Do Anti-Sistema, Desprendimento, Idiotia do Real

Um dos meus aforismos-xodó; meu “projeto”, minha “proposta existencial”… “O pensamento que se liberta de todo preconceito se desagrega e imita a incoerência e a dispersão das coisas que quer apreender. Com ideias ‘fluidas’ podemos nos espalhar sobre a realidade, aderir a ela, mas não explicá-la. Assim, paga-se caro o ‘sistema’ que não se desejou.…

Leia mais

“Se eu soubesse, teria abortado”: Exercícios de (Anti)Vaidade

Quando eu tinha vinte anos, minha mãe evidentemente ficava desesperada de ter um filho que, às três horas da manhã, saía de casa para andar pela cidade. […] Eu era um tipo que prometia muito, e que não cumpriu nada. Digo isso porque,  você vai entender… Eu tinha então vinte anos, e um dia estávamos…

Leia mais

“Bergson, leitor de Lucrécio: As Implicações Existenciais do Determinismo” (Jonas Gonçalves Coelho)

Revista Trans/Form/Ação, São Paulo, 26(1): 129-140, 2003 RESUMO: Tomamos como objeto de análise a obra precoce de Bergson, os Extraits de Lucrèce, procurando mostrar que ao privilegiar as implicações existenciais negativas do determinismo, prefigura e justifica o fato de dedicar grande parte de seu pensamento filosófico posterior à crítica ao determinismo e à defesa da…

Leia mais

“A Arte de Saborear O Gosto Amargo Das Coisas”: O Pessimismo nos Cahiers

— Le pessimisme, comme l’optimisme d’ailleurs, est un signe de déséquilibre mental. — O pessimismo, como de resto o otimismo, é um signo de desequilíbrio mental. § Il y a un « pessimisme roumain », ou plutôt une « peur de vivre » nationale dont j’ai hérité, indiscutablement. Há um “pessimismo romeno”, ou antes um…

Leia mais

“Misticismo ateu” (John Gray)

“Tentarei de novo dizer o indizível, expressar com palavras pobres o que tenho de dar aos devotos infiéis do misticismo nominalista, do misticismo cético […] O mundo não existe duas vezes. Nao existe um Deus separado do mundo, nem um mundo separado de Deus. Esta convicção tem sido chamada de panteísmo. […I Por que não?…

Leia mais

“A vida como in-eternidade, ou as revelações da dilaceração” (Emil Cioran)

Retumbam em ti as épocas geológicas? Se não, por que então falas do tempo? Foste o mar onde se derramaram os rios do tempo? Se não, por que se orgulhar da História? Reuniste todas as lágrimas que não secaram e as derramaste de novo para devolvê-las à terra e consolar os olhos e o coração?…

Leia mais

Desespero, a maior vantagem humana: Kierkegaard & Cioran

“A superioridade do homem sobre o animal está pois em ser suscetível de desesperar. […] Assim há uma infinita vantagem em poder desesperar, e, contudo, o desespero não só é a pior das misérias, como a nossa perdição.” (Kierkegaard, O Desespero humano) * “Não existem argumentos para viver. Quem chegou ao limite ainda pode recorrer…

Leia mais

“Knebel” (Lindemann)

Ich mag die Sonne, die Palmen und das Meer Ich mag den Himmel schauen, den Wolken hinterher Ich mag den kalten Mond, wenn der Vollmond rund Und ich mag dich mit einem Knebel in dem Mund Ich mag volle Gläser, die Straßen wenn sie leer Ich mag die Tiere, Menschen nicht so sehr Ich mag…

Leia mais

“Onde nascem os mitos? Cioran responde” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Onde nascem os mitos? Eles “surgem do lugar mais corrompido que existe entre a terra e o céu, do lugar onde a loucura jaz na ternura, cloaca de utopias e vermineira de sonhos: nossa alma.” Um mito prospera num corpo social enfermo de insegurança e medo, desorientação e (desejada) ignorância; pode sobreviver durante longos períodos…

Leia mais

“Cioran: pensador-cantor com uma alma perdidamente musical” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Não se pode eludir a existência com explicações, só se pode suportá-la, amá-la ou odiá-la, adorá-la ou temê-la, nessa alternância de felicidade e de horror que exprime o ritmo mesmo do ser, suas oscilações, suas dissonâncias, suas veemências amargas ou alegres.” (Breviário de decomposição) “Sem o imperialismo do conceito, a música teria substituído a filosofia:…

Leia mais

“O tédio dos conquistadores” (E.M. Cioran)

PARIS PESAVA sobre Napoleão, segundo confissão do próprio, como um “manto de chumbo”: dez milhões de homens pereceram em consequência disso. É o balanço do “mal do século”, quando um René a cavalo torna-se seu agente. Esse mal, nascido na ociosidade dos salões do século XVIII, na languidez de uma aristocracia demasiado lúcida, fez estragos…

Leia mais

“Jesus veio nos libertar das religiões?” (Juan Arias)

El País, 17 de dezembro 2019 Logo depois surgiu uma Igreja misógina que continua tristemente viva dois mil anos mais tarde e pela qual o revolucionário papa Francisco luta para devolvê-la o sopro de liberdade Pode parecer um paradoxo, mas existe um consenso entre o biblistas mais abertos de hoje em defender que o profeta…

Leia mais

“Retrato do civilizado” (E.M. Cioran)

“Portrait du civilisé” é o segundo ensaio de La chute dans le temps (1964),o primeiro sendo “L’arbre de vie” [A árvore da vida], no qual Cioran apresenta a sua exegese pouco ortodoxa do mito do pecado original. O ensaio aqui traduzido dialoga tanto com o livro anterior, História e Utopia (1960), quanto com o seguinte…

Leia mais

“Sobre a gênese da burrice” (Adorno & Horkheimer)

O SÍMBOLO DA INTELIGÊNCIA é a antena do caracol “com a visão tacteante”, graças à qual, a acreditar em Méfistófeles, ele é também capaz de cheirar. Diante de um obstáculo, a antena é imediatamente retirada para o abrigo protector do corpo, ela se identifica de novo com o todo e só muito hesitantemente ousará sair…

Leia mais

I came to discover this beautifully sad song by Brian Eno by watching an Italian film, La stanza del figlio (“The son’s room”), from director Nanni Moretti, by the way, also a beautifully sad film, downright devastating, about the tragic loss of a son, and his empty room in the house; about coping with loss, […]

via Delìrivm Còrdia🤘🏼

“If you tolerate this your children will be next” (Manic Street Preachers)

Obviously, we don’t gives a fuck about “the future”, as we doesn’t expect to commits the crime of procreating. Still, shall the word be spread (out of sheer humanistic solidarity)… The future teaches you to be alone The present to be afraid and cold So if I can shoot rabbits Then I can shoot fascists…

Leia mais

“O Real Resiste” (Arnaldo Antunes)

Quando Mircea Eliade publicou o romance Senhorita Cristina, na Romênia, foi duramente criticado pela velha geração conservadora. O que mereceu uma resposta de Cioran, que saiu em defesa do amigo, escrevendo um artigo de título: “O crime dos velhacos”. Arnaldo Antunes acaba de lançar uma música, “O Real resiste”, censurada pela TV Brasil. Uma música…

Leia mais

Eros, alteridade e transcendência (Byung-Chul Han)

A DEPRESSÃO é uma enfermidade narcísica. O que leva à depressão é uma relação consigo mesmo exageradamente sobrecarregada e pautada num controle exagerado e doentio. O sujeito depressivo-narcisista está esgotado e fatigado de si mesmo. Não tem mundo e é abandonado pelo outro. Eros e depressão se contrapõem mutuamente. O eros arranca o sujeito de…

Leia mais

COMO IMAGINAR a vida dos outros, quando a sua própria mal parece concebível? Encontramos alguém, vemo-lo mergulhado em um mundo impenetrável e injustificável, em uma porção de convicções e desejos que se superpõem à realidade como um edifício mórbido. Tendo forjado para si um sistema de erros, sofre por motivos cuja nulidade aterroriza o espírito […]

via “Coalizão contra a morte” — Breviário de Decomposição 7.0 🇧🇷

“Tristeza ativa” (E.M. Cioran)

“Deve ser algo herdado dos meus pais, que tinham temperamentos completamente opostos. Eu nunca pude escrever senão no abatimento [cafard] das noites de insônia, e durante sete anos mal pude dormir. Eu creio que se reconhece em cada escritor se os pensamentos que o ocupam são pensamentos diurnos ou noturnos. Tenho necessidade desse cafard e…

Leia mais

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]…

Leia mais

“Trickster” (Paul Radin)

Few myths have so wide a distribution as the one, known by the name of the Trickster, which we are presenting here. For few can we so confidently assert that they belong to the oldest expressions of mankind. Few other myths have persisted with their fundamental content unchanged. The Trickster myth is found in clearly…

Leia mais

“Devemos repetir a nós próprios todos os dias: Sou um daqueles que, entre milhares, se arrastam pela superfície do globo. Essa banalidade justifica qualquer conclusão, qualquer comportamento ou acto: deboche, castidade, suicídio, trabalho, crime, preguiça ou rebelião. … E daí se conclui que todos nós temos razão em fazer o que fazemos.” (Do inconveniente de […]

via Breviário de Decomposição 7.0

Um canal do YouTube, jovens estudantes de física. Interessante em termos de divulgação/vulgarização científica, sobretudo de temas tão complexos como física quântica. Porém, como é regra no YouTube, onde todo mundo é guru, professor, influenciador ou agitador, um dos vídeos do canal me broxou: “Porque acupuntura não é ciência…” Oi? Vê-se que se foi longe […]

via Itinerarivm Mentis in Nihilvm

Sofrimento e transfiguração (Emil Cioran)

SÓ O SOFRIMENTO muda o homem. Todas as outras experiências e fenômenos não conseguem modificar essencialmente o temperamento de ninguém nem aprofundar certas disposições suas a ponto de transformá-las completamente. De quantas mulheres equilibradas não fez o sofrimento umas santas? Absolutamente todas as santas sofreram muito mais do que se pode imaginar. Sua transfiguração não…

Leia mais