Absurdo, Horror da História e a “Nulidade do Futuro” (E.M. Cioran)

Já que uma voz tão autorizada nos instruiu sobre a fragilidade da antiga idade de ouro e sobre a nulidade do futuro, somos obrigados a tirar as consequências disso e não nos deixar mais iludir pelas divagações de Hesíodo nem pelas de Prometeu, e menos ainda pelas sínteses delas que tentaram as utopias. A harmonia,…

Leia mais

Relatório de uma Jornada Acadêmica: 70 anos do Précis de Décomposition / Breviário de Decomposição (1949-2019)

Realizou-se, na Universidade Federal do ABC (UFABC), em 27 de novembro deste ano de 2019, a Jornada Acadêmica – 70 anos do Précis de Décomposition (1949-2019): um mini-colóquio dedicado a debates em torno deste que é o primeiro livro escrito por Cioran em francês, e um divisor de águas no conjunto da sua obra. No…

Leia mais

“30 anos da primeira edição brasileira do Breviário de Decomposição” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Encaminhar-se para o fim da história com uma flor na lapela: único traje apropriado no desenvolvimento do tempo. Que lástima que não haja um Juízo Final, que não tenhamos ocasião para um grande desafio!” (Breviário de decomposição) * “O final da história? O fim do homem? É sério pensar nisso? São acontecimentos longínquos que a…

Leia mais

“La perduta gente” (E.M. Cioran)

QUE IDEIA RIDÍCULA construir círculos no inferno, variar por compartimentos a intensidade das chamas e hierarquizar os tormentos! O importante é estar ali: o resto – simples floreios ou… queimaduras. Na cidade de cima – prefiguração mais doce da de baixo, ambas originárias do mesmo modelo –, o essencial, igualmente, não é ser algo concreto…

Leia mais

“Cioran, antípoda de Aristóteles” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

ARISTÓTELES, Tomás de Aquino, Hegel – três escravizadores do espírito. A pior forma de despotismo é o sistema, em filosofia e em tudo. (Do inconveniente de ter nascido) § Beckett, a propósito do Démiurge, me escreve: “Em vossas ruínas, eu me sinto ao abrigo.” (Cahiers) § Não existe filosofia criadora. A filosofia não cria nada. Quero dizer que ela…

Leia mais

“O cenário do saber” (E.M. Cioran)

NOSSAS VERDADES não valem mais que as de nossos antepassados. Depois de haver substituído seus mitos e seus símbolos por conceitos, nos julgamos mais “avançados”; mas esses mitos e esses símbolos não exprimem menos que nossos conceitos. A Árvore da Vida, a Serpente, Eva e o Paraíso significam tanto como: Vida, Conhecimento, Tentação, Inconsciente. As…

Leia mais

“As duas verdades” (E.M. Cioran)

“É hora de encerramento nos jardins do Ocidente.” CYRIL CONNOLLY SEGUNDO UMA LENDA de inspiração gnóstica, travou-se no céu uma luta entre os anjos, em que os partidários de Miguel derrotaram os do Dragão. Os anjos que, irresolutos, contentaram-se em observar, foram condenados aqui abaixo afim de fazerem a escolha à qual não se puderam…

Leia mais

“Hombre y desdicha en Emil Ciorán” (Andrés Piraligua Vargas)

Universidad Santo Tomás, Facultad de Filosofía y Letras, Licenciatura en Filosofía y Lengua y Castellan, Bogotá, 2014. Requisito para optar por el grado de Licenciado en Filosofía y Lengua Castellana. Trabajo académico dirigido por Damian Pachón Soto. Esta es la historia de un crimen, del asesinato de la realidad. Y del exterminio de una ilusión, la…

Leia mais

“Una polifonia per Emil Cioran” (Alessandro Seravalle)

QUADERNI D’ALTRI TEMPI — Rivista di Studi Culturali, 20 luglio 2017 CIORAN E L’OCCIDENTE — UTOPIA, ESILIO, CADUTA (a cura di) Fabrizio Meroi, Mattia Luigi Pozzi e Paolo Vanini  Mimesis, Milano-Udine, 2017 pp. 260, € 24.00 Il volume Cioran e l’occidente edito da Mimesis, già protagonista di alcune preziose sortite nei meandri dell’opera più recondita di Emil Cioran,…

Leia mais

“E.M. Cioran. History and Exile” (Iulian Boldea)

EUROPEAN ACADEMIC RESEARCH, VOL. I, ISSUE 6/ SEPTEMBER 2013 – ISSN 2286-4822 http://www.euacademic.org Abstract: Integration and alienation, identity and rupture, belonging to an original model and the continuous tendency of surpassing it, are some of the determinant peculiarities of Cioran’s ideation, which is legitimized by assuming an identity both originating and intentional uprooting, by transgression…

Leia mais

“Progresso e agonia: a concepção de história em Kant e Cioran” (Rossano Pecoraro)

In: MENEZES, Edmilson; DONATELLI, Marisa (orgs.), Modernidade e a ideia de história. Ilhéus: EDITUS (Editura da Universidade Estadual de Santa Cruz), 2003, pp. 86-105. [Pdf] O constante progresso para o melhor, o desenho oculto, mas racional, da natureza,  o fio condutor a priori na história do mundo (Weltgeschichte), a fundação da afirmação relativa ao progresso…

Leia mais

“As vantagens da debilidade e o pensador de ocasião, em Emil Cioran” (Rossano Silva Queiroga)

Revista Extemporânea, Ano I, No. I, Mar/2013 – ISSN 2318-0293, Campina Grande-PB Resumo: O presente artigo tem por objetivo investigar, a partir de Breviário de decomposição (1949), a proposta, lançada por Cioran, que destaca “o pensador de ocasião” como fundamento que revela o interior de sua filosofia, que por sua vez, baseia-se nos paroxismos orgânicos como forma vital para o…

Leia mais

“Conhecimento histórico na obra História e Utopia de Emil Cioran” (Rodrigo Schenkler)

Trabalho apresentado no II Congresso Internacional de História UEPG-Unicentro Rodrigo Schenkler (UNILA) Palavras-chave: Cioran; utopia; história. Uma contradição parece, à primeira vista, buscar em um filósofo que afirma declaradamente a inutilidade das ideias, elementos que nos conduzam a uma possível teoria da história. “É tudo tão inexplicável que me dói a inutilidade das ideias.” Perpassa…

Leia mais

Cioran: conversación con Fernando Savater

“Creo que la filosofía no es posible más que como fragmento. En forma de explosión. Ya no es posible ponerse a elaborar capitulo tras capitulo, en forma de tratado. En este sentido, Nietzsche fue sumamente liberador. Fue el quien saboteó el estilo de la filosofía académica, quien atentó contra la idea de sistema. Ha sido liberador…

Leia mais

Conversación con Cioran (François Bondy)

¿Le gusta escribir? Lo detesto y, además, he escrito muy poco. La mayor parte del tiempo no hago nada. Soy el hombre más ocioso de París. Creo que sólo una puta sin cliente está menos activa que yo. […] No se debería escribir sobre lo que no se haya releído. En Francia existe también el…

Leia mais

“’Sobre Francia’ de Emil Cioran, o la agonía de la modernidad” (Pablo Javier Pérez López)

Revista de Letras, 9 octubre 2011 [enlace] Sobre Francia es mucho más que un simple libro y su publicación en España llega en un momento propicio, profético, inconfundiblemente crítico. El texto, escrito en 1941, por un Cioran a caballo entre Rumanía y Francia, puede comprenderse como una de las más claras enunciaciones de la agonía…

Leia mais

“Urgência do pior” (E.M. Cioran)

Emil CIORAN. “Urgência do pior” (Urgence du pire), in Écartèlement. Paris: Gallimard, 1979. Tradução: Luiz Cláudio Gonçalves e Rodrigo Inácio Ribeiro Sá Menezes. Texto publicado na revista de tradução N.T. (Nota do Tradutor), no. 9, novembro de 2014. Agradecimentos especiais a Gleiton (N. T.) Link para a fonte do texto (PDF): NT9 O TEXTO: Publicado na França…

Leia mais

“Historia y nostalgia en Cioran” (Ernesto Parra)

El País, 30 de Agosto de 1978 Los textos de Cioran han encartado siempre una gran dosis de escepticismo, instrumento engendrado desde su crítica lucidez y exquisito sentido de la ironía. Su capacidad de sugerencia es innegable: la duda y el desaprendizaje sirven de método de abordaje a cuestiones tan inasibles y ambiguas como la historia, la nostalgia, el tiempo o…

Leia mais

“Historia y nostalgia en Cioran” (Ernesto Parra)

El PAÍS, 30 de Agosto de 1978 Los textos de Cioran han encartado siempre una gran dosis de escepticismo, instrumento engendrado desde su crítica lucidez y exquisito sentido de la ironía. Su capacidad de sugerencia es innegable: la duda y el desaprendizaje sirven de método de abordaje a cuestiones tan inasibles y ambiguas como la…

Leia mais

“Atelier de théorie littéraire : Emil Cioran, ou l’alibi de l’Histoire” (Alexandru Matei)

  Fabula.org Transfiguration de la Roumanie, un texte de jeunesse d’Emil Cioran, a été traduit et publié en France pour la première fois en 2009. Alexandru Matei, chercheur et enseignant à Bucarest, réfléchit ici aux effets de cette parution, revient sur les rapports de Cioran à l’Histoire et sur la destinée de la Roumanie. “Le…

Leia mais