Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]…

Leia mais

Sobre diálogos interculturais, Eminescu e Castro Alves, traduções e outros temas: entrevista com Luciano Maia, cônsul honorário da Romênia em Fortaleza

Luciano Maia nasceu na cidade cearense de Limoeiro do Norte, em 1949. Formado em Direito pela Universidade Federal do Ceará e mestre em Literatura Brasileira pela mesma instituição. É autor de mais de vinte livros (poesia, ensaios, contos, traduções): Jaguaribe – memória das águas (1982; traduzido ao romeno, ao espanhol e ao inglês, encontra-se na…

Leia mais

“Signos gnósticos nos cumes do desespero” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

O título, inspirado em manchetes sensacionalistas sobre casos de óbito por suicídio, não deixa de aludir também ao Desespero humano (1849) de Kierkegaard, avidamente estudado pelo jovem Cioran. Seria uma questão ociosa debater se Cioran é um kierkegaardiano que leu Nietzsche ou um nietzschiano que leu Kierkegaard. Muito embora tenha frequentado a escola de ambos,…

Leia mais

“Do conhecimento religioso: sobre um texto de juventude e sua repercussão na obra de Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Além de um sentimento fundamental da existência, a categoria do religioso designa também um tipo especial de conhecimento, aquele que mais importa para Cioran. Num artigo publicado na Revista Teologică (1932), “A estrutura do conhecimento religioso“, o jovem estudante de filosofia na Universidade de Bucareste faz a crítica do racionalismo e afirma a “preeminência do…

Leia mais

“La résurrection de Cioran” (Cristina Hermeziu)

ActuaLitté – Les Univers du Livre, 27/09/2018 PHILOSOPHIE – Peu importe le temps qui passe, on ne se lasse pas de Cioran. Le « dandy du désespoir », « l’aristocrate du doute » fascine toujours, son œuvre est lue et relue, ses « aveux et anathèmes » frappent fort, on est encore subjugués par ses bribes iconoclastes. Né en Roumanie en…

Leia mais

“O espaço miorítico” (Luciano Maia)

DIÁRIO DO NORDESTE, 15 de março de 2014 Poeta e filósofo. Um binômio rico e incômodo. Lucian Blaga (1895-1961) tem a sua obra poética e filosófica ainda pouco conhecida em nosso País. No entanto, toda ela foi traduzida em praticamente todos os países europeus e vários livros seus em países das Américas. A Editora da…

Leia mais

A poesia de George Popescu, por Marco Lucchesi

CONTEXTO – Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras, nº 15 e 16 – 2008/2009, Edufes – Editora da Universidade Federal do Espírito Santo. Núpcias de Cadmo e Harmonia Parte essencial da história da literatura repousa na poética do encontro. Tramada pelos anjos, que movem as letras do livro do mundo, os anjos da cabala,…

Leia mais

“As relações entre ciência e poesia na obra do poeta romeno Ion Barbu. Matemática como jogo” (Virginia Popović)

ALEA, Rio de Janeiro, vol. 16/1, jan-jun 2014, p. 169-178. Resumo: Este artigo analisa as influências do jogo e dos símbolos matemáticos na obra do poeta moderno Ion Barbu, as relações entre ciência e arte em sua poesia, além de propor uma leitura da teoria dos jogos como arte poética. A obra de Barbu é…

Leia mais

Entrevista com Miguel Angel Gómez Mendoza por Rodrigo Inácio R. Sá Menezes

O professor Miguel Angel Gómez Mendoza nasceu na cidade de Tuna, no departamento colombiano de Boyacá. É formado em Filosofia e História pela Universidade Babeş-Bolyai de Cluj-Napoca, Romênia; tem mestrado em Estudos Ibéricos e Ibero-americanos pela Universidade Michel de Montaigne, em Bordeaux, França (Diploma Superior de Investigação – DSR); doutorado em História com ênfase em…

Leia mais

“Unde Malum? Dualist(oid) and Gnostic Imaginary, from Folk Mythology to Modern Romanian Literature” (Nicoleta Popa Blanariu)

Transylvanian Review (Academia Română, Centrul de Studii Transilvane, Cluj-Napoca), XXV, 2 (summer 2016) Abstract: Our contribution attempts to respond to a gap in the investigation of the reminiscences of dualistic imaginary in modern literature and also in the Romanian reflection on the phenomenon. By approaching more thoroughly a theme that we have already discussed, from…

Leia mais

“Cioran and Gnosticism” (Ciprian Sonea)

STUDIA UNIVERSITATIS BABEŞ-BOLYAI THEOLOGIA ORTODOXA, vol. 63, no. 1, June 2018 Abstract: This study presents Cioran’s relation with Gnosticism that is marked by the fragmentary and contradictory style of Romanian thinker. This is caused by the specific ambivalence signaled by the Romanian essayist, ambivalence that is affirmed by the vitalist standpoint, and negated by the…

Leia mais

“Poésie et connaissance nocturne chez Lucian Blaga et Yves Bonnefoy” (Gisèle Vanhese)

STUDIA UNIVERSITATIS BABEŞ-BOLYAI, PHILOLOGIA, LIV, 2, 2009 [PDF] ABSTRACT. The essay Poésie et connaissance nocturne chez Lucian Blaga et Yves Bonnefoy presents the profound convergencies between two authors who were able to reconcile poetry with ontology. For Lucian Blaga and Yves Bonnefoy as well, poetry takes first the appearance of a desiring meditation regarding the…

Leia mais

“Sobre humanos, marionetes e liberdade: Cioran em diálogo com John Gray” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A marionete – objeto artificial, aqui humanizado, dotado de “alma” – como metáfora do homem. O homem – animal autoconsciente, doravante maquinizado, desumanizado – como metáfora da marionete. A alma da marionete: o título deste breve ensaio sobre a liberdade humana dá margem para uma interpretação em mão dupla. GRAY, John, A alma da marionete:…

Leia mais

“Cioran : de la condition roumaine à la condition humaine” (Henry de Montety)

REVUE DES DEUX MONDES, Juillet-Août, 2015 D’emblée, l’éditeur se désolidarise des excès de son auteur, tout en reconnaissant la pertinence du diagnostic d’un « effondrement métaphysique de l’Occident ». Voilà un terrain connu. Mais Émile Cioran, dans les années trente, était encore roumain. C’est inédit, exotique. D’autant plus, comme le soulignent les traducteurs, que le…

Leia mais

“Literature and literary criticism according to an ‘incomplete disbeliever’, Emil Cioran” (Magda Wächter)

STUDIA UBB PHILOLOGIA, LXII, 1, 2017, p. 265 – 272. ABSTRACT. Literature and Literary Criticism according to an “Incomplete Disbeliever”, Emil Cioran. The present study analyses the views of Cioran, as an “incomplete believer” upon literature and literary criticism, as he defines himself. Despite his pretended reticence about these cultural fields, the philosopher, often considered…

Leia mais

“Cioran, entusiasmo como estilo de vida” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

É difícil imaginarmos um mundo em que todos amassem tudo. Um mundo de entusiastas oferece uma imagem mais sedutora do que a imagem do paraíso, pois a tensão sublime e a generosidade radical ultrapassam qualquer visão paradisíaca. A capacidade de renascimento contínuo, de transfiguração e intensificação da vida faz do entusiasta uma pessoa permanentemente além…

Leia mais

“An introduction to modern Romanian philosophy” (Stefan Bolea)

FILOSOFISK SUPPLEMENT, Universitetet i Oslo (UiO) Translations of extracts from Lucian Blaga, The Divine Differentials, and Emil Cioran, The Twilight of Thought First of all I must say that my presentation is fragmentary from two points of view. a) Blaga and Cioran are two of the most important Romanian philosophers, but there are other challenging philosophers,…

Leia mais

“Uma vanguarda centenária”: entrevista de George Popescu a Marco Lucchesi

Revista Brasileira – Revista da Academia Brasileira de Letras (fase VIII), abril/maio/junho de 2013, ano II, no. 75. [Pdf] Revista Brasileira – Como o senhor interpreta o quadro atual da literatura romena? George Popescu – Depois da queda do regime autoritário de Ceauşescu, a literatura romena expôs, junto a toda a sociedade, um momento de…

Leia mais

“A sensibilidade trágica na Romênia” (Emil Cioran)

“La sensibilité tragique en Roumanie”, in Solitude et destin. Trad. de Alain Paruit. Paris : Arcades/Gallimard, 2004, p. 254-256. Do original: „Sensibilitatea tragică în Romania”, in Abecedar, an I, nr. 13 – 14, 3 – 10 august 1933, p. 1 – 2. Um dos elementos da minha tristeza é só poder determinar negativamente as realidades romenas.…

Leia mais

“Vida de tradutor: entrevista com Fernando Klabin” (Elisianne Campos)

O Povo, 04/02/2013. Em viagem à Romênia, a jornalista Elisianne Campos entrevista o paulistano Fernando Klabin, funcionário da Embaixada do Brasil em Bucareste e tradutor de grandes nomes da literatura e da cultura romenas Desde que teve sinal verde para ingressar na União Europeia, em 2007, a Romênia vem sofrendo um gradual processo de modernização, na tentativa…

Leia mais

“Petite introduction à la roumanité” (Mihaela-Genţiana Stănişor)

In : M. L. HERRERA A. (org.). En torno a Cioran – Nuevos ensayos y perspectivas. Pereira: Universidade Tecnológica de Pereira, 2014. Mihaela-Genţiana Stănişor est philologue et a soutenue une thèse doctorale sur Cioran, publiée sous le titre Les « Cahiers » de Cioran, l’exil de l’être et de l’œuvre. La dimension ontique et la dimension poïétique (Ed. Universităţii « Lucian Blaga »…

Leia mais

“Bogomilismo: uma heresia sonhada” (Lucian Blaga)

FÂRTATE E NEFÂRTATE[1] [1] N. do T.: Regionalismo romeno para “irmão de sangue” e “inimigo”, “não-irmão”, “diabo” As heresias bogomilas, férteis a seu modo, caíram meio casualmente na área habitada pelos romenos, caíram como sementes de dente-de-leão cujo destino foi controlado pelo vento. Temas desse tipo foram trazidos de regiões ao sul do Danúbio para…

Leia mais

“Il y a une poétique de la dénaturation chez Cioran” : entretien avec Mihaela-Genţiana Stănişor

Portal E.M.Cioran 🇧🇷 — Mme. Stănişor, d’abord, je voudrais vous remercier de nous donner cet entretien. C’est très difficile de préparer des questions intéressantes et dignes d’interêt. Alors, je essayerai de vous poser des questions qui me semblent les plus essentielles à l’égard de Cioran. Vous êtes philologue et vous avez fait une thèse doctorale…

Leia mais

Lançamento: A Barca de Caronte (Lucian Blaga)

A Barca de Caronte Autor: Lucian Blaga Tradução: Fernando Klabin Formato: 16 X 23 cm Número de Páginas: 560 Acabamento: Brochura ISBN: 978-85-8033-119-6 Lançamento: 2012 Acesse a página do livro no site da editora. Um nível de superfície persegue, em A Barca de Caronte, precisamente a degradação de algumas biografias no contexto de uma desagregação social exagerada,…

Leia mais

Resenha: “A Grande Travessia”, de Lucian Blaga

http://perspectivabr.wordpress.com/2007/08/30/lucian-blaga/ A palavra “Romênia” não diz muito aos brasileiros. No máximo, chama a atenção pela raiz “Rom”, indicativo de uma ligação ancestral com o Império Romano e, conseqüentemente, com a cultura latina da qual também descendemos. Uma olhada no mapa nos mostra que é também o único de sua região, os Bálcãs, a falar um…

Leia mais

“A literatura romena entre a tradição e o cosmopolitismo” (Fernando Couto e Santos)

[PDF] Várias interrogações se colocam a um novo país após o seu surgimento. A menor das quais não será seguramente a maneira como se poderá afirmar culturalmente perante os demais. As suas tradições constituem efectivamente uma das formas mais genuínas de um país se singularizar, mas como pode um país afirmar a sua especificidade num…

Leia mais

“Duas doses de Cioran” (Marco Lucchesi)

Breviário de decomposição e História e utopia, de E. M. Cioran. Tradução de José Thomaz Brum. Editora Rocco, 224 páginas e 128 páginas. Preço a definir. Caderno Prosa & Verso, O Globo, 16 de abril de 2011 Uma noite fria no Café Kapsa em Bucareste. O escritor Marin Mincu desenha suas ideias para o centenário de…

Leia mais