Cioran, les Cahiers et les lectures orientales

[Mars 1967] Selon la doctrine du Bouddha, il existe cinq obstacles au progrès spirituel : la sensualité, la malveillance, l’inertie physique et morale, l’inquiétude et le doute. Tous ces obstacles, je les connais bien; j’arriverais à surmonter les quatre premiers, qu’il me serait impossible d’avoir raison du dernier, le doute chez moi étant le mal…

Leia mais

O Mau Demiurgo: Cúmulo do “Veneno Abstrato”, ou Porque Coringa Não É Cioran (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“O bem-sucedido em tudo é necessariamente superficial. O fracasso é uma versão moderna do nada. Ao longo da minha vida, estive fascinado pelo fracasso. Um mínimo de desequilíbrio se impõe. Ao ser perfeitamente sadio física e psiquicamente falta um saber essencial. Uma saúde perfeita é a-espiritual.” (Entrevistas com Sylvie Jaudeau) “A única experiência profunda é…

Leia mais

“Hollywood” (Nick Cave & The Bad Seeds)

At around 8’ 30’’ into the song ‘Hollywood’ the narrator stands on the beach, looking out to sea. Malibu is on fire and the animals have been driven down from the hills to the shore. A sea serpent rises out of the ocean. A small boy drops his bucket and spade and climbs into the sun. Jon, this…

Leia mais

Renúncia: covardia ou heroísmo moderno? (Emil Cioran)

Quando Buda fala de renúncia, é como se nós falássemos do amor. Renunciar com a naturalidade de uma flor que se fecha ao entardecer: esse é o segredo de uma renúncia que não poderemos realizar nunca, porque colocamos demasiada paixão nas negações. Não se tornam positivas todas as negações durante nossos momentos de tensão? Ao…

Leia mais

“La profundidad de Dios El nihilismo místico implícito en el pensamiento de Eckhart” (Héctor Sevilla Godínez)

Veritas. Revista de Filosofía y Teología, núm. 38, diciembre, 2017, pp. 121-140. Pontificio Seminario Mayor San Rafael, Valparaíso, Chile Resumen El principal objetivo de este escrito reside en mostrar algunos de los elementos esenciales del proyecto eckhartiano que están fusionados con una mística nihilista que observa (sin observar) en la nada una manifestación de la…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 3] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Na primeira parte do livro, “Uma juventude entre desespero e fervor político”, Fiore perfaz o itinerário de formação do jovem Cioran na Romênia da década de 30, explorando a dualidade de uma juventude dividida entre o desespero existencial e o fervor político. Não se faz política nos cumes do desespero. Schimbarea la faţă a României – libelo político…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 2] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Na primeira parte do livro, “Uma juventude entre desespero e fervor político”, Fiore perfaz o itinerário de formação do jovem Cioran na Romênia da década de 30, explorando a dualidade de uma juventude dividida entre o desespero existencial e o fervor político. Não se faz política nos cumes do desespero. Schimbarea la faţă a României…

Leia mais

Ceticismo, fragmento e lucidez: “Emil Cioran. A Filosofia como Desfascinação e a Escritura como Terapia”, de Vincenzo Fiore [pt. 1] (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

FIORE, Vincenzo. Emil Cioran. La filosofia come de-fascinazione e la scrittura come terapia. Piazza Armerina/Enna: Nulla Die, 2018, 187 pp. A Itália é um dos países mais produtivos, atualmente, no que se refere à fortuna crítica cioraniana. Todo ano são publicados novos estudos, produções acadêmicas e editoriais, além de correspondências epistolares inéditas do próprio Cioran.[1]…

Leia mais

O Niilismo (Nietzsche)

1. O NIILISMO está à porta: de onde nos vem esse mais sinistro de todos os hóspedes? – Ponto de partida: é um erro remeter a “estados de indigência social” ou “degeneração filosófica” ou até mesmo à corrupção, como causa do niilismo. Estamos no mais decente, no mais compassivo dos tempos. Indigência, indigência psíquica, física,…

Leia mais

“Nem Buda nem Satanás: Schopenhauer” (Guido Ceronetti)

O belo livrinho dos Colóquios de Schopenhauer, que a Rizzoli publicou nos seus breviários do “Ramo d’oro” com a curadoria apaixonada de Anacleto Verrecchia, tem-me sido recentemente uma ótima companhia de viagem; e com Arthur Schopenhauer, filósofo que muito me ajudou, junto a Montaigne e Espinoza, a formar juízos livres, a viver e a não…

Leia mais

“Acerca do budismo, Cioran e filosofia ocidental” (Paulo Borges)

CV – Em que medida um melhor conhecimento da filosofia oriental contribui para a transformação da reflexão filosófica da tradição ocidental? No seu caso, como é que o budismo influenciou o estilo de filosofia que pratica? PB – Conhecer as filosofias orientais – muito diversas entre si – é indispensável para conhecer melhor a própria…

Leia mais

Um místico sem absoluto: “Cioran, l’hérétique”, de Patrice Bollon (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

A biografia crítica de Patrice Bollon, Cioran, l’hérétique (1997) não acrescenta muita coisa, no que concerne ao tema da religião e da mística, em relação ao ensaio de Jaudeau (1990) – antes reitera o que já havia sido intuído e apontado pela antecessora (por exemplo, que se trata de um gnóstico sem deus e sem…

Leia mais

“Patandjáli e o Yoga” (Mircea Eliade)

Até meados do século passado, o doutor J. M. Honigberger assombrou o mundo científico relatando a história do yogin Hari-dâs. Em Láhaor [Lahore], na presença do marajá Ránjit Sing do Punjab e da sua corte, Hari-dâs se pôe em estado cataléptico e foi enterrado num jardim. Durante quarenta dias, uma guarda rigorosa vigiou a sua…

Leia mais

“Um pensamento religioso heterodoxo” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Eu não gostaria de viver em um mundo esvaziado de todo sentimento religioso. Eu não penso na fé, mas nessa vibração interior que, independente de qualquer crença, vos projeta em Deus, e às vezes acima. (Écartèlement) Clément Rosset e Fernando Savater estão de acordo sobre Cioran em ao menos um ponto. Segundo Rosset, o amigo…

Leia mais

Hinduísmo e budismo (Philipp Mainländer)

MAINLÄNDER, Philipp, Filosofia de la Redención. Edición original (1876) [Die Philosophie der Erlösung]. Introducción, traducción y notas de Manuel Pérez Cornejo. Madrid: Xorki, 2014, p. 260-66. Trad. do espanhol: Rodrigo Inácio R. Sá Menezes. Eu dissera anteriormente que a lei principal da civilização é o sofrimento, através do qual a vontade se debilita e o…

Leia mais

Entretien avec Cioran realisé par Michael Jakob (1989)

A près de 80 ans, Emil Cioran se disait toujours habité par les insomnies qui l’avaient cueilli très jeune, à l’âge où il était encore lycéen, en Roumanie. Un asile fécond puisqu’on doit une partie de son oeuvre à ces nuits sans sommeil et cependant “une malédiction”, confiait l’auteur roumain en 1989. Lucide ou suicidaire,…

Leia mais

“As revelações da insônia: escritura e autobiografia em Cioran” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

Versão revisada e ampliada a partir do original “Les révélations de l’insomnie : écriture et autobiographie chez Cioran”, in Anale. Seria Drept, volumul XXVII (2018), la editura Mirton Timisoara, ISSN 1582-9359. Facultatea de Drept şi Administraţie Publică, Universitatea Tibiscus din Timişoara. [Baixar PDF] Resumo: Toda autobiografia espiritual é uma canção do eu, escreveu Harold Bloom. Esta…

Leia mais

Entrevista com John Gray: “O conhecimento não liberta o homem, apenas aumenta seu poder”

FRONTEIRAS DO PENSAMENTO por Thereza Venturoli, 14/12/2016 “A mensagem central de Cachorros de Palha não é de desesperança, mas de libertação. O que eu pretendo é sugerir ao leitor: leve sua vida da maneira mais bela e inteligente possível, pois o destino da Terra não está sobre seus ombros. Na verdade, foi assim que viveu a maioria dos milhões…

Leia mais

“The Buddhists, the Gnostics and the Antinomistic Societies, or the Arabian Sea in the first-second century AD” (Giovanni Verardi)

Annali dell’Istituto Orientale di Napoli 57, 1997, 323–46. THIRTY YEARS AGO, at the Colloquium on the origins of Gnosticism held in Messina, Edward Conze palced in evidence the numerous phenomenological aspectos common to Gnosticism and Buddhism, and more precisely, accepting the methodological and chronological limits established by Ugo Bianchi, to Buddhism and Gnosis. He cautiously…

Leia mais

O budismo e o “silêncio sobre Deus”: entrevista de Faustino Teixeira à monja Coen Roshi

Blog da monja Coen Roshi NEM ATEU, NEM NIILISTA. Esses adjetivos são incorretos para se entender o budismo, que advoga o “silêncio sobre Deus” como uma maneira de questionar as “tentativas ilusórias e problemáticas que acompanham as tradicionais perguntas sobre Deus: muitas vezes são perguntas incorretas, indevidas e lesivas da “transcendência da realidade à qual…

Leia mais

“As duas verdades” (E.M. Cioran)

“É hora de encerramento nos jardins do Ocidente.” CYRIL CONNOLLY SEGUNDO UMA LENDA de inspiração gnóstica, travou-se no céu uma luta entre os anjos, em que os partidários de Miguel derrotaram os do Dragão. Os anjos que, irresolutos, contentaram-se em observar, foram condenados aqui abaixo afim de fazerem a escolha à qual não se puderam…

Leia mais

“An Indian philosophy of universal contingency: Nagarjuna’s school” (Fernando Tola & Carmen Dragonetti)

The Normal Experience and the Philosophical Study of the Empirical Reality The ordinary experience reveals to us a reality composed of beings and things which present themselves as existing in se et per se, as compact, continuous and unitary, as permanent and as real, i.e. as being such as we perceive them. The Madhyamika school…

Leia mais

“Mas, Cioran, atman ou anatman? Eis a questão…” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“A vida é o lugar de minhas paixões: tudo o que arranco da indiferença, restituo-lhe quase imediatamente. Não é esse o procedimento dos santos: escolhem de uma vez por todas. Vivo para desprender-me de tudo o que amo; eles, para embevecer-se com um só objeto; eu saboreio a eternidade, eles se abismam nela.” Breviário de…

Leia mais

“Paleontologia” (E.M. Cioran)

Bendito aquele tempo em que os solitários podiam explorar seus abismos sem parecerem obsessos, dementes. Seu desequilíbrio não estava afetado por um coeficiente negativo, como é o nosso caso. Sacrificavam dez, vinte anos, toda uma vida, por um pressentimento, por um relâmpago de absoluto. A palavra “profundidade” só tem sentido se aplicada às épocas em…

Leia mais

Carta de Cioran a Roland Jaccard

Paris, 25 de novembro de 1978 Caro Senhor, O pensamento freudiano é fundamentalmente “anti-utópico”, você diz. É em virtude da sua visão lúcida do futuro que Freud sempre me interessou. De resto, eu amiúde me pergunto como alguém tão clarividente assim pode ter elaborado uma terapêutica, como sobretudo ele pôde crer em qualquer forma de cura…

Leia mais

“Cioran ou a vertigem da liberdade” (Rodrigo Inácio R. Sá Menezes)

“O bem-sucedido em tudo é necessariamente superficial. O fracasso é uma versão moderna do nada. Ao longo da minha vida, estive fascinado pelo fracasso. Um mínimo de desequilíbrio impõe-se. Ao ser perfeitamente sadio física e psiquicamente falta um saber essencial. Uma saúde perfeita é a-espiritual.” (Entrevistas com Sylvie Jaudeau) “O despertar independe das capacidades intelectuais:…

Leia mais

“Zen pessimism: on E. M. Cioran and non-being” (Brad Baumgartner)

CYCLOPS JOURNAL — A journal of Contemporary Theory, Theory of Religion and Experimental Theory, no. 1, London, 2016, p. 10-26. [Pdf] Shock to the System Unlike systematic philosophers, many of whom spend large swaths of time grappling with the fastidious organization of their ideas, pessimist philosopher E. M. Cioran gained a reputation for dismantling the so-called…

Leia mais

“Traces of buddhism in the works of Cioran” (Marius Dobre)

European Journal of Science and Theology, June 2013, Vol.9, No.3, 95-104 Abstract: Emil Cioran spoke repeatedly about the injustice of birth, life and death. I chose these three themes of reflection to highlight any similarities between the Buddhist doctrine and Cioran’s philosophy. But is Cioran an authentic Buddhist? Despite the connections made between him and…

Leia mais

“Le Mauvais Démiurge, de Emil Cioran” (Rodrigo I. R. Sá Menezes)

A liberdade é, para mim, o direito de ser herético. Eu não poderia viver num estado no qual vigora uma filosofia oficial; porque sou, por temperamento, um herético, e por isso mesmo um apóstata. A liberdade representa para mim não apenas a possibilidade de pensar diferentemente em relação aos outros, mas também de viver as…

Leia mais

“Cioran e la dottrina Madhyamaka” (Giovanni Prove)

Euro-Synergies, 14 février 2013 Chi era Emil Cioran? Spesso quando menziono questo scrittore sono molti quelli che subito storcono il naso, considerando il rumeno un semplice filosofo depresso e nichilista. Errato, classica osservazione di chi ha capito poco della “filosofia” frammentaria di Emil Cioran. Ciò che ha rappresentato questo grandissimo scrittore non può certamente ridursi alla…

Leia mais