para queimar etapas ser谩, em um s茅culo , ou menos, t茫o refinada e vulner谩vel como o 茅 o Ocidente, que atingiu um n铆vel de civiliza莽茫o que s贸 se ultrapassa decaindo. Ambi莽茫o suprema da hist贸ria: registar as varia莽玫es desse n铆vel. O da R煤ssia, inferior ao da Europa, s贸 pode elevar-se, e ela com ele: isso quer dizer que est谩 condenada Pa ascens茫o. No entanto, de tanto subir, n茫o se arrisca 鈥 desenfreada que est谩 鈥 a perder o equil铆brio, explodir e arruinar-se? Com suas almas modeladas nas seitas e nas estepes, d谩 uma singular impress茫o de espa莽o e de clausura, de imensid茫o e de sufocamento, de Norte em suma, mas de um Norte especial, irredut铆vel a nossas an谩lises marcado por um sono e por uma esperan莽a que fazem tremer, por ma noite rica em explos玫es, por uma aurora da qual se guardar谩 lembran莽a. Nada de transpar锚ncia e de gratuidade mediterr芒nea nesses Hiperb贸reos cujo passado e presente parecem pertencera uma dura莽茫o distinta da nossa. Ante a fragilidade e o renome do Ocidente, eles sentem um mal-estar, consequ锚ncia de seu despertar tardio e de seu vigor ocioso: 茅 o complexo de inferioridade do forte… Eles o vencer茫o, o superar茫o. O 煤nico ponto luminoso em nosso futuro 茅 sua nostalgia, secreta e crispada, por um mundo delicado, de encantos dissolventes. Se o atingirem (tal parece o sentido evidente de seu destino), se civilizar茫o 脿 custa de seus instintos, e, perspectiva jubilosa, conhecer茫o tamb茅m o v铆rus da liberdade.

Quanto mais um imp茅rio se humaniza, mais se desenvolvem nele as contradi莽玫es que o far茫o perecer. De atitudes heter贸clitas, de estrutura heterog锚nea (ao contr谩rio de uma na莽茫o, realidade org芒nica), o imp茅rio necessita para subsistir do princ铆pio coesivo do terror. Abre-se 脿 toler芒ncia? Ela destruir谩 sua unidade e sua for莽a, e atuar谩 sobre ele como um veneno mortal que ele pr贸prio teria administrado. 脡 que a toler芒ncia n茫o 茅 apenas o pseud么nimo da liberdade, mas tamb茅m o do esp铆rito; e o esp铆rito, mais nefasto ainda para os imp茅rios que para os indiv铆duos, os corr贸i, compromete sua solidez e acelera seu desmoronamento. Assim, ele 茅 o instrumento que uma provid锚ncia ir么nica utiliza para golpe谩-los.

Se nos divert铆ssemos, apesar do arbitr谩rio da tentativa, estabelecendo na Europa zonas de vitalidade, comprovar铆amos que, quanto mais nos aproximamos do Leste, mais se acentua o instinto, e que ele decresce 脿 medida que nos dirigimos para o Oeste. Os russos n茫o t锚m a exclusividade do instinto, embora outras na莽玫es que o possuem perten莽am, em graus diversos, 脿 esfera da influ锚ncia sovi茅tica. Essa na莽玫es n茫o disseram ainda sua 煤ltima palavra; algumas, como a Pol么nia ou a Hungria, tiveram na hist贸ria um papel nada desprez铆vel; outras como a Iugusl谩via, a Bulg谩ria e a Rom锚nia, tendo vivido na sombra, s贸 conheceram sobressaltos sem futuro. Mas qualquer que tenha sido seu passado, e independentemente de seu n铆vel de civiliza莽茫o, todas disp玫em de um fundo biol贸gico que em v茫o buscar铆amos no Ocidente. Maltratadas, deserdadas, precipitadas em um mart铆rio an么nimo, dilaceradas entre o desamparo e a sedi莽茫o, conhecer茫o talvez no futuro uma compensa莽茫o para tantos infort煤nios, humilha莽玫es e mesmo covardias. O grau de instinto n茫o se avalia do exterior; para ,medir sua intensidade, 茅 preciso haver percorrido ou adivinhado esses pa铆ses, os 煤nicos no mundo a crer ainda, em sua bela cegueira, nos destinos do Ocidente. Imaginemos agora nosso continente incorporado ao imp茅rio russo, imaginemos depois este imp茅rio, demasiado vasto, debilitando-se e desagregando-se, tendo como corol谩rio a emancipa莽茫o dos povos: quais dentre eles tomar茫o a dianteira e trar茫o 脿 Europa esse incremento de impaci锚ncia e de for莽a sem o qual uma irremedi谩vel paralisia a espreita? N茫o saberia duvidar: s茫o os pa铆ses que acabo de mencionar . Dada a reputa莽茫o que t锚m, minha afirma莽茫o parecer谩 ris铆vel. A Europa Central ainda vai, me dir茫o, mas os Balc茫s? N茫o quero defend锚-los, mas tamb茅m n茫o quero ocultar seus m茅ritos. Esse gosto pela devasta莽茫o, pela desordem interior, por um universo semelhante a um bordel em chamas, essa perspectiva sard么nica sobre cataclismas fracassados ou iminentes, essa aspereza, esse 贸cio de insones ou de assassinos, n茫o s茫o uma rica e pesada heran莽a que beneficia seus possuidores?茫o uma rica e pesada heran莽a que beneficia seus possuidores? E como sofrem de uma 鈥渁lma鈥, provam por isso mesmo que conservam um res铆duo de selvageria. Insolentes e desolados, gostariam de chafurdar na gl贸ria, cujo apetite 茅 insepar谩vel da vontade de afirma莽茫o e de ru铆na, da propens茫o para um crep煤sculo r谩pido. Se suas palavras s茫o virulentas, seus sotaques inumanos e 脿s vezes ign贸beis, 茅 porque mil raz玫es os impelem a berrar mais alto do que esses civilizados que esgotaram seus gritos. 脷nicos 鈥減rimitivos鈥 na Europa, dar茫o a ela talvez um novo impulso; impulso que a Europa considerar谩 sua 煤ltima humilha莽茫o. E, no entanto, se o Sudeste s贸 fosse horror, por que, quando o deixamos e nos encaminhamos para esta parte do mundo, sentimos uma esp茅cie de queda 鈥 admir谩vel, 茅 verdade 鈥 no vazio?

A vida profunda, a exist锚ncia secreta dos povos que, tendo a imensa vantagem de haver sido rejeitados pela hist贸ria, puderam capitalizar sonhos, essa exist锚ncia escondida, destinada 脿s desgra莽as de uma ressurrei莽茫o, come莽a para al茅m de Viena, extremidade geogr谩fica do enfraquecimento ocidental. A 脕ustria, cuja deteriora莽茫o quase atinge o limite do s铆mbolo ou do c么mico, prefigura o destino da Alemanha. N茫o h谩 mais desvios de envergadura entre os germanos, nem mais miss茫o nem frenesi, nada mais que os torne atraentes ou odiosos! B谩rbaros predestinados, destru铆ram o Imp茅rio romano para que a Europa pudesse nascer; eles a fizeram, cabia a eles desafaz锚-la; cambaleando junto com eles, ela sofre a consequ锚ncia de seu esgotamento. O dinamismo que ainda lhes resta j谩 n茫o possui o que esconde ou justifica toda energia. Condenados 脿 insignific芒ncia, helv茅cios em germe, afastados para sempre de seu habitual exagero, reduzidos a ruminar suas virtudes degradadas e seus v铆cios diminu铆dos, tendo como 煤nica esperan莽a o recurso de ser uma tribo qualquer, os germanos s茫o indignos do temor que ainda possam inspirar: crer neles ou tem锚-los 茅 fazer-lhes uma honra que n茫o merecem de modo algum. Seu fracasso foi providencial para a R煤ssia. Se tivessem tido 锚xito, a R煤ssia teria sido afastado de seus prop贸sitos por mais um s茅culo pelo menos. Mas n茫o podiam triunfar, pois atingiram o 谩pice de seu poderio material no momento em que n茫o tinham mais nada a nos propor, quando eram fortes e vazios. Havia chegado a hora dos outros. 鈥淣茫o s茫o os eslavos antigos germanos em rela莽茫o ao mundo que desaparece?鈥, perguntava-se, no meio do s茅culo passado, Herzen, o mais clarividente e o mais dilacerado dos liberais russos, esp铆rito de interroga莽玫es prof茅ticas, enojado de seu pa铆s, decepcionado com o Ocidente, t茫o inapto para instalar-se em uma p谩tria como em um problema, embora gostasse de especular sobre a vida dos povos, mat茅ria vaga e inesgot谩vel, passatempo de emigrado. Os povos, entretanto, segundo outro russo, Soloviev, n茫o s茫o o que imaginam ser, mas o que Deus pensa deles na Eternidade.Ignoro as opini玫es de Deus sobre os germanos e eslavos; sei contudo que Ele favoreceu estes 煤ltimos, e que 茅 t茫o in煤til felicit谩-Lo como conden谩-Lo.

Hoje est谩 respondida a pergunta que tantos russos se colocavam, no s茅culo passado, a respeito de seu pa铆s: 鈥淓sse colosso foi criado para nada?鈥; O colosso tem um sentido, e que sentido! Um mapa ideol贸gico revelaria que ele se estende para al茅m de seus limites, que estabelece suas fronteiras onde quer, onde lhe conv茅m, que sua presen莽a evoca, por toda parte, menos a ideia de uma crise que de uma epidemia, salutar 脿s vezes, frequentemente nociva, fulgurante sempre.

O Imp茅rio romano foi obra de uma cidade, a Inglaterra fundou o seu para remediar a exiguidade de uma ilha; a Alemanha tentou erigir um para n茫o sufocar em um territ贸rio superpovoado. Fen么meno sem paralelo, a R煤ssia ia justificar seus des铆gnios de expans茫o em nome de seu imenso espa莽o. 鈥淛谩 que tenho o suficiente, por que n茫o ter demasiado?鈥, esse 茅 o paradoxo impl铆cito em suas proclama莽玫es e em seus sil锚ncios. Ao transformar o infinito em categoria pol铆tica, ia transtornar o conceito cl谩ssico e os padr玫es tradicionais do imperialismo, e suscitar atrav茅s do mundo uma esperan莽a grande demais para n茫o degenerar em confus茫o.

Com seus dez s茅culos de terrores, de trevas e de promessas, ela estava mais apta do que qualquer outra na莽茫o para ajustar-se ao aspecto noturno do momento hist贸rico que atravessamos. O apocalipse lhe conv茅m perfeitamente, est谩 habituada a ele e o aprecia, exercita-se nele hoje mais do que nunca, j谩 que mudou visivelmente de ritmo. 鈥淧ara onde te apressas dessa maneira, 贸 R煤ssia?鈥, perguntava-se j谩 Gogol, que tinha percebido o frenesi que se escondia sob sua aparente imobilidade. Hoje sabemos para onde ela corre, sabemos sobretudo que, 脿 semelhan莽a das na莽玫es com destino imperial, est谩 mais impaciente para resolver os problemas alheios do que os seus pr贸prios. Isso quer dizer que nossa carreira no tempo depende do que ela decidir谩 ou levar谩 a cabo: ela tem nosso futuro em suas m茫os… Felizmente para n贸s, o tempo n茫o esgota nossa subst芒ncia. O indestrut铆vel, o alhures, 茅 conceb铆vel: em n贸s? Fora de n贸s? Como sab锚-lo? No ponto em que as coisas se encontram, s贸 merecem interesse as quest玫es de estrat茅gia e de metaf铆sica, aquelas que nos fixam na hist贸ria e as que nos afastam dela: a atualidade e o absoluto, os jornais e os Evangelhos… Vislumbro o dia em que s贸 leremos telegramas e ora莽玫es. Fato not谩vel: quanto mais o imediato nos absorve, mais sentimos necessidade de tomar a dire莽茫o oposta, de forma que vivemos, no interior do mesmo instante, dentro e fora do mundo. Da mesma maneira, ante o desfile dos imp茅rios, s贸 nos resta buscar um meio termo entre o ricto e a serenidade.

E. M. CIORAN, Hist贸ria e utopia. Trad. de Jos茅 Thomaz Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

“Cioran et le 芦 pamphlet sans objet 禄. Paradoxes d鈥檜ne po茅tique de l鈥檈xc猫s” (Sylvain David)

脡tudes litt茅raires
Volume 39, num茅ro 2, hiver 2008, p. 47-58
Esth茅tiques de l鈥檌nvective
Sous la direction de Marie-H茅l猫ne Larochelle
Direction : Eric Van Der Schueren (directeur)
脡diteur : D茅partement des litt茅ratures de l’Universit茅 Laval
ISSN : 0014-214X (imprim茅) 1708-9069 (num茅rique)
DOI : 10.7202/019282ar

Article
Cioran et le 芦 pamphlet sans objet 禄.
Paradoxes d鈥檜ne po茅tique de l鈥檈xc猫s
Sylvain David
R茅sum茅

Cet article vise 脿 comprendre ce qu鈥檈ntend Cioran lorsqu鈥檌l pr茅tend avoir con莽u 芦 un genre nouveau : le pamphlet sans objet 禄. Dans cette perspective, l鈥檃nalyse confronte les grandes caract茅ristiques esth茅tiques et rh茅toriques des premi猫res oeuvres fran莽aises de l鈥檈ssayiste 鈥 du Pr茅cis de d茅composition (1949) 脿 Histoire et utopie (1960), ouvrage dont est tir茅 l鈥檈xtrait cit茅 鈥 aux typologies du genre pol茅mique propos茅es par Marc Angenot, dans La parole pamphl茅taire (1982). La finalit茅 d鈥檜n tel exercice est de mieux comprendre certains paradoxes de la po茅tique cioranienne, fond茅e 鈥 en d茅pit de sa rare 茅l茅gance 鈥 sur un usage singulier de la violence verbale.

Abstract

This article aims at understanding what Cioran means when he claims to have conceived 鈥渁 new genre: the satirical tract without an object鈥. In this perspective, the analysis confronts the major aesthetical and rhetorical characteristics of the essayist鈥檚 first French works 鈥 from the Pr茅cis de d茅composition (1949) to Histoire et utopie (1960), from which the aforementioned quote is taken 鈥 with the typologies of the polemical genre offered by Marc Angenot, in La parole pamphl茅taire (1982). The finality of such an exercise is to better understand certain paradoxes of Cioran鈥檚 writing, founded 鈥 in spite of its rare elegance 鈥 on a singular usage of verbal violence.

[Article int茅gral]

O segundo nascimento de Cioran

Primeiro livro em franc锚s e “Hist贸ria e Utopia” celebram centen谩rio do pensador romeno

Manuel da Costa Pinto – Fique em Casa, Folha de S茫o Paulo, 29/05/2011

http://www1.folha.uol.com.br/revista/saopaulo/sp2905201144.htm

O dia 8 de abril marcou os cem anos de nascimento de Emil Cioran. Os dois relan莽amentos que comemoram a data, por茅m, sugerem que o fil贸sofo romeno, morto em 1995, teve um segundo nascimento, ao trocar a l铆ngua materna pelo idioma do qual costuma ser traduzido.

“Brevi谩rio de Decomposi莽茫o”, de 1949, foi seu primeiro livro escrito em franc锚s e o fato de ter recebido o pr锚mio Rivarol por esse ensaio de metaf铆sica negativa, que degrada as pretens玫es de nosso ser destinado ao nada, poderia ser interpretado como tentativa bem-sucedida de ultrapassar o ex铆lio lingu铆stico do romeno.

Mais tarde, por茅m, em “Hist贸ria e Utopia” (1960), ele lamenta a camisa de for莽a representada por esse “idioma emprestado, com todas as suas palavras pensadas e repensadas, refinadas, sutis at茅 a inexist锚ncia, transtornadas pelos rigores da nuan莽a, inexpressivas por haver exprimido tudo, de precis茫o assustadora, carregadas de fadiga e pudor, discretas at茅 na vulgaridade”.

脡 sintom谩tico que, num livro que identifica a puls茫o destrutiva das utopias pol铆ticas, ele sinta nostalgia do “vest铆gio de terra, de sangue, de alma” associada ao romeno -mas persista na “eleg芒ncia extenuada” e na “dignidade cadav茅rica” da sintaxe francesa.

De certo modo, Cioran realizou a passagem de uma l铆ngua de cultura para uma l铆ngua de civiliza莽茫o (conforme a dicotomia do soci贸logo Norbert Elias). Ou seja, abandonou a busca por uma autenticidade vital, baseada em atavismos culturais, e passou a cultivar o esp铆rito de ironia, a desconstru莽茫o racionalista de 铆mpetos irracionalistas e furores m铆sticos.

Por tr谩s dessa convers茫o paira a sombra de sua fase romena, em que comungou ideologias de extrema direita e chegou a expressar admira莽茫o por Hitler, como revelado pelo bi贸grafo Patrice Bollon em “Cioran, o Her茅tico”.

O violento ceticismo de Cioran 茅 uma purga莽茫o de culpa; seu cinismo, um mecanismo de resist锚ncia 脿s tenta莽玫es totalit谩rias. Ao adotar o artificialismo de uma l铆ngua que representa o processo civilizat贸rio, Cioran transformou utopias de pureza em pura negatividade.

Da铆 o sarc谩stico bilhete que enviou a seu editor franc锚s, sobre o interesse de uma universidade americana em comprar exemplares de “Brevi谩rio de Decomposi莽茫o”: “N茫o seria uma pena perder t茫o bela oportunidade de perverter a juventude ianque?”

HIST脫RIA E UTOPIA ****
(128 p谩gs., R$ 20)

BREVI脕RIO DE DECOMPOSI脟脙O ***
(224 p谩gs., R$ 30)
AUTOR: Emil Cioran
TRADU脟脙O: Jos茅 Thomaz Brum
EDITORA: Rocco

Emil Cioran e a critica ao pensamento ut贸pico

Daniel Artur Emidio Branco — Bacharel e Licenciado em Filosofia pela Universidade Estadual do Cear谩(UECE), cursando especializa莽茫o em Hist贸ria do Brasil pelo Instituto de Teologia Aplicada(INTA) e cursando Teologia na Faculdade de Teologia do Cear谩(FATECE). E-mail: darturemidio-1@yahoo.com.br

Publicado em Consciencia.org

RESUMO
.

A explana莽茫o do pensamento do fil贸sofo Emil Cioran (1911-1995), apresentando a sua relev芒ncia para a intelectualidade contempor芒nea, 茅 o fim a que se prop玫e este artigo. Tendo como ponto de partida as obras Hist贸ria e Utopia (1960)e Brevi谩rio de Decomposi莽茫o (1949), sem deixar no esquecimento as demais obras do autor e entrevistas, se ver谩, nas linhas que se seguem, a id茅ia de que 茅 na nega莽茫o que o ser humano encontra a lucidez e que toda forma de utopia, toda cren莽a no progresso, 茅 v茫. Desse modo, sendo Cioran, pensador romeno radicado na Fran莽a, investigado no presente tratado, as inevit谩veis cr铆ticas 脿s institui莽玫es e ao pensamento sistem谩tico e, inclusive, ou at茅 principalmente, 脿 tradi莽茫o filos贸fica ter茫o grande 锚nfase, na medida em que a pr贸pria , o Nada, a Lucidez, o Tempo e a Hist贸ria v茫o sendo tamb茅m estudados. Portanto, o l煤cido Cioran, ao mesmo tempo um ser que passa pela experi锚ncia da ins么nia, sentindo a realidade que lhe fora revelada, a saber, a in茅rcia, o anonimato, a nega莽茫o e a Queda, emite cr铆tica ao progressismo, ao utopismo, afirmando o mundo interior e n茫o o exterior como fonte de lucidez. Se buscar谩 aqui exprimir fielmente o pensar deste autor de suma import芒ncia n茫o s贸 para a contemporaneidade, por茅m para todas as eras.

Palavras-Chave: Ins么nia, Nega莽茫o, Utopia, Progresso, Queda.

ABSTRACT

The explanation of the thought of philosopher Emil Cioran (1911-1995), showing their relevance to contemporary intellectuals, is the purpose it is proposed here. Taking as its starting point the works History and Utopia (1960) Decomposition and Breviary (1949), while forgetting the other author鈥檚 works and interviews, will be seen, the lines that follow, the idea that is in denial that human being is clarity and that every form of utopia, all belief in progress, is vain. In this way, and Cioran, Romanian philosopher living in France, under investigation in this Treaty, the inevitable criticism of institutions and the systematic thinking and even, or even mainly, to the philosophical tradition have great emphasis to the extent that our own subjectivity, Nothing, Lucidity, Time and history will be also studied. Therefore, the lucid Cioran, while a being who experiences insomnia, feeling the reality that had been revealed, namely, inertia, anonymity, denial and Fall, issues critical to the progress, utopianism, saying the inner world and not the outside as a source of clarity. If you seek here to express faithfully the author think of this very important not only for the contemporary, but for all ages.

Keywords: Insomnia, Denial, Utopia, Progress, Fall.

Introdu莽茫o
.

Este artigo tem a finalidade de investigar, mediante a obra Hist贸ria e Utopia (1960), principalmente, auxiliada, por茅m, de outras obras, como Brevi谩rio de Decomposi莽茫o (1949), e entrevistas, a cr铆tica que o fil贸sofo Emil Cioran faz 脿 id茅ia de progresso hist贸rico, visto que tal cr铆tica, por defrontar-se com o pensamento progressista da Filosofia Moderna, tem uma grande relev芒ncia para a Filosofia P贸s-Moderna. O pensamento cioraniano 茅 pol锚mico, utiliza-se de uma linguagem soturna e exprime bem o momento da humanidade. A decad锚ncia da racionalidade filos贸fica, simult芒nea a queda da escrita sistem谩tica e o rompimento com a perspectiva de uma Hist贸ria linear fazem de Cioran, com o estilo epil茅tico, escrita fragmentada e indiferente 脿s utopias, um fil贸sofo cuja leitura 茅 necess谩ria a todo intelectual p贸s-moderno.

Natural de Rasinari, condado de Sibiu, na Rom锚nia, filho de um padre ortodoxo e m茫e pouco religiosa, embora l铆der de grupo de senhoras religiosas, Cioran teve, obviamente, influ锚ncia da religi茫o do seu lugar de origem. Acabou por se radicar, por茅m, na Fran莽a, ber莽o da cultura, do secularismo, obtendo um estilo que varia entre o Nada e a prosa, o 贸dio e a tragicom茅dia, o rancor e a abstin锚ncia.

Desde as suas obras na Rom锚nia como Pe Culmile Disperarii (1934) at茅 suas principais obras, j谩 em solo franc锚s, Hist贸ria e Utopia e Brevi谩rio de Decomposi莽茫o, Cioran prop玫e que 茅 preciso, se se quer ser l煤cido, ser envolvido pela nulidade. Este contraste com o pensamento sistem谩tico e at茅 progressista da tradi莽茫o filos贸fica marca o seu pensamento.

O t铆tulo do artigo, portanto, tem a finalidade de sintetizar o pensamento do autor. A id茅ia de que o otimismo 茅 v茫o e que o pensamento sistem谩tico n茫o 茅 l煤cido, presente nas suas obras, 茅 valorizado nas linhas que se seguem. Cioran n茫o 茅 plenamente um fil贸sofo. No entanto, n茫o deixa de s锚-lo. Ele 茅 mais do que isso justamente porque n茫o deseja ser alguma coisa. O verdadeiro filosofar, para ele, 茅 abandonar o pensamento, a a莽茫o, toda forma de utopia, deixando que o corpo o domine e o espa莽o o obscure莽a, em uma revela莽茫o soturna e cruel, na medida em que 茅 totalmente l煤cida.

1. O tempo como realidade imut谩vel

Na obra Hist贸ria e Utopia Cioran exprime, por meio da an谩lise da Queda do primeiro homem, segundo consta no livro b铆blico do G锚nesis, a tr谩gica condi莽茫o do g锚nero humano diante da Hist贸ria. Esta, por sua vez, advinda com a Queda, nada mais 茅 do que a repeti莽茫o da ess锚ncia desse primeiro ser. Desta forma, se desenvolve a id茅ia de que todas as eras e civiliza莽玫es nada sabem de novo, pois, embora existam diferentes civiliza莽玫es, costumes e 茅pocas, a ess锚ncia do homem sempre 茅 a mesma. Da铆 parte a cr铆tica 脿 Modernidade e a Filosofia Moderna que, segundo Cioran, n茫o puderam perceber que, por mais que se tente fazer da Hist贸ria um ve铆culo de esperan莽a para o progresso, h谩 na humanidade uma ess锚ncia ca铆da que 茅 irrevers铆vel:

O exerc铆cio filos贸fico n茫o 茅 fecundo: 茅 apenas respeit谩vel. Sempre se 茅 fil贸sofo impunemente. (鈥) Os verdadeiros problemas s贸 come莽am ap贸s hav锚-la percorrido ou esgotado, ap贸s o 煤ltimo cap铆tulo de um imenso tomo, que p玫e o ponto final em sinal de abdica莽茫o ante o Desconhecido, onde se enra铆zam todos os nossos instantes, e com o qual precisamos lutar, porque 茅 naturalmente mais imediato, mais importante que o p茫o cotidiano. Aqui o fil贸sofo nos abandona: inimigo do desastre, ele 茅 sensato como a raz茫o, e t茫o prudente quanto ela (CIORAN, 1989, p.55).

Mediante a Ins么nia 茅 que, entretanto, para Cioran, um indiv铆duo pode tornar-se l煤cido diante desta realidade, como relatado em Brevi谩rio de Decomposi莽茫o. Para tanto, 茅 preciso ser escolhido. A Ins么nia, segundo o seu pensamento, n茫o 茅 buscada pelo homem. Ao contr谩rio, ela 茅 que o escolhe. Este dom铆nio, tanto da fisiologia como da meteorologia, marca o pensamento cioraniano. Desta forma, com a cr铆tica ao progresso hist贸rico, o autor revela que a sociedade p贸s-moderna, uma vez ca铆do o esp铆rito de progresso da modernidade, tende a reviver sentimentos negativos. Tais sentimentos, como tirania, rancor e 贸dio, inerentes a per铆odos de decad锚ncia, s茫o pr茅-requisitos para a dec锚ncia intelectual.聽 Sendo assim, a filosofia cioraniana 鈥渋nvestiga鈥 o seu tempo e n茫o prop玫e ao atual momento mudan莽as, utopias ou progresso, o que faz deste per铆odo um pequeno al铆vio diante da tr谩gica Hist贸ria:

Ela [a Hist贸ria] n茫o 茅 o fundamento do ser, mas sua aus锚ncia, o n茫o de toda coisa, a ruptura do vivente consigo mesmo: n茫o sendo constitu铆dos pela mesma subst芒ncia que ela, nos recusamos a cooperar em suas convuls玫es. Pode nos esmagar 脿 vontade, s贸 atingir谩 nossas apar锚ncias e nossas impurezas, esses restos de tempo que ainda arrastamos, s铆mbolos de fracasso, marcas de escravid茫o (CIORAN, 1994, p.141).

Quem est谩 sozinho em uma rua, em meio a uma madrugada sombria, mesmo que seja um mendigo, um homem iletrado, 茅 mais l煤cido do qualquer fil贸sofo ou intelectual acad锚mico. Isto porque, malgrado ser dotado de raz茫o, o homem racional n茫o pode alcan莽ar a verdade. O Ser almejado pelo racionalismo socr谩tico, fundamentador da tradi莽茫o filos贸fica, n茫o passa de uma ilus茫o, de uma utopia. Ter um alvo, um objeto de estudo, n茫o 茅 possuir como finalidade a mat茅ria, o corpo. Ao contr谩rio, o fim a que se marcha em dire莽茫o, quando se possui um caminho a seguir, 茅 o 鈥減ercorrer鈥, o 鈥渃aminhar鈥. O homem n茫o quer o Ser propriamente, quer 茅 o 鈥渃onhecer鈥. Acontece que o conhecimento n茫o pode criar algo, porque aquilo que o intelecto busca, sempre lhe 茅 superior. Uma vez subindo at茅 ao mais alto monte da sabedoria, o homem desmorona, frustrado por n茫o ter encontrado o que ainda procura. Com este pensamento, o autor franco-romeno sintetiza a Hist贸ria humana como a eterna repeti莽茫o do pecado de Ad茫o:

Ontem, hoje, amanh茫: categorias para uso de criados. Para ocioso suntuosamente instalado no Desconsolo, e ao qual todo instante aflige, passado, presente e futuro s茫o somente apar锚ncias vari谩veis do mesmo mal, id锚ntico em sua subst芒ncia, inexor谩vel em sua insinua莽茫o e mon贸tono em sua persist锚ncia. E esse mal possui a mesma extens茫o do ser, 茅 o ser mesmo (CIORAN, 1989, p. 60).

Quando o cientista afirma: 鈥渄escobri algo novo鈥, se prova que ele est谩 demasiadamente iludido com a sua utopia. Cioran afirma que ningu茅m pode sobreviver sem uma utopia. Envolver-se com esta, no entanto, requer a perda da lucidez. Quem 茅 l煤cido, contudo, n茫o o 茅 por escolha. A realidade se apresenta a tal homem sem que ele pe莽a.

N茫o obstante houvesse uma aus锚ncia de pedido, sendo que Ad茫o e Eva n茫o pediram para serem criados, o real se lhes apresentou. No entanto, quiseram conhecer a realidade, na medida em que deram ouvidos 脿 afirma莽茫o da serpente de que, se comessem do que lhes havia sido proibido, se ultrapassem os limites do corpo, se tornariam deuses, seriam conhecedores do bem e do mal. Por isto foram expulsos do Para铆so.

Uma das raz玫es por que se pode negar a liberdade 茅 o nosso fator meteorol贸gico. A liberdade 茅 uma ilus茫o, pois depende de coisas que n茫o deveriam me condicionar. Minhas id茅ias s茫o sempre ditadas pelos meus 贸rg茫os, os quais, por sua vez, s茫o sempre ditados pelo clima. (鈥) Meu pr贸prio mal-estar, de ordem climatol贸gica, est谩 ligado ao mal-estar metaf铆sico (CIORAN, 1983)[1]

Cioran exprime que a hist贸ria de Ad茫o e Eva 茅 a hist贸ria da humanidade. Todos s茫o, por ess锚ncia, Ad茫o e Eva. Ca铆do no pecado, em dores de parto constante, o ser humano n茫o pode mais retornar ao Para铆so. O conhecimento 茅 a sua m谩cula. Uma vez maculado, n茫o se pode mais estar face a face com o criador:

De tanto louvar as vantagens do trabalho, as utopias deveriam tomar a dire莽茫o oposta do G锚nese. Neste ponto particularmente, s茫o a express茫o de uma humanidade absorvida pelo trabalho, orgulhosa em comprazer-se com as conseq眉锚ncias da queda, das quais a mais grave 茅 a obsess茫o pela produtividade. (鈥) O homem, uma vez exclu铆do do para铆so, para n茫o sofrer e n茫o pensar mais nele, obteve como compensa莽茫o a faculdade de querer, de tender para o ato, de perder-se nele com entusiasmo, com brio 聽(CIORAN, 1994, p. 111).

Ser l煤cido como foi Cioran n茫o 茅 sin么nimo de estudo acad锚mico. O fil贸sofo franco-romeno foi acometido de ins么nia durante sete anos de sua vida, mais precisamente na juventude. Tal fato o revelou que o tempo, ao contr谩rio do que pensam os homens comuns, n茫o passa. Quando se est谩 acordado por toda a noite, tudo o que h谩 脿s dez da noite h谩, da mesma forma, 脿s dez da manh茫. Portanto, a id茅ia de 鈥渜uebra鈥 no tempo, ou seja, o pensamento de que, ap贸s uma noite de sono, as coisas que agora est茫o dispon铆veis a uma pessoa s茫o 鈥渘ovas鈥 ou est茫o renovadas, sendo que tudo o mais permaneceu no dia anterior, 茅 passado, 茅 falsa. Quem experimenta as noites de vig铆lia, sabe que essa sensa莽茫o de 鈥渜uebra鈥 no tempo adv茅m do sono. Este, por sua vez, impede que o homem tenha a revela莽茫o da realidade, pois adormecem os seus 贸rg茫os, os seus m煤sculos, fazendo-o toda noite fechar os olhos para a imutabilidade do tempo. Por isso, um ser que vive nas ruas, que vive 脿 margem da sociedade, que adentra a escurid茫o da noite, tem a lucidez que falta a um erudito.

2. A Ilus茫o da Utopia

A gnosiologia 茅 l煤dica. Conhecer 茅 pensar que existe no horizonte um objeto de estudo. J谩 Cioran diz que o Ser que a tradi莽茫o filos贸fica procura alcan莽ar por meio da raz茫o, n茫o est谩 no horizonte, sen茫o no alto. A marcha do ser humano em dire莽茫o ao Ser tem como causa a id茅ia de que Este se encontra no mundo exterior:

O destino hist贸rico do homem 茅 levar a id茅ia de Deus at茅 o seu final. Havendo esgotado todas as possibilidades da experi锚ncia divina, experimentado Deus sob todas suas formas, chegaremos fatalmente 脿 saciedade e ao asco, ap贸s o que respiraremos livremente. H谩, entretanto, no combate contra um Deus que encontrou seu 煤ltimo ref煤gio em certos rec么nditos de nossa alma, uma doen莽a indefin铆vel, doen莽a nascida de nosso medo de perd锚-Lo. Como se alimentar de seus 煤ltimos restos, como poder gozar com toda tranq眉ilidade da liberdade consecutiva 脿 sua liquida莽茫o? (CIORAN, entrevista)[2].

Seja no solo, nos mares, na atmosfera ou nas gal谩xias, a ci锚ncia busca desvelar a causa primeira da realidade. O que se chama de 鈥渉orizonte鈥 茅 o equivalente a 鈥渃osmos鈥, o conceito de que a realidade est谩 para al茅m do corpo humano, de que os entes est茫o fora do Ser e que, por isso, se pode conhec锚-lo.聽 O pensamento cient铆fico, contudo, para Cioran, se esquece que, em todas as demais eras, homens pensaram estar descobrindo coisas novas, estarem dando um passo a mais em dire莽茫o ao conhecimento da realidade. A Hist贸ria mostra que tais pessoas, posteriormente, tiveram as suas teses refutadas por pessoas de outras 茅pocas e que aquilo que para muitos de seus contempor芒neos era genial n茫o tem nenhuma utilidade para a civiliza莽茫o que emerge sobre os seus t煤mulos:

A liberdade, eu dizia, exige o vazio para manifestar-se; o exige e sucumbe a ele. A condi莽茫o que a determina 茅 a mesma que a anula. Ela carece de bases: quanto mais completa for, mais vacilar谩, pois tudo a amea莽a, at茅 o princ铆pio do qual emana. O homem 茅 t茫o pouco feito para suportar a liberdade, ou para merec锚-la, que mesmo os benef铆cios que recebe dela esmagam, e ela acaba lhe sendo t茫o penosa que aos excessos que suscita ela prefere o terror 聽(CIORAN, 1994, PP. 34-35).

Toda id茅ia corrompe a realidade. Militar, ter uma causa, 茅 manchar aquilo que at茅 ent茫o estava puro, intacto, despido de a莽茫o.聽 Cioran sabe que a Hist贸ria conta a a莽茫o do homem, as suas utopias e tamb茅m a suas frustra莽玫es. Agir 茅 possuir utopia e possuir utopia 茅 iludir-se. Quem tem um pensamento l煤dico, quem sonha, n茫o v锚 que o mesmo ar que habita as noites vazias das cidades 茅 o mesmo ar que se respira na cama ao acordar. Quando algu茅m pensa estar apresentando algo novo a outro, quando o emissor do discurso tem a id茅ia de que suas palavras ir茫o fazer a vida do receptor progredir, iludi-se, pois, o sono o fez fechar os olhos para o vazio da noite, dando-o a impress茫o de que, ao amanhecer, o ar que se respira 茅 outro que n茫o o de ontem.

Para o insone o tempo se exaspera. Ele se reconhece um ser ca铆do, impossibilitado da reden莽茫o divina. Diferentemente da no莽茫o do sonolento, quem enfrenta as noites de vig铆lia sabe que o tempo 茅 o mesmo ontem, hoje e sempre, n茫o h谩 鈥渜uebra鈥, novidade. As coisas n茫o criadas e depois recriadas como faz pensar o amanhecer de quem dorme. Cioran mostra que o insone 茅 l煤cido por saber que, uma vez criatura ca铆da, n茫o existe uma nova cria莽茫o, nada desaparece, nada se cria, tudo est谩 presente no momento atual assim como esteve no passado e estar谩 no futuro:

N茫o h谩 mais passado, nem futuro; os s茅culos se desvanecem, a mat茅ria abdica, as trevas se esgotam; a morte parece rid铆cula, e tamb茅m a pr贸pria vida. E essa como莽茫o, mesmo que s贸 a tiv茅ssemos sentido uma vez, bastaria para n贸s reconciliar com nossas vergonhas e com nossas mis茅rias, das quais ele 茅 sem d煤vida a recompensa 聽(CIORAN, 1994, PP. 141-142).

Mais do que mero simbolismo, mediante o estudo das obras de Cioran, pode-se dizer que, para ele, a Queda e a Ins么nia s茫o fun莽玫es org芒nicas. Tais fun莽玫es revelam que o homem 茅 dominado tanto pela fisiologia como pela meteorologia. Um homem 茅 t茫o comandado pelos seus sentidos quanto uma na莽茫o 茅 influenciada pelo clima.

Cada civiliza莽茫o pensa ter superado a sua antecessora por meio de artimanhas, t茅cnicas, estrat茅gias que lhe s茫o peculiares. A intelig锚ncia, no entanto, segundo o pensamento cioraniano, 茅 una, assim como o tempo, n茫o se divide. Sempre, ao longo da Hist贸ria, soube-se todas as coisas no essencial. As mudan莽as (tecnol贸gicas, est茅ticas, arquitet么nicas etc.) de uma civiliza莽茫o para outra se d茫o por causa da eterna repeti莽茫o da natureza ca铆da do homem.

Cada na莽茫o que emerge s贸 repete a ess锚ncia da outra, construindo obras, pensamentos, sistemas que at茅 ent茫o n茫o haviam sido materializados, seja em livros, projetos tecnol贸gicos etc. A forma como as coisas s茫o constru铆das, por茅m, 茅 a mesma. Tudo o que se faz no mundo adv茅m de uma 煤nica raz茫o: a necessidade de se conhecer a verdade final, a realidade em totalidade, o Ser. Desse modo, embora uma civiliza莽茫o possua subst芒ncias materiais e tecnol贸gicas que a anterior n茫o possuiu, tudo o que nela se realiza n茫o 茅 novo, pois remonta a uma mesma necessidade, a uma mesma utopia. A mesma queda, o mesmo fim, que se efetivou nas na莽玫es de todas as 茅pocas ent茫o se efetivar谩 tamb茅m na na莽茫o presente, inevitavelmente:

Apesar de sua precariedade, estamos t茫o apegados a esse tempo que, para afastar-nos dele, seria preciso mais do que uma altera莽茫o de nossos h谩bitos: teria que ocorrer uma les茫o no esp铆rito, uma rachadura no eu, por onde pud茅ssemos entrever o indestrut铆vel e alcan莽谩-lo, gra莽a concedida apenas a alguns condenados como recompensa ao fato de haver consentido em sua pr贸pria ru铆na (CIORAN, 1994, p. 126).

Cioran demonstra em suas obras e entrevistas que o homem n茫o age livremente. A 鈥渓iberdade鈥 茅 a id茅ia de que o homem 茅 individuado, diferente dos demais entes, e que, por isso, a sua a莽茫o n茫o pode ser movida, por ser externo ao Ser. Por exemplo, uma pessoa A difere da pessoa B e ningu茅m em todo o universo 茅 igual a A ou a B, desta forma, a a莽茫o de A s贸 pode ser realizada por A e a a莽茫o de B por B. Para o autor franco-romeno, em contrapartida, quem assim pensa ainda n茫o experimentou a revela莽茫o da realidade. As noites de vig铆lia, segundo ele, revelam que o tempo 鈥渃ontinua鈥 o mesmo seja na manh茫, tarde e noite, dias, meses e anos, d茅cadas, s茅culos e mil锚nios! Sendo o tempo imut谩vel, a sensa莽茫o de a莽茫o 茅 falsa. N茫o havendo a莽茫o, o homem n茫o 茅 individuado e, portanto, n茫o 茅 livre:

Repetir-se mil vezes por dia: 鈥楴ada tem valor neste mundo鈥, encontrar-se eternamente no mesmo ponto e rodopiar totalmente como um pi茫o. (鈥) Pois n茫o h谩 progresso na id茅ia de vaidade de tudo, nem desenlace; e por mais longe que nos arrisquemos em tal rumina莽茫o, nosso conhecimento n茫o cresce de modo algum: 茅 em seu momento presente t茫o rico e t茫o nulo como o era em seu ponto de partida (CIORAN, entrevista)[3]

A fisiologia e a meteorologia movem as a莽玫es humanas. O conhecimento que separa o sujeito do objeto 茅 tido por Cioran como uma ilus茫o. Para tanto, a vida desse ser vivente dotado de raz茫o se condiciona pelos 贸rg茫os corporais e fun莽玫es clim谩ticas nas quais est谩 inserido. A 鈥渞az茫o鈥 茅 o pecado do homem. Pensar, dividir o tempo e o espa莽o, sistematizar, tem como finalidade a busca por Deus. Tal busca, ut贸pica, aparenta ser f茅rtil, assim como o conselho da serpente no G锚nesis foi atraente. Quando, por茅m, se esgota o pensamento, quando o conhecimento chega ao seu limite, vem a loucura, a total falta de sentido, pois a queda faz de quem pensava chegar ao trono do criador um simples b锚bado que cai na cal莽ada suja de lama, beijando os p茅s dos transeuntes mais vis:

Viver verdadeiramente 茅 recusar os outros; para aceit谩-los, 茅 preciso saber renunciar, violentar-se, agir contra sua pr贸pria natureza, enfraquecer-se; s贸 se concebe a liberdade para si mesmo: ao pr贸ximo s贸 a concedemos a duras penas; da铆 a precariedade do liberalismo, desafio a nossos instintos, 锚xito breve e miraculoso, estado de exce莽茫o oposto a nossos imperativos profundos. (鈥) Fun莽茫o de um ardor extinto, de um desequil铆brio, n茫o por excesso, mas por falta de energia, a toler芒ncia n茫o pode seduzir os jovens. (鈥) D锚 aos jovens a esperan莽a ou a ocasi茫o de um massacre e eles lhe seguir茫o cegamente (CIORAN, 1994, p. 14).

A hist贸ria do homem 茅 a hist贸ria do mal. S贸 h谩 Hist贸ria com vida e s贸 h谩 vida com a莽茫o. Agir, entretanto, 茅 retirar a pureza do objeto at茅 ent茫o inexistente. Por isto Cioran, ao mostrar que a humanidade 茅 condicionada pelo corpo e pelo clima, revela que rebelar-se contra tais elementos condicionantes, agindo utopicamente, vendo um mundo exterior, para fora dos seus 贸rg茫os e para al茅m da tempestade que o envolve, 茅 ser mal. A a莽茫o n茫o pode trazer nem a si nem a outro algo real. Para tanto, quando um parto 茅 realizado o rec茅m-nascido 茅 maculado pelas palavras e gestos das pessoas, que nada mais s茫o do que folhas soltas no ar, sem fundamento, sem solidez, meras impress玫es. Portanto, como o homem j谩 茅 maculado desde que nasce pelo pecado da a莽茫o, 茅 preciso agir o menos poss铆vel para 鈥減ecar鈥 o m铆nimo que se puder:

Hist贸ria universal: hist贸ria do mal. Suprimir os desastres do devir humano 茅 o mesmo que conceber a natureza sem esta莽玫es. Se voc锚 n茫o contribuiu para uma cat谩strofe, desaparecer谩 sem deixar vest铆gio. Interessamos aos outros pela desgra莽a que semeamos 脿 nossa volta. 鈥淣unca fiz ningu茅m sofrer鈥- exclama莽茫o para sempre estranha para algu茅m de carne e osso (CIORAN, 1989, p. 108).

Se a Hist贸ria nada mais 茅 do que a marcha ut贸pica do homem em dire莽茫o a Deus e tal 鈥減eregrina莽茫o鈥, pois uma vez ca铆do n茫o se pode alcan莽ar o Para铆so e ver o Criador, 茅 v茫 e pecaminosa, porque a palavra macula tanto o emissor quanto o receptor, Cioran prop玫e outro 鈥渆stado鈥 da Hist贸ria. Este 茅 o 鈥渆stado negativo鈥 da Hist贸ria, que n茫o tem forma, 茅 nega莽茫o, nulidade, aus锚ncia. Sendo o que a Hist贸ria v锚, 鈥渃apta鈥, 茅 a 鈥渁莽茫o鈥 do homem, o estado negativo da Hist贸ria se 鈥渆fetua鈥 na total subjetividade, no poderio do corpo, do clima, na recusa de agir. O anonimato que adv茅m com isto confirma a lucidez de quem 鈥渟ente鈥 ao inv茅s de 鈥渃onhecer鈥:

Jamais houve eclipse de lucidez tal que o homem fosse incapaz de abordar os problemas essenciais, pois a hist贸ria 茅 apenas uma perp茅tua crise, uma quebra da ingenuidade. Os estados negativos- que s茫o precisamente os que exasperam a consci锚ncia- distribuem-se diversamente, contudo est茫o presentes em todos os per铆odos hist贸ricos(CIORAN, 1989, p. 144).

Cioran constata ainda a exist锚ncia de um subterr芒neo que antecede cada a莽茫o. Ele 茅 mais profundo que qualquer ato porque n茫o est谩 presente no passado, n茫o 茅 visto no presente e nem 茅 esperado no futuro. Quanto mais denso, comprimido e doloroso for este subterr芒neo, menos l煤dica 茅 aquela a莽茫o. Desta forma, segundo o fil贸sofo franco-romeno, o 贸dio e o rancor s茫o mais l煤cidos do que a paz e o amor. Isto se d谩 porque as a莽玫es advindas dos sentimentos negativos n茫o buscam construir o Para铆so, sen茫o destruir o que 茅 visto fora de si. Tal destrui莽茫o 茅 precisa para retirar do corpo, do 鈥渓ar鈥, qualquer invasor. Ao contr谩rio das a莽玫es positivas, que querem se relacionar, iludindo tanto a si como os outros, as a莽玫es negativas s茫o realizadas nas tentativas de isolarem-se ap贸s a destrui莽茫o do mundo exterior. S贸 restando ent茫o o mundo interior. Por isto estas a莽玫es s茫o, para Cioran, mais l煤cidas do que aquelas:

N茫o vingar-se 茅 submeter-se 脿 id茅ia de perd茫o, 茅 afundar-se nela, 茅 tornar-se impuro por causa do 贸dio que se sufoca dentro de si. O inimigo poupado nos obseda e nos perturba, sobretudo quando decidimos n茫o detest谩-lo. (鈥) Nada nos torna mais infelizes do que a obriga莽茫o de resistir a nosso fundo primitivo, ao apelo de nossas origens (CIORAN, 1994, p. 74).

Se a Hist贸ria revela que a ess锚ncia ca铆da do g锚nero humano e toda forma de utopias, incluindo a constru莽茫o de sistemas, 茅 v茫, falso tamb茅m 茅 o ut贸pico 鈥渃ulto鈥 脿 raz茫o da tradi莽茫o filos贸fica. Para tanto, Cioran afirma que esta tradi莽茫o tem como finalidade desvelar a verdade final, chegar ao 鈥渢opo鈥 do real. Valorizando as 鈥渋d茅ias鈥 em detrimento do corpo, buscam o Para铆so no mundo exterior e, por isso, sempre se frustram. Pode-se constatar isto na Filosofia Moderna, onde a id茅ia de progresso foi exaltada.

3. A subjetividade como alternativa

Seja com materialismo dial茅tico de Karl Marx (1818-1883) ou o idealismo de Friedrich Hegel (1870-1831), os fil贸sofos modernos buscaram substituir o filosofar metaf铆sico da Idade M茅dia por um filosofar que redescobre a Hist贸ria. Esta, por sua vez, 茅 vista por estes pensadores modernos como uma constru莽茫o ainda inacabada. H谩, nesta l贸gica, algo a se fazer, algo a se mudar. Tanto Marx como Hegel, materialista e idealista, respectivamente, n茫o perceberam, por茅m, que os seus pensamentos estavam sendo condicionados pelo 鈥渃lima鈥 prop铆cio da modernidade, onde tudo parecia novo e festivo.

N茫o pode haver, para Cioran, sinal de lucidez na Filosofia, pelo menos enquanto tradi莽茫o. Qualquer pessoa que tem um pensamento coerente com alguma academia deixa de sentir a verdade fisiol贸gica. Quando se escreve um ensaio filos贸fico aprovado pela academia, o autor n茫o p玫e no mesmo a verdade que habita no seu interior. Isto porque o pensamento sistem谩tico 茅 objetivado, enquanto que a lucidez se d谩 no maior grau de subjetividade:

Se minha depend锚ncia da fisiologia n茫o fosse t茫o grande, nunca poderia ter tido que utilizar esta alegria aparente. (鈥) Conta Kierkegaard que, ao regressar a sua casa, depois de haver estado a rir a todo instante no sal茫o, s贸 tinha desejo de se suicidar. Crise existencial que 茅 comprovado em muitas ocasi玫es (CIORAN, 1983, entrevista).

A poesia, em contrapartida, pode ser l煤cida, segundo afirma Cioran em entrevistas. Se precisa, contudo, conhecer o grau de subjetividade do autor. Despido dos pecados da academia, um poeta que tamb茅m n茫o se preocupa com o lucro da sua obra pode n茫o estar distante da real face do mundo. A 鈥渧agabundagem鈥, a falta de compromisso que, vez por outra, fazem parte da conduta de poetas 茅 sinal de lucidez. N茫o h谩, pois, lugar, estado, na莽茫o ou planeta que possa ser alvo de algu茅m que tem em si a revela莽茫o da realidade por meio da noite. A vig铆lia nas ruas sujas e f茅tidas fazem do insone um ser que, mais que versos direcionados, recita, com gemidos, os poemas soturnos escritos no seu corpo pelo Ser:

A morte 茅 um tema na hist贸ria da filosofia, mas n茫o como viv锚ncia 铆ntima. Em Baudelaire existe a morte, em Sartre n茫o. Os fil贸sofos t锚mse esquivado da morte fazendo dela uma quest茫o, ao inv茅s de experiment谩-la como algo existente. N茫o a consideram como algo absoluto, mas entre os poetas 茅 diferente. Eles adentram profundamente o fen么meno, rastreando-o. Um poeta sem sentimento de morte n茫o 茅 um grande poeta. Parece exagerado, mas 茅 assim聽 (CIORAN, 1995, entrevista)[4].

O pensar filos贸fico s贸 pode encontrar alguma relev芒ncia para Cioran se os sistemas forem abandonados. A institui莽茫o, a academia, objetiva. Por isso, 茅 鈥渕谩鈥. Objetivar, agir segundo normas, segundo tradi莽玫es, 茅 perder-se na ilus茫o. Da mesma forma, pensar que as tradi莽玫es podem ser destru铆das, ter utopias, s茫o a莽玫es v茫s. A Hist贸ria n茫o muda. Tanto a passividade quanto o ativismo s茫o erros. No entender do autor franco-romeno tem-se que 鈥渘茫o ser鈥 para que o Ser se lhe revele:

Quando Cristo assegurou que o 鈥榬eino de Deus鈥 n茫o era 鈥榓qui鈥 e nem 鈥榣谩鈥, mas dentro de n贸s, condenava de antem茫o as constru莽玫es ut贸picas para as quais todo o 鈥榬eino鈥 茅 necessariamente exterior, sem nenhuma rela莽茫o com nosso eu profundo ou com nossa salva莽茫o individual. Quanto mais as utopias nos tenham marcado, mais esperamos nossa liberta莽茫o de fora, do curso das coisas ou da marcha das coletividades. Assim se delineou o sentido da hist贸ria, cujo sucesso superou o do Progresso, sem acrescentar-lhe nada de novo 聽(CIORAN, 1994, p. 112).

Por fim, mediante Hist贸ria e Utopia, Brevi谩rio de Decomposi莽茫o e conhecimento de outras obras e entrevistas, pode-se concluir que Cioran apresenta ao mundo contempor芒neo um filosofar 鈥減r茅-hist贸rico鈥. Tal 鈥渇ilosofia鈥 n茫o se efetua na consci锚ncia, sen茫o no corpo e no espa莽o. Ao abster-se de qualquer pensamento sistem谩tico, sem, no entanto, desejar fazer parte de qualquer 鈥渢end锚ncia鈥 liter谩ria, Cioran mostra que 茅 na total nega莽茫o, na plena abstin锚ncia da hist贸ria, que a lucidez se revela. Portanto, torna-se evidente a import芒ncia do autor franco-romeno para o leitor contempor芒neo, pois as suas obras revelam onde os sistemas e as utopias do mundo p贸s-moderno conduzir茫o a humanidade. E n茫o 茅 para o Para铆so!

Conclus茫o

As obras de Cioran n茫o s茫o, definitivamente, um apanhado de sistemas, n茫o fazem uma investiga莽茫o cient铆fica da realidade. Isto se d谩 pelo fato de que, acima de tudo, a subjetividade 茅 preservada pelo autor. O mundo exterior, habitat das utopias, 茅 falso, segundo o seu parecer. N茫o se pode, portanto, ver o pensamento cioraniano como linear, 鈥渃oerente鈥. Ao contr谩rio, suas id茅ias s茫o fragmentadas, seu estilo, paradoxal.

A cr铆tica que Cioran faz a toda forma de utopia, tudo o que for constitu铆do de m茅todo, tem as suas ra铆zes na experi锚ncia interior. Quem possui tal experi锚ncia, n茫o a reconhece como 鈥渃onhecimento鈥, pois isto seria afirmar que existe um sujeito que conhece e um objeto a ser conhecido. O fil贸sofo franco-romeno chama de lucidez 茅 o 鈥渟entir鈥 a realidade crivada em um tempo que n茫o passa e sob um c茅u eternamente cinza.

A fisiologia e a meteorologia s茫o elementos constitutivos das a莽玫es humanas. Para Cioran, este conceito n茫o adv茅m de uma empiria, por茅m, sobretudo, da nega莽茫o. Negar, no entanto, 茅 abstin锚ncia e, como tal, n茫o requer a莽茫o. Pode-se, portanto, se escolher a nega莽茫o? A reposta 茅 n茫o! Lendo-se com aten莽茫o as obras do autor franco-romeno, se ver谩 que o 鈥渁to鈥 de negar 茅 justamente 鈥渄esaparecer鈥 por causa dos 贸rg茫os que regem o corpo e natureza. S茫o eles que, na verdade, que impedem que o homem aja, para darem-lhe a lucidez. Desse modo, negar n茫o 茅 鈥渁gir鈥, sen茫o ser envolvido por esta for莽a maior e an么nima que escolhe uns l煤cidos, para verem a real perdi莽茫o do mundo ca铆do, e outros, ut贸picos, iludidos, para pensarem chegar ao para铆so.

O mundo 茅, portanto, no entender de Cioran, um lugar onde se busca a fuga do tr谩gico destino em que todos est茫o destinados. Todas as formas institucionalizadas de pensamento (Filosofia, Sociologia, Psicologia etc.) s茫o medidas ut贸picas tomadas pelo ente em busca de sair do tormento que est谩 ao seu redor.聽 N茫o se pode, no entanto, fugir da natureza ca铆da do homem, n茫o h谩 fuga para isso. Nenhum mecanismo, nenhum sistema, livra o g锚nero humano de tamanha trag茅dia.

Desta forma, se conclui que a relev芒ncia de Cioran para a Filosofia e o modo de pensar que se desencadeia na atualidade 茅 o fato de as suas obras exprimirem como o modo de pensar progressista, ut贸pico, possui um fim falho. Com esta revela莽茫o, os j谩 l煤cidos e os que tendem ao subjetivismo s茫o convocados a deixarem que o Nada, que j谩 de antem茫o come莽ava a se lhes apresentar, os domine por completo!

REFER脢NCIAS BIBLIOGR脕FICAS

Fontes Prim谩rias

CIORAN, Emil. Antologia do Retrato [1952]Trad. br. Jos茅 Louren莽o de Melo. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

_________, Emil. Brevi谩rio de Decomposi莽茫o [1949]. Trad. br. Jos茅 Thomaz Brum, Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

________, Emil. Exerc铆cio de Admira莽茫o [1986]. Trad. Jos茅 Thomas Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

_________, Emil. Hist贸ria e Utopia [1960] Trad. br. Jos茅 Thomaz Brum, Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

_________, Emil. Silogismos da Amargura [1952]. Trad. br. Jos茅 Thomaz Brum. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

Fontes Secund谩rias

ELIADE, Mircea. Hist贸ria das Cren莽as e das Id茅ias Religiosas [1983]. Trad. br. Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro, Zahar, 1984.

BERGSON, Henri. Mat茅ria e Mem贸ria. Trad.br. Paulo Alves. S茫o Paulo: Martins Fontes, 1999.

PECORARO,Rossano. Cioran a Filosofia em Chamas. Porto Alegre: Edipucrs 2004.

NIETSZCHE, Friedrich. Assim Falava Zaratustra [1885]. Trad. br. Ciro Mioranza. S茫o Paulo: Escala, 2002.

SCHOPENHAUER, Arthur. O mundo como Vontade e Representa莽茫o. Trad. br. M. F. S谩 Correia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

(*) Daniel Artur Emidio Branco. Bacharel e Licenciado em Filosofia pela Universidade Estadual do Cear谩(UECE), cursando especializa莽茫o em Hist贸ria do Brasil pelo Instituto de Teologia Aplicada(INTA) e cursando Teologia na Faculdade de Teologia do Cear谩(FATECE). E-mail: darturemidio-1@yahoo.com.br


[1] Entrevista com Cioran concedida 脿 Gabriel Liiceanu em novembro de 1983, dispon铆vel no site: http://planetcioran.blogspot.com/2006/10/entrevistas-espaol.html.

[2] Cita莽茫o de Cioran dispon铆vel no site: http://planetcioran.blogspot.com/2006/10/citaes-portugus.htmlm

[3] 10Cita莽茫o de Cioran dispon铆vel no site: http://planetcioran.blogspot.com/2006/10/citaes-portugus.htmlm

[4] Entrevista com Cioran concedida 脿 Heinz-Norbert Jocks no ano de 1995, dispon铆vel no site: http://www.weblivros.com.br/entrevista/a-filosofia-irritada-ltima-entrevista-com-cioran.html.

Emil Cioran: pessimismo, contradi莽玫es e apatia

Rodrigo GurgelM铆dia sem m谩scara, 20 de fevereiro de 2012

Talvez, um dia, venhamos a descobrir que Emil Cioran foi, na verdade, um agent provocateur financiado por certo clube de monoman铆acos ou de exc锚ntricos que, nas horas vagas, divertiam-se em ver como as intelligentsias podem ser seduzidas por qualquer truanice. Cioran almeja o caos, ama-o; est谩 seduzido pela desordem e pelo desejo de sabotar a civiliza莽茫o. Exatamente por esse motivo devemos ler seus livrinhos, esgotados no Brasil desde a d茅cada de 1990, mas agora relan莽ados pela Editora Rocco, e conhecer seus racioc铆nios contradit贸rios, agressivos e f煤teis.

A grande meta que Cioran se prop么s foi a de erigir algumas generaliza莽玫es de impacto 脿 categoria de pensamento filos贸fico 鈥 em suma, 茅 um sofista. Vejamos alguns exemplos, todos ris铆veis: referindo-se a Iv茫, o Terr铆vel, afirma: 鈥淭inha a paix茫o pelo crime鈥 鈥 e conclui: 鈥淭odos n贸s, enquanto existimos, tamb茅m a experimentamos, seja atentando contra os outros ou contra n贸s mesmos鈥. Para ele, 鈥渢odos os homens s茫o mais ou menos invejosos; os pol铆ticos o s茫o completamente鈥 鈥 afirmativa ainda mais infamante quando se l锚 a conclus茫o: 鈥淪e a inveja te abandona, 茅s apenas um inseto, um nada, uma sombra鈥. Sem deixar de lado seu tema predileto, ele continua: 鈥淯ma sociedade que se quisesse perfeita deveria colocar na moda, ou tornar obrigat贸ria, a camisa de for莽a, pois o homem s贸 se move para fazer o mal鈥. E insiste: 鈥淸…] O homem prefere apodrecer no medo do que enfrentar a ang煤stia de ser ele mesmo鈥.

Frases que impressionam, claro, se visitadas antes dos dezoito anos. Mas, depois que entramos na vida adulta, deixamos de lado radicaliza莽玫es, esquerdismos e simplifica莽玫es; Nietzsche passa a ocupar uma posi莽茫o secund谩ria em nossa biblioteca; e desencantados com o niilismo panflet谩rio, alegria dos anarquistas, podemos ler Cioran como ele merece: como literatura, nada mais.

Ao reler Hist贸ria e utopia, certa imagem se repetiu diante dos meus olhos: a da pantera de Rilke, presa em sua jaula no Jardin des Plantes: o olhar fatigado que s贸 enxerga as grades; o 鈥減asso el谩stico e macio鈥, repetido 鈥渄entro do c铆rculo menor鈥, urdindo, a cada volta, 鈥渦ma dan莽a de for莽a鈥, em cujo centro 鈥渦ma vontade maior se aturde鈥 鈥 para tudo se apagar no cora莽茫o. Esse 茅 o nosso escritor: ruge de maneira estrondosa, mas seu ceticismo n茫o lhe permite arrebentar as grades da pris茫o. Ao contr谩rio, depois de esbravejar, direta ou indiretamente, contra os fundamentos da civiliza莽茫o ocidental 鈥 a democracia, o direito romano, o cristianismo 鈥, ele nos oferece uma lenga-lenga budista, propondo que o homem se mantenha numa 鈥減osi莽茫o equidistante da vingan莽a e do perd茫o, no centro de uma c贸lera e de uma generosidade igualmente fracas e vazias, destinadas a neutralizar-se uma 脿 outra鈥. 脡 o que ele chama de 鈥渕eio-termo entre o cad谩ver e o alento鈥, ou seja, uma exist锚ncia vegetativa, um marasmo que nos 鈥渞econcilie com o t茅dio鈥.

Cioran vocifera imerso at茅 o pesco莽o no seu p芒ntano de ang煤stia e deseja nos convencer de que 鈥渦m vazio que concede a plenitude cont茅m mais realidade do que a hist贸ria em seu conjunto鈥 鈥 ideia que n茫o passa de um convite 脿 ataraxia 鈥 e de que, para encontrarmos o para铆so escondido 鈥渘o mais profundo do nosso ser鈥, devemos 鈥渢er recorrido a todos os para铆sos, desaparecidos e poss铆veis, t锚-los amado e detestado com a rudeza do fanatismo, t锚-los escrutado e rejeitado depois com a compet锚ncia da decep莽茫o鈥 鈥 exemplo de lirismo negativista.

Na opini茫o de Cioran, cada gesto humano s贸 conspurca o universo 鈥渃riado para a indiferen莽a e a estagna莽茫o鈥. Vejam o que fala sobre os amigos: 鈥淨uando nos concedem alguns elogios, estes s茫o acompanhados de tantos subentendidos e sutilezas, que a lisonja, de t茫o circunspecta, equivale a um insulto. O que eles desejam em segredo 茅 nosso enfraquecimento, nossa humilha莽茫o e nossa ru铆na鈥. Pessimismo por pessimismo, 茅 melhor ficar com Augusto dos Anjos, que disse o mesmo, mas meio s茅culo antes e sem a pretens茫o de fazer filosofia: 鈥淸…] O beijo, amigo, 茅 a v茅spera do escarro, / A m茫o que afaga 茅 a mesma que apedreja. // Se a algu茅m causa inda pena a tua chaga, / Apedreja essa m茫o vil que te afaga, / Escarra nessa boca que te beija!鈥.

Em 鈥淎 R煤ssia e o v铆rus da liberdade鈥, Cioran acerta ao definir a utopia como 鈥渙 grotesco cor-de-rosa鈥 [grifo no original] ou 鈥渦m conto de fadas monstruoso鈥. Mas n茫o nos enganemos com sua ret贸rica. Acima de tudo, nosso ficcionista 茅 contradit贸rio. P谩ginas antes, no cap铆tulo 鈥淪obre dois tipos de sociedade鈥, recrimina o mundo ocidental por n茫o ter abra莽ado o comunismo (o texto 茅 de 1957): 鈥淨uando teria sido seu dever p么r em pr谩tica o comunismo, ajust谩-lo a suas tradi莽玫es, humaniz谩-lo, liberaliz谩-lo e prop么-lo depois ao mundo, deixou ao Oriente o privil茅gio de realizar o irrealiz谩vel e extrai assim poder e prest铆gio da mais bela ilus茫o moderna鈥. E mais 脿 frente, em 鈥淢ecanismo da utopia鈥, enaltece as revolu莽玫es que despojam os homens de suas propriedades: 鈥淧ara readquirir uma apar锚ncia humana, para recuperar sua 鈥榓lma鈥, 茅 preciso que o propriet谩rio se veja arruinado e que consinta em sua ru铆na. A revolu莽茫o o ajudar谩鈥. E insiste em seu demente projeto salv铆fico: 鈥溍, portanto, enquanto agente de destrui莽茫o que [a revolu莽茫o] se revela 煤til; ainda que fosse nefasta, uma coisa a redimiria sempre: s贸 ela sabe que tipo de terror usar para sacudir esse mundo de propriet谩rios, o mais atroz dos mundos poss铆veis鈥.

Da mesma forma, execra redentores e profetas, acusando-os de serem 鈥減ossu铆dos por uma ambi莽茫o sem limites鈥 e por disfar莽arem 鈥渟eus objetivos sob preceitos enganosos鈥. Mas passadas poucas p谩ginas, fala e se descreve como profeta, ao assegurar que o mundo moderno caminha para a tirania e concluir, sem falsa mod茅stia: 鈥溍 uma certeza que participa tanto do calafrio como do axioma. E adiro a ela com o arrebatamento de um agitador e com a seguran莽a de um ge么metra鈥.

Pag茫o grandiloquente 鈥 segundo ele, Sat茫 鈥渕al se distingue de Deus, pois 茅 apenas sua face vis铆vel鈥 鈥, Cioran quer nos acorrentar a uma desilus茫o insuper谩vel e nos convencer de que agir com bondade significa destruir tudo o que o homem tem de melhor: 鈥淯m pequeno v铆cio 茅 mais eficaz que uma grande virtude鈥. Pensador de bolso, desses que citamos nas festas para impressionar desavisados, parece falar de si mesmo ao se referir a 鈥渦m deus febril, obcecado, sujeito a convuls玫es, embriagado de epilepsia鈥. Mas encerremos de forma cavalheiresca: 茅 mais f谩cil escrever como Cioran do que filosofar.

Publicado na revista Dicta & Contradicta