“Dio: un interlocutore indispensabile. Il concetto di Dio nel pensiero di Emil Cioran” (IonuÅ£ Marius Chelariu)

“Dio: un interlocutore indispensabile. Il concetto di Dio nel pensiero di Emil Cioran” (IonuÅ£ Marius Chelariu)

PONTIFICIUM ATHENAEUM S. ANSELMI DE URBE. FACULTAS PHILOSOPHIAE. Thesis ad Lauream n. 55. Excerptum ex Dissertatione ad Doctoratum Philosophiae assequendum in Pontificio Atheneo S. Anselmi, Romae, 2017. … Continuar lendo “Dio: un interlocutore indispensabile. Il concetto di Dio nel pensiero di Emil Cioran” (IonuÅ£ Marius Chelariu)

“A Música é essencialmente triste ou alegre? Uma questão ociosa” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“A Música é essencialmente triste ou alegre? Uma questão ociosa” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Quando esgotamos os pretextos que incitam à alegria ou à tristeza, conseguimos vivê-las, ambas, em estado puro: nos igualamos assim … Continuar lendo “A Música é essencialmente triste ou alegre? Uma questão ociosa” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 4] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 4] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A ideia do suicídio e a escritura filosófica como auto-análise Perguntam-me: “Você está trabalhando? – Sim, num artigo sobre o … Continuar lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 4] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. … Continuar lendo Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Cioran, a filosofia como desfascinação e a escrita como terapia”: entrevista com Vincenzo Fiore

“Cioran, a filosofia como desfascinação e a escrita como terapia”: entrevista com Vincenzo Fiore

“Numa época em que o fanatismo parece voltar à ribalta a nível mundial, o pensador romeno é um antídoto que … Continuar lendo “Cioran, a filosofia como desfascinação e a escrita como terapia”: entrevista com Vincenzo Fiore

Proposta de leitura de dois filmes de Terrence Malick pela ótica de Kierkegaard [pt. I] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Proposta de leitura de dois filmes de Terrence Malick pela ótica de Kierkegaard [pt. I] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O diretor americano Terrence Malick é autor de uma respeitável obra cinematográfica que inclui filmes Badlands (1973), Além da Linha … Continuar lendo Proposta de leitura de dois filmes de Terrence Malick pela ótica de Kierkegaard [pt. I] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Kierkegaard, precursor do “Antifilósofo” cioraniano (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Kierkegaard, precursor do “Antifilósofo” cioraniano (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O prefácio de O Desespero Humano (1849) é bastante elucidativo da problemática existencial — e religiosa — colocada pelo pensamento … Continuar lendo Kierkegaard, precursor do “Antifilósofo” cioraniano (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)