“Eterno” (Carlos Drummond de Andrade)

E como ficou chato ser moderno. Agora serei eterno. Eterno! Eterno! O Padre Eterno, a vida eterna, o fogo eterno. (Le silence éternel de ces espaces infinis m’effraie.) — O que é eterno, Yayá Lindinha? — Ingrato! é o amor que te tenho. Eternalidade eternite eternaltivamente eternuávamos eternissíssimo A cada instante se criam novas categorias do eterno.…

Leia mais

“Harmonias do inferno” – Baudelaire e a crise do paradigma musical (Eduardo Veras)

Remate de Males, Campinas-SP, n. 1, pp. 301-320, ja.jun./2019 Resumo: Este artigo propõe uma análise da relação problemática que a poesia de Baudelaire estabelece com a música. Pretendemos mostrar como o poeta dramatiza a desestruturação da linguagem poética tradicional pela adesão a uma retórica da desarmonia, da dissonância e do barulho, sem contudo se render…

Leia mais

“A dor e o existir: Fernando Pessoa” (Neyza Prochet)

Cadernos de psicanálise (Rio de Janeiro), vol. 34, no. 27, Rio de Janeiro, dez. 2012 Para o homem, a arte é o recurso que possibilita dar forma, tempo e lugar àquilo que, de outro modo, lhe seria inacessível. É a capacidade criativa que conecta o indivíduo a seu núcleo central, à fonte de onde se…

Leia mais

"Triste", por Beatriz Calle

Publicado originalmente em Espacio M. Liliana Herrera A. 🇨🇴:
Cuando al quererlo la suertese mezclan a nuestras vidas,de la ausencia o de la muerte,las penas desconocidas, y, envueltos en el misteriovan, con rapidez que asombra,amigos al cementerio,ilusiones a la sombra, la intensa voz de ternuraque vibra en el alma amantecomo entre la noche oscurauna campana distante,…

Leia mais

“Mensagem à Poesia” (Vinícius de Moraes)

“A minha missão é sofrer por todos os que sofrem sem o saberem. Devo pagar por eles, expiar a sua inconsciência, a sorte que têm de ignorar até que ponto são infelizes.” (Cioran) Não posso Não é possível Digam-lhe que é totalmente impossível Agora não pode ser É impossível Não posso. Digam-lhe que estou tristíssimo,…

Leia mais

“Poema de Natal” (Vinícius de Moraes)

POEMA DE NATAL Rio de Janeiro , 1946 Para isso fomos feitos: Para lembrar e ser lembrados Para chorar e fazer chorar Para enterrar os nossos mortos – Por isso temos braços longos para os adeuses Mãos para colher o que foi dado Dedos para cavar a terra. Assim será a nossa vida:Uma tarde sempre…

Leia mais

“Pure comedy” (Father John Misty)

The comedy of man starts like this Our brains are way too big for our mothers’ hips And so Nature, she divines this alternative We emerged half-formed and hope that whoever greets us on the other end Is kind enough to fill us in And, babies, that’s pretty much how it’s been ever since Now…

Leia mais

“O velho e a flor” (Vinícius de Moraes, Toquinho & Quarteto em Cy)

Por céus e mares eu andei Vi um poeta e vi um rei Na esperança de saber o que é o amor Ninguém sabia me dizer E eu já queria até morrer Quando um velhinho com uma flor assim falou O amor é o carinho É o espinho que não se vê em cada flor…

Leia mais

“Tristeza ativa” (E.M. Cioran)

“Deve ser algo herdado dos meus pais, que tinham temperamentos completamente opostos. Eu nunca pude escrever senão no abatimento [cafard] das noites de insônia, e durante sete anos mal pude dormir. Eu creio que se reconhece em cada escritor se os pensamentos que o ocupam são pensamentos diurnos ou noturnos. Tenho necessidade desse cafard e…

Leia mais

“O criador paroxismo da ilusão – amor” (Juan Pablo Enos Santana Santos)

RESUMO: O filósofo e ensaísta Emil Cioran é constantemente lembrado pelo seu ceticismo, lucidez, desespero e pessimismo. No entanto, mostro nesta comunicação as diversas formas em que o amor, de carácter individual e criador, aparece em seus dois primeiros escritos de juventude. Neste momento, Cioran vê o amor como fonte vital de transfiguração. Em sua […]…

Leia mais

“El suicida” (Jorge Luis Borges)

No quedará en la noche una estrella. No quedará la noche Moriré y conmigo la suma Del intolerable universo. Borraré las pirámides, las medallas, Los continentes y las caras. Borraré la acumulación del pasado. Haré polvo la historia, polvo el polvo. Estoy mirando el último poniente. Oigo el último pájaro. Lego la nada a nadie…

Leia mais

“Clara” (Scott Walker)

This is not a cornhusk doll Dipped in blood in the moonlight Like what happen in America This is us Our eyesides snagged Dipped in mob in the daylight Like what happen in America The breasts are still heavy The legs long and straight The upper lip remains short The teeth are too small The…

Leia mais

Pensar-ser-o-que-se-é-pensa (Emil Cioran)

Nevoia de a dovedi o afirmaţie, de-a vîna argumente în dreapta şi-n stînga presupune o anemie a spiritului, o nesiguranţă a inteligenţei şi a persoanei în genere. Cînd un gînd te năpădeşte cu putere şi violenţă, el izvorăşte din substanţa existenţei tale; a-l dovedi, a-l împresura în argumente înseamnă a-l slăbi şi a te îndoi…

Leia mais

A Reading of Leonard Cohen’s “The Future” (Heidi Hochenedel)

THE LEONARD COHEN FILES In his 1992 album The Future, poet and musician Leonard Cohen combines images, both sacred and profane, to reveal a stunning vision of the apocalypse and the means to salvation. Although Cohen is a Jewish student of Buddhism, he frequently uses Christian mythology in his writing. The purpose of this essay…

Leia mais

“Nick Cave and the Bad Seeds: Ghosteen review – a heavenly haunting” (Kitty Empire)

The Guardian, 5 Oct 2019 In the first album wholly written since the death of his son, Cave reaches an extraordinary, sad and beautiful artistic evolution WHAT IS the worst that can happen? And what happens after the worst does? Nick Cave, leader of the Bad Seeds, his band of over 30 years, has had…

Leia mais

“Bright Horses” (Nick Cave & The Bad Seeds)

La disparition des animaux, en fait, leur liquidation, est un acte d’une gravité sans précédent. Leur bourreau a littéralement envahi le paysage. Il n’y a plus de place que pour lui. Quelle tristesse de voir un homme là où on pouvait contempler un cheval! [A desaparição dos animais, sua liquidação de fato, é um ato…

Leia mais

Perfeccionismo, “Obsessão do Essencial” e a condição fragmentária (Cioran)

Nos Cahiers (p. 73), estas 2 anotações, uma seguida da outra: Chercher l’être avec des mots!- Tel est notre donquichottisme, tel est le délire de notre entreprise essentielle. [Buscar o ser com palavras! — tal é o nosso donquixotismo, tal é o delírio de nossa empresa essencial.] Si jamais mortel a été tourmenté, supplicié par…

Leia mais

“Cioran, entre filosofia e poesia: ambivalência, hibridismo, temeridade” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“Já que tudo o que se concebeu e empreendeu dede Adão é ou suspeito ou perigoso ou inútil, que fazer? Dessolidarizar-se da espécie? Seria esquecer que nunca se é homem tanto como quando se lamenta sê-lo.” (La chute dans le temps) O “pecado original” de Cioran é ser demasiado filósofo, pensador. Corrijo-me: é não ser…

Leia mais

“Madrigal triste” (Charles Baudelaire)

I Que m’importe que tu sois sage? Sois belle! Et sois triste! Les pleurs Ajoutent un charme au visage, Comme le fleuve au paysage; L’orage rajeunit les fleurs. Je t’aime surtout quand la joie S’enfuit de ton front terrassé; Quand ton coeur dans l’horreur se noie; Quand sur ton présent se déploie Le nuage affreux…

Leia mais

De Maistre, Baudelaire, and Original Sin: between Tyranny and Heresy as Radical Liberty (Joseph Acquisto)

“Freedom is the supreme good only for those animated by the will to heresy.“ Cioran, Syllogismes de l’amertume * The high stakes of any modern or contemporary discussion of original sin immediately become apparent: quickly divorced from questions of belief, original sin becomes the base of a political theology that veers toward tyranny. The authoritarian conclusions fall back, however,…

Leia mais

“Não basta abrir a janela” (Alberto Caeiro)

Não basta abrir a janela Para ver os campos e o rio. Não é bastante não ser cego Para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma. Com filosofia não há árvores: há ideias apenas. Há só cada um de nós, como uma cave. Há só uma janela fechada, e…

Leia mais

“Samba da benção” (Baden Powell & Vinícius de Moraes)

É melhor ser alegre que ser triste Alegria é a melhor coisa que existe É assim como a luz no coração Mas pra fazer um samba com beleza É preciso um bocado de tristeza É preciso um bocado de tristeza Senão, não se faz um samba não Senão é como amar uma mulher só linda…

Leia mais

Os poetas analfabetos do Sertão do Pajeú

O MUNDO do agricultor Leonardo Bastião se resume ao sítio onde mora, na zona rural de Itapetim, no sertão do Pajeú pernambucano. De lá, ele quase nunca sai. E, desse universo, tira a inspiração para fazer poesia: “A sombra que me acompanha/ Não é a que me socorre/ Se eu andar, ela anda/ Se eu…

Leia mais

Colóquio “Emil Cioran, pensador incontornável do século XX”

Lisboa, 11 de outubro de 2019 El Corte Inglés Sala Âmbito Cultural, Piso 6 Programação 18h30-18h40 – Sessão inaugural: – Tânia Pires, Comunicação e Meios, El Corte Inglés – Daniel Nicolescu, Director do Instituto Cultural Romeno em Lisboa 18h40-19h10 – Paulo Borges – Saudade e nostalgia do absoluto em Fernando Pessoa e Emil Cioran 19h10-19h15…

Leia mais

Sobre cinismos, niilismos e terrorismo de Estado (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Com o absurdo não se barganha, não se negocia. “Absurdo”, ou seja, esta palavrinha que nós, modernos, encontramos para maquiar o Mal. Como as explicações teológicas e metafísicas perderam sua razão de ser, não pegaria bem continuar usando tão atávica (e suja) expressão: “o Mal”. “O absurdo” soa melhor, mais moderno, mais filosófico, menos “cristão”… A…

Leia mais

“Dialogo della moda e della morte (Giacomo Leopardi)

Moda. Madama Morte, madama Morte. Morte. Aspetta che sia l’ora, e verrò senza che tu mi chiami. Moda. Madama Morte. Morte. Vattene col diavolo. Verrò quando tu non vorrai. Moda. Come se io non fossi immortale. Morte. Immortale? Passato è già più che ‘lmillesim’anno che sono finiti i tempi degl’immortali. Moda. Anche Madama petrarcheggia come…

Leia mais

“Beyond the Suffering of Being: Desire in Giacomo Leopardi and Samuel Beckett” (Roberta Cauchi-Santoro)

A thesis submitted in partial fulfillment of the requirements for the degree in Doctor of Philosophy, University of West Ontario, 2013 Abstract: In this dissertation, I question critical approaches that argue for Giacomo Leopardi’s and Samuel Beckett’s pessimism and nihilism. Beckett quotes Leopardi when discussing the removal of desire in his monograph Proust, a context…

Leia mais

“Il sentimento della morte nella poesia di Eminescu” (Armando Santarelli)

Orizzonti Culturali Italo-Romeni, n. 7-8 luglio-agosto 2019, anno IX Penso che non ci sia opera poetica più indagata, nella letteratura romena, di quella di Mihai Eminescu (1850-1889). Il perché è ovvio: Eminescu è assurto alla dignità di poeta nazionale, è il letterato romeno più conosciuto e amato. Inoltre, la sua produzione abbraccia più generi, e…

Leia mais

“Cioran, el escepticismo y la elección estilística” (Alfredo Abad)

Revista Estudios de Filosofía, nº 60. Julio-diciembre de 2019, pp. 217-237. Instituto de Filosofía de la Universidad de Antioquia, Colombia. Resumen. Cioran introduce en su obra dos elecciones estilísticas bastante claras. Una enfocada en el lirismo donde la poesía tiene una influencia muy amplia, y otra centrada en un lenguaje crítico guiado por una prosa ácida…

Leia mais

“Há poetas gnósticos?” (Claudio Willer)

Revista Terceira Margem – Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura da UFRJ, vol. 19, no. 31, 2015 Resumo: O presente ensaio retoma o que já escrevi sobre gnosticismo e poesia, e sobre poetas gnósticos. Examina o trânsito entre doutrinas aparentemente opostas, a gnose pessimista e aquela otimista do Corpus Hermeticum. Reconhece que há mais poetas gnósticos;…

Leia mais